Apostila PARTE 1 Ctb Gerencial ALUNOS

Apostila PARTE 1 Ctb Gerencial ALUNOS

(Parte 1 de 3)

CARLOS EDUARDO PIRES FARIA

CONTABILIDADE GERENCIAL

RIO DE JANEIRO - RJ

2009

Capítulo 1- Relação Custo-Volume-Lucro

1.1 CUSTO E DESPESAS FIXAS

Por definição, os Custos Variáveis (CV) tem uma relação direta com o volume de produção e as Despesas Variáveis (DV) tem uma relação direta com o volume de vendas (tomando por parâmetro, respectivamente, o volume de produção e vendas).

Os Custos Fixos (CF) são constantes, dentro de um intervalo relevante, em relação ao volume de produção. E as Despesas Fixas (DF) são fixas em relação ao volume de vendas.

E o comportamento desses Custos e Despesas em termos unitários? Como se comportam?

$ $

CFt CFu

q q

Observando os gráficos acima, verifica-se o comportamento dos Custos Fixos. Os Custos Fixos Totais (CFt) se comportam de modo constante, independente do volume de produção (dentro de um intervalo relevante). Mas os Custos Fixos Unitários (CFu), tem seus valores ajustados de acordo com o volume de produção.

Por exemplo: uma indústria fabrica um único produto: sabão “Y”. Seus CFt no período são de $ 1.000,00, compostos de Depreciação de máquinas, equipamentos e imóvel, imposto predial, salário de supervisor, seguro das instalações. A produção no período é de 1.000 unidades. Qual seria o CFu ? Dividindo o valor dos Custos Fixos pela quantidade produzida, tem-se:

$ 1.000,00 / 1.000u = $ 1,00 por unidade

No segundo período a produção passou a ser de 500u. Os CFt permanecem o mesmo. O CFu será de $ 1.000,00 / 500u = $ 2,00 p/ u.

Logo, diminuiu a produção, aumentou os CFu.

Se no terceiro período a produção for de 1.600u, o CFu será de: $1.000,00 / 1.600u = $ 0,625 p/ u.

Logo, aumentou a produção, o CFu diminuiu.

A mesma interpretação pode ser dada para as Despesas Fixas em comparação com o volume de vendas. Independente da quantidade produzida (respeitando um intervalo relevante) os CFt permanecerão os mesmo, ao contrário do CFu: quanto maior a produção, melhor se utiliza a planta fabril, amortiza-se os CF aos produtos e, com isso, menor será o CFu; caso a produção diminua, maior será o CFu.

1.2 CUSTOS E DESPESAS VARIÁVEIS

Custos Variáveis são os custos que variam no total proporcionalmente às mudanças no nível de produção ou atividade.

Por exemplo, na fábrica de sabão, citada no exemplo anterior, a matéria-prima utilizada na fabricação do sabão, aplicada na produção, terá seu valor unitário constante (dentro também de um intervalo relevante) enquanto que seu valor total será proporcional ao volume de produção.

Nível de atividade

Custo Unitário

Custo Total

10.000 u

10,00

100.000

20.000 u

10,00

200.000

5.000 u

10.000

50.000

$ CVt

CVu

q q

1.2.1 MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO

É encontrada pela diferença entre a Receita (Vendas) e os Custos e Despesas Variáveis. É o excesso da receita de vendas sobre os custos e despesas variáveis.

MC = V – ( CV + DV )

Sendo: MC = Margem de Contribuição

V = Vendas

CV = Custo Variável

DV = Despesa Variável

A Margem de Contribuição é o valor oriundo da diferença entre as Vendas e todos os gastos variáveis, sendo utilizado na cobertura dos Custos Fixos para proporcionar um Lucro, ou seja, é o valor que ajudará amortizar os Custos e Despesas Fixos. Pode ser calculada, também, em valores unitários:

MCu= PVu - ( CVu + DVu)

Sendo:

MCu = Margem de Contribuição Unitária

CVu = Custo Variável Unitário

DVu= Despesa Variável Unitária

PVu = Preço de Venda Unitário

Demonstração do Resultado

VENDAS

(-) Custos e Despesas Variáveis

= MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO

(-) Custos e Despesas Fixos

= RESULTADO ANTES DO IR

(-) IR e CSSL

= LUCRO DO EXERCÍCIO

ÍNDICE DE MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: A margem de contribuição também pode ser expressa em porcentagem. O índice de margem de contribuição indica a porcentagem de cada unidade monetária de vendas disponível para cobrir os custos fixos e propiciar lucro para empresa.

Índice de margem de contribuição: VENDAS – CUSTOS E DESPESAS VARIÁVEIS

VENDAS

Vendas.... $ 1.000.000,00

Custos variáveis.... $ 400.000,00

Despesas variáveis... $ 200.000,00

Margem de contribuição: $ 400.000,0

Índice de margem de contribuição: 400.000 / 1.000.000 = 40 %

Os conceitos aqui abordados serão de suma importância para estudo da relação custo/volume/lucro.

1.3 CONCIDERAÇÕES INICIAIS SOBRE CUSTO X VOLUME X LUCRO

O Administrador, no seu processo decisório, depara-se sempre com duas ou mais alternativas. Dentre as diversas decisões que o administrador deve tomar destacam-se:

  • fazer ou comprar;

  • a que preço vender;

  • quanto deve ser gasto em propaganda e promoção;

  • assistência técnica direta ou mediante agentes autorizados;

  • vendas diretas ou por meio de revendedores;

  • grandes armazéns centrais ou pequenos depósitos;

  • distribuição direta ou via transportadores;

  • vendedor eclético ou vendedor específico;

  • renovação de equipamento;

  • mix de vendas etc.

A separação das despesas e dos custos, bem como a classificação em fixos e variáveis, destinam-se a desenvolver informações que auxiliam a gerência no desempenho de suas funções de planejamento e de tomada de decisão. Embora tanto o planejamento, como as decisões, sejam baseados no curto prazo, o conceito do Custeio Variável fornece meios para que a Contabilidade de Custos e as gerências de qualquer nível e de qualquer segmento possam visualizar as interações existentes entre alguns fatores significativos, presentes nas atividades, que influenciam os resultados: receitas, volumes de produção e de vendas, despesas e custos variáveis e fixos.

O instrumento que os contadores e administradores usam correntemente para obter essas interações e sua influência nos resultados é a análise das relações Custo x Volume x Lucro.

A análise das relações Custo/Volume/Lucro é um instrumento utilizado para projetar o lucro que seria obtido a diversos níveis possíveis de produção e vendas, bem como para analisar o impacto sobre o lucro de modificações no preço de venda, nos custos (variáveis ou fixos) ou em ambos.

1.4 RELAÇÃO CUSTO/VOLUME/LUCRO

O planejamento dos lucros, bem como o total controle dos custos, possibilitam uma análise das diversas tendências dos custos, facilitando a interpretação e o comportamento dos diferentes níveis operacionais.

A Relação Custo/Volume/Lucro é uma eficiente técnica que, resumindo, oferece informações detalhadas, como por exemplo:

  • Ponto de Equilíbrio

  • Preço de Venda Mínimo

  • Viabilização de um Projeto

1.4.1 PONTO DE EQUILÍBRIO (PE)

É o ponto do nível da atividade da empresa onde surge a igualdade entre os Custos e Despesas Totais com a Receita Total. A linearidade do PE é válida num intervalo que interessa, ou seja, onde os custos e despesas se mantenham no mesmo patamar.

PE RT = CT + DT

Onde

PE RT (PVu.q) = CT + DT (CF +DF + CVu.q + DVu .q)

O Ponto de Equilíbrio é o ponto no qual a receita total de vendas se iguala aos custos e despesas totais.

O Ponto de Equilíbrio representa a quantidade mínima que a empresa terá que comercializar para cobrir seus gastos.

Ao atingir o Ponto de Equilíbrio, a empresa não apresenta nem Lucro nem Prejuízo; a partir desse ponto, pelo aumento da atividade, aparece lucro correspondente à MCu vezes as quantidades comercializadas acima do PE; abaixo desse ponto, pela diminuição da atividade, a empresa incorrerá em prejuízo. Se a empresa não conseguir vender nenhum de seus produtos o prejuízo corresponderá aos CF + DF totais dessa empresa.

Exemplo:

Unidades

Produzidas

 

Custo

Custo

Custo

Receita

Lucro ou

Fixo

Variável

Total

de Vendas

Prejuízo

$

$

$

$

$

0

40

0

40

0

(40)

1

40

20

60

28

(32)

2

40

40

80

56

(24)

3

40

60

100

84

(16)

4

40

80

120

112

(8)

5

40

100

140

140

0

6

40

120

160

168

8

7

40

140

180

196

16

8

40

160

200

224

24

Pelo exemplo, o Custo Fixo independe da produção e da venda; permanece constante e com um valor de $ 40,00. O Custo Variável é proporcional às quantidades produzidas e aumenta de $ 20,00 por unidade produzida.

O Custo Total não aumentará na mesma proporção dos Custos Variáveis em virtude dos Custos Fixos.

Vendas menos Custo Total (CT) representa Lucro ou Prejuízo. Quando a empresa comercializa 5 unidades atinge o seu ponto de equilíbrio, isto é, o ponto da atividade em que não há lucro nem prejuízo.

Daí para frente, a empresa conseguirá lucros. Vendendo menos do que cinco unidades a empresa incorrerá em prejuízo.

Gráfico do Ponto de Equilíbrio:

RT

CT

CV

CF

Onde: CF = Custo Fixo

CT = Custo Total

CV = Custo Variável

RT = Receita Total

À direita do Ponto de Equilíbrio encontra-se a área do lucro, enquanto à esquerda encontra-se a área do prejuízo.

O ponto de Equilíbrio é alcançado num número tal de unidades vendidas igual ao quociente entre custos + despesas fixos (CF + DF) e a diferença entre preço unitário de venda e custos + despesas variáveis unitários [PVu – (CVu + DVu )], que corresponde a MCu.

Ponto de Equilíbrio = Custos + Despesas Fixos

(em unidades) MCu

Para se chegar a fórmula anterior, foi feito o seguinte desenvolvimento através de um raciocínio lógico:

PE RT = CT + DT

RT= PVu x Q

CT = CF + CVu x Q

DT= DF + DVu x Q

Substituindo esses parâmetros na fórmula:

PVu x Q = CF + CVu x Q + DF + DVu x Q

PVu x Q – CVu x Q – DVu x Q = CF + DF

Q = CF + DF

PVu – CVu – DVu

ou

PEq = CF + DF

MCu

Isto pode ser intuitivamente entendido, pois, se os custos fixos independem do volume de atividade, é necessário vender tantas unidades de produto quantas forem necessárias para, através da margem ganha em cada uma delas [PVu – (CVu + DVu )], a empresa cobrir os custos e despesas fixos.

Exemplo 1 Custos Fixos previstos = $ 6.376.350,00

Preço de venda unitário = $ 15,00

Custo Unitário Variável = $ 10,00

Ponto de Equilíbrio = 6.376.350 / (15 - 10) = 1.275.270 u

Comprovando o resultado obtido da seguinte forma:

6.376.350,00 (parte fixa) + [ 10,00 X 1.275.270] =

6.376.350,00 + 12.752.700,00 = 19.129.050,00

1.275.270 X 15,00 = 19.129.050,00  o valor total das vendas é igual ao valor total dos custos, resultando num lucro zero (ponto de ruptura).

A fórmula emquantidades permite alcançar ou calcular o ponto de equilíbrio de cada produto, quando a empresa produzir mais de um, contanto que se consiga apropriar uma parcela do custo fixo total a cada produto (o que não deixaria de ser dificultoso).

Para saber o valor da Receita de Vendas no PE, basta multiplicar as quantidades encontradas no do PE pelo PVu.

Exemplo 2

A Cia Taquara apresenta um Preço de Venda unitário (PVu) para seu produto de $ 15,00. Apresenta, também, Custos Fixos (CF) no valor de $ 100,00 e Custos Variáveis por unidade (CVu) de $ 10,00.

A Receita Total (RT) da Cia Taquara é Preço de Venda unitário vezes a quantidade vendida: RT = 15 q

Se Taquara vender 10 unidades, terá:

RT = 15,00 x 10 unidades = 150,00

CVt = 10,00 x 10 unidades = (100,00)

Margem de Contribuição = 5,00 x 10 unidades = 50,00

CFt = (100,00)

(Parte 1 de 3)

Comentários