Relatório I ENSETEC

Relatório I ENSETEC

(Parte 1 de 2)

Centro de Ciências Exatas e Tecnologia – CCET Núcleo de Engenharia de Produção – NPR

I ENSETEC: Avanços da Cerâmica Vermelha em Sergipe

São Cristóvão, SE – BRASIL JUNHO DE 2011

Centro de Ciências Exatas e Tecnologia – CCET Núcleo de Engenharia de Produção – NPR

I ENSETEC: Avanços da Cerâmica Vermelha em Sergipe

São Cristóvão, SE – BRASIL JUNHO DE 2011

Trabalho apresentado como requisito parcial para aprovação na disciplina Engenharia de Qualidade I da Faculdade de Engenharia de Materiais, Universidade Federal de Sergipe.

Drª. Veruschka Franca

OLIVEIRA, Emerson Maurício de

I ENSETEC: Avanços da Cerâmica Vermelha em Sergipe / Emerson Maurício de Oliveira; São Cristóvão, 2011.

16 p. Inclui bibliografias.

Relatório Técnico-científico – Universidade federal de Sergipe, 2011. Núcleo de Engenharia de Produção.

1. Argilas. 2. Caracterização. 3. Formulação de misturas.

I ENSETEC: Avanços da Cerâmica Vermelha em Sergipe

“Àqueles que diminuem os passos para ajudar os outros irmãos a caminhar.”

À minha namorada. Dedico.

vi

O presente trabalho tem por objetivo apresentar os principais pontos comentados na

Mesa Redonda do I Encontro Sergipano de Tecnologia Cerâmica. A ênfase é dada na apresentação do Profº. Drº. José do Patrocínio Hora Alves, diretor-presidente do Instituto Tecnológico e de Pesquisas do Estado de Sergipe (ITPS), que apresentou um estudo sobre a caracterização tecnológica das argilas utilizadas na produção de cerâmica vermelha no estado, de autoria da Aluna Carolina Mangieri. Análises de caracterização química, mineralógica e física foram realizadas. A importância dos resultados dessas caracterizações está relacionada ao maior controle das variáveis da massa argilosa como a sua resistência, cor e plasticidade, considerando sua aplicação na área da construção civil. A apresentação baseou-se nos resultados do trabalho, com o objetivo de atribuir características específicas as argilas em função do território em que são extraídas, sendo eles o Agreste Sergipano, Sul Sergipano e Baixo São Francisco. Com os resultados do trabalho de pesquisa disponibilizados para os industriários da produção de cerâmica vermelha, é possível introduzir melhorias no planejamento da extração e processamento das argilas no APL.

Palavras-chave: argilas; caracterização tecnológica; formulação de misturas.

vii

This paper aims at presenting the main points discussed in the First Round Table Meeting

Sergipano Ceramic Technology. The emphasis is on presentation of Profº. Drº. José do

Patrocínio Hora Alves, chief executive of the Institute of Technology and Research of the State of Sergipe (ITPS), who presented a paper on the technological characterization of clays used in the production of clay products in the state, written by student Carolina

Mangieri. Analysis of chemical, mineralogical and physical was performed. The importance of the results of these characterizations is related to greater control of variables such as clay mass resistance, color and plasticity, considering their application in construction. The presentation was based on results of work in order to assign specific features clays according to the territory in which they are extracted, and they Agreste Sergipano, Sul Sergipano and

Baixo São Francisco. The results of the research available to the industrialists of the production of clay products, improvements can be made in planning the extraction and processing of clays in APL.

Keywords: clays; technological characterization, formulation of mixtures.

viii

Figura 1 3 Tabela 1 4 Figura 2 5

DEDICATÓRIA v RESUMO vi ABSTRACT vii LISTA DE ILUSTRAÇÕES viii

1 INTRODUÇÃO 1 1.1 CONTEXTUALIZAÇÃO 1 1.2 OBJETIVOS 1 1.3 DELIMITAÇÕES DO RELATÓRIO 1

2 COMPOSIÇÃO E FABRICAÇÃO DE CERÂMICA VERMELHA 2 2.1 MATÉRIAS-PRIMA 2

2.2 MASSA CERÂMICA 2 2.3 PROCESSO DE FABRICAÇÃO 4 3 CARACTERIZAÇÃO TECNOLÓGICA DE ARGILAS 5 4 DISCUSSÃO 6 5 REFERÊNCIAS 7

1 1 INTRODUÇÃO

1.1 CONTEXTUALIZAÇÃO

A indústria de cerâmica vermelha produtora de tijolos e telhas em Sergipe vem passando por grande reestruturação para atender às exigências do mercado, promovendo assim uma melhora do seu produto para conseguir manter-se como empresa competitiva. Para isto, tornou-se necessário o controle rigoroso das etapas de fabricação, tais como a seleção e preparo de matérias-prima, os processos de conformação, a secagem e o processo de sinterização.

As empresas que produzem tijolos e telhas são conhecidas também como olarias.

Grande parte delas é de gestão familiar tradicional, ou seja, o conhecimento foi adquirido pelos proprietários de forma empírica, ao longo de várias décadas de atividade. Localizam-se próximo às jazidas onde as matérias-prima são extraídas para diminuir os custos com o transporte, pois para a produção de tijolos as matérias-prima devem ter baixo custo.

1.2 OBJETIVOS

Este trabalho tem por objetivo apresentar os principais pontos comentados na Mesa

Redonda do I Encontro Sergipano de Tecnologia Cerâmica. E como objetivos específicos podem ser citados:

- Avaliar propriedades tecnológicas das argilas;

- Análises de caracterização química, mineralógica e física.

Justifica-se a necessidade do estudo apresentado, pela obtenção de resultados de caráter experimental que poderão ser úteis às empresas do APL Sergipano.

1.3 DELIMITAÇÕES DO TRABALHO

O relatório está dividido em três partes distintas. Primeiro uma breve introdução sobre a composição e fabricação de cerâmicas vermelhas, abordando temas como matérias-prima, massa cerâmica e seu processo de fabricação. Após, um capítulo sobre as formas de caracterização tecnológica de argilas citadas na mesa redonda do I ENSETEC. Por fim, uma breve discussão sobre os assuntos abordados no encontro.

2 2 COMPOSIÇÃO E FABRICAÇÃO DE CERÂMICA VERMELHA

O uso do tijolo cerâmico em construção data de quase cinco mil anos, sendo o mais antigo material fabricado pelo homem ainda em uso. Contudo ao invés de tornar-se antiguidade, o produto cerâmico continua sendo largamente utilizado e geralmente é o material de construção preferido pelos usuários (GRUN, 2007).

2.1 MATÉRIAS-PRIMA

As matérias-prima empregadas na produção de tijolos são basicamente as argilas. Elas são provenientes de depósitos naturais formados durante distintos e longos processos geológicos, tratando-se, portanto de uma mistura complexa de diferentes variedades mineralógicas. Como resultado, as argilas industriais contêm, além de caulinita, pequenas quantidades de quartzo, feldspato e mica. A presença destes minerais, até certo ponto, influencia no comportamento da massa cerâmica durante a queima (GRUN, 2007).

(Parte 1 de 2)

Comentários