(Parte 1 de 11)

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA Centro de Educação Tecnológica do Paraná – CETT PR

Confecção Revisão

Professor Data Professor Data Herto de Alencar Santana Julho/2002 Adriano Francisco Reinert Abril/2004

1 SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA

Centro de Educação Tecnológica do Paraná – CETT PR

MÓDULO 1 – PARETES DO MOLDE DE INJEÇÃO

1. INTRODUÇÃO 01 2. DEFINIÇÃO DE MOLDES DE INJEÇÃO DE TERMOPLÁSTICOS 02

2.1. PROCESSO DE INJEÇÃO 02 2.1.1. COMPONENTES BÁSICOS DE UMA INJETORA 02 2.1.2. COMPONENTES BÁSICOS DA UNIDADE INJETORA E HIDRÁULICA 03

2.1.3. COMPONENTES BÁSICOS DA UNIDADE INJETORA 03 3. PARÂMETROS NECESSÁRIOS PARA PROJETAR UM MOLDE DE INJEÇÃO 03

4. ETAPAS DE UM PROJETO 04 5. FABRICAÇÃO DO MOLDE – CRONOGRAMA 06 6. MOLDE NA FERRAMENTARIA 06

6.1. QUANTO CUSTA O MOLDE PARA FERRAMENTARIA 02 6.2. CICLO DE PROJETO DO PRODUTO 07

7. PARTES DE UM MOLDE DE INJEÇÃO DE TERMOPLÁSTICO 07 7.1. ANEL DE CENTRAGEM 09 7.2. BUCHA DE INJEÇÃO 09

7.2.1. MATERIAL AMORFO E CRISTALINO 09 7.2.2. FURO DE PASSAGEM DA BUCHA 10

7.3. LAXAS DE FIXAÇÃO DO MOLDE 1 7.4. PLACA BASE SUPERIOR 1 7.5. PLACA PORTA CAVIDADE SUPERIOR (FIXA) 12

7.6. COLUNA GUIA e BUCHA GUIA 12 7.7. PLACA PORTA CAVIDADE INFERIOR (MÓVEL) 13

7.8. PLACA SUPORTE 13 7.9. POSTIÇO (CAVIDADE) 13 7.10.BLOCO ESPAÇADOR 14

7.10. PLACA PORTA PINO EXTRATORES 14 7.1. PINO GUIA 14

7.12. PLACA IMPULSORA 14 7.13. PINO EXTRATOR 15 7.14. PINO DE RETORNO 15

7.15. PLACA BASE INFERIOR 15 7.16. PINO DE RETENÇÃO 15

7.17. COLUNA DE APOIO 16 7.18. PINO TOP 16 7.19. CANAL DE DISTRIBUIÇÃO 16

7.20. PONTO DE INJEÇÃO (GATE) 17 7.21. MOLAS DE MATRIZ 17

MÓDULO 2 – TIPOS DE MOLDES, PARTES E SUAS FUNÇÕES

1. MOLDE DE 3 PLACAS PARA INJEÇÃO DE TERMOPLÁSTICOS 01 2. MOLDE STACK MOLD 02

3. COMPARANDO OS 3 TIPOS DE MOLDES ESTUDADOS 03

4. CAMADA CONGELADA 03

2 SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA

Centro de Educação Tecnológica do Paraná – CETT PR

5. JATO LIVRE 04 6. LINHA DE SOLDA e LINHA DE JUNTA 05

7. CANAIS DE ENCHIMENTO 05 8. BALANCEAMENTO DE CANAIS DE ENCHIMENTO 06 9. POÇO FRIO 06

10. RETENÇÃO DO CANAL DA BUCHA 07 10.1. RETENÇÃO DO CANAL DA BUCHA COM CABEÇA INVERTIDA 07

10.2. RETENÇÃO DO CANAL DA BUCHA COM PINO EM FORMA DE Z 07 10.3. RETENÇÃO DO CANAL DA BUCHA EM FORMA DE ANEL REBAIXADO 07 10.4. RETENÇÃO DO CANAL DA BUCHA COM PINO ARREDONDADO 07

1. GEOMETRIA DOS CANAIS DE ALIMENTAÇÃO (OU ENCHIMENTO) 08 1.1. REDONDO 08

1.2. TRAPEZOIDAL MODIFICADO 08 1.3. TRAPEZOIDAL 08 1.4. RETANGULAR ou QUADRADO 08

13. CANAL DE ENTRADA (GATE) ou PONTO DE INJEÇÃO 10 13.1. FUNÇÃO 10 13.2. TAXA DE CISALHAMENTO 10

13.3. TENSÃO DE CISALHAMENTO 10 13.4. DIMENSIONAMENTO DO GATE 1

13.5. LOCALIZAÇÃO DO GATE 1 14. TIPOS DE CANAL DE ENTRADA (GATE) 1 14.1. GATE TIPO ENTRADA RESTRITA RETANGULAR 1

14.1.3. DIMENS. DO GATE TIPO ENTRADA RESTRITA RETANGULAR 12 14.1.4. DIMENS. DO GATE TIPO ENTRADA RESTRITA CIRCULAR 12 14.2. GATE TIPO LEQUE 12

14.5. GATE TIPO ENTRADA CAPILAR 13 14.5.1. VANTAGENS 14

14.6.2. DESVANTAGENS 14 14.6.3. PRECISÃO DURANTE O PROCESSO 14

14.8. GATE TIPO CUNHA 15 14.9. GATE TIO UNHA DE GATO 16

3 SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA

Centro de Educação Tecnológica do Paraná – CETT PR

14.10. GATE TIPO SUBMARINO 16 15. FORMAS DE EXTRAÇÃO DO MOLDADO 16

15.1. TIPOS DE EXTRAÇÃO 16 15.2. EXTRAÇÃO UTILIZANDO O AR COMPRIMIDO 17 15.3. EXTRAÇÃO POR CAMISA 17

15.4. EXTRAÇÃO DE AÇÃO RETARDADA 18 15.5. EXTRAÇÃO FORÇADA 18

15.6. SISTEMA DE EXTRAÇÃO PATENTEADO PELA POLIMOLD 18 15.7. TIPOS DE EXTRATORES 19 15.7.1. PINOS 19

15.8. EXTRAÇÃO DE GAVETA COM ACIONAMENTO POR PINO ACIONADOR 20 15.9. GAVETA COM ACIONAM. POR CUNHA MECÂNICA E RET. POR MOLAS 21 15.10. ACIONAMENTO PRO CUNHA MECÂNICA COM RETORNO PELA CUNHA 21

15.1. ACIONAMENTO POR PISTÃO HIDRÁULICO 2 15.12. ACIONAMENTO POR PINOS ACIONADORES – DETALHES INTERNOS 2

15.13. CUNHA TRAVA DE GAVETA 23

MÓDULO 3 – SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO

(Parte 1 de 11)

Comentários