Hipersensibilidade Imediata

Acadêmicos:

Mariana Sales

Sony Mary Alencar

Lauane Borges

Maxsuany Queiroz

Naiana Deodato

Simone Santos

Introdução

  • Refere-se às reações excessivas, indesejáveis (danosas, desconfortáveis e às vezes fatais) produzidas pelo sistema imune normal, hipersensibilidade requer um estado pré-sensibilizado (imune) do hospedeiro.

  • Podem se tornar hipersensibilizados por circunstâncias ligadas ao antígeno ou a condições imunológicas no momento do contato.

  • São classificadas três tipos de Hipersensibilidade imediata, ou seja, são reações que ocorrem entre o espaço de tempo e o segundo contato do organismo sensibilizado.

Classificação dos distúrbios de Hipersensibilidade

  • Segundo Coombs e Gell na sua classificação de 1983 existem 4 tipos de Hipersensibilidade:

  • Tipo I ou Reações anafiláticas: Hipersensibilidade mediata, mediada por anticorpos IgEs (2-30min.) asma, eczema, anafilaxia.

  • Tipo II Reações Citotóxicas: Hipersensibilidade citotóxica mediada por anticorpos citotóxicos IgM e IgG (5-8 horas)transfusões de sangue.

  • Tipo III Reações por Imunocomplexos: Hipersensibilidade mediada por imunocomplexos IgM e IgG (2-8 horas) artrites, glomerulonefrites.

  • Tipo IV Hipersensibilidade Tardia: Hipersensibilidade mediada por células (24-72 horas) teste DTH tuberculina

Hipersensibilidade Tipo I

Tipo I

  • Hipersensibilidade Imediata 15 a 30 min.

  • Ação rápida

  • Conseqüência dos anticorpos específicos( IgE)

  • As respostas dependem do tipo de antígeno, da via

de entrada e da intensidade da resposta imune.

Mecanismos de ação

  • Os mastócitos ligam-se à IgE via

receptores Fc; no encontro com o

antigénio -alergénio, a IgE fica em ligação cruzada induzindo a

desgranulação e libertação de

mediadores vasoactivos dos mastócitos.

  • Produção de mediadores

  • Ex: reinite alérgica, asma, alergia a

comida

Tipos de Anafilaxia

  • Sistêmica o antígeno entra pela segunda vez na corrente sanguínea, apresentando reações localizadas dependente da via de contato com o antígeno.

  • Passiva Ocorre quando a contato com o alérgeno que sensibilizou o doador. Ex: Transfusão de sangue.

Regulação da síntese de IgE

  • A síntese de IgE é regulada por diversos fatores entre eles os principais encontramos.

Receptores para Fc de IgE

  • FC€RI( receptor especifico para a cadeia pesada €)

  • Cada receptor é formado por 4 cadeias polipeptídicas α, β,

  • IgE se liga a cadeia α.

  • β citoplasma

  • Na presença de mastócitos e basófilos a FC€RI é regulada pela IgE.

  • FC€RII ou CD23 baixa afinidade (relacionada mais a mamíferos).

Métodos de detecção e dosagem de IgE

Propriedade citofilíca, e alérgeno Divide-se em 2 grupos

Dosagem de IgE no soro

1° GRUPO:

Teste cutânea

Teste de provocação

Teste de P-K ( Prausnitz-kustner)

Teste de PCA ( Passsive cutaneous anaphylaxis)

Dosagem de histamina ou enzimas liberadas de leucócitos

RAST

2° GRUPO

RIST

Teste imunoenzimático

Mecanismos de ativação das células envolvidas na anafilaxia(Mastócitos e Basófilos)

  • 1° etapa ocorre a ligação de duas moléculas de IgE adjacentes formando ligações para a aproximação dos receptores de IgE.

  • Ocorre a aproximação dos receptores formando a Tirosina Quinase LYN.

  • Fosforilação da proteína tirosina Quinase SYK agindo sobre outros substratos e nas proteínas adaptadoras.

  • Após a Fosforilação da Syk haverá a catalise de diacilgicerol.

  • Proteína Quinase C ( PKC) fosforila as cadeias da miosina.

  • IP3 promove a liberação do Ca++² do reticulo endoplasmático para a dependência da PKC.

  • Ca++² combinam-se para ativar a fosfolipase A2.

  • A ativação dos mastócitos via Fc€RI é regulada pelo receptor inibitório FcyRIIb.

Mediadores da Anafilaxia

  • Pré-formados

  • Histamina

  • Serotonina

  • TNF-α

  • Enzimas e Proteoglicanos

  • Mediadores neoformados

  • Mediadores lipídicos

  • Citocinas

Controle das reações anafiláticas

  • 1- evitar activação crónica dos linfócitos B e basófilos ( redução de exposição ao alergénio)

  • 2- inibição da resposta ao alergénio (terapia de hiposensibilização)

  • 3- bloquear produção e função de mediadores ( corticóides e anti-histamínicos)

  • 4- tratamento sistémico da anafilaxia ( adrenalina)

Hipersensibilidade Tipo II

Tipo II

  • Hipersensibilidade imediata

  • Tempo de resposta de Min. – Hs.

  • Antígenos presentes na

superfície das células com

anticorpos do tipo IgG e IgM.

  • Recrutamento e ativação de

leucócitos dependentes de

receptores para Fc.

Lesão tecidual

Reações por anticorpos

  • Os melhores exemplos deste tipo de reacções ocorrem em respostas a eritrócitos - Transfusões de sangue (individuo que recebe uma transfusão e possui anticorpos pré-existentes contra o mesmo).

  • Ex: Eritroblastose fetal

Reações Autoimunes

  • Destrutivas : o anticorpo reage com o próprio antigénio ao nivel da superficie celular – como é o caso das anemias hemolíticas autoimunes (oposto das hereditárias ou das que envolvem algum tipo de deficiência enzimática)

  • Bloqueadoras: o autoanticorpo bloqueia o receptor sobre a superfície da célula correspondente, impedindo a sua actuação como ligando natural do dito receptor, ex: Miastenia gravis

  • Ativadoras: estas últimas também tem vindo a denominar-se como estimuladoras, pois aqui os autoanticorpos funcionam como agonistas, ex: hipertiroidismo

Hipersensibilidade Tipo III

Tipo III

  • Hipersensibilidade Imediata

  • Tempo de resposta 3 – 8 Hs

  • São produzidas pela presença de imunocomplexos circulantes

  • A reação ocorre através da entrada de antígenos solúveis no organismo e união da IgG.

  • Produção de C5a

  • Presença de infiltrado linfocitário

  • Doenças: Lúpus, glamerulonefrites, artrite reumatóide.

Mecanismo de lesão

Persistência por imunocomplexos

  • Complexos imunes são presentes no nosso sistema e geralmente removidos de maneira eficaz; ocasionalmente ocorrem doenças- reacções hipersensiveis tipo III- quando estes complexos não são removidos.

Doenças por imunocomplexos

  • Sistêmicas: ex Hanseníase, malária, dengue hemorrágica, hepatite viral, endocardite estafilocócica.

  • Agudas, crônicas ou doenças auto-imunes Lúpus eritematoso sistêmico, artrite reumatóide, poliomiosite.

  • Mecanismo utilizados para a descoberta das doenças sistêmicas por imunocomplexos.

  • Doença do Soro

  • Doença do soro aguda

  • Doença do soro crônica

  • Doenças localizadas por Imunocomplexos.

  • Reação de Arthus

  • Pneumonites por hipersensibilidade

  • Doença Pulmonar do fazendeiro

Principais Causas de doenças por imunocomplexos

  • a) infecção persistente (antigenio microbiano)

  • b) defeito intrínseco no sistema de depuração ou no sistema fagocítico

  • c) extrinseco (antigenio ambiental)

  • Na presença de grandes quantidades de imunocomplexos o sistema mononuclear fagocítico fica sobrecarregado podendo estes persistir e demonstrando afinidade para tecidos particulares em doenças particulares.

Hipersensibilidade Tipo IV

(Tardia)

Tipo IV

  • Hipersensibilidade Tardia 48 a 72 hs.

  • Ocorre após o contato com antígeno retardada

  • Mediada por Cels. Dendriticas, macrófagos, Linfócitos T.

  • Predomínio de fagócitos mononucleares

  • A grande quantidade de tecido lesionado constitui uma forma de reacção contra agentes patogénicos intracelulares que incluem bactérias, parasitas e substâncias tóxicas.

  • Ao contrário da hipersensibilidade imediata, nesta as células que intervém são linfócitos Th1

Tipo IV

Tipo IV

  • As reacções do tipo IV reconhecem-se como retardadas pois ocorrem 1 ou máis dias após o contacto com o antigénio inoculado.

  • O antigénio interage com linfócitos TCD4+ e colaboradores, produtores de citoquinas como o IFN-γ que causam uma acumulação primeira de neutrófilos e depois de macrófagos no sítio da lesão, daí que em estudos anatomico-patológicos se encontre um infiltrado mononuclear rico em linfócitos T , monócitos e macrófagos, cuja activação causam o dano tecidular

  • Resumindo, este tipo de reacção pode ser : a prova da tuberculina, a produção de granulomas ou a dermatite de contacto.

Doenças que se fazem acompanhar de granulomas

  • infecciosas ( Coxiella burnetti,Listeria…)

  • micobacterioses ( lepra e tuberculose)

  • Silicose: doença pulmonar rara causada pela inalação de silica, ocorrendo inflamação e danificação tecidular - ”industrial lung disease

Reações

  • Prova da Tuberculina

Inicialmente descrita por Koch como a reacção á injecção subcutânea de antigénios micobacterianos, é atualmente conhecida como a reacção de Mantoux; neste teste PPD é injectado na pele e passadas 72 horas é analisado o edema avermelhado- influxo de células dendríticas, células T e macrófagos ao local

  • Produção de granulomas

A persistência do antigénio, devido ao seu escape ou impossibilidade de eliminação leva á estimulação crónica de células TCD4+ e á contínua produção de citoquinas; a fusão de macrófagos infectados e a proliferação de fibroblastos leva ao granuloma, ex. TB e Lepra

  • Sensibilidade por contacto

Pode ser causada por um pequeno número de moléculas- dermatite, constituintes de agentes químicos ou outros produtos; na pele há uma exacerbação das APC- cél. De Langerhans, que apresentam o antigénio ás células T CD4+, Th1: a subsequente reacção envolve a libertação de citoquinas que causam vasodilatação e pustulas localizadas

Tipo I versus Tipo IV

Referências Bibliográficas

  • CALICH.V. ; VAZ C. IMUNOLOGIA 2ªed

  • OBRIGADA...

Comentários