Aerodispersoides

Aerodispersoides

definido, e que podemos fixar entre 100 a 200 µ( mícrons ),

De forma geral, um aerodispersóide está formado por uma dispersão de particulas sólidas ou líquidas no ar, de tamanho reduzido, que pode variar entre um limite superior, não bem até um limite inferior a ordem de 0,5 µ ,no caso das poeiras. Em aerosóis formados por condensação (fumos), o tamanho da partícula varia, comumente, entre 0,5 e 0,001 µ . Podemos, então, distinguir entre os aerodispersóides: - Poeiras: são partículas sólidas, produzidas por rupturas mecânicas de sólidos. - Fumos: São partículas sólidas, produzidas por condensação ou oxidação de vapores de substância que são sólidas a temperatura normal . - Névoas: São particulas líquidas, produzidas por ruptura mecânica de líquidos. - Neblinas: São partículas líquidas, produzidas por condensação de vapores de substâncias que são líquidas a temperatura normal em relação ao seu tamanho, as poeiras e as névoas estão formadas por partículas de mais de 0,5 µ de diâmetro, e os fumos e neblinas por partículas de menos de 0,5 µ . Deve-se entender que esta não é uma diferença rígida,já que, na realidade, existe uma superposição dos grupos . O tempo em que os aerodispersóides podem permanecer no ar depende de seu tamanho, peso específico e da velocidade do ar .Quanto mais tempo o aerodispersóide permanecer no ar, maior é a chance de ser inalado pelo trabalhador e de produzir nele intoxicações .As partículas sólidas de maior risco são aquelas com menos de 5 µ ,visíveis apenas ao microscópio, estas constituem a chamada fração respirável já que podem ingressar, pela inalação, até os pulmões. As partículas sólidas maiores que 5 µ são retidas no aparelho respiratório superior ou nos cílios da traquéia;as menores que 5 µ são reexaladas ao exterior.

Os aerodispersóides líquidos podem estar formados por uma substância pura,uma solução ou uma suspensão.

No primeiro caso,deve-se ter presente que a inalação de uma partícula líquida pode significar uma evaporação posterior e produzir ao nível dos alvéolos pulmonares uma concentração elevada de vapores,com a consequente possibilidade de passar ao sangue e ao resto do organismo. As soluções podem representar um risco tanto pelo solvente quanto pela substância dissolvida,dependendo o possível dano das características de cada uma delas.

O pó está constituído por partículas geradas mecanicamente,resultantes de operações tais como moenda. A maior porcentagem de partículas arrastadas pelo ar,em forma de pó,tem menos de 1 µ ( 1 mícron ).

Entre os pós orgânicos podemos distinguir dois grupos:

A- os que podem produzir doenças broncopulmonares crônicas,tais como os de algodão, de bagaço e de agave ( sisal ); B- poeiras que podem produzir alergias, asmas ou dermatose,tais como as de semente do rícino,de amido e de tabaco . Algodão: Os trabalhadores expostos a pó de algodão e agave podem adquirir doença chamada bissinose . As primeiras manifestações podem ser notadas depois de vários anos de exposição a poeira . O trabalhador, no começo, apresenta para seu serviço nas manhãs de segunda-feira, ou em dias subsequentes às faltas ou dias feriados .

Avaliação de aerodispersóides

Generalidades Uma avaliação qualitativa de um ambiente de trabalho é o ponto de partida para planejar as medidas de controle, que poderão ser adotadas e, desta forma, eliminar ou minimizar os riscos presentes . Quando se trata de avaliar quantitativamente um problema de aerodispersóides, ele se torna bastante difícil já que, normalmente, se trata de misturas complexas, de diferentas tamanhos de partículas,formas, estado de agregação, velocidade de sedimentação e composição.

Por este motivo, nenhuma magnitude pode definir completamente uma concentração de um aerodispersóide, diferença que ocorre quando se determina uma concentração de gás ou vapor .

O risco especial do ácido clorídrico é a sua alta ação corrosiva sobre a pele e mucosas,podendo produzir queimaduras cuja gravidade dependerá da concentração da solução. O contato do ácido com os olhos pode provocar redução ou perda total da visão,se o ácido não for removido imediatamente,através de irrigação de água. Os vapores de ácido produzem efeito irritante sobre as vias respiratórias. O ÁCIDO CLORÍDRICO,em si,não é um produto inflamável,mas quando em contato com certos metais libera Hidrogênio,formando uma mistura inflamável com o ar. Este ácido não deve ser armazenado próximo a substâncias inflamáveis ou oxidantes,como por exemplo,ácido Nítrico ou Cloretos,e nem próximo a Metais. As pessoas que lidam com o Ácido Clorídrico ( HCL ),devem lavar-se antes das refeições. Quando houver contaminação ocular,deve-se irrigar os olhos com grande quantidade de água.Nos casos de contaminação cutânea,deve-se lavar a área afetada com um pedaço de pano e água abundante,tratando-se posteriormente com solução de trietanolamina a 5%. Como sugestão,recomendo a instalação de LAVA-OLHOS E CHUVEIRO DE EMERGÊNCIA,para que possam ser instaladaos no setor de Produção,como medida preventiva aos trabalhadores deste setor.

1- Quando se trabalha com ácidos deve-se cuidar para que haja uma ventilação adequada ao local de trabalho. 2- As pessoas devem usar roupas protetoras de borracha,incluindo luvas e óculos de segurança,para evitar respingos do ácido na pele ou nos olhos. 3- Nas proximidades do local onde se manuseiam ácidos,deve existir chuveiro e lava-olhos de emergência. 4- Devem ser realizadas operações de treinamento,indicando as técnicas de manuseio e os riscos envolvidos no uso de cada ácido. 5- Quando o controle de engenharia é impraticável para manter a concentração abaixo dos Limites de Tolerância,devem ser usados respiradores com filtro químico,específicos para cada ácido,óculos contra respingos,botas,luvas e aventais de pvc. 6- Os recipientes que contém ácidos devem ser mantidos herméticamente fechados e com rótulos de identificação. 7- As pessoas que acusem enfermidade pulmonar,renal ou da pele não devem trabalhar com ácido nítrico. 8- Pessoas com problemas no sistema nervoso central e renal devem ser excluídas do manuseio do com ácido oxálico.

Comentários