Historia da Computação

Historia da Computação

(Parte 3 de 6)

2.1 A História e suas interpretações

Desde o seu nascimento nas civilizações ocidentais, tradicionalmente situado na antigüidade grega (Heródoto, século V a.C. é considerado por alguns como o “pai da história”), a ciência histórica se define em relação a uma realidade que não é construída nem observada, como na matemática ou nas ciências da natureza, mas sobre a qual se “indaga”, se “testemunha”. Este aspecto da história-relato, da história-testemunho, jamais deixou de estar presente no desenvolvimento da ciência histórica.

* Se a história é ou não ciência é uma questão muito disputada entre vários autores e tema ainda polêmico. No tratado História e Memória do medievalista francês Jacques Le Goff [Gof94], capítulo História, item 1, desenvolve-se uma panorâmica geral dessas correntes e tendências existentes entre historiadores e teóricos da história.

† Obviamente não se quer tirar aqui a importância da datação. Como diz Le Goff, “o historiador deve respeitar o tempo que, de diversas formas, é condição da história e que deve fazer corresponder os seus quadros de explicação cronológica à duração do vivido. Datar é, e sempre será, uma das tarefas fundamentais do historiador, mas deve-se fazer acompanhar de outra manipulação necessária da duração − a periodização − para que a datação se torne historicamente pensável” [Gof94]. Não se dispensará este trabalho de ter uma cronologia, a partir da qual se possa situar no tempo os homens e os fatos mais representativos de uma determinada corrente de idéias ou descobertas. No anexo I há uma tabela da evolução conceitual e tecnológica por data.

A partir do momento em que se começaram a reunir documentos escritos, a historiografia começa a ultrapassar os limites do próprio século abrangido pelos historiadores, superando também as limitações impostas pela transmissão oral do passado. Com a construção de bibliotecas e a criação de arquivos iniciou-se o desenvolvimento de métodos de crítica. Sobretudo depois do final do século XVII, estabeleceram-se os fundamentos para uma metodologia aplicada à história, sob uma radical exigência de submeter todas as investigações à razão crítica [Fer85]. A segunda metade do século XIX impôs o paradigma de uma história que a partir daí chamar-se-á paradigma “tradicional” ou paradigma “rankeano”, derivado do nome do historiador Leopold von Ranke (1795-1886). Ranke propunha apresentar os fatos tais como o “foram na realidade” e os historiadores europeus criaram os grandes esquemas políticos e institucionais.

Características desse paradigma, conforme Peter Burke, historiador de Cambridge [Bur92b]:

• deveria perguntar mais pelas motivações individuais do que pelos movimentos coletivos, tendências e acontecimentos;

• a história é objetiva, entendendo-se por isso a consideração do suceder como algo externo ao historiador, suscetível de ser conhecido como objeto que se põe diante do microscópio, almejando uma neutralidade.

Ainda no século XIX algumas vozes soaram discordantes desse paradigma histórico.

Entre outras coisas devido ao seu caráter reducionista, onde situações históricas complexas são vistas como mero jogo de poder entre grandes homens (ou países), e também em função daquilo que se poderia chamar a “tirania” do fato ou do documento, importantes sem dúvida, mas que não deve levar a abdicar de outros tipos de evidências. Como relata Peter Burke, “Michelet e Burckhardt, que escreveram suas histórias sobre o Renascimento mais ou menos na mesma época, 1865 e 1860 respectivamente, tinham uma visão mais ampla do que os seguidores de Ranke. Burckhardt interpretava a história como um corpo onde interagem três forças − Estado, Religião e Cultura − enquanto Michelet defendia o que hoje poderíamos descrever como uma ‘história da perspectiva das classes subalternas’(...)” [Bur92a]. Outros opositores da “história política” foram os historiadores da evolução das sociedades sob o ponto de vista econômico e os fundadores da nova disciplina da sociologia, que começaram a surgir na França.

Dois fatos, no entanto, ocorridos nas quatro primeiras décadas do século X acabariam por sacudir e arruinar a confiança nos princípios rankeanos, O primeiro foi a rápida difusão do marxismo, que renuncia à neutralidade, afirmando que o materialismo dialético é a única filosofia científica válida para a interpretação da história; o segundo, a grande crise do ano de 1929, que revelou até que ponto os fatores econômicos e sociais podem exercer uma ação decisiva.

É desse período o nascimento da revista francesa Annales, considerada uma das mais importantes propulsoras da chamada Nova História. Nova História é um termo que data de 1912, quando o estudioso americano James Harvey Robinson publicou um livro com esse título. Segundo Robinson, história inclui todo traço e vestígio de tudo o que o homem fez ou pensou desde seu primeiro aparecimento sobre a terra. Em relação ao método, a ‘nova história’ vai servir-se de todas aquelas descobertas que são feitas sobre a humanidade, pelos antropólogos, economistas, psicólogos e sociólogos [Bur92b].

Surgiu a idéia de uma história total, com a qual quiseram os autores da Escola dos

Annales advertir que, frente à unilateralidade e reducionismo do materialismo dialético, a compreensão do passado exige que todos os dados – políticos e institucionais, ideológicos, econômicos, sociais, da mentalidade humana, etc. – fossem fundidos e integrados para conseguir uma explicação correta. Uma tarefa árdua, na prática quase impossível, mas que marca um ideal, uma direção, uma meta que é preciso atingir.

Surgiram ainda outros enfoques como, por exemplo, a história do ponto de vista quantitativo, durante certo tempo em moda na Europa e Estados Unidos, que procura utilizar fontes quantitativas, métodos de contagem e até modelos matemáticos na sua pesquisa histórica, ou as histórias que abrangem um determinado campo da vida humana como a história da arte ou a história das ciências [GN88].

O panorama atual, de acordo com os historiadores, é o de uma história fragmentada, detectando-se alguns sinais de busca de uma síntese. Ainda se está a uma longa distância da “história total”. Na verdade, é difícil acreditar que esse objetivo possa ser facilmente alcançado – ou até que será alcançado –, mas alguns passos já foram e estão sendo dados em sua direção.

Paralelamente a todos esses esforços, surgiram também os teóricos da história, que se esforçaram ao longo dos séculos para introduzir grandes princípios que pudessem fornecer linhas gerais de compreensão para a evolução histórica. A filosofia da história é o estudo da realidade “latente”, ou melhor, do “pano de fundo” dos fatos históricos. Qual é a natureza, por exemplo, das crises de crescimento e decadência de uma civilização, quais foram as causas? Sendo a história não a simples crônica que apresenta os fatos de um modo minucioso, mas sim sua investigação, que se esforça por compreender os eventos, captar relações, selecionar fatos, como fazer isso, qual é a estrutura essencial da realidade histórica?

A filosofia da história – termo temido por muitos autores porque poderia supor apriorismos, preconceitos, idealismos – responderá basicamente a duas questões fundamentais:

• para qual fim se dirigem − historiologia teleológica.

2.2 A História da Ciência

O nascimento e o desenvolvimento da ciência experimental, a partir do século XVII, estiveram freqüentemente acompanhados de polêmicas filosóficas: sobre o alcance do raciocínio científico, seus limites, o que é a verdade na ciência, etc. Diferentes posturas filosóficas da época moderna tentaram solucionar tais polêmicas, mas foi no século X que realmente se chegou a constituir uma filosofia da ciência como disciplina autônoma. Do Círculo de Viena em 1929, passando por Karl Popper, Thomas Khun, Imre Lakatos, Paul Feyerabend, Wolfang Stegmüller, entre outros, protagonizou-se um intenso debate em torno do valor do conhecimento*.

Para este trabalho, o que interessa é que toda essa movimentação em torno da racionalidade da ciência também teve seu reflexo na teoria da história, pelas novas epistemologias científicas que foram surgindo. Os debates trouxeram para o primeiro plano a questão da função da historiografia da ciência e alguns problemas teóricos relativos a essa historiografia. A importância de uma história da ciência que vá além da história episódica ou dos resultados obtidos ficou ressaltada. Em ([RA91], volume I) resume-se quais seriam as funções da História da Ciência:

• sendo a ciência fator de história, não se pode entender o desenvolvimento dessa história, especialmente da época moderna e da época contemporânea, se não conhecermos a História da Ciência e da Tecnologia;

• além de ser fator de história, a ciência também é fator de cultura: assim, estará vedada a compreensão do desenvolvimento da cultura mais ampla se não se compreende a História da Ciência e seu entrelaçamento e condicionamento recíproco com a História da Filosofia, as concepções morais, políticas e outras;

• o conhecimento da História da Ciência é necessário para o trabalho do cientista, porque o pleno entendimento do conteúdo de uma teoria pode ser obtido mediante o confronto dessa teoria com outras, e essas outras teorias devem ser buscadas onde quer que estejam disponíveis, tanto no presente como no passado;

• a História da Ciência se revela como mais um ingrediente para a didática das ciências, tanto no que se refere à motivação do aprendizado, como no que se refere à educação no antidogmatismo, isto é, no reconhecimento do erro como uma fonte científica de aperfeiçoamento da teoria;

• a História da Ciência possibilita uma maior consciência das normas metodológicas necessárias ao trabalho de pesquisa.

Os problemas do como realizar essas funções são complexos, bastando lembrar as diferentes escolas de história. De qualquer maneira, é a disciplina da história que é revitalizada, despertando a capacidade do homem de assumir o seu passado e a partir dele dar respostas criadoras aos novos problemas que aparecem. É muito significativo que entre os sintomas da decadência de uma cultura ou de uma ciência esteja precisamente isto: o repúdio ao passado que as valorizava.

* Para aprofundar no assunto, em [Art94] há uma síntese das discussões e evolução das polêmicas.

A história não é exclusivamente caos ou acaso: existe no comportamento humano um certo grau de ordem e padrão observáveis de uma regularidade parcialmente previsível. The Social Sciences in Historical Study (vários autores)

Uma das intenções do presente estudo é procurar compreender e estabelecer as diretrizes para uma disciplina da História da Ciência, a História da Computação, através da seleção das idéias, teorias e paradigmas que ajudaram os homens em sua busca da automatização dos processos aritméticos e que conduziram à tecnologia dos computadores. Interessa portanto o enfoque teleológico, citado anteriormente (A história e suas interpretações).

existência de conexões na natureza,e seu único objetivo é determinar que elementos essas

A historiologia teleológica aplica-se na interpretação, de trás para frente, da conexão concreta do curso histórico. Trata-se de compreender duas coisas: a primeira, que na série confusa dos fatos históricos podem-se descobrir linhas, facções, traços, em suma, uma 'fisionomia', conforme diz Ortega y Gasset; a segunda, tentar mostrar um sentido para a história, desde a perspectiva do seu fim. Conforme outro historiador, Toynbee* [Toy87], o ponto de partida da interpretação histórica, como o de qualquer tarefa intelectual, é o pressuposto de que a realidade tem algum significado que nos é acessível pelo processo mental da explicação. Considera-se que a realidade, ainda que não totalmente, tem um sentido, isto é, que há um ‘acúmulo de ordem’ nas relações entre os milhares de fenômenos observados na realidade e dissecados pela nossa inteligência. “Todo raciocínio pressupõe a conexões reúnem” [H30].

Na abordagem teleológica, a história não é o fato meramente enumerado, mas organizado, selecionado, relacionado. Como diz Kenneth O. May, “de modo semelhante à física, nós não pensamos que o mero registro de uma observação por um físico é Física. Isso se torna Física quando é interpretado, organizado, relacionado com outras partes da Física. Do mesmo modo, o conhecimento cronológico torna-se história somente quando ele é selecionado, analisado, acompanhado da sua compreensão dentro de um contexto mais amplo. Significa que a história dos computadores deveria ser compreendida não do ponto de vista 'histórico', mas em relação ao computador propriamente. Deveria dar a perspectiva, através das idéias, sobre o que o futuro desenvolvimento deveria ser, ao que as futuras linhas de desenvolvimento devem chegar, e assim por diante” [May80].

O conhecimento histórico, por sua própria natureza, é inseparável do historiador, pois é este que, da documentação coletada, destaca o singular, elevando o fato à condição de histórico. Procurou-se, então, registrar neste livro, tecendo um fio de história, os fatos conceituais, com a mínima periodização e datações possíveis. Por fatos conceituais entendam-se aqui as idéias e conceitos relevantes que fundamentaram a incansável busca pela mecanização do raciocínio. Entre estes estarão: Álgebra, Sistema Axiomático, Lógica Matemática, Sistema Axiomático Formal, Computabilidade, Máquina de Turing, Tese de Church, Inteligência Artificial, e outros mais.

* Se bem que em outro contexto, pois tinha uma outra linha de pensamento historiográfico, mas que serve também para o enfoque adotado no trabalho.

É uma história que se vai tornando incrivelmente complexa, conforme vai avançando no tempo. Os trabalhos isolados dos precursores da Física e da Matemática, e mais recentemente da própria Ciência da Computação, justamente por causa de seu isolamento, são relativamente fáceis de discernir. Mas a partir de 1950, com a proliferação das pesquisas nas universidades, nos grandes laboratórios, nas indústrias − privadas ou estatais −, observouse um desenvolvimento acelerado da informática. A Ciência da Computação avançou em extensão e profundidade, tornando-se difícil até a tarefa de enumeração dos fatos. Surge a tentação de particularizar mais ainda. Pode-se falar por exemplo de uma história dos microcomputadores, tomando o ano de 1947 quando três cientistas do Laboratório da Bell Telefonia, W. Shockley, W. Brattain e J. Bardeen, desenvolveram sua nova invenção sobre o que seria um protótipo do transistor e de como, a partir daí, ano após ano, hardware e software progrediram e criaram novos conceitos, estruturas, em ritmo vertiginoso. E assim também no desenvolvimento das Linguagens de Programação, dos Compiladores, da Teoria da Computação, da Computação Gráfica, da Inteligência Artificial, da Robótica, e outras áreas. Começa a tornar-se difícil separar o que é significativo dentro do enfoque crítico adotado.

Surge o problema da delimitação das fronteiras, pois as várias especialidades se misturam muitas vezes*, apesar de ter um corpo central definido. Para se atender à finalidade de uma História da Computação de caráter conceitual, este trabalho estará limitado prioritariamente ao campo das idéias, acenando para outros campos quando necessário se sua repercussão atingir a linha de evolução seguida.

De qualquer modo, embora enfatizando o aspecto do pensamento – o que se tinha em mente quando algo foi feito ou definido, e o que este algo fundamentará mais tarde –, será necessário o estabelecimento de alguns marcos temporais. Os acontecimentos da história produzem-se em determinados lugares e tempos. Esta pontualização possibilitará ir unificando esse suceder histórico específico de que se está tratando, em um processo único que mostre claramente a mudança, o desenvolvimento e o progresso. Não se dispensará absolutamente o uso das datas assim como dos fatos tecnológicos que possam ser considerados verdadeiras mudanças de paradigma†.

Não se deve estranhar o recurso à História da Matemática. Aliás é preciso dizer que, no início, pelo menos nos círculos acadêmicos, a Computação apareceu como algo dentro dos Departamentos de Matemática, e ainda hoje, em muitas Universidades, a Ciência da Computação aparece como um Departamento de um Instituto de Matemática. Dentre os diversos tópicos científicos sujeitos à investigação, a Matemática é o que melhor combina um caráter abstrato com um uso universal em outros campos do conhecimento. Sua relação com a Computação é muito estreita, quase que inseparável. As primeiras máquinas construídas foram resultado de buscas por parte dos membros dessa comunidade do conhecimento.

* Pense-se na Robótica por exemplo, onde estão incluídas a Inteligência Artificial, as Linguagens de Programação, a Computação Gráfica, etc.

† No anexo I encontra-se uma tabela cronológica dos acontecimentos conceituais e tecnológicos, que dará uma visão mais geral da evolução da História da Computação.

Uma vez apontada a importância e necessidade do estudo da história em geral e, mais especificamente, da história da ciência e da tecnologia, fica fácil perceber que o estudo da História da Computação é um interessante relevo dentro da vasta paisagem do conhecimento científico. Basta lembrar que o impacto dessa tecnologia na nossa sociedade é imenso e nossa dependência dela cada vez maior. Seguem abaixo outros fatores motivadores para esse estudo.

3.1 Necessidade de discernir fundamentos

Comparada com outras áreas, a Ciência da Computação é muito recente. Mas, nestes poucos anos (pode-se apontar a Segunda Guerra Mundial como um marco inicial, quando efetivamente se construíram os primeiros computadores digitais) o avanço da Computação foi exponencial, abrindo-se em um grande leque de tecnologias, conceitos, idéias, transformando-se em uma figura quase irreconhecível. Atualmente falar de estado da arte na Computação tornou-se sem sentido: sob que ótica, perspectiva, campo ou área? Apesar da sua recente irrupção na história contemporânea, a partir dos anos 40 do século X, ela já se tornou complexa, ampla, geradora de novos enfoques, tornando-se um verdadeiro desafio a quem queira entendê-la e traçar sua evolução.

Ao mesmo tempo, cada nova geração de informatas depara-se com um duplo problema: a impossibilidade de ter uma visão global sobre todo o conhecimento precedente e, mais acentuadamente ainda, a história do desenvolvimento das várias especialidades. Não estão individualizados os eventos, por vezes complexos, que antecederam o saber atual e também não se possui um quadro que os reúna, para se ter uma idéia geral, coerente e significativa. A evolução tecnológica se nos apresenta abrupta, através de saltos descontínuos, e todo o trabalho que antecede cada etapa aparece coberto por uma camada impenetrável de obsolescência, algo para a paleontologia ou para os museus, como se nada pudesse ser aprendido do passado.

O resultado é um empobrecimento do panorama atual da realidade da informática.

Não se estabelecem conexões entre os vários campos da Ciência da Computação, caindo-se facilmente no utilitarismo. As camadas mais profundas dos conceitos não são atingidas, o conhecimento torna-se bidimensional, curto, sem profundidade.

Junto a isso, cedendo talvez a um imediatismo ou deixando-se levar por uma mentalidade excessivamente pragmática de busca de resultados, há uma forte tentação de se estabelecerem ementas para o estudo da Ciência da Computação preocupando-se mais com determinados produtos − linguagens, bancos de dados, sistemas, aplicativos, etc. − e pouco se insiste na fundamentação teórica.

Os matemáticos aprendem aritmética e teoria dos números, pré-requisitos sem os quais não se evolui no seu campo do saber; os engenheiros, cálculo diferencial, física; os físicos trabalham arduamente na matemática, e assim por diante. Quais os fundamentos correspondentes na Computação? Conhece-se a Álgebra Lógica de George Boole, um matemático que buscando relacionar o processo humano de raciocínio e a Lógica Matemática, desenvolveu uma ferramenta para os futuros projetistas de computadores? Sabe-se que a revolução da Computação começou efetivamente quando um jovem de 24 anos, chamado Alan Mathison Turing, teve a idéia de um dispositivo teórico para buscar a resposta a um desafio do famoso matemático David Hilbert – um dos primeiros a falar sobre computabilidade –, e que em um ‘journal’ de matemática comentou aos seus colegas que era possível computar na teoria dos números, por meio de uma máquina que teria armazenadas as regras de um sistema formal? Que as pesquisas de Turing estão relacionadas com o trabalho de Gödel – cujo Teorema que leva o seu nome é considerado um dos mais famosos resultados do século X, dentro da matemática? Pode-se citar ainda a Tese de Turing-Church que possibilitou aos cientistas passarem de uma idéia vaga e intuitiva de procedimento efetivo para uma noção matemática bem definida e precisa do que seja um algoritmo. E antes de todos esses, o esforço de dezenas de pensadores de diferentes culturas, para encontrar melhores formas de usar símbolos, que viabilizou o desenvolvimento da Ciência Matemática e Lógica, e que acabaram fundamentando toda a Computação.

3.2 Incentivo à educação para a qualidade do software

(Parte 3 de 6)

Comentários