Indicadores de manutenção industrial

Indicadores de manutenção industrial

(Parte 1 de 2)

Eric Lenon Petrilli Manutenção Industrial 4º Semestre

A utilização de indicadores de manutenção se faz presente em quase todas as empresas atualmente, pois é através deles que melhorias podem surgir, a fim de, garantir uma boa qualidade na manutenção. A manutenção ao longo do tempo adquiriu conceitos e objetivos diferentes, e hoje em dia, ela já engloba até panoramas de sustentabilidade, por esta razão que, se faz cada vez mais presente a utilização de indicadores. O objetivo desse artigo é mostrar a importância dos indicadores de manutenção, bem como, conceituá-los. Será feito também um estudo de caso através de indicadores gráficos de uma determinada empresa, mostrando na prática, a utilidade de um indicador. Palavras-chave: Indicadores de manutenção; Qualidade na manutenção; Indicadores gráficos.

1. Introdução

São os indicadores de manutenção, ou melhor dizendo, de “performance”, que nos dão uma clara ideia de quantificação e acompanhamento de processos, neutralizando a subjetividade, propiciando as correções necessárias. Ou seja, indicadores são a base para a tomada de decisões, pois eles são dados concretos que nos revelam o que realmente está ocorrendo em determinado processo.

Segundo Júlio Nascif Xavier, indicadores são medidas ou dados numéricos estabelecidos sobre os processos que queremos controlar.

A manutenção que antes era vista como prejuízo financeiro, hoje é vista como algo de muito valor para uma empresa tendo como objetivo a redução dos custos de produção ou serviços juntamente com melhorias nos processos bem como na qualidade, havendo dessa forma equipamentos com menor número de quebras, maiores produtividade do setor, melhoria nos produtos deixando clientes mais satisfeitos, empresa mais competitiva, trabalhadores motivados, aumento do lucro da empresa com possível aquisição de novos maquinários e aumento no quadro de funcionários, entre outros benefícios oriundos de uma boa gerência da manutenção, e estes, sendo realizados através de controles eficientes que possibilitem uma visão ampla do que realmente está ocorrendo, sendo estes controles eficientes, advindos dos indicadores de manutenção.

Segundo Terry Wiremann (apud Xavier), “A Gerência da manutenção é o gerenciamento de todos os ativos adquiridos pela empresa baseada na maximização do retorno sobre o investimento nos ativos”.

Mas, vale mencionar que, os indicadores devem acompanhar os processos através de seus aspectos principais e não particulares.

E ainda, é melhor ter poucos indicadores importantes e acompanhá-los bem a se ter vários indicadores e não conseguir acompanhá-los de maneira efetiva e eficiente.

A seguir, destacaremos alguns dos vários indicadores de manutenção e mais adiante, falaremos sobre eles:

Distribuição da atividade por tipo de manutenção – corretiva, preventiva, preditiva, detectiva e engenharia de manutenção. Estoque de materiais Resultados Operacionais – disponibilidade e confiabilidade. Custos e Resultados.

Resultados particulares em Preventiva, Preditiva, Detectiva e Engenharia de Manutenção. Paradas de manutenção – grandes serviços. Programas ligados à melhoria e bem estar dos funcionários – Moral. Segurança no Trabalho.

Os itens listados constituem os blocos sobre os quais serão propostos os indicadores de desempenho.

2. Distribuição da atividade por tipo de manutenção Corretiva, preventiva, preditiva, detectiva e engenharia de manutenção.

Esse indicador revela qual o percentual da aplicação de cada tipo de manutenção está sendo desenvolvido. Nos países de primeiro mundo, considera-se que a manutenção corretiva não planejada deve ficar restrita a, no máximo, 20% enquanto os percentuais de preditiva, detectiva e engenharia de manutenção crescem. De um modo geral, tanto no Brasil quanto nos Estados Unidos a manutenção preventiva oscila entre 30 e 40% na média. Evidentemente o tipo de instalação ou equipamento pode determinar variações para mais ou menos nesses valores.

O gráfico abaixo mostra um exemplo de distribuição do tipo de manutenção em uma determinada empresa.

No contexto desse indicador principal, podemos ter vários outros indicadores:

2.1 Paradas de equipamento causadas por falhas não previstas

Total de horas paradas

Este é um indicador da eficácia do acompanhamento preditivo e do acerto do plano de manutenção preventiva da empresa. Quanto maior o seu valor, menor o acerto, ou seja, maior o número de horas paradas por falhas não previstas.

Segundo Xavier, atualmente a grande virtude da manutenção não é reparar os equipamentos de modo rápido, mas prever e evitar as falhas dos equipamentos, instalações.

2.2 Total de H (Homem-Hora) gastos em reparos de emergência

É outra maneira de avaliar o acerto da política de preventiva e preditiva da manutenção. Reparos em emergência são definitivamente indesejáveis. Quanto menor esse indicador, maior deverá ser a confiabilidade da instalação.

Total de Homens Hora aplicados

3. Total de horas paradas por intervenção da Preventiva

Este indicador permite uma avaliação do quanto o programa de manutenção preventiva influi nas horas paradas de equipamentos na planta. Pode ser avaliado em função do total de horas paradas ou relacionado, também, com interferências ou perdas na produção pela necessidade de intervenção para cumprimento do plano de preventiva.

É preciso ter em mente que se o plano de preventiva influi no processo produtivo, faz-se mudar a forma de atuação com a introdução de técnicas preditivas que permitam o acompanhamento sem retirar o equipamento de operação.

Total de Horas Paradas

3.1 Cumprimento dos planos de manutenção preventiva e preditiva

Tarefas programadas no programa de Manutenção Preventiva

O valor desejável é 100%. Valores menores permitirão analisar as causas do não cumprimento que passa entre outras coisas pela falta de comprometimento com o plano da própria manutenção; não liberação pela produção; excesso de manutenção corretiva absorvendo a mão de obra disponível, etc.

4. Estoque de Materiais

Eliminação de materiais sem consumo. Não manter em estoque itens que possam ser adquiridos, imediatamente, na praça. Estoque 100% confiável.

4.1 Itens Inativos

Total de Itens no Estoque

4.2 Falta de material

Total de ordens de trabalho emitidas

5. Cumprimento da Programação

Este aspecto que está ligado ao planejamento e coordenação dos serviços é a relação serviços programados – serviços executados. Além de medir como está andando o planejamento indica, mesmo que indiretamente, a confiabilidade da instalação.

H serviços executados

6. Tempo Médio Entre Falhas

Número de intervalos observados

Se durante um ano o equipamento operou 200 horas, depois 450 horas, depois 4000 horas e finalmente 1400 horas, o MTBF será:

6.1 Tempo Médio de Reparo

Número de intervenções

7. Disponibilidade

Uma vez que tenhamos os valores do TMEF e do TMPR, podemos calcular a

Disponibilidade =TMEF

Convém relembrar que proporcionar a DISPONIBILIDADE dos equipamentos e instalações é o principal objetivo da manutenção.

7.1 Falhas repetidas

Total de falhas em equipamentos

(Parte 1 de 2)

Comentários