(Parte 5 de 8)

- 21 -

4.1 Introdução O Elipse SCADA (Supervisoy Control and Data Acquisition) é um programa da Elipse software que permite a criação de aplicativos de supervisão e controle de processos em diversas áreas. Para a escolha do software elipse considerou fatores como: genuinamente brasileiro, mundialmente conhecido, apresenta grande número de aplicações, grande número de ferramentas, etc.

4.2. Histórico

A Elipse software foi fundada em Porto Alegre em junho de 1988, e desde então dedica-se ao desenvolvimento de softwares para a área industrial. Nos primeiros três anos, a Elipse desenvolveu softwares sob medida para processos de automação industrial. A partir de 1991 a empresa passou a dedicar-se exclusivamente ao desenvolvimento e comercialização do Elipse 21, software de supervisão e controle de processos para ambiente MS-DOS. Em 1993, a empresa lançou o Elipse Windows, acompanhando a popularização deste sistema operacional. A Elipse possui hoje dois escritórios no Brasil (Porto Alegre e São Paulo) e mais duas filiais, uma nos Estados Unidos e outra na Alemanha. A Elipse oferece atualmente dois produtos de supervisão: Elipse SCADA e o Elipse E3 [ELIPSE, 2007].

4.3. Elipse SCADA

O Elipse SCADA permite a criação e execução de aplicativos Interface Homem

Máquina (HMI - Human Machine Interface) e SCADA para processos de qualquer natureza. Configurável pelo usuário, permite a monitoração de variáveis em tempo real, através de gráficos e objetos relacionados com as variáveis físicas em tempo real. Através da coleta de informações de qualquer tipo de equipamento de controle, os operadores podem monitorar e controlar todos os processos de chão de fábrica, bem como máquinas e

- 2 - recursos, gerenciando toda a produção. Os dados são apresentados de forma gráfica em tempo real, permitindo o tratamento das informações [ELIPSE, 2007].

O Elipse SCADA pode trocar dados com vários equipamentos de aquisição de dados, como Controladores Programáveis, Unidades Remotas RTUs (Remote Terminal Units) e controladores PID e com outros sistemas, através da comunicação OPC (Ole for Process Control). Possui ainda a ferramenta ODBC (Open Database Connectivity), para troca de dados com bancos de dados relacionais.

O Elipse Scada é oferecido em quatro versões:

• Elipse View É indicada para aplicações simples, como por exemplo, uma interface com o operador para monitoração e acionamentos. As informações recebidas pelo View estão disponíveis também para outras aplicações que possam trabalhar com DDE (Dynamic Data Exchange). O DDE é o mecanismo de troca de informações entre múltiplas aplicações. Neste módulo estão disponíveis: Funções de monitoramento e controle;

Comunicação com PLCs e outros equipamentos via drivers, inclusive em blocos;

Objetos de tela para a produção de interfaces, como por exemplo, botões, medidores, caixas de texto, gráficos de barra e tendências, imagens, animações, alarmes e outros;

Importação de imagens de editores gráficos, como por exemplo, Corel Draw e

Microsoft Paint; Alarmes;

Controle de acesso por lista de usuários (autenticação);

Programação e automação de processos através de programação baseada em scripts, o Elipse Basic; Servidor para aplicações remotas.

• Elipse MMI (Man Machine Interface)

- 23 -

É a versão para aplicações de médio porte, onde não haja necessidade de conexão com bancos de dados externos via ODBC (Open Databese Connectivity), DAO (Data Access Objects) ou quando não seja necessário enxergar outras estações através da rede. Nesta versão, estão disponíveis além das características da versão View, as seguintes: Históricos;

Controle Estatístico de Processos;

Browser e Alarmes tipo Histórico; Log de alarmes em disco.

• Elipse PRO (Professional) Apresenta além das funções disponibilizadas na versão MMI, permite trocar dados em tempo real com outras estações através do servidor Elipse TCP/IP, conectar-se com bancos de dados, realizar comandos e programar setpoints através de rede local ou linha discada. Permite a comunicação com equipamentos e sistemas via OPC (OLE for Process Control) e conexão com softwares de controle.

• Elipse Power

Esta versão foi desenvolvida para supervisão de subestações e sistemas elétricos.

Possui recursos avançados como a conexão com IDEs (Integrated Development Environment) e RTUs através de qualquer protocolo de comunicação, como IEC 870-5 e DNP 3.0. O Elipse Power utiliza base de tempo local permitindo o sequenciamento de eventos, oscilografia e tele supervisão [ELIPSE, 2007].

4.4. Módulos de Execução

O Elipse SCADA possui três módulos para sua operação. A configuração e execução são determinadas pelos módulos Configurador, Runtime e Master.

- 24 -

Configurador: Permite o desenvolvimento de aplicativos. Para a realização de testes o configurador permite executar aplicações por até 2 horas.

Runtime: Permite a execução por tempo ilimitado de um aplicativo de supervisão desenvolvido com o uso do Configurador. O Runtime não permite qualquer alteração no aplicativo gerado pelo Configurador, a menos que existam telas ou métodos predefinidos para alterações no aplicativo em tempo de execução.

Master: Inclui o Configurador e o Runtime na mesma ferramenta, permitindo execução e configuração com a mesma chave de segurança.

O Elipse Scada funciona no módulo ativo com uma chave de proteção definido a partir de um dispositivo de proteção (hardkey) que é acoplado ao computador. É a configuração do hardkey que define qual módulo (Configurador, Runtime ou Master) ou quais ferramentas estão disponíveis, já que o executável do Elipse SCADA é sempre o mesmo. Desta forma, é possível atualizar o modulo de execução, trocando o hardkey, sem a necessidade de instalar uma nova cópia do software. Da mesma maneira, as atualizações podem ser realizados remotamente. Os módulos Runtime e Master estão também disponíveis em versões denominadas Lite, limitadas em número de variáveis (75 ou 300 tags), enquanto os módulos denominados full permitem até 32.0 variáveis

Na ausência do hardkey, o software pode ainda ser executado em modo Demonstração.

Como não necessita do hardkey, o modo demo pode ser utilizado para a avaliação do software. Ele possui todos os recursos existentes no módulo Configurador, com exceção de que trabalha com um máximo de 20 tags (variáveis de processo) e permite a comunicação com equipamentos de aquisição de dados por até 10 minutos. Neste modo, o software pode ser livremente reproduzido e distribuído.

- 25 -

4.5. Áreas de Aplicações

O Elipse SCADA sendo um software supervisório, é utilizado em diversas áreas de aplicações. Dentre as aplicações do Elipse pode-se citar:

• Automação predial

Prédios inteligentes, onde todo o controle da planta é feito por automação, são conceitos cada vez mais presente nos mercados imobiliário e de construções. Isto se deve às necessidades de racionalizar recursos energéticos, incrementar a eficiência operacional e controlar sistemas de segurança. Nos mercados de condomínios comerciais, shopping centers e prédios comerciais implementam-se soluções de supervisão fazendo a conectividade de softwares supervisórios com diferentes sub-sistemas de automação.

• Supervisão de máquinas

Diferentes fabricantes de máquinas adotaram os softwares supervisórios como a solução para seus sistemas de controle e monitoramento de dados.

• Indústria automobilística

A indústria automobilística é uma grande usuária dos sistemas SCADAs. Como exemplos de empresas que utilizam o Elipse em diferentes pontos da linha de produção pode-se citar: Ford, Fiat, General Motors, Volkswagen, Mercedes Benz, entre outras.

• Sistemas de energia

Aplicações na área elétrica de geração, transmissão, distribuição e gerenciamento de subestações podem ser desenvolvidas, onde é necessária a criação de interfaces locais para

- 26 - sistemas automatizados. Outro uso corrente é o controle de utilidades em plantas industriais, garantindo o melhor uso da energia, sem riscos de penalização por excesso de demanda ou problemas por falhas no gerenciamento correto do uso de energia.

- 27 -

5.1. Introdução Os avanços tecnológicos nas áreas de informática, microeletrônica e protocolos de comunicação possibilitaram a criação a baixo custo de dispositivos de controle, monitoramento, integradores multifuncionais e processadores de alto desempenho que foram integrados com o conceito de automação e passaram a ser difundidos e amplamente utilizados nas indústrias.

Após a consolidação desses conceitos na área industrial eles passaram a ser aplicados em áreas prediais (hotéis, prédios comerciais, hospitais, supermercados, shopping, entre outros). Surgindo assim a automação predial que são: sistemas físicos integrados que tem como finalidade suprir as necessidades do usuário com soluções prediais aumentando os benefícios se comparados com os sistemas isolados de eficiência limitada, originando assim os prédios automatizados.

(Parte 5 de 8)

Comentários