morfologia externa insetos

morfologia externa insetos

(Parte 3 de 3)

Ângulos São três os ângulos da asa: Umeral ou axilar–formado pela margem costal e anal; Apical –entre a margem costal e lateral; Anal –na interseção damargem lateral com a anal.

Figura 13. Ângulos e margens de uma asa de inseto (Nakano et al. 2002).

Estruturas de acoplamento

Têm a função de unir as asas de um mesmo lado, permitindo movimentos harmônicos e maior eficiência no vôo. São conhecidos quatro tipos:

Jugo–é uma projeção do lobo jugal da asa anterior que se acopla na margem costal da asa posterior, permitindo que esta fique presa entre o jugo e a margem anal da asa anterior. Ex. típica de algumas espécies de mariposas.

Frênulo–consiste de uma ou mais cerdas localizadas no ângulo umeral da asa posterior, que transpassa por um tufo de cerdas ou dobra (retináculo) localizada na asa anterior. Vale ressaltar que nos machos o frênulo é formado por uma única cerda enquanto nas fêmeas, por dois a três cerdas. Ex. ocorre em muitas espécies de mariposas da família Noctuidae.

Universidade Federal do Amazonas Faculdade de Ciências Agrárias

Laboratório de Entomologia e Acarologia Agrícola 14

Hâmulos–pequenos ganchos localizados na parte mediana da margem costal da asa posterior que se prende à margem anal da asa anterior. Ex. abelhas, vespas e mamangavas.

Amplexiforme–é uma expansão da região do ângulo umeral da asa posterior sobre a qual se apóia a região anal da asa anterior. Ex. típico das borboletas da família Pieridae.

Tipos de asas (Fig. 14): Membranosas–asa fina e flexível com nervuras bem distintas. È muito comum no segundo par de asas da maioria dos insetos. Algumas podem conter escamas ou microcerdas. Típico das borboletas, moscas, jacintas e segundo par de asas de besouros.

Tégmina–de aspecto pergaminoso ou coriáceo apresentando-se. estreita e alongada.

Hemiélitro–região basal (cório) coriácea e apical membranosa. Ex. percevejos

Ex. gafanhoto, baratasegrilos. Élitro–asa anterior esclerotizada cobrindo a asa posterior membranosa. Ex besouro, tesourinha.

Balancins ou halteres–segundo par de asas atrofiadas com função de equilíbrio. Ex. moscas, carapanãs, mutucasepiuns.

Pseudo-halteres–asas anteriores atrofiadas. Ex. macho de Strepsiptera Franjada–asas estreitas com longos pêlos nas laterais. Ex. tripes.

Universidade Federal do Amazonas Faculdade de Ciências Agrárias

Laboratório de Entomologia e Acarologia Agrícola 15

Figura 14.Tipos de asas. Abdome

Corresponde à terceira região do corpo dos insetos. Enquanto o tórax é considerado o centro da locomoção, o abdome é o centro da respiração. Destaca-se pela nitidez de segmentação e ausência relativa de apêndices. Do ponto de vista embriológico contém no máximo 12 segmentos ou urômeros. Em cada segmento encontra-se uma placa tergal, placa

Universidade Federal do Amazonas Faculdade de Ciências Agrárias

Laboratório de Entomologia e Acarologia Agrícola 16 esternal sendo ambas separadas por uma membrana pleural onde se encontram os espiráculos.

Divisão dos segmentos abdominais

São agrupados em três:

Segmentos pré-genitaisou viscerais –correspondem aos urômeros de I a VII (fêmeas) e I a VIII (machos).

Segmentos genitais –correspondem aos urômeros VIII e IX (fêmeas) e IX (machos), principalmente. Estão associados às estruturas genitais de ambos os sexos.

Segmentos pós-genitais –correspondem aos urômeros X e XI, que geralmente estão fundidos, sendo difícil sua separação.

Apêndices abdominais

Durante o desenvolvimento embrionário alguns insetos apresentam apêndices abdominais que geralmente não permanecem após a eclosão da larva, ninfa ou náiade. Em alguns casos estes apêndices permanecem transformando-se em estruturas funcionais..

Estilos abdominais–auxilia na locomoção e no suporte abdominal. Ocorre nas traças-dos-livros (Thysanura)

Cercos –localizam-se nas partes látero-dorsais do último urômero. Função sensorial e auxiliar na cópula. Ocorre em adultos de Pterygota.

Sifúnculos ou cornículos–par de apêndices dorsais que podem liberar feromônio de alarme. Ex. típico dos pulgões

Pernas abdominais–localizadas no 3º, 40, 5o e 6o urômeros de lagartas e algumas larvas himenópteros. Brânquias–ocorre em larvas e ninfas de insetos aquáticos.

Tipos de Abdome Baseia-se na fusão com o tórax (Fig. 15). Séssil ou aderente–liga-se ao tórax em toda sua largura. Ex. baratas, cigarras e besouros.

Universidade Federal do Amazonas Faculdade de Ciências Agrárias

Laboratório de Entomologia e Acarologia Agrícola 17

Livre –ocorrência de pequena constrição. Ex. mosca, borboletas, abelhas. Pedunculado –presença de constrição acentuada no 2o ou 2o e 3osegmentos abdominais, sendo que o 1o segmento está fundido ao metatórax. Ex. vespas e formigas.

Figura 15. Tipos de abdome

(Parte 3 de 3)

Comentários