(Parte 1 de 6)

Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva

Ministro da Educação Fernando Haddad

Secretário Executivo José Henrique Paim Fernandes

Secretária de Educação Especial Claudia Pereira Dutra ministério da educação secretaria de educação especial

Saberes e práticas da inclusão avaliação para identificação das necessidades educacionais especiais

Brasília − 2006

Saberes e práticas da inclusão : avaliação para identificação das necessidades educacionais especiais. [2. ed.] / coordenação geral SEESP/MEC. - Brasília : MEC, Secretaria de Educação Especial, 2006. 92 p. (Série : Saberes e práticas da inclusão)

CDU: 376.014.53 CDU 376.2

Coordenação Geral SEESP/MEC

Consultoria Rosita Edler Carvalho

Revisão Técnica Francisca Roseneide Furtado do Monte Denise de Oliveira Alves

Revisão de Texto Maria de Fátima Cardoso Telles

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)

Série: SABereS e PrÁTiCAS DA iNCLUSÃO

Avaliação para Identificação das Necessidades Educacionais Especiais

Apresentação

Prezado (a) Professor (a),

A Educação Especial, como uma modalidade de educação escolar que perpassa todas as etapas e níveis de ensino, está definida nas Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica que regulamenta a garantia do direito de acesso e permanência dos alunos com necessidade educacionais especiais e orienta para a inclusão em classes comuns do sistema regular de ensino.

Considerando a importância da formação de professores e a necessidade de organização de sistemas educacionais inclusivos para a concretização dos direitos dos alunos com necessidade educacionais especiais a Secretaria de Educação Especial do MEC está entregando a coleção “Saberes e Práticas da Inclusão”, que aborda as seguintes temáticas:

Caderno do coordenador e do formador de grupo.
Desenvolvendo competências para o atendimento às necessidades
Desenvolvendo competências para o atendimento às necessidades
Desenvolvendo competências para o atendimento às necessidades
Desenvolvendo competências para o atendimento às necessidades

. Recomendações para a construção de escolas inclusivas. educacionais especiais de alunos surdos. educacionais especiais de alunos com deficiência física/neuromotora. educacionais especiais de alunos com altas habilidades/ superdotação. educacionais especiais de alunos cegos e com baixa visão. . Avaliação para identificação das necessidades educacionais especiais.

Desejamos sucesso em seu trabalho.

Secretaria de Educação Especial

Sumário

Introdução O Processo de Avaliação na Escola: revendo conceitos e posições113

19A Avaliação como Processo de Tomada de

Decisões para Fundamentar as Respostas Educativas

19A importância da avaliação, sua finalidade e objetivos ou, para quê e por quê avaliar 2.1

21Avaliadores e avaliados ou quem avalia, a quem avalia, que avalia, como e com que 2.2

32As necessidades educacionais especiais dos alunos como objeto da avaliação 2.3

38As necessidades educacionais extrínsecas aos alunos como objeto de avaliação 2.4

45Construindo um Novo Modelo para a Identificação de Necessidades Educacionais Especiais

50O contexto educacional como âmbito da avaliação: dimensão e aspecto 3.1

Apontando Caminhos para Remover Barreiras para a Aprendizagem e para a Participação de toda a Comunidade Escolar

61O aluno como âmbito da avaliação: dimensões e aspectos 3.2

74A família como âmbito da avaliação: dimensões e aspectos 3.3

85Conclusões5 89Bibliografia6

78Algumas sugestões operacionais3.4

TEmPO PREvISTO 16 horas

FINALIDADE Subsidiar os sistemas de ensino na reflexão dos seus atuais modelos de avaliação.

EXPECTATIvAS DE APRENDIZAGEm Ao final deste módulo, o professor deverá ser capaz de:

COMPREENDER A AVAlIAçãO COMO uM PROCESSO PERMANENTE E CONTíNuO, COMPARTIlHADO POR TODOS OS quE ATuAM NA ESCOlA;

Identificar os elementos que intervêm no processo de ensino e de aprendizagem: o aluno, o contexto escolar (escola e sala de aula) e o contexto familiar;

Rever as práticas pedagógicas e a fundamentação teórica que as embasa;

Identificar as necessidades educacionais especiais dos alunos;

Considerar as diferenças individuais dos alunos, valorizando as competências de cada um e a diversidade;

Introdução

O presente documento inspira-se na intensificação dos movimentos em prol da efetiva melhoria da qualidade da educação para todos e com todos, oferecida em escolas que:

- funcionem como sistemas abertos;

- criem condições para que seus atores também sejam autores das ações educativas; - se estruturem para funcionar como comunidades de aprendizagem;

- busquem os meios necessários para remoção de barreiras para a aprendizagem e para a participação de todos, com todos e para toda a vida, isto é, - escolas que sejam inclusivas.

(Parte 1 de 6)

Comentários