Soldagem Fundição E Corte

Soldagem Fundição E Corte

Universidade Federal de São Carlos

Desenho e Tecnologia Mecânica

Trabalho 4

Grupo:

Antonio Cappelletti Ferreira RA: 386790

Willian Sales de Carvalho RA: 413429

1) Noções de soldagem

Histórico

Embora a soldagem, na sua forma atual, seja um processo recente, com cerca de 100 anos, a brasagem e a soldagem por forjamento têm sido utilizadas desde épocas remotas. Existe, por exemplo, no Museu do Louvre, um pingente de ouro com indicações de ter sido soldado e que foi fabricado na Pérsia, por volta de 4000 AC.

O ferro, cuja fabricação se iniciou em torno de 1500 AC, substituiu o cobre e o bronze na confecção de diversos artefatos. O ferro era produzido por redução direta e conformado por martelamento na forma de blocos com um peso de poucos quilogramas. Quando peças maiores eram necessárias, os blocos eram soldados por forjamento, isto é, o material era aquecido ao rubro, colocava-se areia entre as peças para escorificar impurezas e martelava-se até a soldagem. Como um exemplo da utilização deste processo, cita-se um pilar de cerca de sete metros de altura e mais de cinco toneladas existente ainda hoje na cidade de Delhi (Índia).

A soldagem foi usada, na antiguidade e na idade média, para a fabricação de armas e outros instrumentos cortantes. Como o ferro obtido por redução direta tem um teor de carbono muito baixo (inferior a 0,1%), este não pode ser endurecido por têmpera. Por outro lado, o aço, com um teor maior de carbono, era um material escasso e de alto custo, sendo fabricado pela cementação de tiras finas de ferro. Assim, ferramentas eram fabricadas com ferro e com tiras de aço soldadas nos locais de corte e endurecidas por têmpera. Espadas de elevada resistência mecânica e tenacidade foram fabricadas no oriente médio utilizando-se um processo a Neste processo o minério de ferro era misturado com carvão em brasa e soprado. Desta forma, o óxido de ferro era reduzido pelo carbono, produzindo-se ferro metálico sem a fusão do material semelhante, no qual tiras alternadas de aço e ferro eram soldadas entre si e deformadas por compressão e torção. O resultado era uma lâmina com uma fina alternância de regiões de alto e baixo teor de carbono.

Assim, a soldagem foi, durante este período, um processo importante na tecnologia metalúrgica, principalmente, devido a dois fatores: (1) a escassez e o alto custo do aço e (2) o tamanho reduzido dos blocos de ferro obtidos por redução direta.

Esta importância começou a diminuir, nos séculos XII e XIII, com o desenvolvimento de tecnologia para a obtenção, no estado líquido, de grandes quantidades de ferro fundido com a utilização da energia gerada em rodas d'água e, nos séculos XIV e XV, com o desenvolvimento do alto forno. Com isto, a fundição tornou-se um processo importante de fabricação, enquanto a soldagem por forjamento foi substituída por outros processos de união, particularmente a rebitagem e parafusagem, mais adequados para união das peças produzidas.

A soldagem permaneceu como um processo secundário de fabricação até o século XIX, quando a sua tecnologia começou a mudar radicalmente, principalmente, a partir das experiências de Sir Humphrey Davy (1801-1806) com o arco elétrico, da descoberta da acetileno por Edmund Davy e do desenvolvimento de fontes produtoras de energia elétrica que possibilitaram o aparecimento dos processos de soldagem por fusão. Ao mesmo tempo, o início da frabricaçào e utilização de aço na forma de chapas tornou necessário o desenvolvimento de novos processos de união para a fabricação de equipamentos e estruturas.

A primeira patente de um processo de soldagem, obtida na Inglaterra por Nikolas Bernados e Stanislav Olszewsky em 1885, foi baseada em um arco elétrico estabelecido entre um eletrodo de carvão e a peça a ser soldada (figura 1).

Por volta de 1890, N. G. Slavianoff, na Rússia, e Charles Coffin, nos Estados Unidos, desenvolveram independentemente a soldagem a arco com eletrodo metálico nu. Até o final do século XIX, os processos de soldagem por resistência, por aluminotermia e a gás foram desenvolvidos. Em 1907, Oscar Kjellberg(Suécia) patenteia o processo de soldagem a arco com eletrodo revestido. Em sua forma original, este revestimento era constituído de uma camada de cal, cuja função era unicamente estabilizar o arco. Desenvolvimentos posteriores tornaram este processo o mais utilizado no mundo.

Nesta nova fase, a soldagem teve inicialmente pouca utilização, estando restrita principalmente à execução de reparos de emergência até a eclosão da 1ª grande guerra, quando a soldagem passou a ser utilizada mais intensamente como um processo de fabricação.

Atualmente, mais de 50 diferentes processos de soldagem têm alguma utilização industrial e a soldagem é o mais importante método para a união permanente de metais. Esta importância é ainda mais evidenciada pela presença de processos de soldagem e afins nas mais diferentes atividades industriais e pela influência que a necessidade de uma boa soldabilidade tem no desenvolvimento de novos tipos de aços e outras ligas metálicas.

Definição de soldagem

Os métodos de união de metais podem ser divididos em duas categorias principais, isto é, aqueles baseados no aparecimento de forças mecânicas macroscópicas entre as partes a serem unidas e aqueles baseados em forças microscópicas (interatômicas ou intermoleculares). No primeiro caso, do qual são exemplos a parafusagem e a rebitagem, a resistência da junta é dada pela resistência ao cisalhamento do parafuso ou rebite, mais as forças de atrito entre as superfícies em contato. No segundo caso, a união é conseguida pela aproximação dos átomos e moléculas das partes a serem unidas, ou destas e um material intermediário, até distâncias suficientemente pequenas para a formação de ligações metálicas e de Van der Waals. Como exemplo desta categoria citam-se a soldagem, a brasagem e a colagem.

Um grande número de diferentes processos utilizados na fabricação e recuperação de peças, equipamentos e estruturas é abrangido pelo termo SOLDAGEM. Classicamente, a soldagem é considerada como um método de união, porém, muitos processos de soldagem ou variações destes são usados para a deposição de material sobre uma superfície, visando a recuperação de peças desgastadas ou para a formação de um revestimento com características especiais. Diferentes processos relacionados com os de soldagem são utilizados para o corte ou para o recobrimento de peças. Diversos aspectos dessas operações de recobrimento e corte são similares à soldagem e, por isso, muitos aspectos destes processos são abordados juntamente com esta.

Algumas definições de soldagem são:

• "Processo de junção de metais por fusão". (Deve-se ressaltar que não só metais são soldáveis e que é possível soldar metais sem fusão).

• "Operação que visa obter a união de duas ou mais peças, assegurando, na junta soldada, a continuidade de propriedades físicas, químicas e metalúrgicas".

Na soldagem, os materiais das peças devem ser, se possível, iguais ou, no mínimo, semelhantes em termos de composição.

Tipos de soldagem

Existem diversos tipos diferentes de soldagem, cada um é mais indicado pra um tipo de serviço. Os mais usados são a oxiacetilênica e a arco elétrico.

  • Soldagem oxiacetilênica

Esse tipo de soldagem é um processo de fusão ou erosão de materiais metálicos que ocorre por meio de uma chama proveniente da queima de uma mistura de gases. Nesse processo pode-se usar metais de adição para fazer a soldagem, ou apenas usando a fusão do próprio material.

É mais comum que a mistura desses gases seja formada pelo gás acetileno e pelo oxigênio. O gás acetileno é altamente combustível, e produz uma chama de alta temperatura (mais de 3000° C) em presença de oxigênio.

O dispositivo, chamado maçarico, deve ainda possibilitar que se produzam diferentes tipos de misturas necessárias para obter tipos de chama de acordo com os diferentes tipos de materiais. As superfícies dos chanfros dos metais de base e o material de adição, quando presente, fundirão em conjunto formando uma poça de fusão única que, após o resfriamento, se comportará como um único material. Para que ocorra a soldagem, é necessário tempo, calor e/ou pressão; com o tempo, o calor aplicado à peça fará uma fusão localizada onde, após o resfriamento, aparecerá a união dos metais; no caso da utilização de pressão, isto causa um forjamento localizado.

Todos os metais e ligas comercialmente conhecidos fundem-se em temperaturas abaixo dos 4000ºC. As ligas de aço, que são os materiais de maior utilização comercial, fundem na faixa de 1500ºC. Assim, mostra-se viável a execução de soldagem por meio das temperaturas e poder calorífico desenvolvidos pela combustão dos diversos gases.

No entanto, com o desenvolvimento de métodos mais sofisticados é agora largamente usado para unir componentes e reparo de metais ferrosos e não-ferrosos. Como processo não requer eletricidade algumas vezes seu uso é indispensável, principalmente onde não existe eletricidade. A intensidade do calor gerado na chama depende da mistura gás oxi combustível a uma determinada pressão dos gases. O oxigênio é utilizado para proporcionar combustão do gás mas pode ser usado ar comprimido no lugar do oxigênio, mas isto proporciona uma baixa eficiência térmica e consequentemente redução na velocidade de soldagem; a qualidade da solda também é afetada. A escolha do gás é importante, pois permite obter uma velocidade de soldagem e uma qualidade desejada no cordão de solda.

  • Soldagem a arco elétrico

A Soldagem a Arco com Eletrodos Revestidos (Shielded Metal Arc Welding - SMAW) é um processo no qual a coalescência (união) dos metais é obtida pelo aquecimento destes com um arco estabelecido entre um eletrodo especial revestido e a peça.

O eletrodo é formado por um núcleo metálico ("alma"), com 250 a 500mm de comprimento, revestido por uma camada de minerais (argila, fluoretos, carbonatos, etc) e/ou outros materiais (celulose, ferro ligas, etc), com um diâmetro total típico entre 2 e 8mm. A alma do eletrodo conduz a corrente elétrica e serve como metal de adição. O revestimento gera escória e gases que protegem da atmosfera a região sendo soldada e estabilizam o arco. O revestimento pode ainda conter elementos que são incorporados à solda, influenciando sua composição química e características metalúrgicas. A figura 7 ilustra o processo.

Outros tipos de soldagem:

Processos de Soldagem por Fusão

Processos de Soldagem por Pressão

Processos de Soldagem Por Fusão

Soldagem com Eletrodos Revestidos

Soldagem GTAW

Soldagem GMAW

Soldagem com Arames Tubulares

Soldagem ao Arco Submerso

Soldagem a Plasma

Soldagem de Pinos

Soldagem por Eletro-escória

Soldagem Oxi-gás

Soldagem com Feixe de Elétrons

Soldagem a Laser

Soldagem por Resistência

Soldagem por Centelhamento

Soldagem por Alta-frequência

Soldagem por Fricção

Soldagem por Difusão

Soldagem por Explosão

Soldagem por Laminação

Soldagem a Frio

Soldagem por Ultra-som

Processos de Brasagem

2) Noções de fundição shell

Introdução

A fundição está relacionada à conformação do metal no estado líquido. Trata-se em aquecer o metal a fim de que ele se funda, transformando-se em um líquido homogêneo. Posteriormente, este líquido é vertido em moldes adequados onde, solidifica-se, adquirindo a forma pretendida. Assim, esse processo de manufatura tem relação ao metal fundido, fluir por gravidade ou por outra força dentro de um molde onde solidifica na forma da cavidade desse molde. Tal processo de fabricação apresenta algumas vantagens que serão destacadas.

Primeiramente, as peças fundidas podem ser fundidas sem grandes limitações em relação ao tamanho, forma e complexidade. Em relação à natureza dos moldes, é possível dar ao metal qualquer configuração tanto externa, quanto interna. Soma-se a isso o fato de que, em virtude de sua fluidez, o metal líquido pode encher, em um molde, seções finas e formas complexas. Em relação aos moldes propriamente ditos, estes têm a forma total ou parcial da peça a ser produzida, tratando-se, dessa maneira, de um processo chamado de “near-net-shape” que significada que em uma só etapa, a forma da peça é alcançada.

No entanto, em grande parte dos casos, a peça fundida deve sofrer ainda um acabamento final que pode tratar-se de usinagem ou esmerilhamento. Dimensões e pesos: É possível obter peças fundidas de pequenas dimensões, pensando apenas algumas gramas ou até grandes dimensões, com peso superior a 200 toneladas.

Complexidade: Peças como blocos de motores de automóveis ilustram a grande complexidade e os detalhes que podem ser obtidos com certa facilidade com a técnica de fundição. Desse modo, não existe outro método de produção que apresente tanta capacidade estética e de construção de desenho. Um grande número de detalhes pode ser incorporado em uma única peça fundida. Soma-se a isso, a vantagem de que o processo de fundição é caracterizado por um uso, de certa forma, econômico do material, pequena usinagem e baixo custo (em comparação a outros processos na obtenção da mesma peça).

Produção maciça: Os métodos de fundição possibilitam sua fácil adaptação à produção em série (fato que será visto com o processo Shell). Um exemplo seriam os muitos modelos na mesma placa de moldagem e (ou) a moldagem indefinida de peça com o mesmo modelo ou placa de moldagem. Economia de peso: Pelo fato de que, em uma peça fundida ser possível dar a espessura desejada, é possível obter grande economia de peso.

Acabamento e dimensões finais ou praticamente finais.

Economia de usinagem: O bom acabamento superficial a as pequenas tolerâncias dimensionais de uma peça fundida, podem se relacionar a grande economia de usinagem.

Em certos casos, como no da moldagem em areia, constrói-se um molde para cada peça a ser fundida e, posteriormente, ele é rompido, a fim de remover-se o fundido. Em outros casos, como no exemplo da fundição sob pressão, utiliza-se um molde permanente, sucessivas vezes, para várias fundições, retirando-se o fundido depois de cada fundição, sem que o molde seja danificado. Nos dois casos citados, no entanto, é necessário um abastecimento de metal líquido que preencha todas as partes do sistema e fique no local até que a solidificação cesse. As etapas principais e a terminologia podem ser mais bem compreendidas, considerando-se a fundição de um objeto simples em um molde de areia. Em primeiro lugar, é preciso um modelo do objeto a ser fundido, podendo ser manufaturado com madeira, metal (como alumínio) ou outros materiais. O molde seria feito por empacotamento de areia, em volta do modelo, toda a estrutura estando inserida numa caixa de moldagem.

De maneira geral, o molde é feito de duas partes: uma superior e outra inferior. No processo de moldagem, a superfície do modelo é tratada, com o objetivo de facilitar sua remoção depois do processo. Se o fundido deve possuir regiões ocas, como será o caso de alguns objetos do processo Shell, são feitos modelos separados denominados machos, que são inseridos no interior da cavidade deixada pelo modelo no fundido. O espaço deixado entre a cavidade e o macho será então preenchido pelo metal líquido, que solidifica, formando-se a peça fundida. A provisão de metal é realizada pela alimentação do metal líquido por intermédio de um sistema de canais de alimentação que existem no molde. Além disso, faz-se uma grande abertura rebaixada, denominada bacia de vazamento, com o objetivo de facilitar a entrada do metal no molde. São abertos também, canais alargados para permitir que o metal escorra para fora da cavidade do molde após seu preenchimento. Tais canais são denominados massalotes.

Ao final da solidificação, a peça fundida é removida do molde por um processo reconhecido por desmoldagem. Segue-se a extração por impacto dos machos e corte dos alimentadores. A areia restante é removida e a peça fundida está pronta para usinagem superficial (rebarbação). Na moldagem em casca (Shell Molding), que será tratada com mais detalhes, a areia de moldagem é coberta com uma resina sintética ligante (resina poliéster, uréia-formaldeído ou fenolformaldeído) e posta em contato com uma chapa aquecida.

Processo Shell

Figura 1 Equipamentos usados na fundição pelo processo Shell

Após a obtenção da forma geométrica segundo o modelo, deve ser realizada a cura do molde, a fim de garantir a boa resistência mecânica:

Figura 2 Placa colocada em estufa para endurecimento da resina

3) Processos de Corte Térmico

Pode-se considerar de uma forma geral, que os processos de corte realizam uma operação inversa à realizada na soldagem, isto é, a separação de um componente em duas ou mais peças ou a remoção de material da superfície de uma peça.

Além disso, os processos de corte podem ser separados em dois grupos, de uma forma análoga à considerada em soldagem, isto é, em processos de corte térmico (baseados na aplicação localizada de calor na peça) e processos de corte a frio (baseados na deformação localizada do material). Adicionalmente, os processos de corte são fundamentais para a tecnologia de soldagem uma vez que a fabricação de um componente soldado passa, de uma forma geral, por uma etapa inicial de corte e preparação das peças na qual os processos de corte são intensivamente usados. Processos de corte são, também, muito usados na remoção de material visando a eliminação de defeitos eventualmente detectados em componentes soldados ou fundidos.

Os mais importantes processos de corte térmico são o corte a oxigênio, o corte a plasma, o corte a laser e o corte com eletrodo de grafite. Estes processos, particularmente os três primeiros possibilitam a realização de cortes de alta qualidade, precisão adequada e baixo custo para várias aplicações e materiais. Os processos de corte térmico fornecem uma “ferramenta” de corte de gume de 360o, isto é que permite mudanças bruscas da direção de corte, o que não é possível para a maioria dos processos de corte a frio (exceto para o corte com jato de água e abrasivo).

Os processos de corte térmico apresentam características operacionais muito similares às características de processos de soldagem por fusão. Esses processos realizam o corte de uma peça pela aplicação localizada de calor para a fusão e eventual vaporização de uma pequena região desta peça juntamente com o uso de um jato de gás que auxilia a remoção do material da região de corte. À seguir, serão apresentados, de forma resumida, os principais destes processos.

  • Corte a Oxigênio

O corte a oxigênio (Oxyfuel Gas Cutting, OFC) é um processo de corte térmico que utiliza um jato de oxigênio puro para oxidar o metal de base e remover a mistura, no estado líquido, de óxidos e do material de base da região de corte. O processo é usado basicamente para ligas de ferro, principalmente aços carbono e aços de baixa liga, podendo ser usado, também, para ligas de titânio.

O processo é usado, para aços de baixo carbono, para cortar chapas de até 300 m de espessura. Técnicas especiais permitem o corte de espessuras acima de 1 m. Elementos de liga tendem, de uma forma geral, a dificultar o corte por promover a formação de um óxido refratário (por exemplo, cromo, alumínio e silício) ou por reduzir a temperatura de fusão do metal de base (carbono, por exemplo) tornando o corte mais grosseiro. Variações do processo, que lançam, juntamente com o jato de oxigênio, pó de ferro ou misturas de outros materiais, permitem estender a utilização deste processo para outras ligas e materiais.

A reação de oxidação produz, em geral, calor suficiente para a manutenção do processo de corte, contudo, para o início da reação e para o desenvolvimento do corte de uma forma mais suave, utiliza-se, em geral, um conjunto de chamas de oxigênio e um gás combustível (acetileno, GLP, etc) concêntricas ao jato de oxigênio.

  • Processo de corte a oxigênio

O processo é iniciado apenas com as chamas que aquecem a região de inicio do corte até a sua temperatura de ignição (em torno de 870 ºC), quando, então, o jato de oxigênio é ligado tendo inicio a ação de corte. O maçarico é, então, deslocado pela trajetória de corte com uma velocidade adequada. O deslocamento pode ser feito manualmente ou de forma mecanizada. Instalações de grande porte podem deslocar diversos maçaricos ao mesmo tempo, com sistemas de CAD/CAM e controle numérico para determinar e controlar as trajetórias de corte.

Características do corte OFC:

  • Pode cortar aço mais rapidamente que os processos usuais de remoção mecânica de material.

  • Pode cortar peças com formatos e espessuras difíceis de serem trabalhadas de forma econômica com processos mecânicos.

  • Equipamento básico para operação manual é de baixo custo.

  • Equipamento manual pode ser portátil e de fácil uso para trabalho no campo.

  • Direção de corte pode ser mudada rapidamente

• Processo pode ser facilmente usado para a abertura de chanfros para soldagem.

• Tolerância dimensional do corte OFC é pior do que a de vários processos mecânicos.

• processo é essencialmente limitado ao corte de aços.

• processo gera fumaça e fagulhas quentes que podem representar um problema de higiene e segurança.

• Aços temperáveis necessitam de operações adicionais (pré-aquecimento, tratamento térmico, etc) de custo elevado para controlar a estrutura e propriedades mecânicas da região de corte.

  • Corte a Plasma

Corte a plasma (Plasma Arc Cutting, PAC) é realizado com um jato de plasma quente de alta velocidade obtido de forma similar ao processo de soldagem a plasma.

Um fluxo suplementar de gás (CO2, ar, nitrogênio, oxigênio) ou, mesmo, de água pode ser usado para resfriar e aumentar a constrição do arco. Em sistemas de grande porte, o corte pode ser realizado sob uma pequena camada de água para reduzir os seus efeitos ambientais (elevada geração de fumaça, radiação e de ruídos). O processo pode cortar praticamente todos os metais e peças de pequena espessura de aço de baixo carbono podem ser cortadas mais rapidamente do que OFC.

Adicionalmente, o processo pode iniciar o corte imediatamente, não necessitando do pré-aquecimento inicial até a temperatura de ignição como no processo de corte a oxigênio.

Equipamentos de baixo custo e pequenas dimensões têm sido desenvolvidos para o corte PAC manual e têm tornado este processo relativamente popular. Contudo, este processo é ainda mais comum em instalações de grande porte para corte mecanizado ou automático. O elevado custo do equipamento e alto nível de ruído, de fumaça e de radiação gerados são limitações deste processo.

  • Corte a Laser

De forma similar que a soldagem a laser, o corte a laser (Laser Beam Cutting, LBC) é baseado na ação de um feixe de luz coerente concentrado sobre a peça. A elevada densidade de energia utilizada possibilita a fusão e vaporização do material na região sendo atingida pelo laser o que leva à remoção de material e à ação de corte. Muitos sistemas trabalham com um jato de gás auxiliar para facilitar a expulsão de material da região de corte. O gás pode ser inerte, para gerar uma superfície da corte limpa e suave, ou pode ser reativo (em geral, oxigênio), para aumentar a velocidade de corte. O processo pode ser utilizado para cortar todos os metais além de certos materiais não metálicos como cerâmicas.

O processo apresenta as seguintes características principais:

• Capacidade de cortar qualquer metal e diversos materiais não metálicos independentemente de sua dureza.

• Espessura de corte e região afetada pelo calor do corte mais finas do que qualquer outro processo de corte térmico.

• Elevadas velocidades de corte.

• Facilmente adaptável para sistemas controlados por computador

A elevada velocidade de corte, a alta precisão do corte e o excelente acabamento da superfície de corte têm levado a uma utilização crescente deste processo de corte para a produção de peças de formato complicado que, muitas vezes, não necessitam de um acabamento posterior.

Prensagem

Prensagem mecânica: é o processo em que se pode estampar, fazer furos e/ou cortes através de uma prensa mecânica, sendo que este processo pode ocorrer simultaneamente ou não.

O tipo de função da prensa mecânica depende da matriz que é acoplada na prensa.

Este tipo de máquina é muito utilizado, principalmente na área industrial, especificamente na metalurgia, e também para a manutenção de equipamentos nas oficinas mecânicas em geral.

Prensa manual mecânica: refere-se a uma prensa manual mecânica que tem por finalidade a prensagem temporária de objetos e coisas. Situa-se no setor de produção industrial mecânica e de construções. É constituída por um sistema de alongamento horizontal, acionado pelo (1) punho giratório circular que gira em torno do eixo circular, (2) com rosca e (3) um rolamento, ampliando ou diminuindo o espaço entre os (4) dois braços externos que por sua vez contém os (5) dois braços internos que podem ser ampliados ou reduzidos conforme regulagem efetuada através dos (7) orifícios reguladores dos braços e seus (6) parafusos de fixação. O afastamento ou redução do espaço entre os dois braços externos é efetuado pelo braço externo (4) junto à empunhadura. O ajustamento da prensagem pode ser efetuado tanto no sentido horizontal, através do punho giratório circular, como no sentido vertical, através dos braços internos reguláveis. Os braços internos possuem (9) garras (sapatas para prensagem) fixas aos braços internos por (10) parafusos. A lubrificação do rolamento é feita através de (8) furo com parafuso. A prensa pode ser de grande como de pequeno porte, conforme o fim a que se destina. Tem emprego na indústria em geral, na construção civil, na marcenaria, atelier de gesso, carpintaria, oficina mecânica, etc.

Prensa excêntrica: em geral destina-se a moldagem ou cortes (matrizes de corte) rápidos e sucessivos. Na realidade, "excêntrica" refere-se ao seu acionamento, excêntrico e rotativo, que permite funcionamento contínuo e ações rapidamente repetidas. ( Diferente das prensas hidráulicas e outras, de alta capacidade, porém com avanço, prensagem e recuos mais pausados, mais lentos).

Os fenômenos e processos que ocorrem nas distintas etapas da prensagem a serem considerados são: preenchimento do molde, compactação e extração das peças prensadas. Na etapa da compactação, são estudados os estados e mecanismos de compactação, que relacionam a redução da porosidade da camada de aglomerados com a pressão de comapctação. Posteriormente se estuda a influência das distintas variáveis de operação (em especial as características do pó) sobre a evolução da operação de compactação e as propriedades das peças. São abordadas as influências dos aditivos, a compacidade dos grânulos, o tamanho médio e a distribuição de tamanhos dos aglomerados e a estrutura dos grânulos. Finalmente se estuda a transmissão da pressão na camada de pó e, na prensagem uniaxial, o efeito de parede.

Também são estudadas as relações entre a resistência mecânica e as características das peças prensadas, analisando o efeito dos ligantes e da umidade; da compacidade das peças e da plasticidade e tamanho dos grânulos do pó granulado. Na parte final são detalhados os dois tipos de prensagem, o iniaxial e o isostático, apresentando as diferenças das técnicas e dos programas de compactação usualmente empregados na indústria assim como os principais defeitos problemas associados às técnicas de prensagem.

Referências Bibliográficas

http://www.ebah.com.br/content/ABAAAANBsAA/pdf-soldagem

http://pt.wikipedia.org/wiki/Soldagem

http://biscatiz.blogspot.com/2009/02/soldadura-oxi-acetileno.html

http://pt.wikipedia.org/wiki/Soldagem_oxiacetil%C3%AAnica

http://www.ebah.com.br/content/ABAAAAv6oAC/fundicao-pelo-processo-shell

http://www.ceramicaindustrial.org.br/pdf/v05n06/v5n6_2.pdf

Comentários