(Parte 6 de 8)

CINZA PRETA TC - NPO +/-2% 100 V 1,8 a 120 pF CINZA VIOLETA TC - N750 +/-2% 100 V 3,9 a 330 pF OCRE AMARELA GP +/-10% 100 V 180 a 4700 pF OCRE VERDE GMV 80% 63 V 1000 a 20 pF

Identificação das Características dos Capacitores “Plate”: Pela tabela IV podemos identificar as características dos capacitores “Plate” pela cor do corpo do capacitor e pela cor da faixa superior. O valor da capacitância é gravado no próprio corpo de capacitor. Ela é indicada por dois números e uma letra. A letra ocupa o lugar da vírgula e indica a sub-unidade da capacitância. Exemplos: a. marcação 4p7, corpo cinza e faixa amarela: capacitância de 4,7pF, tolerância de +/-10%, tensão nominal de 100V e tipo uso geral (GP). b. marcação n33, corpo cinza e faixa preta: capacitância de 0,33nF, tolerância de +/-2%, tensão nominal de 100V e tipo temperatura compensada (TC-NPO). A figura 2 apresenta o aspecto físico e a marcação dos capacitores tipo “plate”.

CAPACITORES Profs. Fernando Luiz Mussoi e Marco V. Villaça

CEFET/SC - Gerência Educacional de Eletrônica 23

Figura 2 – Aspecto físico de capacitores tipo “plate”.

Capacitores Cerâmicos Multicamadas:

Os capacitores cerâmicos multicamadas (multilayer) são construídos a partir da superposição de finas camadas de material dielétrico cerâmico com metal depositado sobre suas superfícies formando uma espécie de “sanduíche”. Daí a denominação de multicamadas. As camadas metálicas individuais são conectadas umas às outras através de uma terminação metálica onde são soldados os terminais de capacitor, como indica a figura 23.

Figura 23 – Estrutura de um capacitor cerâmico multicamadas

Apresentam baixas perdas, capacitância estável, alta resistência de isolação e alta capacitância em pequenas dimensões. A apresentação das características é semelhante aos outros tipos de capacitores cerâmicos.

Capacitores de Filme Plástico:

Os capacitores de filme plástico se caracterizam por apresentarem como dielétrico uma lâmina de material plástico (poliéster, polipropileno, poliestireno, policarbonato). Sua capacitância é da ordem de NANOFARADS.

Características: Baixíssimas perdas no dielétrico, alta resistência de isolação, estabilidade da capacitância, baixa porosidade e conseqüente resistência à umidade. Tipos: Poliéster (MKT), Prolipropileno (MKP), Poliestireno (MKS) e Policarbonato (MKC ou MAC).

CAPACITORES Profs. Fernando Luiz Mussoi e Marco V. Villaça

CEFET/SC - Gerência Educacional de Eletrônica 24

Tipo Não Metalizado:

Possuem dielétrico de filme plástico e armaduras de folhas de alumínio. O conjunto armaduras mais o dielétrico pode ser bobinado ou então sanfonado, conforme a opção construtiva. A figura 24.a apresenta a estrutura construtiva deste tipo de capacitor.O capacitor de filme plástico não metalizado não é auto-regenerativo, mas apresenta melhores características de corrente máxima admitida.

Tipo Metalizado:

Têm como característica marcante a propriedade de auto-regeneração. O dielétrico desses capacitores consiste de filmes de plástico em cuja superfície é depositada, por processo de vaporização, uma fina camada de alumínio, deixando-o metalizado. Na fabricação do capacitor pode-se bobinar ou dispor o conjunto armaduras-mais-dielétrico em camadas (em sanfona), como indica a figura 24.b. Através da contactação das superfícies laterais dos capacitores com metal vaporizado, obtém-se bom contato entre as armaduras e os terminais, assegurando baixa indutância e baixas perdas. No caso de aplicação de uma sobretensão que perfure o dielétrico a camada de alumínio existente ao redor do furo é submetida a elevada temperatura, transformando-se em óxido de alumínio (isolante) desfazendo-se então o curto-circuito. Este fenômeno é conhecido como auto-regeneração.

Figura 24.a – Estrutura construtiva do capacitor de filme plástico não metalizado bobinado

CAPACITORES Profs. Fernando Luiz Mussoi e Marco V. Villaça

CEFET/SC - Gerência Educacional de Eletrônica 25

Figura 24.b – Estrutura construtiva do capacitor de filme plástico metalizado sanfonado

Identificação dos Capacitores de Filme Plástico:

· Leitura Direta dos valores impressos: no corpo dos capacitores de filme plástico normalmente vêm indicadas a capacitância nominal (um número), a tolerância (em letra maiúscula) e a tensão nominal (um número com unidade, geralmente). Dicas: Se o valor impresso for maior que 1, o valor é indicado em picofarads (pF)

Se o valor impresso for menor que 1, o valor é indicado em microfarads (mF) Tolerância: Usar a tabela I para a determinar a tolerância Tensão: indicada diretamente no corpo do capacitor

• Leitura por código de cores: O corpo do capacitor vem pintado com cinco faixas coloridas. A leitura deve ser feita de acordo com a tabela V, começando com a faixa superior.

CAPACITORES Profs. Fernando Luiz Mussoi e Marco V. Villaça

CEFET/SC - Gerência Educacional de Eletrônica 26

TABELA V CÓDIGO DE CORES PARA CAPACITORES DE FILME PLÁSTICO (Valores de Capacitância em Picofarads – pF)

1o Algarismo 2o Algarismo Número de Zeros Tolerância

Tensão Nominal

Cor 1o Algarismo 2o Algarismo Número de Zeros Tolerância Tensão Nominal

Marrom 1 1 0 100V Vermelho 2 2 0 250V

Laranja 3 3 0 Amarelo 4 4 0 400V

Verde 5 5 0 Azul 6 6 630V

Violeta 7 7
Cinza 8 8

Capacitores Eletrolíticos de Alumínio:

Basicamente, todo capacitor é constituído de duas armaduras com um dielétrico entre estas. Embora este princípio também seja válido para os capacitores eletrolíticos, a principal diferença entre estes e os demais tipos de capacitores reside no fato de que um dos eletrodos - o cátodo - é constituído de um fluído condutor - o eletrólito - e não somente uma armadura metálica como se poderia supor. O outro eletrodo, o ânodo, é constituído de uma folha de alumínio em cuja superfície é formada, por processo eletroquímico, uma camada de óxido de alumínio servindo como dielétrico, como indica a figura 25. O método de bobinagem é o mais empregado na fabricação de capacitores eletrolíticos de alumínio. A bobina contém, além da folha de ânodo já descrita, uma segunda folha de alumínio, conhecida por folha de cátodo, que não é oxidada e tem a função de servir como eletrodo à substância líquida condutora. Ambas as folhas são separadas uma da outra por algumas camadas de papel poroso que tem por função armazenar o eletrólito. As figuras 25 e 26 ilustram os aspectos construtivos dos capacitores eletrolíticos. A preferência por capacitores eletrolíticos deve-se à sua alta capacitância específica (grandes valores de capacitância em volume relativamente reduzido) apresentando capacitâncias na ordem de MICROFARADS. Como nos outros capacitores, sua capacitância é diretamente proporcional à área das placas e inversamente proporcional a distância entre ambas. Nos capacitores eletrolíticos esta distância é determinada pela espessura da camada de óxido formada sobre a folha de anodo.

O óxido de alumínio (K @ 10) apresenta, sobre os outros dielétricos, não somente a vantagem de poder ser obtido em filmes de muito menor espessura, mas também a propriedade de

CAPACITORES Profs. Fernando Luiz Mussoi e Marco V. Villaça

CEFET/SC - Gerência Educacional de Eletrônica 27 suportar altas tensões elétricas. Mesmo em capacitores de tensão mais elevada, teremos, no máximo, um afastamento entre armaduras de 0,7 m, donde se esclarece em parte sua alta capacitância específica ( a espessura mínima de um dielétrico como o papel, por exemplo, é de

6 a 8 m)

Outro fator é o aumento da superfície dos eletrodos resultante da cauterização eletroquímica que torna a folha de alumínio rugosa. Uma vez que o catodo do capacitor eletrolítico é constituído por eletrólito, este preenche idealmente as reentrância da folha de ânodo, como indica a figura 26.

CAPACITORES Profs. Fernando Luiz Mussoi e Marco V. Villaça

CEFET/SC - Gerência Educacional de Eletrônica 28

Figura 25 – Aspectos construtivos de um capacitor eletrolítico de alumínio

Figura 26 – Construção do capacitor eletrolítico bobinado.

Capacitores Eletrolíticos Polarizados e Não-Polarizados (bipolares):

O capacitor eletrolítico construído como até agora descrito, só funciona convenientemente quando ligamos o pólo positivo ao ânodo e o pólo negativo ao cátodo. Se fizermos a ligação de maneira contrária, inicia-se um processo eletrolítico que depositará uma camada de óxido sobre a folha de cátodo. Durante este processo ocorre a geração interna de calor e gás que pode destruir (até explodir) o capacitor. Existem também capacitores eletrolíticos não-polarizados, os bipolares. Nestes, em lugar da folha de cátodo normalmente usada, utiliza-se uma segunda folha de ânodo, formada nas mesmas condições da primeira, Uma construção deste tipo permite tanto o funcionamento sob tensão C, em qualquer polaridade, como também com tensões alternadas. O capacitor eletrolítico bipolar necessita de até o dobro do volume de um polarizado de mesma capacitância e tensão, pois o valor da capacitância é igual a metade das capacitâncias parciais. Os capacitores eletrolíticos possuem variações no que se refere às disposições dos terminais, podendo ser axiais ou radiais. Os capacitores axiais possuem terminais instalados nas duas extremidades, ao passo que os radiais, possuem seus terminais colocados numa das extremidades do capacitor.

Identificação dos Capacitores Eletrolíticos:

Geralmente os capacitores eletrolíticos trazem suas características nominais de capacitância, tensão e tolerância, diretamente impressas no corpo do capacitor.

(Parte 6 de 8)

Comentários