Auditoria Contábil em Sistemas de Saúde

Auditoria Contábil em Sistemas de Saúde

Zelo

  • Zelo

  • Evidências

  • Julgamento

  • Risco

  • Materialidade

Zelo

  • Zelo

  • Consideração freqüentemente chamada de regra de prudência, baseia-se no auditor supostamente prudente no conhecimento, habilidade, cautela e capacidade de reagir em determinadas circunstâncias.

  • Evidências

  • O objetivo é obter evidência, competente e suficiente na constituição de uma base razoável para o parecer das demonstrações contábeis.

    • Procedimentos de coleta de evidências:
    • Observação;
    • Indagação;
    • Inspeção;
    • Confirmação;
    • Reexecução e
    • Procedimentos analíticos.

Competência:

  • Competência:

  • Está relacionada à relevância e confiabilidade (ou validade) da evidência.

Julgamento

  • Julgamento

    • É a capacidade de tomar decisões razoáveis, o que, em auditoria, exige um processo disciplinado para evitar a prática simplista de tirar conclusões e, depois, procurar evidências que a suportem. Implica na escolha entre dois ou mais cursos de ação, tais como:

Alcance dos procedimentos;

  • Alcance dos procedimentos;

  • Extensão;

  • Época;

  • Aplicabilidade dos princípios contábeis;

  • Forma e conteúdo das demonstrações contábeis;

  • Necessidade de divulgação e

  • Relatório apropriado nas circunstâncias.

Risco

  • Risco

  • É a possibilidade de ocorrência de erros materiais nas demonstrações contábeis e não serem detectados pelo auditor. O risco de auditoria não reflete nossa exposição ao risco de litígio, publicidade negativa ou danos à reputação. O risco de auditoria (RA) compreende os seguintes componentes:

Risco Inerente;

  • Risco Inerente;

  • Risco de Controle e

  • Risco de Detecção.

Risco Inerente (RI)

  • Risco Inerente (RI)

  • É a suscetibilidade de determinado postulado ao erro material, supondo-se que não haja controles internos correlatos.

Risco de Controle (RC)

  • Risco de Controle (RC)

  • É o risco de um erro material em um postulado não ser prevenido ou detectado em tempo hábil, por estrutura, política ou procedimentos de controle interno. Ocorre em função da eficácia do desenho e funcionamento da estrutura de controle interno.

Risco de Detecção (RD)

  • Risco de Detecção (RD)

  • É o risco de um erro material existente em um postulado não ser prevenido ou detectado pelo auditor. Ocorre em função da eficácia dos procedimentos de auditoria e de sua aplicação.

Materialidade

  • Materialidade

  • É um conceito de contabilidade e auditoria extremamente importante, mas impreciso, que trata de julgamentos sobre assuntos que um usuário prudente das demonstrações contábeis pode considerar significativos. Os principais tipos de materialidade são: monetários, divulgação e global.

Categorias de Testes de Auditoria

  • Categorias de Testes de Auditoria

  • Testes de controle;

  • Testes substantivos;

  • Testes de dupla finalidade e

  • Testes de detalhes.

Testes de Controle

  • Testes de Controle

  • São os que fornecem evidência se as políticas e procedimentos da estrutura de controle interno foram corretamente desenhadas para prevenir ou detectar erros em tempo hábil e se tem funcionado eficazmente.

Testes Substantivos

  • Testes Substantivos

  • Consistem de testes dos saldos das contas e transações correlatas, assim como, procedimentos analíticos. É usado para avaliar quantidade e qualidade da evidência.

Testes de Dupla Finalidade

  • Testes de Dupla Finalidade

  • Para um mesmo item selecionado são aplicados simultaneamente testes de controle e substantivo.

Testes de Detalhes

  • Testes de Detalhes

  • São testes de itens de grande valor ou não usuais, dirigidos a um objetivo específico, não sendo representativo do total da conta.

Assegura a devida atenção aos aspectos cruciais;

  • Assegura a devida atenção aos aspectos cruciais;

  • Aproveita de maneira eficaz o pessoal;

  • Maximiza a eficiência da auditoria e

  • É um processo dinâmico e contínuo.

Aspectos a serem considerados

  • Aspectos a serem considerados

  • Procedimentos cíclicos de auditoria;

  • Expectativas do auditado;

  • Designação de pessoal novo;

  • Utilização adequada do pessoal do auditado;

  • Definição das áreas chave e se iremos testar;

Ambiente de Controle

  • Ambiente de Controle

  • É determinado pelos seguintes fatores:

  • Filosofia e estilo da Administração;

  • Estrutura organizacional;

  • Existência de auditoria interna atuante;

  • Métodos de controle e monitoramento de desempenho;

  • Eventuais influências externas e

  • Transações não usuais com partes relacionadas, experiência em auditorias anteriores e etc.

Sistema contábil

  • Sistema contábil

  • Consiste de métodos e registros que:

  • Identifiquem e registrem todas as transações válidas;

  • Descrevam as transações com detalhes suficientes para permitir correta classificação;

  • Determinem o período em que as transações ocorreram e

  • Apresentem corretamente as transações e divulgações correlatas nas demonstrações contábeis.

Papel de Trabalho

  • Papel de Trabalho

  • Todo papel de trabalho, inclusive os preparados pelo auditado, devem mostrar claramente:

  • O nome do auditado (deve-se cogitar de usar um carimbo);

  • O nome da conta ou área de auditoria envolvida;

Deve-se ter cuidado para “rubricar” os papéis de trabalho quando se tomam decisões, para mostrar que ela foi tomada na data efetiva;

  • Deve-se ter cuidado para “rubricar” os papéis de trabalho quando se tomam decisões, para mostrar que ela foi tomada na data efetiva;

  • Explicar claramente todas as “tick mark”, podendo serem feitos resumos das explicações;

  • Comentários e notas extensos devem ser postos em papel à parte, assinado e datado;

Redigir na primeira pessoa do plural (nós), evitando, “o auditor”;

  • Redigir na primeira pessoa do plural (nós), evitando, “o auditor”;

  • Não será necessário colocar “conclusão” por área de trabalho. A mesma será evidenciada na memorando de encerramento da auditoria;

  • Não siga cegamente os papéis do ano anterior;

Quando Usá-la

  • Quando Usá-la

  • Quando os procedimentos de auditoria são eficazes quando aplicados na base de testes;

  • Quando o custo-benefício for baixo em relação a outros procedimentos de auditoria;

  • Quando o potencial de erros for material;

Itens-Chave

  • Itens-Chave

  • São itens que individualmente são significativos e por isso, são excluídos da população a ser amostrada e são examinados separadamente.

  • Estratificação

  • É o processo de divisão da população a ser amostrada em duas ou mais subpopulações ou camadas. A finalidade é reduzir a variabilidade da população a ser amostrada e, portanto, reduzir o tamanho de amostra exigido.

Procedimentos Analíticos

  • Procedimentos Analíticos

  • São utilizados em trabalhos de auditoria e revisão, para ajudar a identificar possíveis erros materiais, indicando seus saldos e as relações de contas parecem razoáveis, tomando por base as expectativas desenvolvidas com base em resultados passados, esperados, ou outras tendências.

Tipos de procedimentos analíticos

  • Tipos de procedimentos analíticos

  • Análise de tendência;

  • Análise de índice;

  • Testes de razoabilidade

O Processo Confirmatório

  • O Processo Confirmatório

  • Confirmação é o processo de obtenção e avaliação de comunicações diretas por um terceiro que afeta os lançamentos das demonstrações contábeis. Eles se dividem em pedidos positivos e negativos:

  • Pedidos positivos

  • São solicitações que fornecem comprovações de auditoria somente quando se recebem respostas dos destinatários.

  • Pedidos negativos

  • Os destinatários de pedidos negativos são instados a responderem se discordam da informação. Tais pedidos são usados para reduzirem os riscos de auditoria a níveis aceitáveis se:

Comentários