Sistema único de saude

Sistema único de saude

(Parte 1 de 3)

SISTEMA ÚNICO DE SAUDE (SUS).

  • O que é o SUS

  • Direitos dos Usuários do SUS

  • Ações e programas

  • O Sistema Único de Saúde (SUS) é um dos maiores sistemas públicos de saúde do mundo. Ele abrange desde o simples atendimento ambulatorial até o transplante de órgãos, garantindo acesso integral, universal e gratuito para toda a população do país.

  • O SUS foi criado, em 1988 pela Constituição Federal Brasileira, para ser o sistema de saúde dos mais de 180 milhões de brasileiros. Além de oferecer consultas, exames e internações, o Sistema também promove campanhas de vacinação e ações de prevenção e de vigilância sanitária – como fiscalização de alimentos e registro de medicamentos –, atingindo, assim, a vida de cada um dos brasileiros.

  • Antes da criação do SUS, a saúde não era considerada um direito social. O modelo de saúde adotado até então dividia os brasileiros em três categorias: os que podiam pagar por serviços de saúde privados; os que tinham direito à saúde pública por serem segurados pela previdência social (trabalhadores com carteira assinada); e os que não possuíam direito algum. Assim, o SUS foi criado para oferecer atendimento igualitário e cuidar e promover a saúde de toda a população.

  • Sistema constitui um projeto social único que se materializa por meio de ações de promoção, prevenção e assistência à saúde dos brasileiros.

  • Como deveria funcionar o atendimento (SUS):

  • Quando uma pessoa se sente doente ou deseja prevenir doenças, ou ainda precisa de orientação para uma vida mais saudável: deve procurar primeiramente a chamada unidade básica do SUS, que pode ser o Posto ou Centro de Saúde mais próximo de sua moradia ou de seu trabalho.

  • Se os profissionais da unidade básica diagnosticar que uma determinada doença tratável no Centro de Saúde, como hipertensão arterial, está se mostrando incontrolável: Deve exigir o atendimento especializado de cardiologista, aquela pessoa imediatamente será encaminhada, pelo próprio Posto ou Centro de Saúde, para outra unidade, que pode ser ambulatorial, um Posto de Atendimento Médico ou um hospital geral.

  • Caso a pessoa venha ainda a necessitar de uma internação, seu encaminhamento se dará, por fim, a um hospital especializado, conforme a prescrição médica apresentada.

  • Informações básicas:

    • Quando o município não possui todos os serviços de saúde, ele pactua (negocia e acerta) com as demais cidades de sua região a forma de atendimento integral à saúde de sua população. Esse pacto também deve passar pela negociação com o gestor estadual.

PRIMEIRO PRINCÍPIO: TODO CIDADÃO TEM DIREITO A SER ATENDIDO COM ORDEM E ORGANIZAÇÃO.

  • Quem estiver em estado grave e/ou maior sofrimento precisa ser atendido primeiro.

  • É garantido a todos o fácil acesso aos postos de saúde,especialmente para portadores de deficiência, gestantes e idosos.

  • SEGUNDO PRINCÍPIO: TODO CIDADÃO TEM DIREITO A TER UM ATENDIMENTO COM QUALIDADE.

  • Você tem o direito de receber informações claras sobre o seu estado de saúde. Seus parentes também têm o direito de receber informações sobre seu estado.Também tem o direito a anestesia e a remédios para aliviar a dor e o sofrimento quando for preciso.

  • Toda receita médica deve ser escrita de modo claro e que permita sua leitura.

TERCEIRO PRINCÍPIO:

TODO CIDADÃO TEM DIREITO A UM TRATAMENTO HUMANIZADO E SEM NENHUMA DISCRIMINAÇÃO.

  • Você tem direito a um atendimento sem nenhum preconceito de raça, cor, idade, orientação sexual, estado de saúde ou nível social.

  • Os médicos, enfermeiros e demais profissionais de saúde devem ter os nomes bem visíveis no crachá para que você possa saber identificá-los.

  • Quem está cuidando de você deve respeitar seu corpo,sua intimidade, sua cultura e religião, seus segredos, suas emoções e sua segurança.

  • QUARTO PRINCÍPIO: TODO CIDADÃO DEVE TER RESPEITADOS OS SEUS DIREITOS DE PACIENTE.

  • Você tem direito a pedir para ver seu prontuário sempre que quiser.

  • Tem também a liberdade de permitir ou recusar qualquer procedimento médico, assumindo a responsabilidade por isso. E não pode ser submetido a nenhum exame sem saber.

  • O SUS possui espaços de escuta e participação para receber suas sugestões e críticas, como as Ouvidorias e os Conselhos Gestores e de Saúde.

QUINTO PRINCÍPIO:

TODO CIDADÃO TAMBÉM TEM

DEVERES NA HORA DE BUSCAR ATENDIMENTO DE SAÚDE.

  • Você nunca deve mentir ou dar informações erradas sobre seu estado de saúde.

  • Deve também tratar com respeito os profissionais de saúde.

E ter disponíveis documentos e exames sempre que for pedido

SEXTO PRINCÍPIO:

TODOS DEVEM CUMPRIR O QUE DIZ

A CARTA DOS DIREITOS DOS USUÁRIOS DA SAÚDE.

      • Os representantes do governo federal, estadual e municipal devem se empenhar para que os direitos do cidadão sejam respeitados.

  • Trabalho em grupo:

Programas do SUS.

- HumanizaSUS

- QualiSUS

- UnaSUS

Programa de Promoção e Prevenção da Saúde

  • Direitos do cidadão à saúde.

  • Fundamentos para o autocuidado.

  • Planejamento Familiar.

  • O Ministério da Saúde realiza várias ações programas com a finalidade de trazer a saúde para perto do cidadão e, dar ao profissional, a especialização necessária para que ele possa exercer seu trabalho com mais qualidade.

  • SAMU 192

Prestar socorro à população em casos de urgência é a finalidade do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência e Emergência, do Ministério da Saúde. O SAMU realiza atendimento em qualquer lugar: residências, locais de trabalho ou vias públicas. O socorro é feito após chamada para o telefone 192. A ligação é gratuita e pode ser feita de qualquer lugar do país

  • Farmácia Popular do Brasil

O Farmácia Popular do Brasil é o programa do Ministério da Saúde criado para ampliar o acesso da população aos medicamentos essenciais. Reduzindo quase a zero o preço do medicamento.

  • Saúde da Família

O objetivo do Saúde da Família é atuar na promoção e manutenção da saúde das pessoas, bem como na prevenção de doenças, alterando, assim, o modelo de saúde centrado em hospitais. Lançado em 1993, o programa atende hoje 103 milhões de indivíduos. Além de visitar as casas dos brasileiros, profissionais de saúde fazem trabalhos educativos em escolas, creches e atendem nas Unidades Básicas de Saúde.

  • Programa Nacional de Combate à Dengue

A dengue é um dos principais problemas de saúde pública no mundo, onde as condições do meio ambiente, aliadas a características urbanas, favorecem o desenvolvimento e a proliferação do mosquito transmissor. Todos os anos, o Ministério da Saúde realiza campanha nacional de combate à doença. O sucesso dessa ação depende de você: como, em 90% dos casos, o foco do mosquito está nas residências, alguns cuidados devem ser adotados por todos.

  • Brasil Sorridente

O Brasil Sorridente é um programa que está presente em diversas ações do Ministério da Saúde e busca melhorar as condições da saúde bucal dos brasileiros de todas as idades. Nos anos 90, o Brasil avançou muito na prevenção e no controle da cárie em crianças, contudo, a situação de adolescentes, adultos e idosos ficou entre as piores do mundo. Lançado em 2004, o Brasil Sorridente têm promovido ações para reverter esse cenário.

  • Direitos do cidadão a saúde:

O Direito à saúde é parte de um conjunto de direitos chamados de direitos sociais, que têm como inspiração o valor da igualdade entre as pessoas.

No Brasil este direito apenas foi reconhecido na Constituição Federal de 1988, antes disso o Estado apenas oferecia atendimento à saúde para trabalhadores com carteira assinada e suas famílias, as outras pessoas tinham acesso a estes serviços como um favor e não como um direito.

  “A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para a promoção, proteção e recuperação”.

  • Fundamentos para o Autocuidado:

A estratégia do autocuidado fundamenta-se na concepção do homem como um ser capaz de refletir sobre si mesmo e seus ambientes, simbolizar aquilo que experimenta, desenvolver e manter a motivação essencial para cuidar de si mesmo e de seus familiares dependentes.

O autocuidado implica na execução de ações dirigidas pela e para a própria pessoa ou em direção ao ambiente com a finalidade de atender às necessidades próprias identificadas, de maneira a contribuir para a manutenção da vida, saúde e bem-estar.

  • Planejamento Familiar:

A atuação dos profissionais de saúde, no que se refere ao Planejamento Familiar, deve estar pautada no Artigo 226, Parágrafo 7, da Constituição da República Federativa do Brasil, portanto, no princípio da paternidade responsável e no direito de livre escolha dos indivíduos e/ou casais.

As instâncias gestoras do Sistema Único de Saúde (SUS), em todos os seus níveis, estão obrigadas a garantir à mulher, ao homem ou ao casal, em toda a sua rede de serviços, assistência à concepção e contracepção como parte das demais ações que compõem a assistência integral à saúde.

Uma questão fundamental desta Lei é a inserção das práticas da laqueadura de trompas e da vasectomia dentro das alternativas de anticoncepção, definindo critérios para sua utilização e punições para os profissionais de saúde que as realizarem de maneira inadequada e/ou insegura.

Neste sentido, o Planejamento Familiar deve ser tratado dentro do contexto dos direitos reprodutivos, tendo, portanto, como principal objetivo garantir às mulheres e aos homens um direito básico de cidadania, previsto na Constituição Brasileira: o direito de ter ou não filhos/as.

  • A atuação dos profissionais de saúde na assistência à anticoncepção envolve, necessariamente, três tipos de atividades:

- Atividades educativas

- Aconselhamento

- Atividades clínicas

Atividades educativas

  • As atividades educativas devem ser desenvolvidas com o objetivo de oferecer à clientela os conhecimentos necessários para a escolha e posterior utilização do método anticoncepcional mais adequado, assim como propiciar o questionamento e reflexão sobre os temas relacionados com a prática da anticoncepção, inclusive a sexualidade.

  • Seja qual for a metodologia utilizada, é de fundamental importância que as práticas educativas tenham um caráter participativo, permitindo a troca de informações e experiências baseadas na vivência de cada indivíduo do grupo. A linguagem utilizada pelo profissional de saúde deve ser sempre acessível, simples e precisa.

  • Aconselhamento

O aconselhamento é entendido como um "processo de escuta ativa individualizado e centrado no indivíduo. Pressupõe a capacidade de estabelecer uma relação de confiança entre os interlocutores visando o resgate dos recursos internos do indivíduo para que ele tenha possibilidade de reconhecer-se como sujeito de sua própria saúde e transformação" (CN DST/AIDS – MS, 1997).

  • Esta prática pressupõe:

(1) A identificação e acolhimento da demanda do indivíduo ou casal, entendida como suas necessidades, relacionadas às questões de planejamento familiar e prevenção das DST/AIDS;

(2) Avaliação de risco individual ou do casal, para a infecção pelo HIV e outras DSTs;

(3) O reconhecimento pelo profissional de que o sucesso a ser alcançado depende da ação conjunta dos interlocutores (profissional e indivíduo ou casal).

  • Atividades Clínicas

As atividades clínicas devem ser realizadas levando-se em conta que todo e qualquer contato que a mulher venha a ter com os serviços de saúde deve ser utilizado em benefício da promoção, proteção e recuperação da sua saúde. De tal forma que a primeira consulta deve ser feita após as atividades educativas incluindo: a anamnese; exame físico geral e ginecológico,

Drogadição: Aspectos sociais, Econômicos, Familiares e Religiosos

(Parte 1 de 3)

Comentários