Trabalho de musculos (1)

Trabalho de musculos (1)

(Parte 1 de 2)

Faculdade Estácio de Sá de Santa Catarina

Músculos e Articulações.

Curso: Graduação em Enfermagem

Fase:Turma: 2206

Disciplina: Anatomia Sistêmica.

Acadêmicos: Ana Carolina de Souza.

Amantino Rodrigues Raulino.

Filipe Devalde de Souza.

Maria Aparecida Fernandes.

Wesley Braga.

São José, 26 de Abril de 2011.

Introdução

Este trabalho foi desenvolvido durante o curso de Enfermagem – 1ª fase, na disciplina de Anatomia Sistêmica, nele, relacionamos os conteúdos estudados em sala e pesquisados na biblioteca desta instituição de ensino superior privado, Faculdade Estácio de Sá. Tendo como base os tópicos principais dos livros de Medicina, bem como os das disciplinas desta área de estudo. O presente trabalho parte da premissa de que os músculos e articulações são aspectos fundamentais para a sustentação e locomoção do organismo. Por conta disso, procuramos chamar a atenção para as importâncias e funções das articulações e músculos explanados neste seguinte trabalho. Os músculos são elementos ativos do movimento, pois movem os ossos do esqueleto em suas articulações, já as articulações são conexões entre os ossos ou cartilagens que permitem a mobilidade e o contato entre os ossos. Sabendo de algumas funções destes elementos, abordaremos mais a fundo algumas classificações importantes dos músculos quanto à forma, à origem, à inserção e à ação. E também das classificações importantes das articulações quanto à função, morfologia e seus tipos.

Articulações

As Articulações são mecanismo através dos quais os ossos são mantidos unidos. Estas articulações são chamadas de contínuas e descontínuas. Sob a denominação das contínuas, compreende-se o grande grupo das sinartroses. A qual une dois ossos diretamente um ao outro, formando uma unidade fixa que restringe o movimento. Já as descontínuas ou sinoviais, compreende-se o grande grupo das diartroses, onde os ossos são unidos frouxamente para permitir a liberdade de movimentos.

Articulações Contínuas

  • Articulações Fibrosas ou Sindesmoses.

Por sindesmose, entende-se a união entre dois ossos feita por firmes feixes paralelos de tecido conectivo com fibras colágenas ou elásticas. Uma forma especial de sindesmose são as suturas cranianas. As suturas encontram – se entre os ossos do crânio, que contém um tecido conectivo, remanescente daquele que formou o osso, intercalado entre os ossos. Apenas com o desaparecimento total deste tecido conectivo é que se completa o crescimento do crânio permanecendo então somente as suturas. Outra forma especial de sindesmose é aquela encontrada na ficção dos dentes nos processos alveolares, a gonfose, também denominada em cunha ou pino. Nela a união do dente com o osso é feita por um tecido conectivo disposto como um coxim amortecedor.

  • Articulação cartilagínea ou sincondroses

O segundo grande grupo das articulações continuas é o das sincondroses que unem dois ossos por meio de cartilagem e hialina. Elas são encontradas principalmente nas cartilagens epifisiais, durante a adolescência. Cartilagens hialinas também são encontradas entre a 1ª, 6ª, 7ª costelas e esterno. A união cartilaginosa desaparece quando a função de crescimento se completa. A cartilagem epifisial é então substituída totalmente por tecido ósseo

  • Sínfise

Sínfises são uniões entre dois ossos por meio de cartilagens fibrosas e tecido conectivo. São encontradas, por exemplo, entre os dois ossos do púbis, a sínfise púbica, e constituem um subgrupo das articulações cartilagíneas.

  • Sinostose.

É a formação de osso onde havia articulação, como por exemplo, entre os ossos que formam o osso do quadril ou entre a epífise e a diáfise dos ossos longos após o término do crescimento. As articulações podem se ossificar quando então não se fala mais em sinostose, mas sim em anquilose. Portado uma anquilose foi anteriormente, uma articulação funcional.

Articulações Descontínuas ou Sinoviais.

As articulações sinoviais, as diartroses, apresentam: faces articulares, cápsula articular, cavidade articular entre as faces articulares e ainda formações anexas especiais (ligamentos, discos, lábios e bolsas sinoviais). Numa articulação que envolve dois ossos o osso que se desloca é denominado seguimento móvel e o que fica em relativo repouso, seguimento fixo. Pode-se estabelecer a amplitude do movimento de uma articulação pela medida do ângulo entre o ponto inicial e o ponto terminal do movimento, o qual se dá o nome de ângulo de excursão. O momento do ângulo de excursão de uma articulação pode ser restringido por vários fatores. A posição neutra de todas as articulações é considerada aquela na qual o corpo está em posição anatômica. Os movimentos são medidos nos planos sagital, frontal, transversal e de rotação.

  • Faces Articulares

Uma articulação sinovial é composta de no mínimo duas faces articuladas. Elas são quase sempre revestidas por cartilagem hialina e raramente por cartilagem fibrosa ou tecido conectivo com deposição de cartilagens fibrosas.

  • Cápsula Articular

A cápsula articular pode ser tensa ou frouxa e se insere próximo à superfície cartilaginosa das faces articulares dos seguimentos ósseos. É composto por duas camadas uma interna, a membrana sinovial, e uma externa a membrana fibrosa. A membrana sinovial contém fibras elásticas, vasos e nervos. A quantidade de vasos está diretamente relacionada às atividades da articulação. A membrana fibrosa de espessura variável, tem poucas fibras elásticas, mais é rica em fibras colágenas.

  • Cavidade Articular

A cavidade articular é um espaço capilar em forma de fenda que contém um líquido articular lubrificante, a sinovia ou líquido sinovial.

  • Ligamentos

São denominados segundo sua função, ligamentos de reforço (para cápsula articular), ligamentos de orientação (nos movimentos ) ou ligamentos de limitação (que restringem os movimentos).

  • Discos ou Meniscos Articulares.

São estruturas constituídas de tecido conectivo colágeno e tecidas cartilaginoso fibrosas. Discos tem a função de orientar e melhorar o contato das superfícies articulares, podendo até separar a cavidade articular em duas câmaras articulares distintas, como no caso das articulações temporomandibulares e esternoclavicular.

  • Lábios Articulares

Os lábios articulares são formados por tecido conectivo colágeno com algumas células cartilaginosas disseminadas e servem para ampliar uma superfície articular.

  • Bolsas Sinoviais

Podem se comunicar com a cavidade articular. Podem ter as formas de sacos maiores ou menores, revestidos por membrana sinovial, sendo um ponto fraco da articulação, porém, ampliam a cavidade articular.

  • Forças de Contato

O momento de força que age nas duas faces que se articulam no sentido de mantê-las em contato é de natureza diversa. As articulações também estão sujeitas ao envelhecimento que faz a cartilagem articular perde sua elasticidade. Encontram-se atrofias por envelhecimentos nas superfícies articulares, afetando a mobilidade e comprometendo a função da articulação.

Classificação das articulações sinoviais.

As articulações sinoviais podem ser classificadas por vários critérios. Um desses as classifica em relação ao número de eixos de movimento tendo assim as articulações uni, bi ou multiaxiais. Outra classificação considera os graus de liberdade, de acordo com a mobilidade recíproca dos elementos articulares, isto é o numero de eixos nos quais é realizado o movimento. Outra classificação baseia-se no número de elementos que constituem uma articulação, podendo-se ter articulações simples e compostas. A articulação simples é formada por dois elementos articulares unidos por uma cápsula, encontrando-se mais dois elementos contidos numa mesma cápsula, chama-se articulação composta. Além disso, as articulações podem ser classificadas pela forma das superfícies articulares:

  • Articulação Plana: tem duas superfícies articulares planas e apresenta diferentes movimentos de deslizamentos.

  • O Gínglimo: uma articulação em dobradiça, é formado por uma superfície articular convexa e outra côncava, são conceituados como articulações cilíndricas.

  • A Articulação Trocoidea: são as articulações em pivô e cilíndrica. São uniaxiais.

  • A Articulação Elipsoidea ou Condilar: possuem uma superfície articular côncava e uma superfície articular convexa, as duas elípticas e é muito móvel.

  • A articulação Selar: compreende duas superfícies articulares em forma de sela, cada uma delas com uma convexidade e uma concavidade. É muito móvel sendo possível realizar os movimentos de circuncisão (por exemplo, articulação carpometacarpal do polegar).

  • A Articulação Esperóidea: multiaxial, apresenta uma superfície articular arredondada e uma concavidade correspondente (por exemplo, a articulação do ombro).

Músculos

São estruturas individualizadas que cruzam com uma ou mais articulações e pela sua contração são capazes de transmitir-lhes movimento. Este é efetuado por células especializadas, denominadas fibras musculares, cuja energia latente é ou pode ser controlada pelo sistema nervoso. Os músculos são capazes de transformar energia química em energia mecânica.

O músculo vivo é de cor vermelha. Essa coloração denota a existência de pigmentos e de grande quantidade de sangue nas fibras musculares. Os músculos representam 40-50% do peso corporal total.

Funções:

  1. Produção dos movimentos corporais: movimentos globais do corpo, como andar e correr.

  2. Estabilização das posições corporais: A contração dos músculos esqueléticos estabilizam as articulações e participam da manutenção das posições corporais, como a de ficar em pé ou sentar.

  3. Movimento de substâncias dentro do corpo: as contrações dos músculos lisos das paredes dos vasos sanguíneos regulam a intensidade do fluxo. Os músculos lisos também podem mover alimentos, urina e gametas do sistema reprodutivo. Os músculos esqueléticos promovem o fluxo de linha e o retorno do sangue para o coração.

  4. Produção de calor: quando o tecido muscular contrai ele produz calor e grande parte desse calor liberado pelo músculo é usado na manutenção da temperatura corporal.

Classificação dos Músculos

Músculos Superficiais ou Cutâneos: estão logo abaixo da pele e apresentam no mínimo uma de suas inserções na camada profunda da derme. Estão localizados na cabeça (crânio e face), pescoço e na mão (região hipotenar). Ex: Platisma.

Músculos Profundos os Subaponeuróticos: são músculos que não apresentam inserções na camada profunda da derme, e na maioria das vezes, se inserem em ossos. Estão localizadas abaixo da fáscia superficial. Ex: Pronador quadrado.

Músculos longos: são encontrados especialmente nos membros. Os mais superficiais são os mais longos, podendo passar duas ou mais articulações. Ex: Bíceps braquial.

Músculos curtos: encontram-se nas articulações cujos movimentos tem pouca amplitude, o que não inclui força nem especialização. Ex: músculos da mão.

Músculos largos: caracterizam-se por serem laminares. São encontrados nas paredes das grandes cavidades (tórax e abdome). Ex: Diafragma.

Classificação quanto à origem:

Quando o músculo possui dois tendões de origem, é classificado como Bíceps. Já se o número de tendões são três, sua classificação é Tríceps e quando este número de origem passa a ser quatro tendões seu nome é Quadríceps.

Classificação quanto à inserção:

Quando o músculo possui dois tendões de inserção, chama-se de Bicaudado. Quando este número passa de três dar-se-á o nome de Policaudado.

Observação: Para classificar o músculo deve-se sempre levar em consideração o número de tendões de origem. Ex.: Músculo com dois tendões de origem e dois tendões de inserção, seu nome continuará sempre Bíceps.

Classificação quanto à ação do músculo: Dependendo do movimento que realizam, podem ser classificados em:

• Flexão: realizado no plano sagital e ao redor do eixo transversal, reduz o ângulo entre duas partes do corpo;

• Extensão: realizado no plano sagital e ao redor do eixo transversal, retorno da flexão ou aumenta o ângulo entre duas partes do corpo;

• Abdução: realizado no plano coronal e ao redor do eixo sagital, afasta parte do corpo do plano mediano ou aumenta o ângulo entre duas partes do corpo.

• Adução: realizado no plano coronal e ao redor do eixo sagital, aproxima parte do corpo do plano mediano ou diminui o ângulo entre duas partes do corpo.

• Rotação: girar em torno do próprio eixo, ou seja, realizado ao redor do eixolongitudinal, podendo ser, lateral ou medial;

• Supinação: movimento de rotação do antebraço com o rádio girando lateralmente ao redor de seu próprio eixo; o dorso da mão fica voltado posteriormente e a palma anteriormente (posição anatômica);

• Pronação: movimento de rotação do antebraço com o rádio girando medialmente ao redor de seu próprio eixo; o dorso da mão fica voltado anteriormente e a palma posteriormente;

Tipos de Músculos

(Parte 1 de 2)

Comentários