Estudo sobre instalação PEX

Estudo sobre instalação PEX

(Parte 1 de 2)

Sistemas PEX

Por Carlos Fernandes & Túlio Martins

Campina Grrande,

Julho/2010

Sistemas PEX

1. Introdução

O sistema PEX predial de instalações hidráulicas composto por tubos flexíveis que pode ser utilizado tanto para água fria quanto para água quente. Também pode ser utilizada em sistemas de aquecimento solar, ar condicionado e sistemas de refrigeração e calefação. É formado por um conjunto de produtos constituído de tubos de polietileno reticulado flexível, os tubos PEX, e conexões metálicas, para execução completa de instalações hidráulicas (colunas, recalque, ramais e sub ramais).

Cada trecho PEX é composto por dois tubos flexíveis à semelhança de um sistema de uma instalação elétrica. Na instalação elétrica os condutores de eletricidade (fiação) partem de um quadro de distribuição de luz e força (QDLF) dentro de eletrodutos até os pontos de consumo (tomadas, pontos de luz, etc.).

No sistema PEX o tubo flexível de polietileno reticulado, responsável por conduzir a água é introduzido em um tubo de maior bitola, em polietileno de baixa densidade, também chamado de tubo bainha, que serve de guia, a semelhança do eletroduto com a sua fiação interna. A distribuição de água dentro de um ambiente é feita a partir de um distribuidor também chamado de manifold que pode ser comparado a um pequeno barrilete (Figura 1). Em uma futura manutenção é só substituir o tubo PEX do ponto do manifold até o ponto de consumo sem quebrar revestimentos e paredes.

Figura 1a – Esquema de instalação PEX em um WCB com água quente

(tubulação vermelha) e fria (tubulação azul)

O polietileno é uma resina plástica composta de macromoléculas lineares constituídas de hidrogênio e carbono em ligações alternadas. A reticulação é um processo que consiste na retirada do hidrogênio do sistema, fazendo com que o material resultante das novas ligações espaciais carbono-carbono adquiram propriedades comerciais para determinados produtos industriais.

A vantagem primordial do sistema PEX é garantir acessibilidade total às instalações para que em caso de eventual manutenção, os condutores de fluido possam ser substituídos sem que se quebre paredes. Outra importante propriedade construtiva é ser totalmente compatível com o sistema de paredes divisórias com painéis de gesso acartonado, em franco crescimento mundial (Figura 2).

Figura 1b – Condutores, conetores e PEX

O sistema já é muito utilizado na construção de banheiros pré-fabricados especialmente para edifícios comerciais e hotéis. Os banheiros chegam prontos na obra e são içados até o local através de gruas. Com o banheiro fixado no local, é só fazer as ligações da alimentação do manifold, das saídas de esgoto e da instalação elétrica.

2. Funcionamento

A distribuição de água dentro de um ambiente é feita a partir de um distribuidor, também chamado de manifold, que pode ser comparado a um pequeno barrilete, e que fica embutido dentro de uma caixa apropriada na parede ou mesmo sob o piso se for conveniente (Figura 2).

Figura 2a – Instalação recomendada

Se for utilizado uma bacia com caixa de descarga embutida o distribuidor deve ficar instalado no mesmo espaço da caixa de descarga para facilitar a instalação e o acesso para futura manutenção. Em caso de manutenção é só substituir o tubo PEX do ponto do manifold até o ponto de consumo sem quebrar o revestimento ou a própria parede.

Deve-se prever acesso a todas as conexões do sistema. A instalação do sistema PEX também pode ser feita de forma tradicional, porém qualquer manutenção ficaria dificultada pois as derivações com tês podem ficar em locais de difícil acesso. Esta opção é mais tolerável se a vedação do ambiente for feita com painéis de gesso acartonado (dry wall) ao invés de alvenaria tradicional e o acesso aos pontos de derivação será mais fácil.

Figura 2b – Instalação tradicional com conexões em “tê”

(mais econômica , mas não recomendada)

Figura 2c – Modelos das instalações

2. Materiais das canalizações

2.1. Tubos

Em geral os tubos são embalados em bobinas flexíveis e as conexões mecânicas são metálicas como latão, por exemplo. Como a ABNT ainda não publicou normas sobre o assunto, os fabricantes de PEX seguem especificações da ISO internacional, DIN16892 e DIN16893 alemãs ou UNE espanhola, entre outras, conforme interesse do fabricante ou de seu representante no território nacional. A poderosa empresa nacional Tigre S.A., originária de Joinvile, Santa Catarina, por exemplo, segue a norma de fabricação internacional ISO 15875 e fabrica os tubos PEX TIGRE de dois tipos: Monocamada e Multicamada.

O Monocamada, para Pressão máxima de 60m.c.a. a 80ºC, são fabricados de PEX de grande flexibilidade e durabilidade. Não são afetados por aditivos derivados do cimento. São fornecidos em bobinas de 100 metros nas bitolas de 16mm e 20mm e em bobinas de 50 metros nas bitolas de 25mm e 32mm.

O Multicamada, mais resistente, para Pressão máxima de 100m.c.a. e temperatura máxima de 95ºC, são fabricados com uma camada de alumínio em seu interior, que é separada com o auxílio de um adesivo entre as partes de PEX e o alumínio, que absorvem a expansão térmica, evitando, assim, a formação de trincas nos tubos. São fornecidos nas mesmas condições de embalagem dos anteriores. Outros fabricantes produzem diâmetros maiores, como a espanhola Barbi, mostrados na Figura 1.

Neste item é importante que o construtor procure comprar seu material de um fabricante que venda o sistema completo de tubos e conexões e disponibilize manuais dos seus produtos. Também é necessário averiguar se a mão de obra disponível tem experiência e possui projetos instalados com comprovadas condições de funcionamento.

Figura 3

Passagem do PEX pelos suportes de paredes DRY- WALL, sem o condutor-guia de polietileno de baixa densidade. No caso do sistema utilizar um tubo guia, o PEX pode ser aplicado após a etapa de revestimento.

A manutenção do controle da qualidade sobre os produtos fabricados e a disponibilidade de manual de aplicação são itens importantes que devem ser observados ao se adquirir os sistemas PEX. Também é essencial que se analise detalhadamente os vários materiais disponíveis no mercado, pois a inclusão ou ausência de certos itens importantes poderão resultar em muitas diferenças no preço do material e no andamento e qualidade da obra.

Deve-se seguir as recomendações dos fabricantes e fornecedores sobre os cuidados na manipulação do produto durante a obra e também quanto ao uso correto, para que o sistema mantenha o desempenho previsto no projeto. É fundamental que se observe rigorosamente as orientações para execução dos serviços necessários a aplicação dos tubos guia e a posterior implantação dos tubos PEX e suas conexões.

2.2. Conexões

As conexões da linha PEX podem ser metálicas ou são feitas de polissulfona (PSU), plástico de engenharia de última geração com excelente desempenho hidráulico mesmo sob altas temperaturas, com bolsa metálica inoxidável e ponta embutida com anéis de borracha para vedação. As conexões de polissulfona são indicadas para tubulações de PEX, pois, além do excelente desempenho hidráulico pela baixa rugosidade do material, as conexões em PSU não sofrem corrosão e resistem a temperaturas superiores a 150°C.

As juntas da linha PEX são as mais simples de serem executadas dentre as soluções flexíveis, pois são executadas por crimpagem com a utilização de ferramentas apropriadas que as tornam mais rápidas e fáceis. Com duplo anel de borracha e anel (bolsa) de crimpagem de aço inox, as vedações das conexões são perfeitas e suportam pressões superiores a 100 m.c.a. (Figura 4)

Figura 4a – Processo de crimpagem

Figura 4b – Ferramentas e junta de roscas para tubo PEX e peça sanitária

(torneira, chave de bóia, registros etc)

2.3. Manifolds

É a conexão principal no sistema e tem a função de distribuir a água vinda de um ramal ou coluna para tubos de diâmetro menor, ou seja, os sub-ramais. Faz em uma única conexão a função de até 4 "tês" lado a lado. Cada saída do distribuidor alimenta um ponto de consumo de água. Disponíveis com 2, 3 e 4 saídas, nas bitolas de 1" e 3/4". Podem ser associados entre si, formando "manifolds" de 5 até 12 saídas. Para associações que formem até 7 saídas são utilizados distribuidores de 3/4". Acima de 7 saídas, são utilizados distribuidores de 1". As saídas sempre são de bitola única (Figura 5).

Figura 5 - O distribuidor/manifold a esquerda é composto de dois menores em série

(de 2 e 3 saída) e o da direita tem registro acoplado

Os manifolds são conectados às colunas, sendo que estas devem preferencialmente estar localizadas dentro de shafts contínuos e inspecionáveis. Na ausência destes, torna-se obrigatório o emprego do tubo bainha, dando-lhes condições de trabalho e também garantindo condições de substituição sem quebras. No caso das colunas de água quente, tanto as localizadas dentro de shafts, quanto às embutidas, deverão ser embutidas nos bainhas para efeito do melhor isolamento térmico.

Freqüentemente a derivação para os pavimentos é feita com a utilização de colares de tomada, mas tês também podem ser utilizados. As colunas deverão ser fixadas à estrutura por meio de braçadeiras, localizadas estrategicamente a cada pavimento. Suas extremidades serão tampadas por um cap de modo que permita a possibilidade de futuras operações de manutenção, reduções ou prolongamentos.

Na conexão do tubo PEX a um cap, a um registro de gaveta ou a um flange, deve ser colocado uma conexão roscada de diâmetro correspondente em cada extremidade do tubo. Algumas conexões típicas de roscas fêmeas são mostradas na Figura 5. Em vários projetos, em função dos diâmetros mais convenientes, as derivações podem ser de colunas de PVC para água fria ou de CPVC (Aquaterm da Tigre) quando água quente ou de outros materiais e marcas.

Figura 6 - Exemplos de conexões adaptadoras (TIGRE)

Um Sistema PEX, normalmente tem menos colunas que os sistemas convencionais, uma vez que as distâncias horizontais em tubulações PEX praticamente não requerem manutenção, pois as conexões existem apenas nas extremidades, diminuindo assim a perda de carga no sistema.

Figura 7 – Detalhes na caixa-abrigo do distribuidor

O posicionamento dos distribuidores devem ser o mais discretos possíveis. Em apartamentos, por exemplo, são recomendáveis na área de serviço, embaixo dos lavatórios, atrás da porta do banheiro,, dentro de shafts etc. ou áreas comuns, de modo que, atendam o maior número de pontos de consumo possível com extensões razoáveis de PEX. Por outro lado a adoção de um quadro de comando único, nem sempre é a solução mais econômica, pois conforme a locação dos pontos de consumo pode-se ter aumentos consideráveis na extensão dos tubos.

No caso de existir instalações de água quente e fria, recomenda-se que o manifold de água quente fique na parte superior quando possível.

No caso de hospitais, hotéis e flats, recomenda-se locar as caixas de comando na circulação, para evitar incômodos aos hóspedes em caso de eventuais inspeções ou manutenções.

Figura 8 – Manifolds instalados: visto dentro do dry wall (a esquerda)

e na caixa embutida (a direita)

3. Vantagens do Sistema

Como já foi citado, no caso de futura manutenção, esta poderá ser efetuada sem necessidade de quebrar uma parede. Fecha-se o registro geral do manifold e troca-se o tubo flexível interno.

São resistentes a impactos, semiflexíveis e leves, o que facilita o transporte, a estocagem e a instalação. O fornecimento em bobinas permite a instalação de grandes trechos, sem a necessidade de conexões. Além disso, as juntas são fáceis de executar e, assim, a instalação é mais rápida e os tubos podem ser cortados em qualquer tamanho, reduzindo a perda pequenos pedaços, como acontecem com as soluções rígidas.

É resistente a altas temperaturas e ao congelamento. Têm baixa condutividade térmica, o que permite manter a temperatura da água por longo tempo tornando-se vantajoso para instalações de água quente. Especificamente para esta situação, sem soldas e colagens, promove um maior rendimento da mão de obra, comparando-se ao dobro da necessária em relação a instalações em cobre, por exemplo.

(Parte 1 de 2)

Comentários