emergencias psiquiatricas

emergencias psiquiatricas

Emergências Psiquiátricas

O paciente que sofre este tipo de problema geralmente perde a noção da realidade e de suas ações.

Como está a emergência psiquiátrica no Brasil?

  • Hoje no Brasil temos meios de atender esse tipo de paciente, pois contamos com as UPA’S e os CAPS que tem atendimento 24 horas. O mais importante neste tipo de atendimento não é nem os recursos, mas profissionais humanizados e preparados para este tipo de urgência.

Profissionais necessários para atendimento de emergência.

  • Médicos;

  • Enfermeiros;

  • Psicólogos;

  • Técnicos;

  • Assistente social.

Epilepsia

Epilepsia é uma alteração na atividade elétrica do cérebro, temporária e reversível, que produz manifestações motoras, sensitivas, sensoriais, psíquicas ou neurovegetativas (disritmia cerebral paroxística). Para ser considerada epilepsia, deve ser excluída a convulsão causada por febre, drogas ou distúrbios metabólicos, já que são classificadas diferentemente.

Crise epilética

É uma crise com manifestações motoras (apresentando movimentos durante a crise):

  • Perda temporária da consciência

  • Espasmos musculares intensos produzindo contrações por todo o corpo

  • Rotação acentuada da cabeça para um lado

  • Dentes firmemente cerrados 

  • Incontinência urinária.

O que Fazer na Crise de Epilepsia?

  • Coloca-se a vítima de lado, na posição de segurança, para respirar melhor e não sufocar caso vomite;

  • Coloca-se um apoio em baixo da cabeça (travesseiro, casaco dobrado…) para prevenir que o indivíduo bata a cabeça no chão e cause algum traumatismo;

  • Deixe que os membros se contraiam. Não se deve segurar os membros, isso evita roturas musculares ou mesmo ósseas.

  • As crises em média duram entre 2 a 3 minutos, mas caso durem mais do que este tempo ou se repita a seguir ou é necessário ligar para o 192, para ser encaminhado ao hospital e se fazer exames.

Medicações utilizadas.

  • Fenobarbital

  • Fenitoína

  • Valproato

  • Carbamazepina

Convulsão

  • Uma convulsão é um fenômeno electro-fisiológico anormal temporário que ocorre no cérebro (descarga bioenergética) e que resulta numa sincronização anormal da atividade elétrica neuronal. Estas alterações podem refletir-se a nível da tonicidade corporal (gerando contrações involuntárias da musculatura, como movimentos desordenados, ou outras reações anormais como desvio dos olhos e tremores), alterações do estado mental, ou outros sintomas psíquicos.

Convulsão febril

A convulsão febril é o distúrbio convulsivo mais comum na infância. Acomete de 2 a 5% das crianças até 5 anos de idade. Ela é definida como “uma crise que ocorre na infância, geralmente entre três meses e cinco anos de idade, associada a febre, mas sem evidência de infecção intracraniana (como meningite) ou de doença neurológica aguda (trauma, tumor)”

Causas da convulsão

  • Acidentes de carro, quedas e outros traumas na cabeça(TCE);

  • Meningite;

  • Desidratação grave;

  • Intoxicações ou reações a medicamentos;

  • Hipoxemia perinatal (falta de oxigênio aos recém nascidos em partos complicados);

  • Hipoglicemia (baixa glicose no sangue);

  • Epilepsias (crises convulsivas repetitivas não relacionadas à febre nem a outras causas acima relacionadas; têm forte herança familiar);

  • Convulsão Febril (causada por febre).

Sintomas da Convulsão

  • Desmaio repentino;

  • Corpo teso;

  • Ocorre convulsões com contrações dos músculos da face, garganta, braços e pernas;

  •  Durante o ataque, a respiração pára e o paciente fica azul;

  • Durante o ataque, as pupilas podem ficar largas sem reação à luz;

  • O paciente pode ter mordido a sua língua durante o ataque e pode ter urinado e defecado.

  • Depois de um minuto, o paciente começa a respirar novamente.

  • Alguns pacientes acordam de imediato, enquanto outros podem ficar num sono profundo durante horas.

  • O paciente normalmente não tem recordações do ataque e é surpreendido por toda a confusão que se encontra à sua volta. Depois do ataque, o paciente está muitas vezes cansado e tem dores na cabeça e nos músculos, podendo mesmo haver lesões resultantes da queda.

O que fazer na convulsão?

  • Afastar os objetos próximos para que ela não se machuque (batendo contra eles);

  • Não impeça os movimentos convulsivos, apenas posicione-se de joelhos atrás da cabeça da vítima e segure-a, a fim de evitar traumatismos;

  • Posicione a vítima lateralmente para que ela não aspire vômitos e outras secreções para os pulmões.

  • Não tente segurar a língua do paciente;

  • Não dê líquidos até ter a completa certeza de que a consciência está recobrada.

  • O socorrista deve prevenir a convulsão febril em crianças, promovendo banhos de imersão a uma temperatura igual a do corpo. É recomendável manter compressas frias na região frontal da cabeça. A criança deverá ser mantida neste banho até a temperatura baixar a níveis próximos do normal. A criança deverá vestir roupas leves e ser mantida em local arejado e sem correntes de ar.

Distúrbios Mentais

  • Caracteriza-se por qualquer transtorno, anormalidade, comprometimento, sofrimento de ordem psíquica e/ou mental.

Depressão

  • É uma doença que se caracteriza por afetar o estado de humor da pessoa, deixando-a com um predomínio anormal de tristeza.

Sintomas da Depressão

  • Organismo desregulado

  • Pensamentos ruins 

  • Manias estranhas 

  • Perda de energia ou interesse

  • Humor deprimido

  • Dificuldade de concentração

  • Alterações do apetite e do sono

  • Lentificação das atividades físicas e mentais

  • Sentimento de pesar ou fracasso

Alucinações

  • É a percepção real de um objeto que não existe, ou seja, são percepções sem um estímulo externo.

  • Causas das alucinações :

  • Reações à drogas e medicamentos;

  • Síndromes associadas ao stress, medo, fadiga;

  • Perturbações do sono (especialmente sua privação);

  • Infecções (Febres) ;

  • Paranóia e Esquizofrenia.

Tipos de alucinação

  • Alucinações auditivas. Geralmente são referidas vozes, dirigidas ou não ao sujeito que vivencia a experiência, com maior ou menor hostilidade – audição dos próprios pensamentos ou sons do mundo cotidiano.

  • Alucinações visuais ou hipnagógicas – percepções visuais de objetos que não existem, tão reais que dificilmente são removíveis pela argumentação lógica

  • Alucinações táteis– estas podem ocorrer e qualquer um dos receptores (frio, calor, dor, pressão)

  • Alucinações olfativas – suas sensações confundem-se com o sentido do gosto, tanto podem ser agradáveis como desagradáveis, a depender da patologia e personalidade dos doentes, são comuns (como auras) em associações ás Enxaquecas e Epilepsias

Fobias

  • É o temor ou aversão exagerada diante situações, objetos, animais ou lugares.

  • As fobias fazem parte do espectro dos transtornos de ansiedade com a característica especial de só se manifestarem em situações particulares.

  • Aspectos do ambiente natural (trovoadas, terremotos, etc.)

  • Sangue infecções ou feridas

  • Situações (alturas, andar de avião, andar de elevador, etc.)

  • Outros tipos (medo de vomitar, contrair uma doença, etc.)

Transtorno Bipolar do Humor

  • Antigamente denominado de psicose maníaco-depressiva, é caracterizado por oscilações ou mudanças cíclicas de humor.

  • . Estas mudanças vão desde oscilações normais, como nos estados de alegria e tristeza, até mudanças patológicas acentuadas e diferentes do normal, como episódios de MANIA, HIPOMANIA, DEPRESSÃO e MISTOS.

  • . É uma doença de grande impacto na vida do paciente, de sua família e sociedade, causando prejuízos freqüentemente irreparáveis em vários setores da vida do indivíduo, como nas finanças, saúde, reputação, além do sofrimento psicológico.

Suicídio

  • É o ato intencional de matar a si mesmo.

  • Sua causa mais comum é um transtorno mental que pode incluir depressão, transtorno bipolar, esquizofrenia, alcoolismo e abuso de drogas. Dificuldades financeiras e/ou emocionais também desempenham um fator significativo. Trata-se de uma das principais causas de morte entre adolescentes e adultos com menos de 35 anos de idade

Esquizofrenia

É um transtorno psíquico severo.

  • Caracteriza-se classicamente pelos seguintes sintomas: alterações do pensamento, alucinações (visuais, sinestésicas, e, sobretudo auditivas), delírios e alterações no contato com a realidade.

  • Junto da paranóia (transtorno delirante persistente) e dos transtornos graves do humor (a antiga psicose maníaco-depressiva, hoje em episódio maníaco, episódio depressivo grave e transtorno bipolar), as esquizofrenias compõem o grupo das Psicoses.

  • Em geral o esquizofrênico não é violento ou perigoso.

  • Alguns, quando em crise, se tornam agressivos, verbal ou fisicamente, pois os delírios ou as alucinações podem fazê-los sentir-se ameaçados.

  • É importante conversar com a pessoa sem provocá-la, mantendo um diálogo franco e tranqüilo.

Estresse

  • A soma de respostas físicas e mentais causadas por determinados estímulos externos (estressores) e que permitem ao indivíduo (humano ou animal) superar determinadas exigências do meio-ambiente e o desgaste físico e mental causado por esse processo.

Sinais e Sintomas do Estresse

  • Dor de cabeça

  • Dificuldade para dormir

  • Constipação

  • Diarréia

  • Irritabilidade

  • Falta de energia

  • Falta de concentração

  • Comer demais ou não comer

  • Raiva

  • Tristeza

  • Dor nas costas e/ou pescoço

  • Menor apetite sexual

  • Dificuldade de engravida

Como agir frente a um paciente com distúrbios Mentais?

  • Manter a calma e buscar segurança e proteção para ambos;

  • Tentar manter uma comunicação fluente com o paciente;

  • Avaliar o nível de consciência do paciente com perguntar simples;

  • Todas as situações como: ameaças, gestos, pensamentos, tendências suicidas ou homicidas devem ser consideradas seriamente até prova em contrário, e devem ser observadas atentamente.;

  • Não desafie ou enfrente um paciente psicótico;

  • Não toque ou realize movimentos brusco até q ue seja estabelecido por ele uma proximidades;

  • Quando o paciente deixar se aproximar realize avaliação de sinais vitais e estado geral do mesmo;

  • Quando realizada a avaliação estabeleça o atendimento.

  • IMPORTANTE: sempre ouça o que o paciente falar e fale com ele de forma clara.

Abuso de Substâncias

Alcoolismo

  • É definido como o consumo consistente e excessivo e/ou preocupação com bebidas alcoólicas ao ponto que este comportamento interfira com a vida pessoal, familiar, social ou profissional da pessoa. 

  • O alcoolismo pode potencialmente resultar em condições (doenças) psicológicas e fisiológicas, assim como, por fim, na morte.

  • Dentro do alcoolismo existe a dependência, a abstinência, o abuso (uso excessivo, porém não continuado), intoxicação por álcool (embriaguez). Síndromes amnésica (perdas restritas de memória), demencial, alucinatória, delirante, de humor. Distúrbios de ansiedade, sexuais, do sono e distúrbios inespecíficos.

  • Temos hoje já comprovadas, ou em fase avançada de testes, três substâncias eficazes na supressão do desejo pelo álcool, três remédios que atingem a essência do problema, que cortam o mal pela raiz. Estamos falando naltrexona, do acamprosato e da ondansetrona.

  • Em caso de atendimento de emergência é importante que o profissional de saúde realize um diagnóstico sobre a situação geral do paciente atentando sempre para a segurança de ambos. Esses pacientes que abusam de álcool podem ser agressivos ou até mesmos brincalhões por isso deve-se agir com cautela.

Coma alcoólico

  • O coma alcoólico é o coma causado pela intoxicação devido ao excesso de álcool no organismo.

  • Esse quadro é grave e tem indicação para internamento urgente em unidade de cuidados intensivos hospitalar (UTI).

  • A  ingestão excessiva de bebidas alcoólicas intoxica o organismo e leva  o indivíduo primeiramente a um estado de sonolência, seguindo de um período em que não reage a nenhum estímulo ficando completamente desacordado ou inconsciente.

  • O excesso de álcool no corpo deve ser retirado o mais rápido possível para que os danos ao organismo sejam minimizados e o indivíduo recupere a consciência. O tratamento hospitalar para o coma alcoólico envolve a administração de glicose intravenosa.

  • O sintoma caracteristico são as naúseas e vômitos

Atendimento de Emergência

  • 1º Verificar o pulso da vítima; 2º Coloque-a deitada de lado para não se asfixiar com vômitos, salivas, etc; 3ºPara a prevenção de seqüelas levar a pessoa imediatamente para um pronto-socorro ou hospital, onde terá um atendimento adequado.

Abuso de Drogas

  • O abuso e dependência das drogas é um problema de saúde pública que afeta muitas pessoas e tem uma grande variedade de conseqüências sociais e na saúde dos indivíduos

Cocaína

  • A cocaína é uma droga com grande potencial de causar dependência.

  • Os efeitos físicos do uso da cocaína incluem uma constrição nos vasos periféricos;

  • Dilatação das pupilas, e aumento da temperatura, freqüência cardíaca e pressão arterial;

  • A duração dos efeitos eufóricos imediatos da cocaína, que incluem hiperestimulação, redução do cansaço e clareza mental, depende da via de administração;

  • Altas doses de cocaína e/ou uso prolongado pode desencadear paranóia.

  • O uso prolongado de cocaína por inalação pode resultar em ulceração das mucosas no nariz e pode lesar o septo nasal gravemente

  • As mortes relacionadas com a cocaína são freqüentemente resultado de parada cardíaca ou convulsões seguida de parada respiratória

Maconha

  • A maconha é uma substância ilícita que a curto prazo incluem problemas com memória e aprendizado; percepção distorcida; dificuldade em pensar e resolver problemas; perda da coordenação; e aumento da freqüência cardíaca

  • A longo prazo causa algumas mudanças no cérebro semelhantes aos vistos no abuso de outras drogas consideradas mais "pesadas".

Crack

  • É uma droga, geralmente fumada, feita a partir da mistura de pasta de cocaína com bicarbonato de sódio.

  • A fumaça produzida pela queima da pedra de crack chega ao sistema nervoso central em dez segundos, devido ao fato de a área de absorção pulmonar ser grande e seu efeito dura de 3 a 10 minutos

  • O usuário tem alucinações e paranóia (ilusões de perseguição).

PRINCIPAIS SINAIS E SINTOMAS DO USO EXCESSIVO DE DROGAS

  • Agitação Motora ou Sonolência/Inconsciência

  • Alucinações

  • Respiração Acelerada (podendo Evoluir para respiração lenta)

  • Batimentos cardíacos acelerados ( que podem se tornar lentos)

  • Salivação Excessiva

  • Suor Abundante

NO TRATAMENTO DE EMERGÊNCIA

 

  • Observar o nível de consciência, ficando atento para o fato de a vítima se mostrar desorientada e com alucinações.

  • Em caso de agitação, conter a vítima, para evitar que ela machuque a si mesma ou quem estiver próximo.

  • Se a vítima estiver inconsciente, verificar o ABC da vida, ou seja, as vias Aéreas, a Boa respiração e a Circulação.

  • Providenciar atendimento médico de imediato.

  • JAMAIS DÊ LÍQUIDOS, ALIMENTOS OU QUALQUER MEDICAMENTO A UMA VÍTIMA DE USO EXCESSIVO DE DROGAS, SEM ORIENTAÇÃO MÉDICA

Abuso de Medicações

O abuso e o tráfico de medicamentos, em particular aqueles com efeitos psicotrópicos, ultrapassa o consumo de drogas ilícitas. Estes remédios usados sem controlo médico têm efeitos semelhantes e são já uma droga de primeira escolha em muitos casos, e não de substituição das substâncias proibidas, como a heroína e a cocaína. 

ABUSO DE SEDATIVOS, HIPNÓTICOS OU ANSÍOLITICOS

  • As drogas sedativas hipnóticas e ansiolíticas produzem sedação , aliviam a ansiedade e relaxam os músculos, muitas delas são classificadas como benzodiazepínicos.

  •   Algumas pessoas usam benzodiazepínicos para se intoxicar, outras tomam doses excessivas intencionais ou acidentais.

  • -   Usuários de heroína podem usar benzodiazepínicos quando não conseguem obter heroína ou quando querem intensificar seus efeitos.

Sinais e Sintomas de Intoxicação

  • TONTEIRAS

  • ALTERAÇÕES DO ESTADO MENTAL VARIANDO ATÉ O ESTADO DE COMA

  • VISAO TURVA

  • ANSIEDADE E AGITAÇÃO

  • NISTAGMO

  • ATAXIA

  • ALUCINAÇÕES

  • FALA PASTOSA

  • HIPOTOMIA

  • FRAQUEZA

  • DISTURBIOS DE COGNIÇÃO

  • AMNÉSIA

  • DEPRESSAO RESPIRATÓRIA

  • HIPOTENSÃO.

Atendimento de Emergência

  • Chamar socorro especializado;

  • Avaliar o estado geral do paciente;

  • Verificar nível de orientação, se possível;

Muito Obrigada a todos.

Muito Obrigada a todos.

BOM DIA!

Comentários