(Parte 1 de 4)

p// microcontroladores mmiiccrroocchhiip PIC Autor: Daniel Corteletti Centro Tecnológico de Mecatrônica SENAI

Ladder: É uma linguagem de programação gráfica, em forma de diagrama, que por ser de fácil criação e interpretação e representar ligações físicas entre componentes eletrônicos (sensores e atuadores), acaba sendo bastante utilizada em ambiente industrial.

Em um diagrama LADDER simples, podemos encontrar três tipos de elementos básicos:

1) CONTATO (Contact): É o elemento que representa o sensor, ou seja, a entrada de sinal no bloco de controle lógico. Pode ser uma chave, um sensor reflexivo, um final de curso ou até mesmo o contato de algum relé auxiliar.

motor, uma lâmpada, um atuador auditivo, etc

2) BOBINA (coiL): É o elemento atuador, ou seja, o elemento acionado ou desligado pelo bloco de controle lógico. Pode ser uma contactora, um

3) MEMÓRIA ou Relé Interno (Internal Relay): É a representação do estado de um contato ou bobina em memória, sem conexão direta com elementos externos.

Existem ainda outros elementos auxiliares que permitem realizar operações mais complexas, como temporização, contagem e manipulação de dados. Estes elementos serão discutidos na segunda parte deste tutorial.

Veja o exemplo de um diagrama LADDER:

Para este diagrama, temos o controle de 3 elementos, sendo estes M1, MOT e CIL1. Estes elemendos podem ser BOBINAS (ATUADORES) ou MEMÓRIAS (relés internos).

Os elementos S1, S2, BE, VC e S3 só aparecem ao lado esquerdo do diagrama, no formato de colchetes [ ], o que pressupõe que sejam sensores (entradas).

Na primeira linha, observamos que a regra do programa define que a saída M1 irá ativar somente se os sensores S1 e S2 estiverem AMBOS ligados.

Na segunda linha deste programa, observa-se que a regra determina que a saída MOT irá ligar se BE estiver DESLIGADO (a barra significa inversão) e se M1 ou MOT estiver acionado (ao menos um destes).

Na terceira linha, observa-se que o atuador CIL1 irá ativar caso o sensor FC estiver DESLIGADO (novamente observe a barra), e se o sensor S3 estiver acionado.

Existem ainda algumas outras regras importantes sobre programação LADDER:

1) Não é permitido (ou pelo menos recomendado) o uso de uma mesma bobina (saída) em mais de uma linha, pois as regras irão conflitar. Por exemplo, não poderíamos inserir no diagrama anteriormente representado mais uma linha que acionasse o atuador CIL1. 2) Existe a possibilidade, em algumas variações da linguagem, do uso do comando SET e RESET (liga e desliga) que determina em que momento um determinado atuador irá ligar ou desligar. 3) Existem blocos especiais que permitem temporizar, detectar pulso, borda, contagem e outros recursos. Isso pode variar conforme a linguagem utilizada.

A linguagem LADDER nasceu na necessidade de facilitar a programação em ambientes industriais, remetendo para uma linguagem de alto nível e fácil de ser utilizada. No entanto existe um programa, (LDMICRO) de Jonathan Westhues, que permite a programação LADDER de microcontroladores, que viabiliza o estudo e implementação de controles de baixíssimo custo.

Este software é muito versátil, não requer instalação (basta executar o arquivo ldmicro.exe em ambiente windows ou emulador compatível), e é de livre distribuição, como podemos ver na janela abaixo, extraída do próprio HELP do programa em questão:

O LDMICRO funciona da seguinte forma: 1) Inicie o programa executável (LDMICRO.EXE). Será exibida a seguinte tela:

É neste ambiente que você pode gerar o programa LADDER para microcontrolador.

Para inserir uma bobina, pressione L.

Você notará que será construída (ou complementada) a linha editada com a bobina indicada. É permitido inserir mais de uma bobina para a mesma linha.

Clicando duas vezes sobre a bobina criada, será aberta a caixa de propriedade da bobina:

Se a bobina for definida (no campo Source) como INTERNAL RELAY, o nome da bobina no diagrama ladder será precedido pela letra R. Exemplo: Se o nome da bobina for new (como no exemplo acima), e se esta for definida como Internal Relay, será exibida como Rnew.

Se a bobina for definida como PIN ON

MCU, o nome da bobina será precedido pela letra Y (no caso do exemplo, Ynew).

Observe que ao se inserir um contato ou bobina, será respeitada a posição do cursor (barra piscante) para definir o local da inserção. Ou seja, para inserir uma bobina ou contato abaixo de outra, posicione primeiro o cursor na posição horizontal.

Para inserir um contato: Posicione o cursor no local desejado, e pressione C.

Note que surgirá um campo definido por colchetes --] [--- com o nome

Xnew. Clique duas vezes sobre este item para abrir a caixa de propriedades do contato.

No campo source, você pode definir se o contato é um relé interno (memória). Para este caso, note que o nome do contato será precedido pela letra R. Se for definido como INPUT PIN (padrão), o contato é um sensor, uma entrada de sinal digital. Neste caso, o nome do contato será precedido pela letra X (como no exemplo acima: Xnew).

Se você desejar usar uma bobina como contato (isso é possível em ladder), basta ativar a opção OUTPUT PIN. Neste caso o nome do elemento inserido será precedido pela letra Y.

A caixa [/] define que a entrada funcionará negada (com lógica invertida), ou seja, aciona zerando o contato, e desativa ligando o contato.

Prática:

Tente agora montar o seguinte diagrama LADDER usando os recursos acima citados:

Depois de editar este programa (observe que os elementos usados são somente e exatamente XBOTLIGA, XBOTDESL, YMOTOR). Não deve haver nenhum outro elemento no programa.

Após escrever seu programa, salve-o clicando em FILE -> SAVE AS

Salve como um arquivo com extensão LD.

A partir deste momento, observe no painel da parte inferior da janela o estado dos contatos e das bobinas. Basta dar um DUPLO CLICK sobre o item para mudar seu estado. Teste alterando o estado dos sensores, e veja se o programa funciona.

Para gerar um arquivo HEX a partir deste programa, basta seguir estes passos:

1) Clique em SETTINGS MICROCONTROLER e defina qual o microcontrolador a ser utilizado. Para melhor funcionamento, clique em

SETTINGS MCU PARAMETERS e defina o valor do cristal de clock utilizado. O padrão é 4MHz. 2) Agora de um duplo clique sobre cada elemento DIGITAL IN ou DIGITAL OUT da parte inferior da janela, associando cada CONTATO ou BOBINA a um pino do microcontrolador.

gerado. IMPORTANTE: Não esqueça de colocar a extensão HEX. Ex: PROG.HEX. Caso você não informe a extensão, ficará mais difícil achá-la depois com o programa de gravação (EPIC, ICPROG, etc...)

Inserir nova linhashift V ou shift 6
Compara se é maior ou igual

Comandos mais usados: Inserir um comentário ponto e vírgula Detecta borda subida / Detecta borda descida \ Temporizar para desligar F Temporizar para ligar O Temporizar para ligar retentivo T Contador incremental U Contador decremental I Contador circular J Compara igualdade = Compara se é maior > Compara se é menor < Compara se é menor ou igual , Insere BOBINA L Insere Contato C Insere reset de contador E Carrega variável c/ valor M Insere operação soma + Insere operação subtração - Insere operação multiplic. * Insere operação de divisão D Leitura de analógico P

Exercícios: Tente executar os seguintes programas LADDER no microcontrolador: 1)

Obs: Para inserir uma linha, use SHIFT + V Observe os nomes CORRETOS dos itens envolvidos:

XB1 : Botoeira 1 do sistema bi-manual. XB2 : Botoeira 2 do sistema bi-manual. XEMERGENCIA: Botão emergência. Se OK, está em 1. Pressionado em 0. YMORSA : Atuador MORSA, que prende a peça. Liga com um bot. press. YPRENSA : Atuador PRENSA, somente liga quando press. os 2 botões. YBUZZER : Alerta sonoro. Deve indicar emergência acionada (em zero). RPISCA : Relé auxiliar que ficará piscando a cada 400 ms.

2) Tente adicionar um sensor de peça no sistema acima. Caso a peça não seja detectada, a morsa não deve ligar.

3) Agora adicione também um sinal sonoro indicando se um botão foi pressionado e a peça não foi colocada.

2) Tente criar o esquema ladder para um portão de garagem. Usem os seguintes elementos:

XBOTAO : Botão do controle remoto. XABERTO: Sensor de final de curso que determina que o portão está aberto

XFECHADO: Sensor de final de curso que determina que o portão está fechado

(Parte 1 de 4)

Comentários