A Construção da Identidade Moral

A Construção da Identidade Moral

  • A CONSTRUÇÃO

  • DA

  • IDENTIDADE MORAL

Gregos: dois conceitos:

  • Gregos: dois conceitos:

  • Cronos = passagem contínuo do tempo.

  • Cairós = momento certo, maduro, para determinados eventos.

Momentos apropriados (cairós) para o desenvolvimento:

  • Momentos apropriados (cairós) para o desenvolvimento:

  • Da sociabilidade

  • Do pensamento lógico

  • Dos limites e disciplina

  • Do respeito ao outro e seus bens.

  • Etc...

“Sociedades que se omitem ou não oferecem condições materiais e sociais adequadas para as novas gerações nos momentos certos perdem a oportunidade de criar cidadãos maduros, capazes de assumir com responsabilidade e autonomia suas funções na sociedade” (Bárbara Freitag).

  • “Sociedades que se omitem ou não oferecem condições materiais e sociais adequadas para as novas gerações nos momentos certos perdem a oportunidade de criar cidadãos maduros, capazes de assumir com responsabilidade e autonomia suas funções na sociedade” (Bárbara Freitag).

O ser humano precisa ser educado para a convivência.

  • O ser humano precisa ser educado para a convivência.

  • Processo de aprendizagem exige um sair de si mesmo (inteligência, afetividade, moral). Isto se faz através de agentes culturais.

  • A aprendizagem passa da obediência cega/acrítica à conquista da autonomia, ou seja, capacidade de participar ativamente na elaboração de regras comprometidas com a vida em comunidade.

Esta autonomia é fruto do discernimento, da descoberta de sentido, da razão, dos fundamentos dos valores sociais, assimilando-os na vida e conduta.

  • Esta autonomia é fruto do discernimento, da descoberta de sentido, da razão, dos fundamentos dos valores sociais, assimilando-os na vida e conduta.

  • A grande batalha se dá na adolescência onde se dá a passagem e superação de conceitos e posturas infantís para a compreensão das obrigações e responsabilidades da vida adulta.

Psicologia genética ou construtivista.

  • Psicologia genética ou construtivista.

  • Não há inteligência inata. A razão, a afetividade e a moral se constroem na medida que a criança organiza o pensamento e o julgamento.

Sócio-motor (0 a 2 anos): desenvolvimentos das percepções sensoriais e dos movimentos. A inteligência evolui na medida que aprende a coordenar as sensações e movimentos.

  • Sócio-motor (0 a 2 anos): desenvolvimentos das percepções sensoriais e dos movimentos. A inteligência evolui na medida que aprende a coordenar as sensações e movimentos.

  • A descoberta de si vai se dando aos poucos. Com 18 meses a criança se reconhece separada da mãe e dos outros.

Impera e egocentrismo: ela é seu ponto de referência. Pensa, sente e age a partir de si mesma.

  • Impera e egocentrismo: ela é seu ponto de referência. Pensa, sente e age a partir de si mesma.

  • O mundo gira em torno dela: quer para si atenção, brinquedos, desejos satisfeitos, ...

  • Vive um mundo pré-moral, de anomia (ausência de leis).

  • Reluta aceitar normas. Não está pronta para o jogo das regras.

  • A partir dos 3-4 anos começa aceitar normas exteriores, dos outros. Inicia a socialização.

Capacidade de interiorizar a ação. Inicia o raciocínio matemático, a classificação das coisas, reflexão abstrata.

  • Capacidade de interiorizar a ação. Inicia o raciocínio matemático, a classificação das coisas, reflexão abstrata.

  • Porém, tudo parte do concreto, da realidade.

  • Superação do egocentrismo e formação do companheirismo, com grupos antagônicos, opositores.

  • Aceitação das regras claras e rígidas, sem meio termo.

Aparecerão as características que marcarão na vida adulta.

  • Aparecerão as características que marcarão na vida adulta.

  • Capacidade de distanciar-se da experiência, de pensar por hipótese; abstração.

  • Desenvolvimento da reflexão: pensamento científico, matemático e filosófico.

  • Discussões, conceitos, argumentações, ...

  • Começa a superação do egocentrismo intelectual.

Afetivamente: cooperação e reciprocidade.

  • Afetivamente: cooperação e reciprocidade.

  • Discussão e consenso; livre deliberação.

  • Respeito mútuo.

  • Autonomia: mesmo com influência externa, a pessoa reflete por si e toma decisões, assumindo as conseqüências.

  • Capacidade de reflexão: desdobrar o pensamento, pensar duas vezes, tematizar.

  • Refletir é trazer o outro para dentro de nós, assimilarmos novos conceitos, ...

Estudioso da teoria de Piaget, concentrou sua atenção na questão moral.

  • Estudioso da teoria de Piaget, concentrou sua atenção na questão moral.

  • Vastas pesquisas ao longo de vários anos acompanhando a evolução de crianças e adolescentes em diferentes realidades e paises (escolas, prisões, quartéis, kibutz).

Distingue o Pensamento lógico e a evolução moral.

  • Distingue o Pensamento lógico e a evolução moral.

  • Maturidade moral só é alcançada na idade adulta, 10 anos depois da adolescência, dependendo de circunstâncias.

  • Três grandes estágios morais:

  • Pré-convencional

  • Convencial

  • Pós-convencional

1º Estágio: regras morais derivam da autoridade, aceitas incondicionalmente; obedece para evitar castigo ou receber recompensa.

  • 1º Estágio: regras morais derivam da autoridade, aceitas incondicionalmente; obedece para evitar castigo ou receber recompensa.

  • 2º Estágio: processo de descentração; ou seja, além do interesse pessoal há o interesse dos outros. Trocas ou acordos.

3º Estágio: expectativas interpessoais, identificação com pessoas do grupo de pertença, confiança e lealdade ao grupo. Seguem-se as regras para ser o “bom menino”. Regra de ouro: ser bom como se exige dos outros.

  • 3º Estágio: expectativas interpessoais, identificação com pessoas do grupo de pertença, confiança e lealdade ao grupo. Seguem-se as regras para ser o “bom menino”. Regra de ouro: ser bom como se exige dos outros.

  • 4º Estágio: evolui para o nível da sociedade com suas regras, papéis, leis. Pensa-se na ordem social e no bem-estar da sociedade ou grupo.

5º Estágio: percebe a variedade de valores, interesses, opiniões; conflito entre o legal e o moral.

  • 5º Estágio: percebe a variedade de valores, interesses, opiniões; conflito entre o legal e o moral.

  • 6º Estágio: estabelecimento de princípios. Reconhece que acima de tudo há princípios universais do bem, do direito, da justiça, da dignidade humana.

Constatação da pesquisa de Kohlberg: percentual muito baixo de cidadãos atinge o 5º e 6º estágios.

  • Constatação da pesquisa de Kohlberg: percentual muito baixo de cidadãos atinge o 5º e 6º estágios.

  • Pressupostos:

    • Não nascemos morais. O comportamento moral evolui por etapas até atingir o nível de convivência solidária.
    • Espera-se que pais e professores sejam maduros moralmente para auxiliar o processo evolutivo moral.
    • Espera-se que a atmosfera moral de vida possibilite o avanço de uma etapa para outra.

Kohlberg teve dificuldade de encontrar professores para auxiliá-lo. Muitos estavam no pré-convencional, infantil.

  • Kohlberg teve dificuldade de encontrar professores para auxiliá-lo. Muitos estavam no pré-convencional, infantil.

  • Exemplos:

    • Sinal de trânsito ou limite de velocidade: obedece ou não? Por que obedece?
    • E o “toma lá, dá cá”?
    • E o fazer o bem aos que me tratam assim? (estágio 2) Trocas e acordos.
    • Corporativismo entre pares e indiferença aos outros: empresa, família, sociedade, religião.
    • Resultado: dificuldade de educar crianças, adolescentes e jovens.

O sujeito ético evolui para um descentramento de si, superando o narcisismo infantil, tornando-se justo e solidário.

  • O sujeito ético evolui para um descentramento de si, superando o narcisismo infantil, tornando-se justo e solidário.

  • Assume as normas não por imposição doutrinária, mas por livre e responsável deliberação.

  • Ele se impõe um modelo de agir a partir de princípios sólidos e perenes.

Pensemos este sujeito coletivamente, como cidadão brasileiro, curitibano, etc.

  • Pensemos este sujeito coletivamente, como cidadão brasileiro, curitibano, etc.

    • Estrutura educacional para isto ...
    • Estrutura familiar: valores, condições de vida, recursos, ...
    • Estrutura política-democrática ...
    • Distribuição de renda ...
  • Aranha, Maria Lúcia de Arruda e Martins, Maria Helena Pires; Filosofando: introdução à Filosofia; 3.ed. Revista – São Paulo: Moderna, 2003.

O egocentrismo infantil é um elemento constitutivo de determinada fase do desenvolvimento intelectual, afetivo e moral da criança. O que dizer dos adultos que não perderam esse traço?

    • O egocentrismo infantil é um elemento constitutivo de determinada fase do desenvolvimento intelectual, afetivo e moral da criança. O que dizer dos adultos que não perderam esse traço?
    • O conceito de cairós nos coloca diante da questão política que envolve a intenção de educar moralmente as crianças. Explique por quê.

Comentários