Apostila de Robotica[www mecatronicadegaragem blogspot com]

Apostila de Robotica[www mecatronicadegaragem blogspot com]

(Parte 1 de 8)

Universidade Braz Cubas

Área de Ciências Exatas

Engenharia Mecânica Engenharia de Controle e Automação

Apostila de Robótica

Prof. Valdemir Carrara w.valcar.net w.carrara.us w.mecatronicadegaragem.blogspot.com w.mecatronicadegaragem.blogspot.com w.mecatronicadegaragem.blogspot.com

Robótica Prof. Valdemir Carrara

Índice

Cap. 1 – Introdução

Cap. 2 – Automação da produção 2.1 - História da robótica 2.2 - Automação

Cap. 3 – Fundamentos da Tecnologia de Robôs 3.1 - Nomenclatura 3.2 – Anatomia dos braços mecânicos industriais 3.2.1 – Juntas 3.2.2 – Graus de liberdade 3.2.3 – Cadeias cinemáticas 3.3 – Configuração dos robôs 3.3.1 - Robô cartesiano 3.3.2 - Robô cilíndrico 3.3.3 - Robô esférico ou polar 3.3.4 - Robô SCARA 3.3.5 - Robô articulado ou revoluto 3.3.6 - Robô paralelo 3.4 – Órgão terminal 3.5 – Sensores 3.5.1– Sensor de posição 3.5.2 – Sensor de toque 3.5.3 – Sensor de pressão 3.6 – Sistemas de acionamento 3.6.1 – Acionadores hidráulicos 3.6.2 - Acionadores elétricos 3.6.2.1 - Servomotores 3.6.2.2 – Motor de passos 3.6.3 - Acionadores pneumáticos 3.7 – Métodos de acionamento 3.8.1 - Acionamento indireto 3.8.2 - Acionamento direto 3.8 - Volume de trabalho 3.9 - Dispositivos de entrada para manipuladores 3.10 - Sistema de Controle 3.1 - Programação de robôs 3.12 - Dinâmica do braço robótico 3.12.1 - Precisão dos movimentos 3.13 – Transmissão de potência 3.14 - Precisão cartesiana em juntas robóticas

Cap. 4 – Cinemática e dinâmica de manipuladores w.mecatronicadegaragem.blogspot.com

4.1 – Manipulador R em movimento plano 4.2 – Manipulador R em movimento plano 4.3 – Manipulador RLR em movimento plano 4.4 – Manipulador TRR em movimento no espaço 4.5 – Manipulador TRL:R em movimento no espaço 4.6 – Manipulador VVL:R em movimento no espaço

Cap. 5 – Notação de Denavit-Hartenberg 5.1 - Sistemas de coordenadas da base e do órgão terminal.

5.2 - Matriz de transformação entre os sistemas n−1 e n. 5.3 – Exemplo de aplicação num manipulador VVR:VR.

Apêndice A – Trigonometria

A.1 - Semelhança de triângulos A.2 - Teorema de Pitágoras A.3 - Seno, co-seno e tangente A.4 - Complementos de ângulos A.5 - Soma e diferença de ângulos A.6 - Lei dos senos A.7 - Lei dos co-senos

Apêndice B – Transformações de coordenadas

B.1 – Rotações de coordenadas B.2 – Rotações ao redor dos eixos cartesianos B.3 – Translações de coordenadas B.4 – Transformações compostas B.5 – Transformações homogêneas B.6 – Relações inversas B.7 – Matriz homogênea da transformação composta

Apêndice C – Alfabeto grego w.mecatronicadegaragem.blogspot.com

5 w.mecatronicadegaragem.blogspot.com w.mecatronicadegaragem.blogspot.com w.mecatronicadegaragem.blogspot.com

7 1 - Introdução

Esta apostila foi preparada para propósitos das disciplinas de Robótica e Princípios de

Robótica, dos cursos de Engenharia Mecânica e Engenharia de Controle e Automação da Universidade Braz Cubas. A bibliografia utilizada é baseada nos livros clássicos da área, entre os quais citam-se:

Groover, M. P.; Weiss, M.; Nagel, R. N.; Odrey, N. G. Robótica. Tecnologia e Programação. McGraw-Hill, São Paulo, 1989. (Edição esgotada). (1)* Adade Filho, A. Fundamentos de Robótica: Cinemática, Dinâmica e Controle de Manipuladores Robóticos. Apostila publicada pelo ITA-CTA. São José dos Campos, 1992. Groover, M. P.; Weiss, M.; Nagel, R. N.; Odrey, N. G. Industrial Robotics: Technology, Programming, and Applications. McGraw-Hill Higher Education, 1986. Craig, J. J. Introduction to Robotics: Mechanics and Control (2nd Edition). Addison- Wesley, 1989. Asada, H.; Slotine, J.-J. E. Robot Analysis and Control. John Wiley and Sons, New York, 1986. Salant, M. A. Introdução à Robótica. São Paulo, SP: Makron Books, 1988. (1)* Fu, K. S. Robotics: Control, Sensing, Vision and Inteligence. McGrall-Hill, New York, 1987. (1)* Bolton, W. Engenharia de controle. São Paulo, SP: Makron Books,1995.

Igualmente importantes são as referências encontradas em grande número na Internet. De especial interesse são aquelas publicadas em português:

Laus, Luís Paulo - Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná - Departamento Acadêmico de Mecânica - Área de Automação - http://dexter.damec.cefetpr.br/~laus/

Parte deste documento foi extraída do trabalho de graduação dos alunos Émerson Teruhiko Watanabe e Flávia Moreira dos Santos:

Watanabe, E. T.; Santos, F. M. Estudo da cinemática inversa aplicada num braço robótico. Universidade Braz Cubas, Mogi das Cruzes, 2006.

w.mecatronicadegaragem.blogspot.com

Boa parte das informações técnicas a respeito de robôs industrias pode hoje ser acessada pela rede mundial de computadores. Seguem alguns endereços separados por categoria:

Fabricantes

BMI Automation -http://w.bmiauto.com/
Denso Robotics -http://w.densorobotics.com/
Epson Robots -http://w.robots.epson.com/
Fanuc Robotics -http://w.fanucrobotics.com/
Hyundai Robotics -http://w.hyundairobotics.com/
IGM -http://w.igm.at/
Intelligent Actuator -http://w.intelligentactuator.com/
Kawasaki Robotics -http://w.kawasakirobotics.com/
Reis Robotics -http://w.reisrobotics.de/
RMT Robotics -http://w.rmtrobotics.com/
Sankyo -http://w.nidec-sankyo.co.jp/
Stäubli Robotics -http://w.staubli.com/
Transbotics -http://w.transbotics.com/
Yamaha -http://w.yamaha-motor.co.jp/global/industrial/robot/
Yaskawa Motoman -http://w.motoman.com/

Adept Technology http://www.adept.com/ Asea Brown Boveri (ABB) - http://www.abb.com/ Innovative Robotics - http://www.innovativerobotics.com/ Janome Industrial Equipment - http://www.janomeie.com/ Kuka Industrial Robots - http://www.kuka.com/ Nachi Robotic Systems - http://www.nachirobotics.com/ Panasonic Industrial - http://www.panasonic-industrial.com/

Intelitek -http://w.intelitek.com/
Neuronics AG -http://w.neuronics.ch/
ST Robotics -http://strobotics.com/

Educacionais Tim King Electronics - http://www.timkingelectronics.com/

DMOZ -http://dmoz.org/Computers/Robotics/
Wikipedia -http://en.wikipedia.org/wiki/Industrial_robot

Robótica Industrial Electricity - http://www.industrial-electricity.com/ w.mecatronicadegaragem.blogspot.com

2 – Automação da produção

Este capítulo visa apresentar de maneira sucinta o desenvolvimento da robótica e os conceitos envolvidos com automação de processos produtivos industriais.

2.1 - História da robótica

O precursor do termo robô (Groover, 1988) foi Karel Capek, novelista e escritor de uma peça teatral da Tchecoslováquia, que usou pela primeira vez, em 1920, a palavra “robota” (serviço compulsório, atividade forçada) originando a palavra “robot” em inglês e traduzido para o português como “robô”. Diversos filmes de ficção cientifica mostraram robôs produzidos com o comportamento e a forma humana, levando muitos jovens a pesquisar e desenvolver robôs para o mundo real. Com o surgimento dos computadores na metade do século, iniciaram-se especulações em termos da capacidade de um robô pensar e agir como um ser humano. No entanto, os robôs foram, neste período, criados especialmente para executarem tarefas difíceis, perigosas e impossíveis para um ser humano. Por outro lado, eles não eram projetados com a capacidade de criar ou executar processos que não lhes foram ensinados ou programados. Assim sendo, foram as indústrias que mais se beneficiaram com o desenvolvimento da robótica, aumentando a produção e eliminando tarefas perigosas, antes executadas por seres humanos.

Na robótica moderna, há pesquisas e desenvolvimentos de robôs intitulados humanóides ou antropomórficos. Estes são criados com a semelhança humana e com capacidade de interagir com o ambiente, como o Asimo construído pela montadora japonesa Honda Motor Co. Citam-se ainda diversos brinquedos articulados com feições que lembram animais de estimação como cães, por exemplo, e que se destinam ao entretenimento. Contudo, tais robôs são incapazes de realizar quaisquer tipos de tarefas, e apenas respondem a estímulos externos. Estes equipamentos não fazem parte do propósito deste documento, que visa exclusivamente estudar e compreender os robôs industriais. Estes, por sua vez, caracterizamse por serem capazes de realizar tarefas, podem ser programados, e possuem força elevada.

2.2 - Automação

Automação é uma tecnologia que faz uso de sistemas mecânicos, elétricos, eletrônicos e de computação para efetuar controle de processos produtivos. Alguns exemplos de processos de automação nas indústrias são:

• linhas de montagem automotiva • integração de motores – linha “transfer”

• maquinas operatrizes do tipo CNC

• robôs

Pode-se identificar três formas distintas de automação industrial:

• automação fixa • automação flexível

• automação programável a) Automação fixa w.mecatronicadegaragem.blogspot.com

Na automação fixa as máquinas são específicas para o produto a ser produzido. Elas produzem grande quantidade um único produto, ou produtos com pequenas variações entre eles. O volume de produção é elevado, e o custo da máquina é elevado, pois é projetada para um produto especifico. Por outro lado, como o volume de produção é alto, o custo do produto em geral é baixo.

Tais máquinas são encontradas em linhas transfer de motores, produção de lâmpadas, fabricação de papel e de garrafas. Neste tipo de automação, deve-se ter cuidado com o preço final do produto, pois, como o investimento de aquisição da máquina é alto, a amortização só acontece com vendas elevadas. Além disso, se o produto sair do mercado por obsolescência, perde-se o investimento.

b) – Automação flexível

(Parte 1 de 8)

Comentários