Metro, ferroviário, rodoviário

Metro, ferroviário, rodoviário

(Parte 4 de 4)

4.1.12 EXPLOSÕES COM INCÊNDIO a. As explosões normalmente provocam sérios danos à estrutura física da edificação, além de atingir grande número de pessoas das proximidades. b. Procedimentos. 1) O Centro de Operações de Bombeiros (COBOM) deverá obter os seguintes dados do CCO do Metrô: a) se há vítimas; b) a linha envolvida; c) natureza do fogo e localização exata; d) estação mais próxima e localização exata;

TÚNEIS RODOVIÁRIOS40

e) acesso de emergência mais próxima e localização exata; f) estratégias operacionais adotadas; e g) outros dados julgados úteis. 2) O Posto de Comando na Via (PCV) e o Posto de Comando Operacional (PCO) serão, obrigatoriamente, instalados e ativados. 3) Atingindo via e/ou estação e/ou pátio, o Comandante das Operações no local solicitará a desenergização do (3º trilho) e funcionamento da eletrificação de emergência. 4) O local deverá ser isolado; 5) Retirar com segurança todas as pessoas do local atingido, socorrendo as vítimas. 6) Remover destroços que ponham em risco a segurança de pessoas e desimpedir as vias. 7) Combater o incêndio gerado pela explosão usando os meios adequados de acordo com a classe. 8) eliminar as possíveis fontes causadoras de explosão, após ligeira vistoria do local (observar vazamentos de gases, formação de poeiras, produtos químicos explosivos etc).

TÚNEIS RODOVIÁRIOS41

5 METROVIA – SALVAMENTO (OCORRÊNCIAS)

5.1 TÁTICA E TÉCNICA

O Corpo de Bombeiros da Polícia Militar poderá ser acionado para atender casos de salvamento nas instalações e/ou composições do Metropolitano de São Paulo.

Serão objetos deste artigo os seguintes tipos de ocorrências: 1) inundação; 2) desmoronamento; 3) descarrilhamento; 4) colisão e choque; 5) atmosfera nociva; e 6) explosão.

5.1.2 INUNDAÇÃO a. As chuvas torrenciais ou mesmo o rompimento de uma adutora, podem provocar inundação em áreas onde não existe escoamento. 1) A inundação pode ocorrer também com o rompimento de redes de esgoto. 2) Os bombeiros que irão trabalhar em áreas desse tipo deverão proteger-se de possíveis ferimentos. b. Inundação na estação. 1) A maioria das estações do Metrô são subterrâneas. a) Normalmente nessas áreas existem bombas para executar o escoamento. b) Poderá ser chamado o CB para intervir em situação desse tipo. c) Deverá se ater aos problemas de descarga elétrica, pois tudo nessas estações depende de energia elétrica. 2) Deverá sempre, ao inspecionar o local, manter contato com o Supervisor da

Estação 3) Procurar sempre estar em comunicação constante através de rádios transmissores, intercomunicadores etc.

TÚNEIS RODOVIÁRIOS42

4) Recorrer aos equipamentos do Corpo de Bombeiros, que serão bombas portáteis de escoamento, com funcionamento elétrico, através de geradores ou motores a explosão (portáteis). 5) Sempre que os bombeiros intervirem, os usuários do Metrô já deverão estar fora das estações. 6) Procurar sempre trabalhar na estação com iluminação e ventilação, pois se estiver utilizando motores a explosão, os gases prejudicam a visão e respiração.

5.1.3 INUNDAÇÃO NO PÁTIO DE MANOBRAS

1) Dificilmente poderá haver esta ocorrência no pátio de manobras, pois já foi objeto de preocupação durante a construção da área. 2) Deve ser sempre lembrado que o problema mais grave é eletricidade. a) Se tiver que trabalhar nessa área, confirmar sempre se a energia elétrica está desligada. 3) em virtude das características da construção, a água deverá fluir normalmente, mas como conseqüência poderá ocorrer erosão nas encostas, ou deslizamentos. a) Nas áreas onde existe aterro deverá o bombeiro, na medida do possível desviar a água, pois a erosão poderá provocar a destruição de obras de engenharia; às vezes um muro ou parede deve ser furado para dar vazão à água.

5.1.4 INUNDAÇÃO NOS TÚNEIS

1) Nos túneis já existem equipamentos para realizar o escoamento. a) A entrada de bombeiros no túnel para realizar o salvamento deverá ocorrer sempre com orientação dos funcionários do Metrô. 2) Ao penetrar nessas áreas procurar sempre estar com equipamentos de proteção, tais como: bota de borracha, luvas, corda-guia, lanterna etc.

5.1.5 DESMORONAMENTOS a. O desmoronamento ou desabamento de uma estação ou mesmo do túnel, só poderá acontecer nas catástrofes.

TÚNEIS RODOVIÁRIOS43

1) Após a ocorrência desse tipo, a principal preocupação é localizar e obter todas as informações do ocorrido. b. Deverão ser utilizados materiais e equipamentos de remoção e corte, e executar escoramento das paredes que ofereçam perigo, das vias de acesso até o local do acidente. c. Os bombeiros devem portar a bolsa de primeiros socorros, pois poderão encontrar vítimas com vida. d. Ter comunicação constante com a superfície, se o desmoronamento ocorrer nos túneis. e. Haverá situações em que só os meios manuais não serão suficientes, devendo ser solicitadas máquinas, tratores ou outros veículos especiais.

5.1.6 DESCARRILHAMENTO a. É uma ocorrência onde a composição ou apenas alguns vagões saem dos trilhos.

b. Poderá ocorrer o tombamento dos vagões; nesta situação, o bombeiro deverá recorrer a equipamentos de tração, duplicadores de força, macacos hidráulicos etc. c. Procurar obter informações das características do vagão, e após localizar possíveis vítimas. d. Utilizar equipamentos adicionais necessários, oferecidos pelo Metrô.

5.1.7 COLISÃO E CHOQUE a. Colisão é o impacto de duas composições em movimento, frente a frente ou pela traseira; no primeiro caso, as composições transitam em sentidos opostos e, no segundo caso, circulam no mesmo sentido; choque é o impacto de uma composição contra qualquer obstáculo, inclusive, com outra composição, estacionada ou parada. b. Nestes acidentes as vítimas poderão estar presas nas ferragens. 1) Todo cuidado é pouco; retirar as ferragens da vítima e não a vítima das ferragens. c. Vítimas deste acidente, apresentam na maioria das vezes, fraturas, hemorragia e asfixia; controlá-las para evitar pânico.

TÚNEIS RODOVIÁRIOS4

d. Os equipamentos normalmente empregados são: desencarceradores, cortadores de disco, oxi-corte acetileno, macacos hidráulicos e alargadores).

5.1.8 ATMOSFERA NOCIVA a. Poderá ocorrer a paralisação do sistema de exaustão e ventilação das estações do Metrô ou, a penetração nos túneis ou estações, de gases tóxicos ou fumaça. b. Os funcionários do Metrô já devem ter providenciado a retirada as pessoas, antes do Corpo de Bombeiros chegar. c. Se tiver que entrar em áreas gasadas, sempre fazer uso das máscaras autônomas ou utilizar ventiladores. d. Sempre procurar isolar a área e retirar possíveis vítimas. e. A área deve ser controlada inclusive com o auxílio de Agentes da Segurança interna e externa do Metrô e Polícia Militar.

5.1.9 EXPLOSÕES a. Por definição, explosão é uma súbita, violenta e estrondosa fragmentação de um corpo devido à dilatação de gases ou à conflagração de matérias.

1) Havendo desabamento, desmoronamento, as pessoas já vitimadas ou não, que forem encontradas na área, devem ser retiradas de imediato.

2) Normalmente, serão empregados equipamentos de corte e remoção. Na retirada de destroços e vítimas soterradas (quando houver).

TÚNEIS RODOVIÁRIOS45

6 INSTALAÇÕES FERROVIARIAS

6.1 INTRODUÇÃO

As ferrovias têm como meta principal o transporte de cargas, vindo o de passageiros a ser atividade secundária, embora venha sendo aprimorado, tanto nas linhas de subúrbios como nas de grandes percursos.

O número de ferrovias no Brasil é grande, motivo pelo qual a variedade de equipamentos vai desde bitolas, instalações, comunicações e material rodante em geral, cuja fabricação se origina de diversos países, pois somente agora o Brasil começa a desenvolver a indústria ferroviária. a. Embora haja essa variedade de equipamentos, o princípio de funcionamento de cada ferrovia é semelhante entre todas, motivo pelo qual foi escolhido como padrão para este manual as Ferrovias Paulista S/A (FEPASA)

6.2 CARACTERÍSTICAS GERAIS

Composições – são os equipamentos rodantes que circulam em seu curso, formadas por uma locomotiva em um ou mais carros (vagões), reboque ou ainda por carromotor com carro-reboque. a. A primeira pode ser uma composição exclusivamente de carga, de passageiros ou mista, isto é, carga e passageiros.

Tração das composições – a tração das composições pode ser através de: vapor, diesel, eletro-diesel e elétrica. a. vapor – quando a composição é tracionada por uma locomotiva onde uma caldeira produz vapor para acionar os pistões de tração. 1) Essa caldeira é aquecida por uma fornalha utilizando madeira ou óleo cru. 2) Atualmente esse tipo de tração está em desuso. b. Diesel – quando a composição é tracionada por uma locomotiva com um motor à explosão, que usa como combustível óleo diesel. c. Eletro-diesel – quando a composição é tracionada por uma locomotiva que possuindo um motor à explosão diesel, movimenta um gerador que vai fornecer energia para os motores elétricos de tração da locomotiva.

TÚNEIS RODOVIÁRIOS46

d. Elétrica – quando a composição é tracionada por uma locomotiva elétrica ou é composta por carro-motores (tração própria).

6.3 ELETRIFICAÇÃO EM FERROVIAS

Tração elétrica – a tração com locomotivas elétricas da FEPASA usa o sistema de corrente contínua com tensão de 3000 volts. a. A seguir como é produzida e aproveitada a energia elétrica para o acionamento das locomotivas elétricas. 1) Nas usinas hidrelétricas, a força hidráulica é aproveitada na turbina (A), que por sua vez aciona o gerador (B); a corrente produzida pelo gerador (B) é alternada trifásica com tensão de 2300 volts. 2) Para ser transmitida à longa distância, esta corrente passa pelo transformador

(C) e a tensão é elevada para 80 volts e, é transportada por uma linha der transmissão (D), até a subestação de força. 3) A corrente alternada de 80 volts passa na subestação por transformadores

(E) que baixam a tensão para 2300 volts. a) A voltagem assim reduzida movimenta o motor (F), em cujos eixos estão montados os geradores (G), que produzem a corrente contínua com tensão de 3000 volts. b) Essa corrente contínua é então distribuída à linha de contato (fio-trólei) (H), para acionar as locomotivas; o circuito é completado pelos trilhos (I) (linha férrea). b. Equipamentos elétricos das locomotivas. 1) A alta tensão (3000 volts) recebida do fio-trólei, passando pelos dispositivos do equipamento de alta tensão (chaves de faca, resistência, relés, contatores) é usada para acionar os motores de tração (motores principais que dão movimento à locomotiva) e os motores geradores auxiliares (MG.1 e MG.2). 2) O aparelho de alta tensão é movimentado pela tensão de comando (65v – baixa tensão) produzida pelo motor gerador auxiliar. c. Combinação dos motores de tração. 1) A maioria das locomotivas elétricas possui seis motores de tração, que funcionam da seguinte forma: a) 1ª Combinação – todos os motores são ligados em série, recebendo cada motor 500 volts.

TÚNEIS RODOVIÁRIOS47

b) 2ª Combinação – os motores são ligados em dois grupos em paralelo, conteúdo cada grupo três motores ligados em série, e essa combinação é chamada série-paralela, recebendo cada motor 1000 volts; e c) 3ª Combinação – os motores são ligados em três grupos em paralelo, contendo cada grupo dois motores ligados em série; essa combinação é chamada paralela e cada motor recebe nessa combinação 1500 volts. 2) Embora a locomotiva receba 3000 volts do fio-trólei, cada motor de tração da locomotiva recebe no máximo 1500 volts. 3) Nas descidas, os motores de tração trabalham como geradores, retardando o movimento da locomotiva e auxiliando as subestações de força. a) Para isso os motores são excitados por um motor gerador, que produz a tensão para a excitação. 4) As locomotivas elétricas têm, para o maquinista, uma cabine em cada extremidade (com exceção das locomotivas de manobras série 6500 e 2100) e podem ser movidas nas duas direções. a) Entre as cabines do maquinista, estão instalados os conjuntos motores geradores. 5) A maioria dos aparelhos está colocada nos compartimentos de alta tensão. 6) d. Pantógrafo (figura 16). 1) O pantógrafo é feito de uma armação de cantoneiras parafusadas entre si, que suporta os cilindros de ar, molas e eixos que articulam uma armação de tubos de aço, que por sua vez sustenta as sapatas de contato. a) O pantógrafo é isolado da tolda da locomotiva por meio de isoladores de porcelana tipo pedestal. b) É geralmente levantado por pressão de ar e baixado por meio de molas. c) Em alguns tipos de locomotivas (6410 e 2000 “Westinghouse”, 2000 GE e de manobras 6500 e 6150) é levantado por meio de molas e baixado por pressão de ar comprimido. d) As locomotivas são equipadas com dois pantógrafos ( com exceção das locomotivas de manobras e locomotivas 2100 ). 2) As locomotivas série 6350 e 2100 são equipadas com pantógrafos ( “Faiveley” ) tipo AM-3-B. a) Estrutura fixada à locomotiva por meio de três isoladores de porcelana.

(Parte 4 de 4)

Comentários