INTRODUÇÃO

A pressão arterial é conseqüência da força que o sangue exerce contra as paredes das artérias para conseguir circular pelo corpo. Ela mantém o sangue circulando no organismo. Tem início com o batimento do coração. A cada vez que bate, o coração joga o sangue pelos vasos sangüíneos chamados artérias. As paredes dessas artérias são como bandas elásticas que se esticam e relaxam a fim de manter o sangue circulando por todas as partes do organismo. O resultado do batimento do coração é a propulsão de uma certa quantidade de sangue (volume) através da artéria aorta. Quando este volume de sangue passa através das artérias, elas se contraem como que se estivessem espremendo o sangue para que ele vá para a frente. Esta pressão é necessária para que o sangue consiga chegar aos locais mais distantes, como a ponta dos pés, por exemplo. (VARELLA, 2009).

Para assegurar que o fluxo sanguíneo na circulação sistêmica não aumente ou diminua devido as pressões variáveis, é extremamente importante que a pressão arterial média seja regulada de modo a ter valor muito constante. Isso é conseguido por meio de um grupo complexo de mecanismos que envolvem o sistema nervoso, os rins, os diversos mecanismos hormonais. O controle neural é realizado quase que integralmente por reflexos nervosos. Um dos mais importantes desses reflexos é o reflexo barorreceptor. Estes, estão situados nas paredes da aorta e da artéria carótida interna. Quando a pressão arterial fica muito aumentada, os barorreceptores enviam sinais para o bulbo raquidiano, no tronco cerebral que atuam no sentido de fazer com que a pressão arterial baixe até o valor normal. Efeitos exatamente opostos ocorrem quando a pressão arterial fica demasiadamente baixa e os barorreceptores deixam de ser estimulados.

Os rins são responsáveis quase que inteiramente pelo controle a longo prazo da pressão arterial, através do mecanismo hemodinâmico, que quando a pressão aumenta acima do normal, a pressão excessiva nas artérias renais faz com que o rim filtre quantidades aumentadas de líquido e, portanto ,que também excrete quantidades aumentadas de água e sal. A perda excessiva dessa água e desse sal diminui o volume sanguíneo, o que faz com que a pressão retorne aos valores normais.

Vários hormônios desempenham papéis importantes no controle da pressão, mas, indubitavelmente, o de maior significação é o sistema hormonal renina-angiotensina do rim. Quando a pressão cai, para manter o fluxo sanguíneo normal pelos rins, estes secretam a renina. Esta substancia é uma enzima que age sobre umas das proteínas do plasma para fracionar o composto de ação hormonal angiotensina. Por sua vez, esta produz a contração das arteríolas de todo corpo, o que permite que a pressão arterial aumente até o seu valor normal.

O objetivo da prática foi exercitar conhecimentos teóricos acerca dos mecanismos de regulação da pressão arterial.

MATERIAIS E MÉTODOS

- Estetoscópio;

- Esfigmomanometro;

- Cronômetro.

Foram feitas várias manobras com os estudantes escolhidos, como levantar e abaixar a mão + o manguito, levantar e abaixar o corpo + mão + manguito(posições decúbito-dorsal e ortostática), que permitiram discutir a importância da escolha do manguito apropriado e da posição da mão durante o registro da PA. Durante a mudança da posição, neste intervalo foi feito um exercício (corrida) leve de 5 minutos, no qual os estudantes levaram o tensiômetro já adaptado ao braço, onde no término, foi feita a verificação da pressão arterial.

RESULTADOS

SEXO

MASCU-

LINO

REPOU-

SO

DECÚ-

BITO

DOR-

SAL

SEXO

FEMI-

NINO

Método palpatório

Método auscultatório

Método palpatório

Método auscultatório

NOMES

FP

PS

FP

PS

PD

Pam

NOMES

FP

PS

FP

PS

PD

Pam

Aluno 1

68

87

68

122

68

86

Aluna 1

80

90

72

120

70

86,8

Aluno 2

80

120

70

120

80

86,6

Aluna 2

68

110

68

110

70

83,3

Média

Média

DP

74

103,5

69

121

74

86,3

DP

74

100

74

115

70

84,95

Tabela 1. Valores da frequência de pulso(FP), pressão sistólica(PS) e diastólica(PD) e pressão arterial média(Pam) nos sexos masculino e feminino, em repouso, na posição decúbito-dorsal

SEXO

MASCU-

LINO

POSIÇÃO

ORTOS-

TÁTICA

(em pé)

SEXO

FEMI-

NINO

Método palpatório

Método auscultatório

Método palpatório

Método auscultatório

NOMES

FP

PS

FP

PS

PD

Pam

NOMES

FP

PS

FP

PS

PD

Pam

Aluno1

76

120

76

120

70

86,6

Aluno 1

96

80

80

110

70

83,3

Aluno 2

72

120

72

120

70

86,6

Aluna 2

60

110

60

110

60

76,5

Média

Média

DP

74

120

74

120

70

86,6

DP

78

95

70

110

65

79,9

Tabela 2. Valores da frequência de pulso(FP), pressão sistólica(OS) e diastólica(PD) e pressão arterial média(Pam) nos sexos masculino e feminino na posição ortostática.

SEXO MASCULINO SEXO FEMININO

Método auscultatório

POSIÇÃO

ORTOS-

TÁTICA

Método auscultatório

NOMES

FP

PS

PD

Pam

NOMES

FP

PS

PD

Pam

Aluno1

76

130

70

90

Aluna 1

104

130

50

76,6

Aluno 2

88

140

80

100

Aluna 2

100

130

50

76,5

APÓS 05

MINUTOS

DE

ATIVIDADE

FÍSICA

LEVE

MÉDIA

MÉDIA

DP

82

135

75

95

DP

102

130

50

76,5

Tabela 3. Valores da frequência de pulso(FP), pressão sistólica(OS) e diastólica(PD) e pressão arterial média(Pam) nos sexos masculino e feminino na posição ortostática após 05 minutos de atividade física(corrida) leve.

NOMES

PRESSÃO ARTERIAL – método auscultatório (mmHg)

Homem

Mulher

Manguito posição adequada

levantar a

mão + man-guito

abaixar a

mão+ man- guito

Manguito

posição ade-quada

levantar a

mão + man-guito

abaixar a

mão+ man- guito

13/7

11/6

12/8

11/7

11/7

11/7

Média

DP

Tabela 4. Valores das medidas de pressão arterial pelo método auscultatório (mmHg) nos sexos masculino e feminino em diferentes posições.

DISCUSSÃO

Verificando-se na pratica que todos os alunos apresentaram freqüência de pulso normal considerando as cinco propriedades como freqüência, ritmo, tensão, amplitude e forma. Verificando que o coração de uma pessoa normal em repouso tem cerca de 70 a 80bpm(batidas por minutos). Sendo que a posição do corpo em decúbito-dorsal, a FC é mais baixa do que na posição ortostática. As mulheres têm a FC geralmente mais elevada que os homens com o mesmo condicionamento físico.

Segundo Brunner (2006), a avaliação do ritmo do pulso é tão importante quanto a da freqüência. São normais as variações menores na regularidade do pulso. A freqüência do pulso, principalmente nas pessoas jovens, aumenta durante a inspiração e letífica durante a expiração. Isso é chamado arritmia sinusal.

 A Pressão Arterial (PA) é definida pela força exercida pelo sangue por unidade de superfície da parede vascular, refletindo a interação do débito cardíaco com resistência periférica sistêmica. A PA é representada pela pressão sistólica (PAS) e pela pressão diastólica (PAD). A PAS representa a mais alta pressão nas artérias, estando intimamente associada à sístole ventricular cardíaca. A PAD representa a menor pressão nas artérias ocasionada pela diástole ventricular cardíaca, quando o sangue está preenchendo as cavidades ventriculares (Polito, 2003).

A pressão de pulso é um reflexo do volume sistólico, velocidade de ejeção e resistência vascular sistêmica. Ela é normalmente de 30 a 40 mm Hg, indica de que modo o paciente mantém o débito cardíaco. O seu aumento eleva o volume sistólico (ansiedade, exercício, bradicardia,), reduzem a resistência vascular sistêmica (febre) ou reduzem distensibilidade das artérias. Quando mela está diminuída, tem-se uma condição anormal que reflete o volume sistólico e a velocidade de ejeção ou obstrução ao fluxo sanguíneo durante a sístole. (BRUNNER, 2006).

O exercício físico realizado regularmente provoca importantes adaptações autonômicas e hemodinâmicas que vão influenciar o sistema cardiovascular, com o objetivo de manter a homeostasia celular diante do incremento das demandas metabólicas. Há aumento no débito cardíaco, redistribuição no fluxo sanguíneo e elevação da perfusão circulatória para os músculos em atividade. A pressão arterial sistólica (PAS) aumenta diretamente na proporção do aumento do débito cardíaco. A pressão arterial diastólica reflete a eficiência do mecanismo vasodilatador local dos músculos em atividade, que é tanto maior quanto maior for a densidade capilar local. A vasodilatação do músculo esquelético diminui a resistência periférica ao fluxo sanguíneo e a vasoconstrição concomitante que ocorre em tecidos não exercitados induzida simpaticamente compensa a vasodilatação. (FILHO, 2004)

Constatando na pratica que os valores da pressão variaram após o exercício físico, com elevação da pressão sistólica e freqüência cardíaca também aumentada. A resposta normal quando uma pessoa fica em pé ou sai da posição de decúbito, inclui uma queda da PA sistólica de até 15 mmHg e uma leve queda ou aumento da diastólica de 5 a 10 mmHg. Na mulher é pouco mais baixa do que no homem.

CONCLUSÃO

A pressão ou tensão arterial é um parâmetro de suma importância na investigação diagnóstica, sendo obrigatório em toda consulta de qualquer especialidade; relacionando-se com o coração, traduz o sistema de pressão vigente na árvore arterial. Verificando que a pressão arterial varia de acordo ao sexo, idade e atividade física.

REFERÊNCIAS

  • Filho, Dário C. Sobral. Maria de Fátima Monteiro. Exercício físico e o controle da pressão arterial. Rev. Bras Med. Esporte _ Vol. 10, Nº 6 – Nov/Dez, 2004

  • GUYTON, A.C. HALL, J.E. Tratado de Fisiologia Médica. 10. ed. : Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002, 1014p.

  • DAVIES, ANDREW Fisiologia Humana. Porto Alegre.Artmed, 2002.

  • COSTANZO,Fisiologia.2ª edição. Rio dew Janeiro, 2004

Comentários