Eletricidade predial

Eletricidade predial

(Parte 3 de 4)

Quando se projeta uma instalação elétrica, deve-se representar precisamente a função, posição, tipo e ligação de cada componente. Por isso, é necessário utilizar uma linguagem que seja entendida por todas as pessoas que leiam ou interpretem este projeto ou “esquema elétrico”. Esta linguagem é constituída de símbolos, porém, estes não podem ser simplesmente “criados” aleatóriamente. Tais símbolos são normalizados pela ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) através das normas NB3, NBR5410/90 e NBR5444.

A seguir será mostrada uma lista de simbologia conforme as normas técnicas:

COTAN 20

COTAN 21

18 - DIAGRAMAS

O diagrama é a representação gráfica de todos os equipamentos e suas ligações à instalação. Dependendo do tipo da instalação, é possível utilizar três tipos distintos de esquemas: funcional, multifilar e unifilar.

18.1 - Diagrama funcional

É o diagrama no qual se representa todos os fios conectados ao equipamento de forma rápida e clara, não levando em conta a posição física do equipamento na instalação, preocupando-se apenas com o funcionamento e ligação deste.

18.2 - Diagrama Multifilar

É o diagrama que representa com clareza todos os componentes, não considerando sua posição física na instalação, mas considerando todos os fios utilizados nas conexões de forma objetiva e resumida. É utilizado somente para circuitos elementares, pois se o circuito é complexo sua representação torna-se confusa.

18.3 - Diagrama Unifilar

Representa através de um único traço todos os fios, seus trajetos e posição física exata, em escala, porém não é claro na representação da seqüência funcional dos circuitos e do funcionamento do equipamento. Na figura a seguir esta representado o diagrama unifilar da instalação de um interruptor simples, uma tomada monofásica e uma lâmpada incandescente de 100W-127V.

19 - EXEMPLOS DE INSTALAÇÃO 19.1 - Ligação Série

Com uma tensão de 127V, podemos acionar uma lâmpada de 100W-127V, ou 120V, ou 110V.

Com uma tensão de 220V, podemos alimentar duas lâmpadas de potências iguais.

Porém a ligação série não é utilizada, pois já sabemos que a somatória das quedas de tensão em cada equipamento, resulta na tensão aplicada pela fonte, neste caso 127V ou 220V. Não é possível portanto, montar toda uma instalação elétrica, como por exemplo de uma resistência, sabendo que as lâmpadas não apresentarão luminosidade adequada e que, caso uma delas queime, as demais apagarão.

Este tipo de ligação é muito utilizada em iluminação de árvores de Natal, nas quais são usadas, por exemplo, 20 lâmpadas de 6V. Se cada uma apresenta uma queda de tensão de 6V então teremos 20 x 6V = 120V, que é a tensão nominal da tomada.

19.2 - Ligação Paralelo

É o tipo de ligação utilizado nas instalações, pois apresenta vários caminhos para a corrente elétrica e se uma lâmpada ou qualquer outro aparelho queimar, não causará influência alguma no funcionamento dos demais aparelhos.

Da mesma forma, se a tensão for de 220V, podemos alimentar várias lâmpadas de igual tensão, ou seja, de 220V.

19.2.1 - Exemplos Resolvidos

1 - Represente os diagramas multifilar e unifilar de uma instalação com 2 lâmpadas incandescentes 60W-127V, comandadas por um conjunto de interruptor com duas teclas simples.

2 - Um conjunto de interruptor de 3 teclas, 3 lâmpadas incandescentes, sendo 1 de 100W, 1 de 60W e 1 de 40W, todas de 127V.

3 - Uma lâmpada incandescente de 60W-220V, comandada por um interruptor bipolar.

4 - Uma instalação contendo: 2 lâmpadas incandescentes de 100W-220V, comandadas por um interruptor bipolar.

20 - INTERRUPTOR PARALELO (OU THREE-WAY)

São os interruptores utilizados quando deseja-se comandar uma lâmpada ou grupo de lâmpadas de dois pontos diferentes. Por isso são muito utilizados em edifícios, nos lances de escadas, pois desta forma é possível acender ou apagar a (s) lâmpada (s) de pisos diferentes.

Podem ser usados em salas, quartos, corredores e outros cômodos onde seja necessário comandar de dois pontos diferentes.

Exemplo:

Há situações em que encontramos dois pontos de luz num mesmo ambiente,sendo que os mesmos são comandados por um único par de interruptores.

21 - INTERRUPTOR INTERMEDIÁRIO

Utilizados em corredores e/ou escadas onde são necessários mais de dois pontos de comando para uma ou mais lâmpadas.

É possível usar qualquer número de interruptores intermediários, dependendo apenas do número de pontos de comando.

NOTA! É importante observar que sempre será preciso instalar o interruptor intermediário entre dois interruptores paralelos.

30 Exemplo:

Diagramas Unifilar e Multifilar de um circuito com “n” pontos de comando

2 - LÂMPADAS DE BAIXA PRESSÃO - FLUORESCENTES

A fluorescência é a propriedade que um material tem de se “auto-iluminar’ quando sob a ação de uma energia radiante, como por exemplo a radiação ultravioleta ou raio X. A partir desta definição é fácil entender o funcionamento das lâmpadas fluorescentes, pois devemos ter uma fonte de energia radiante (arco elétrico) e um material fluorescente (pó de fósforo).

Podemos resumir o funcionamento nas seguintes etapas: ● o circuito é energizado;

● os elétrons abandonam os cátodos ou filamentos (vagarosamente nos circuitos convencionais ou rapidamente nos circuitos de partida rápida);

● a tensão entre os filamentos atrai os elétrons

● os elétrons, em excesso, ionizam o gás reduzindo a resistência do tubo e o arco elétrico surge; ● o fluxo de elétrons no arco excita os elétrons nos átomos de mercúrio e eles mudam de órbita, gerando a radiação;

● a radiação da colisão de elétrons é absorvida emitindo luz visível.

2.1 - Vantagens da Lâmpada Fluorescente

Grande eficiência luminosa;

Vida útil longa;

Utilização econômica; Conforto e uniformidade na iluminação; Maior variedade de potências e tamanhos.

2.2 - Desvantagens

O reator pode apresentar ruído com a depreciação; O custo inicial é relativamente maior comparado a outros tipos de lâmpadas.

2.3 - Exemplos de Diagramas 01 reator partida rápida duplo 2x40 W 127 V; 01 interruptor simples;

(Parte 3 de 4)

Comentários