somatoforme

somatoforme

Estudo de Caso
Somatoforme
BIANCA REGINA DE SOUZA NAYANE MENEZES CANDIDO

TRANSTORNO SOMATOFORME
A palavra “somatoforme” vem do grego soma “corpo físico” e latina formis “que toma forma”, assim seu significado literal é “aquilo que toma forma”

Nos serviços de atendimento básico à saúde é grande a demanda de pacientes com queixas somáticas.

• O sofrimento emocional ou situações de vida difíceis são como sintomas físicos. • Passam despercebida em consultas medicas • São taxados como chatos, poliqueixosos • medicina hoje esta voltada para identificação e o tratamento • A pessoa com somatização e convicta de que seu sofrimento provem de algum distúrbio físico ou doença que ainda não foi descoberta

• A categoria diagnóstica “Transtornos Somatoformes” (F45) foi introduzida na Classificação Internacional de Doenças (CID-10) em 1992. Compreende 7 entidades nosológicas: • Transtorno de somatização • Transtorno somatoforme indiferenciado • Transtorno hipocondríaco • Disfunção autonômica somatoforme

• Transtorno doloroso somatoforme persistente, • Transtorno somatoforme não especificado. • Outros transtornos somatoformes

Sintomas comuns em pacientes com somatização:
• • • • • Sintomas gastrointestinais Sintomas dolorosos Sintomas pseudoneurológicos Sintomas dos órgãos reprodutivos Síndromes

Sugestões para tratar pacientes com somatização:
• • • • • • Cuidar, não procurar curar Conservadorismo diagnóstico e terapêutico Validação do sofrimento Dando um diagnóstico Consulta psiquiátrica Terapia cognitivo-comportamental

Caso Clínico:
T. M. V. 16 anos, solteira estudante do ultimo ano do ensino médio, moradora de Maringá Paraná, procurou atendimento medico na unidade básica de saúde, juntamente com sua mãe queixando-se com fortes dores abdominais.

A mãe relata os seguintes sintomas: irritação facial, nervosa por qualquer motivo, não conversa muito, por qualquer motivo chora, principalmente quando falam de seu pai.

Foram realizados vários exames, nos quais não compravam nada que pudesse originar sua dor abdominal, não faz uso de medicação constante, quando entra em crise busca atendimento na Unidade básica

Situação familiar: T. mora com a mãe e o irmão, os pais separam-se a uns 3 anos, T. ficou muito abalada, com a separação de seus pais e a partir desse momento começou apresentar dores abdominais constantes.

Relatorio de Visitas:
• Dia 12/08/2010 Realizado visita domiciliar com psicologia da UBS. • Dia 19/08/2010 Passeio pelo bairro com a usuaria. a

• Dia 23/08/2010 Visita da usuária ao grupo Pintando e Bordando saúde. • Dia 02/09/2010 Visita de despedida

Referências
LOUZÃ NETO, Mario Rodrigues; ELKIS, Hélio. Psiquiatria básica. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2007.LOUZÃ NETO, Mario Rodrigues; ELKIS, Hélio. Psiquiatria básica. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2007. GRAY, Gregory E. Psiquiatria baseado em evidências. Porto Alegre: Artmed, 2004GRAY, Gregory E. Psiquiatria baseado em evidências. Porto Alegre: Artmed, 2004. SAÚDE, Organização Mundial de. Classificação Internacional de Doenças - Décima Revisão (CID X): F45 Transtornos somatoformes. Disponível em: <http://www.emtr.com.br/cid10F45.htm>. Acesso em: 01 set. 2010.

Comentários