Procedimentos de escavação escoramento

Procedimentos de escavação escoramento

(Parte 1 de 5)

PRESIDENTE DA REPÚBLICA Fernando Henrique Cardoso MINISTRO DO TRABALHO E EMPREGO Paulo Jobim Filho

Humberto Carlos Parro DIRETOR EXECUTIVO

José Gaspar Ferraz de Campos DIRETOR TÉCNICO

João Bosco Nunes Romeiro DIRETOR DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS

Antonio Sérgio Torquato ASSESSORIA ESPECIAL DE PROJETOS

Sonia Maria José Bombardi DIVISÃO DE PUBLICAÇÕES Elisabeth Rossi

Elaboração inicial:

Olavo Ferreira da Silva Marcelino Fernandes Vieira

Elaboração final: Dorival Custódio

Luis Renato Balbão Andrade Francisco de Almeida Gusmão

A reformulação da Norma Regulamentadora nº- 18 – “NR-18 – Condições e Meio Ambiente do Trabalho na Indústria da Construção”,deu-se por meio da Portaria nº- 4 de 4/7/95,publicada no D.O.U.de 7 de julho de 1995, resultante de acordos,negociações e consenso de um Grupo Tripartite e Paritário,por meio da participação efetiva dos técnicos da FUNDACENTRO, DRTE e SSST/TEM,representação patronal e de trabalhadores na elaboração da proposta de um texto-base,que também contou com a contribuição e sugestões de entidades,empresas e profissionais que atuam no setor.

Em cumprimento ao item 18.35 da NR-18,a FUNDACENTRO – Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho,apresenta a toda a comunidade do trabalho a Recomendação Técnica de Procedimentos – RTP sobre Escavações,Fundações e Desmonte de Rochas,visando subsidiar empresas,profissionais,governo e trabalhadores no efetivo cumprimento da Norma.

A referida Recomendação Técnica tem por objetivo fornecer embasamento técnico e procedimentos em atividades que envolvam escavações,fundações e desmonte de rochas na indústria da contrução. O texto-base e os desenhos foram elaborados pelo Grupo Técnico de Trabalho e consolidados pelos demais técnicos do Programa Nacional de Engenharia de Segurança do Trabalho na Indústria da Construção – PROESIC da FUNDACENTRO.

Convém ressaltar que esta recomendação recebeu várias contribuições dos Comitês Permanentes Regionais – CPRs implantados no país e foi aprovada pelo Comitê Permanente Nacional – CPN,de acordo com o que prevê o item 18.34.2.6 da Norma Regulamentadora nº- 18.

HUMBERTO CARLOS PARRO Presidente da FUNDACENTRO

APRESENTAÇÃO05
1.Objetivo09
2.Princípio Básico de Segurança Adotado09
3.Prioridade na Implementação das Medidas09
3.1Sistemas de Proteção em Escavações10
Riscos Comuns10
Medidas Preventivas10
Sinalização em Escavações18
3.2Sistemas de Proteção em Fundações Escavadas20
Riscos Comuns20
Medidas Preventivas20
3.3Sistemas de Proteção em Fundações Cravadas e Injetadas23
Riscos Comuns23
Medidas Preventivas23
Com o Uso de Explosivos29
Sinalização nas Atividades de Desmonte de Rochas30
4.Normas Complementares que devem ser consultadas30
5.Glossário31

SUMÁRIO 3.4Sistemas de Proteção em Desmonte de Rochas BIBLIOGRAFIA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3

1. Objetivo

Esta Recomendação Técnica de Procedimentos – RTP – dispõe de medidas técnicas de segurança relativas à proteção do trabalhador em atividades que envolvam Escavações,Fundações e Desmonte de Rochas,em atendimento ao item 18.6 da NR-18.

2. Princípio Básico de Segurança Adotado

Quando houver risco de desmoronamento,deslizamento,acidentes com explosivos e projeção de materiais,é necessária a adoção de medidas correspondentes,visando a segurança e a saúde dos trabalhadores.

3. Prioridade na Implantação das Medidas A proteção coletiva deve ter prioridade sobre as proteções individuais.

A proteção coletiva deve prever a adoção de medidas que evitem a ocorrência de desmoronamento,deslizamento,projeção de materiais e acidentes com explosivos,máquinas e equipamentos.

Antes de iniciar os serviços de escavação,fundação ou desmonte de rochas,certificar-se da existência ou não de redes de água,esgoto,tubulação de gás,cabos elétricos e de telefone,devendo ser providenciada a sua proteção,desvio e interrupção,segundo cada caso. Em casos específicos e em situações de risco,deve ser solicitada a orientação técnica das concessionárias quanto à interrupção ou à proteção das vias públicas.

A área de trabalho deve ser previamente limpa e desobstruídas as áreas de circulação,retirando ou escorando solidamente árvores,rochas,equipamentos,materiais e objetos de qualquer natureza.

Muros,edificações vizinhas e todas as estruturas que possam ser afetadas pela escavação devem ser escoradas,segundo as especificações técnicas de profissional legalmente habilitado.

RTP - 03

3.1. Sistemas de Proteção em Escavações Riscos Comuns

Ruptura ou desprendimento de solo e rochas devido a:

-Operação de máquinas; -Sobrecargas nas bordas dos taludes;

-Execução de talude inadequado;

-Aumento da umidade do solo;

-Vibrações na obra e adjacências;

-Realização de escavações abaixo do lençol freático;

-Realização de trabalhos de escavações sob condições meteorológicas adversas;

-Interferência de cabos elétricos,cabos de telefone e de redes de água potável e de sistema de esgoto; -Obstrução de vias públicas;

-Recalque e bombeamento de lençóis freáticos;

-Falta de espaço suficiente para a operação e movimentação de máquinas.

Medidas Preventivas

O projeto executivo de escavações deve levar em conta as condições geológicas e os parâmetros geotécnicos específicos do local da obra,tais como coesão e ângulo de atrito. Variações paramétricas em função de alterações do nível da água e as condições geoclimáticas devem ser consideradas.

O responsável técnico deverá encaminhar ao CREA e aos proprietários das edificações vizinhas cópias dos projetos executivos,incluindo as técnicas e o horário de escavações a serem adotados.

Recomenda-se o monitoramento de todo o processo de escavação,objetivando observar zonas de instabilização global ou localizada,a formação de trincas,o surgimento de deformações em edificações e instalações vizinhas e vias públicas.

RTP - 03

Nos casos de risco de queda de árvores,linhas de transmissão,deslizamento de rochas e objetos de qualquer natureza,é necessário o escoramento,a amarração ou a retirada dos mesmos,devendo ser feita de maneira a não acarretar obstruções no fluxo de ações emergenciais.

RTP - 03

Figura 1– Escavação com riscos de queda de árvores,deslizamento de rochas,etc.

As escavações com mais de 1,25 m (um metro e vinte e cinco centímetros) de profundidade devem dispor de escadas de acesso em locais estratégicos,que permitam a saída rápida e segura dos trabalhadores em caso de emergência.

RTP - 03 Figura 2– Instalação de escadas em escavação de vala com mais de 1,25 m de altura

RTP - 03

As cargas e sobrecargas ocasionais,bem como possíveis vibrações,devem ser levadas em consideração para a determinação das paredes do talude,a construção do escoramento e o cálculo dos seus elementos estruturais.

O material retirado das escavações deve ser depositado a uma distância mínima que assegure a segurança dos taludes.

(Parte 1 de 5)

Comentários