Acustica arquitetonica rino levi

Acustica arquitetonica rino levi

(Parte 1 de 2)

Acústica 2008 20 - 2 de Outubro , Coimbra, Portugal Universidade de Coimbra

Carlos Augusto de Melo Tamanini1, Sylvio Reynaldo Bistafa2

1Universidade Estadual de Maringá camtamanini@uem.br; ctamanini@usp.br; ctamanini@uol.com.br 2Universidade de São Paulo sbistafa@usp.br

Resumo O arquiteto tem que conhecer e dominar a tecnologia para projetar edificações cuja resposta atendam as exigências de conforto acústico. Assim, conhecer como um grande nome da arquitetura brasileira, precursor da acústica no país, concilia a liberdade e a criatividade da arte, com o rigor científico da tecnologia, é importante para o aprendizado e consciência de sua responsabilidade como projetista. Para isso, seleciona-se o arquiteto Rino Levi, e, estudando os seus conceitos em relação à arquitetura, torna-se possível estabelecer uma relação do processo da formação do repertório e, conseqüentemente, da qualidade dos seus projetos. Para alcançar tal objetivo, avalia-se uma sala de cinema projetada pelo arquiteto, analisando as características acústicas, por intermédio da apropriação de grandezas acústicas, obtidas a partir de tabelas. De posse desses resultados, foram analisadas as condições acústicas da sala, verificando a sua adeqüabilidade às necessidades acústicas e à tecnologia adotada.

Palavras-chave: Acústica de salas; Rino Levi; cinema; simulação.

Abstract The architect needs to know and be skilled at the technology to design buildings whose answer the acoustic comfort necessity. This way, to know how a famous Brazilian architect, precursor of the acoustics in the country, reconciles the freedom and the creativity of the art with the scientific rigidity of the technology, it is important for the learning and the conscience of his responsibility as designer. For this, the architect Rino Levi is selected, and, studying his concepts of the architecture, it becomes possible to establish a relationship of the process of the formation of the repertoire with, consequently, his design quality. To reach such objective, a movie theater designed by the architect was evaluated, analyzing the acoustic characteristics, through the appropriation of acoustic parameters obtained by tables. From these results, the acoustic conditions of the room were analyzed, verifying its acoustic needs and the adopted technology.

Keywords: Room acoustics; Rino Levi; movie theater, simulation.

Carlos Augusto de Melo Tamanini, Sylvio Reynaldo Bistafa

O conhecimento das exigências humanas de conforto acústico, térmico e lumínico, do clima, bem como das características dos materiais, possibilita condições de projetar edifícios cuja resposta atenda às exigências de conforto. Nesse estudo, apresenta-se em destaque o conforto acústico – acústica arquitetônica – através de um grande nome da arquitetura moderna brasileira, o arquiteto Rino Levi. Analisando a sua obra, verifica-se que o arquiteto tinha conhecimento sobre acústica, sobre a aplicação correta das diretrizes projetuais e sobre o comportamento dos materiais, permitindo uma intervenção consciente em projetos em que a Acústica é a principal condicionante de projeto.

A realidade de inadequações da construção possui grande custo social, além de acarretar grande desconforto aos usuários, comprometendo sua saúde e seu desempenho em diversas atividades. Segundo CORBELLA e MAGALHÃES (2000)[03], os fatores que contribuem para essa situação referem-se a problemas de formação na graduação. A causa apresenta uma raiz, o “conhecimento” de quem concebe o projeto.

Fazendo uma analogia com a área de educação, apresentando quais seriam os fatores para a atual situação da educação, a causa seria a mesma: o “conhecimento”. Existem várias metodologias de ensino discutindo qual seria a solução para mudar esse quadro, entretanto o que prevalece são educadores com a mesma didática: o de ensinar a decorar. Nesse ponto, encontramos o problema. O educador deve assumir nova postura: a de ensinar a pensar, a conhecer, para que o aluno tenha habilidades e competências para saber fazer e resolver problemas. De acordo com CONSOLARO (2001)[02], o objetivo das mudanças atuais na educação brasileira e mundial está na modernização do ensino, tornando-o capaz de atender às exigências de formação, visando a dar condições aos alunos para resgatar informações e atualizar-se constantemente, ou seja, promover o desenvolvimento da autonomia, para que aprendam agora e continuem a aprender por conta própria por toda vida.

Relacionando o “conhecimento”, tanto na arquitetura e na educação, o aprendizado e a sensibilidade são essenciais para a obtenção dos melhores resultados. Para exemplificar, a maioria dos grandes nomes, independente da área de atuação, apresentam uma grande sensibilidade em extrair informações, sensações e percepções de tudo o que acontece a sua volta, utilizando-se de todos os seus sentidos para formar o seu conhecimento e aplicá-lo no seu projeto pessoal.

Na arquitetura, isso não é diferente. Assim, apresentaremos, com base em um grande nome da arquitetura moderna - o brasileiro Rino Levi, como o processo da formação do repertório se relaciona com o verdadeiro conhecimento, o da síntese da memória. Serão apresentados a formação, os pensamentos e a aplicação dos conceitos num projeto de relevância do arquiteto.

O desenvolvimento desse estudo foi organizado em: revisão bibliográfica - consiste num levantamento de bibliografia sobre o tema e estudo sobre o arquiteto, atendendo um roteiro padronizado, que contempla a biografia, os pensamentos e os projetos do arquiteto; catalogação da obra - registram-se, em ordem, os dados sobre as obras. Para uma melhor compreensão, muitas imagens são incorporadas, como croquis e desenhos detalhados das técnicas utilizadas pelo arquiteto.

Acústica 2008, 20 - 2 de Outubro, Coimbra, Portugal

A exibição dos filmes no Brasil e consequentemente os avanços tecnológicos na indústria cinematográfica fazem com que seja necessária a construção de espaços adequados. Concentra-se primeiramente no Rio de Janeiro a produção dos filmes, e com o passar dos anos e a vontade de transformar São Paulo na capital cultural, esta surge em destaque, incentivando a produção de películas e a construção de espaços voltados para exibições. A primeira cena no cinema no Rio de Janeiro é exibida em 1896 e logo no ano seguinte é inaugurada a primeira sala destinada à exibição cinematográfica.

As guerras mundiais marcaram mudanças na produção cinematográfica brasileira, primeiramente trouxeram a crise econômica na produção cinematográfica, depois, com a chegada dos imigrantes, esta passa a sofrer influências estrangeiras.

Um exemplo refere-se à produção em 1927 do primeiro filme sonoro, o “The Jazz Singer”, e para não ficar para traz e percebendo que estas novas técnicas atraiam ainda mais o público, os produtores brasileiros nesse mesmo ano tentam realizar um filme sonoro, visto que os filmes legendados foram mal recebidos.

Entretanto com a quebra da Bolsa de Nova Iorque, a indústria paulista foi atingida e com o aprimoramento das técnicas de legendagem, os filmes estrangeiros passam a ter preferência do público.

Percebe-se que vários fatores influenciaram a produção cinematográfica, como dificuldades técnicas, guerras mundiais, motivos políticos e econômicos. Mas a cada obstáculo, novas situações são criadas para atrair e valorizar o cinema.

Destaca-se que as salas de espetáculos adaptadas para exibição tornaram-se inadequadas para o público e em 1924 e 1928 são elaboradas regulamentações federais com a preocupação da qualidade e segurança das salas.

A aspiração de fazer de São Paulo uma cidade moderna e as regulamentações fazem com que a arquitetura das salas sejam planejadas para preparar o espírito do espectador para o que seria projetado. Nesse sentido, em 1936 foi construído o Cinema Ufa-Palácio, o primeiro com características invejáveis, tornando-se assim nosso objeto de estudo.

3 Rino Levi e suas Obras

A expressão “conhecer” exprime o ato contínuo que envolve as ações, seja projetiva ou construtiva. Essas ações relacionam-se com o pensar como postura de formular idéias, refletir e teorizar. A partir desta definição surgiu o intuito de elaborar uma análise que visa absorver como esses conceitos refletiram numa determinada produção arquitetônica.

Para podermos estabelecer uma relação entre o pensamento e arquitetura do arquiteto analisado, apresentam-se marcos referenciais na produção do mesmo.

Carlos Augusto de Melo Tamanini, Sylvio Reynaldo Bistafa

O arquiteto brasileiro Rino Levi nasceu em São Paulo em 1901, formou-se em Roma e desponta como um dos maiores arquitetos racionalistas. Tinha como uma das principais características o cuidado com o desenho, apresentando um domínio de todos os detalhes de suas obras, tornando-os inovadores. Outra característica marcante deste arquiteto é de ser pragmático, característica criticada por vários autores. Através dessa característica, definia os objetivos dos seus projetos. Debruçava-se sobre os livros de referência do assunto a ser abordado, estudando exaustivamente, até se sentir seguro para projetar.

ANELLI (2001)[01] relata que Levi dedicou sua vida profissional à busca de uma arquitetura moderna adequada ao Brasil. Apesar da inspiração racionalista, Levi produziu um modernismo sem ruptura, em que utiliza a técnica e a ciência a serviço do bem-estar, ou seja, o conforto térmico, acústico ou visual. Sua arquitetura procurava integrar-se à paisagem e buscava uma relação interior - exterior com a mesma intensidade com que se preocupava em construir o espaço urbano. Levi destrinchava os programas de necessidades com precisão.

Do somatório de influências nasce uma posição de entendimento da arquitetura; nesta, a produção artística voltada à ação construtiva deveria ser idêntica àquela empregada na ação pictórica e escultural. Inicialmente, deveria existir um estudo de funcionalidade e dos aspectos técnicos para que, posteriormente, possibilitasse ao arquiteto uma liberdade plena, livre de qualquer influência.

do que nuncaAs leis da harmonia são imutáveis, baseiam-se numa constante o ser

“O passado continua sempre a nos fornecer ensinamentos valiosos, aliás, hoje mais humano”. (LEVI apud MIGUEL, 2003) [05]

Ao trilhar o seu pensamento, Levi associa aos elementos de ordem técnica e funcional, uma intenção plástica, buscando alcançar interação entre presente e passado. Na arquitetura há um desmembramento entre o temporal – perene e espiritual e o material – técnica e função.

Nesses conceitos que tratam de adequação ao lugar, e neste caso ao lugar urbano – nos seus dois sentidos, de acomodação e adequação ética ou atuação com propriedade e decoro - podemos encontrar as raízes da arquitetura de Rino Levi. Esta pode ser classificada de diversas maneiras, entre elas as que preferem classificá-la pelas tipologias de projeto, ou seja, pela função ou programa de necessidades, fato que cronologicamente ocorre uma predominância das fases de projetos, nesse caso, a fase para cinemas.

Uma das análises mais interessante refere-se ao relacionar a obra com base na análise dos projetos em relação aos textos do arquiteto. Machado insere os projetos de Rino em cinco fases: 1a Fase: Emprego de volumes geométricos e gerados por curvas - Cinemas 2a Fase: Emprego de superfícies de elementos vazados - Edifícios 3a Fase: Emprego de partido formal onde um volume abriga várias funções - Hospitais 4a Fase: Emprego de formas de continuidade do espaço – Residências 5a Fase: Emprego de brise-soleil – Edifícios.

Nesse estudo, as salas de cinema estão inseridas na 1a fase, considerando que as superfícies curvas presentes nos espaços internos desta tipologia são resultantes dos estudos de acústica e visibilidade. Destaca-se o Cine Ufa-Palácio, que apresenta a resolução de aspectos funcionais diretamente vinculados à solução técnica.

Acústica 2008, 20 - 2 de Outubro, Coimbra, Portugal

A metodologia de trabalho de Rino Levi é baseada na importância dos aspectos técnicos para a elaboração de seus projetos. Em textos de sua autoria se percebe claramente esta maneira de compreender seus partidos arquitetônicos.

[...] De todas as artes, a arquitetura é talvez a que necessite hoje de conhecimentos científicos mais extensos e variados e só nesse ponto se justifica a expressão “arquitetura é arte e ciência”. [...] Em virtude dessas novas condições, a arquitetura tornou-se de tal forma complexa, que necessita frequentemente, de uma colaboração íntima com determinados especialistas. [...]

Fica claro através desse texto a necessidade de pesquisas tecnológicas e científicas, das mais diversas áreas da arquitetura e engenharia, para resolver os problemas das várias tipologias de edificações, levando a arquitetura a formar equipes interdisciplinares para o detalhamento e adequações em seus projetos.

Seguindo esta linha, durante a fase de elaboração de projetos para salas de espetáculos, Rino Levi não encontrou nenhum especialista no Brasil que pudesse auxiliá-lo sobre a acústica dos espaços e resolveu retomar os estudos sobre o assunto e a desenvolver as suas próprias considerações para os seus projetos.

Surge pela primeira vez gráficos de visibilidade e de cálculos acústicos para os ambientes, e os resultados acústicos deixam de ser empíricos. No projeto do Cine Ufa-Palácio estes conceitos são apresentados pela primeira vez.

Rino Levi analisa os estudos na área de acústica arquitetônica do professor Paul Wallace Sabine, um dos principais pesquisadores da área, e torna-se o precursor dessa área no Brasil, contribuindo não só com a elaboração de projetos técnicos, mas fundando e presidindo uma Sociedade para o estudo e divulgação de soluções de problemas de acústica arquitetônica.

Nesse momento, são publicados textos sobre esse contato do arquiteto com a acústica arquitetônica, entretanto esse não foi o primeiro contato com o assunto, a familiaridade vem do período em que estudou na Itália, visto que os criadores da arquitetura de cinemas na Itália foram seus professores.

Os textos mostram claramente o domínio sobre o assunto, esclarecendo que o condicionamento adequado dos ambientes está diretamente relacionado à reverberação do som, ou seja, a forma e aos materiais aplicados.

4 Cine Ufa-Palácio

O cinema foi construído na Avenida São João, na região constituída como Cinelândia, área de prestígio que concentrava os grandes edifícios e os elegantes restaurantes e cinemas de São Paulo. Esse projeto marca o início de uma nova fase na produção na vida profissional do arquiteto, o de salas de espetáculos. Relata-se que o projeto torna-se um “divisor de águas” dos projetos para cinemas, em virtude do estudo esmerado de acústica, de visibilidade e de aplicação de conceitos da arquitetura moderna. (figuras 01 e 02)

Carlos Augusto de Melo Tamanini, Sylvio Reynaldo Bistafa

Figura 01 – Croqui da entrada

Fonte: ANELLI (2001)

Figura 02 – Vista noturna da entrada Fonte: ANELLI (2001)

Os cinemas nessa época eram construídos para abrigar um grande número de espectadores, sendo que o Ufa-Palácio foi projetado para comportar 3119 lugares (figuras 03 e 04). O cinema faz parte de um conjunto que abriga também oito pavimentos superiores de apartamentos. Mas o grande destaque refere-se à sala de exibição e o foyer (figuras 05 e 06)

(Parte 1 de 2)

Comentários