DESEVOLVIMENTO DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO FINANCEIRO PESSOA FISICA NO MS EXCEL

DESEVOLVIMENTO DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO FINANCEIRO PESSOA FISICA NO MS EXCEL

(Parte 1 de 4)

Leandro Medeiros do Nascimento 1

Rodrigo Caliguere Bortolotto2 Orientador: Prof. Mestre Lázaro Aparecido da Silva Pinto3

O desenvolvimento de uma planilha no MS Excel para uso de pessoas físicas tem como objetivo orientá-las e motivá-las, de maneira geral, a fazerem um plano de finanças, pois as escolas ensinam vários temas importantes para o desenvolvimento cultural, profissional e social menos cuidar do seu patrimônio, ficando muitas vezes a educação financeira no segundo plano. Na maioria das vezes somente quem trabalha com finanças tem o costume de se planejar financeiramente. Os principais benefícios para quem faz o planejamento é a qualidade de vida elevada, pois com o bom uso do dinheiro irá alcançar suas metas pessoais e ainda irá saber o destino deste dinheiro, com essa informação terá ação onde reduzir gastos, terá uma base histórica e com isso nos próximos orçamentos (planejamentos) conseguirá fazer com mais tranqüilidade e precisão. O Objetivo deste artigo é identificar as principais necessidades de controle de finanças pessoais e desenvolver um planejamento financeiro pessoal utilizando o Excel. Espera-se com essa contribuição, despertar interesse de outros pesquisadores para o assunto e após uma reflexão procurar conversar sobre o assunto com seus familiares, para melhor se posicionar em relação a finanças pessoais.

Palavras-chaves: Planejamento Financeiro, Controle Financeiro, Pessoa Física, MS Excel, Orçamento Familiar.

1 Pós-graduando do curso MBA em Sistemas de Informação pelo Centro Universitário Fundação Santo André. E-mail: leandro.medeiros85@yahoo.com.br 2 Pós-graduando do curso MBA em Sistemas de Informação pelo Centro Universitário Fundação Santo André .E-mail: rodrigo136@gmail.com 3 Mestre em Engenharia da Computação com ênfase em engenharia de software pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. E.mail: lazaro@fsa.br

1 INTRODUÇÃO

Na maioria das vezes somente quem trabalha com finanças tem o costume de se planejar financeiramente por conhecer os conceitos e a importância do planejamento e controle, já outras pessoas nem sabem como fazer o planejamento. A falta dessa informação, entretanto, pode causar numerosos problemas e preocupações.

O desenvolvimento de uma planilha no MS Excel para uso de pessoas físicas tem como objetivo orientá-las e motivá-las, de maneira geral, a fazerem um plano de finanças e controle, pois as escolas ensinam varias temas importantes para o desenvolvimento cultural, profissional e social menos cuidar do seu patrimônio e ficando muitas vezes a educação financeira no segundo plano.

O descontrole financeiro não faz bem a vida de uma pessoa, pois relacionamentos familiares podem se deteriorar quando questões financeiras sobrepujam questões afetivas. O inverso também é desgastante, pais que tudo dão aos filhos fazem com que o consumismo se torne a moeda de troca nas suas relações, assim como o relacionamento entre o casal. Enfim, o desequilíbrio financeiro se reflete na nossa vida como um todo, para isso canalizemos nossas energias na busca de soluções.

Segundo SOUZA e TORRALVO (2008, p.17) “Pessoas não instruídas financeiramente ou que simplesmente não se interessam pelo tema podem ter problemas para administrar seus próprios recursos. São comuns as situações em que alguns preferem pagar, por exemplo, a parcela mínima do cartão de crédito para não sacar recursos da poupança. A partir desta simples, mas corriqueira, situação, pode-se perceber com nitidez os inconvenientes decorrentes da falta de educação financeira”

Não é objetivo e nem pretensão deste artigo esgotar o assunto, pois serão fornecidas informações sobre finanças e informática podendo ser mais aprofundadas. Espera-se com essa contribuição, despertar interesse de outros pesquisadores para o assunto e após uma reflexão procurar conversar sobre o assunto com seus familiares, para melhor se posicionar em relação a finanças pessoais.

1.1 OBJETIVOS

Identificar as principais necessidades de controle de finanças pessoais, ou seja, as receitas e despesas mais comuns entre as pessoas e desenvolver um planejamento financeiro pessoal utilizando o Excel através das planilhas onde colocaremos as informações referentes às receitas e despesas.

A motivação para desenvolver uma planilha para pessoa física é de poder ajudar as famílias com suas finanças pessoais, desta maneira as pessoas terão maior comodidade e poucas preocupações como “Será que o dinheiro vai dar para pagar as contas esse mês?”. Outro fator é que um dos integrantes do artigo tem a formação em Ciências Contábeis e o conhecimento acadêmico tem contribuído para uma melhor visão do planejamento e controle financeiro.

O problema que este trabalho procura responder é: O que pode ser feito para se conseguir um melhor bem estar em relação às finanças das famílias da atualidade?

A escolha de um tema deve ser justificada em função da sua importância e oportunidade, assim como o tema abordado deve contemplar os quesitos originalidade e viabilidade. Tomando como premissa tal assertiva, este artigo se justifica em função da carência de pesquisas sobre temas relacionados Planejamento Financeiro pessoa Física, o que, como conseqüência, o torna oportuna, já que há uma lacuna a ser preenchida.

2 REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 PLANEJAMENTO FINANCEIRO

Segundo FINANCENTER (2011) “Planejamento financeiro é um processo racional de administrar sua renda, seus investimentos, suas despesas, seu patrimônio, suas dívidas, objetivando tornar realidade seus sonhos, desejos e objetivos, tais como: casa própria, poupar para a educação dos filhos, fazer a viagem dos sonhos, investir de acordo com o perfil pessoal, ser bem sucedido na carreira profissional, reduzir impostos, tornar-se empresário, aposentar-se confortavelmente, planejar e administrar testamento, partilha”.

O planejamento financeiro aborda a programação do seu orçamento, a racionalização dos gastos e a otimização de seus investimentos. É um processo racional de administrar sua renda, seus investimentos, suas despesas, seu patrimônio, suas dívidas, objetivando tornar realidade seus sonhos, desejos e objetivos, tais como: casa própria, poupar para a educação dos filhos, fazer a viagem dos sonhos, investir de acordo com o perfil pessoal, ser bem sucedido na carreira profissional, reduzir impostos, tornarse empresário, aposentar-se confortavelmente, planejar e administrar testamento, partilha, etc.

A maioria das pessoas trata de suas finanças procurando gastar menos do que ganha. Este é apenas um dos aspectos do planejamento. É necessário, entre outros aspectos, estabelecer objetivos, sem os quais a pessoa age como um barco sem rumo.

2.2 A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO FINANCEIRO PESSOAL

A realidade que hoje vivemos sobra muito pouco tempo para cuidar de nossa

Qualidade de Vida e principalmente de como administrar o uso do dinheiro que ganhamos. Administrar nosso dinheiro é do tomar decisões a respeito do que faremos com ele e para que tenhamos capacidade de tomar decisões, é preciso que nos organizemos e façamos um planejamento financeiro.

Planejar é arte de decidir antecipadamente, então devemos planejar o uso do nosso dinheiro, desta maneira conseguimos eliminar desperdícios ou a prevenir a falta de dinheiro.

Segundo SOUZA e TORRALVO (2008, p.75-76) “O planejamento tem o propósito de produzir um ou mais estados futuros desejados, mas que somente serão alcançados se algo for feito. Assim como aquela viagem de férias provavelmente não teria acontecido se não tivesse sido planejada, uma empresa pode enfrentar dificuldades financeiras por não ter planejado corretamente. Em outras palavras, o planejamento é um processo que envolve tomada de decisões no presente que terão reflexos no futuro, geralmente de maneira a se obter o melhor resultado. Quem planeja férias, por exemplo, toma uma decisão visando um evento no futuro para desfrutá-lo o melhor possível”.

No momento que iremos planejar, é preciso verificar nossas reais necessidades de controle financeiro. Devemos, portanto, estabelecer nossos objetivos. É importante que consideremos nossa realidade de vida e que tenhamos consciência de nossas limitações financeiras.

Quando tomamos uma decisão financeira, estamos mudando nosso comportamento.

Para poupar, decido reduzir minhas despesas. Quais? Posso reduzir despesas de supermercado? Posso reduzir despesas domésticas, como luz, água ou telefone? Preciso de um carro grande ou posso ter um carro compacto, mais econômico?

Podemos perceber, há numerosas questões a serem levantadas para que possamos planejar adequadamente nossa vida financeira, fazer esses questionamentos é uma atitude a se apreciar, pois nos força a verificar no que estamos realmente gastando nosso dinheiro.

Precisamos registrar as nossas receitas e despesas e projetarmos nossas necessidades futuras. Para isso vamos fazer o Planejamento Financeiro Pessoal no MS Excel, para que auxilie as pessoas a obterem o patamar de Qualidade de Vida almejado.

2.2.1 FAMÍLIA E O DINHEIRO

Segundo ESTADÃO (2011) “A maior parte das famílias brasileiras gastas mais do que ganha. Nada menos que 68,4% das famílias do País têm, em média, uma despesa mensal superior ao rendimento, segundo revela a POF 2008 e 2009. O levantamento mostra, porém, uma evolução no equilíbrio orçamentário familiar, já que, na pesquisa anterior, de 2003, 85% das famílias estavam com gastos desequilibrados. Na camada mais baixa de renda da pesquisa, para rendimentos mensais de até R$ 830, as despesas médias mensais, no ano passado, totalizavam R$ 744,98, enquanto o rendimento médio era de R$ 544,21. A coordenadora de trabalho e rendimento do IBGE, Márcia Quintslr, disse que, ainda que o desequilíbrio nas contas familiares ainda seja significativo, a redução do desequilibro em sete anos também é destaque. "É um período de aumento real do rendimento e da ocupação, então o maior equilíbrio no orçamento é resultado desses fatores", disse. Como resultado desse aperto nas contas familiares, 75,2% das famílias entrevistadas revelaram que têm dificuldade para esticar a renda até o fim do mês. O resultado também é inferior à POF anterior (85,5%). Por outro lado, as famílias com "muita facilidade" para fechar o mês não ultrapassam 1% do total.”

Por tal motivo, na hora de estabelecer um planejamento financeiro, caso o orçamento da sua família esteja completamente comprometido, o primeiro objetivo deve ser cortar gastos, de forma a conseguir poupar todos os meses.

A participação da família é muito importante nessa construção, administração, controle e crescimento da riqueza. Convencidos dos objetivos do planejamento financeiro, os membros da família cooperam com mais naturalidade e entendimento. Por isso, incluir o planejamento financeiro na educação dos filhos é fundamental para evitar que eles se tornem adultos consumistas e sem controle dos gastos, pois não há nada de errado em consumir, pois ao consumirmos, estamos gerando empregos e ajudando a desenvolver a economia, consumir pode nos dar prazer, todavia, não podemos fazer do consumo um ícone. Isso pode fazer com nos transformemos num agente econômico deficitário.

2.2.2 PLANEJANDO O FUTURO DA FAMÍLIA

Nos tempos atuais, além das condições de trabalho serem outras, nossa expectativa de vida é maior do que era há dez anos, e para vivermos mais tempo com tranqüilidade e conforto vamos necessitar de mais dinheiro.

Segundo VEJA (Nº49 p.100) “Os primeiros dados do Censo de 2010, divulgados pelo IBGE, confirmaram que o Brasil possui diante de si uma chance rara, daquelas que batem na porta uma única vez na vida, para acelerar o crescimento econômico e o desenvolvimento social. Os números revelaram que há no país 192 milhões de habitantes – ou, exatamente, 190 732 694. O dado mais relevante é que somos, pela primeira vez na história recente, uma nação cuja maior parcela de seus habitantes possui entre 20 e 29 anos de idade. A leitura que se faz é que, daqui a duas décadas, haverá menos brasileiros entrando no mercado para ajudar a bancar a aposentadoria de um número crescente de idosos.”

Conforme figura 1 podemos observa a representação gráfica dos dados do Censo de 2010.

Figura 1 – População Brasileira - Fonte: VEJA (Nº49 p.100)

Para que possamos ganhar dinheiro e tornar nossa família um agente econômico superavitário (que tem possibilidade de poupar), precisamos planejar e controlar nossa vida financeira, pois o planejamento é a chave para acabarmos com as preocupações geradas pela falta de dinheiro. Assim como os conceitos do trabalho se alteraram, e as expectativas de vida se elevaram as relações familiares também evoluíram.

Ganhar dinheiro, hoje, não é mais função somente do homem. As mulheres assumiram, com muita propriedade, seu lugar na sociedade, inclusive como provedora da família, os filhos também participam da vida financeira familiar, auxiliando os pais na economia doméstica.

Uma das premissas na hora de planejar o futuro financeiro da sua família é entender a postura individual do casal em relação ao dinheiro, pois cada um foi criado de uma maneira, com passados financeiros que podem ser completamente distintos. É importante conversar sobre isso, pois precisa ter um entendimento pelo casal, antes de falar com os filhos, pois é preciso estabelecer uma mesma comunicação com eles. A harmonia no planejamento é o grande desafio financeiro das famílias.

2.2.3 ARMADILHAS

Atualmente temos todas as facilidades para comprar. O Crédito é fácil e abundante.

Temos o cartão de crédito, o cheque especial e várias outras maneiras de antecipar o consumo.

Vale apena lembrar, que há preço a pagar pela antecipação do consumo, o preço do dinheiro que não temos, isto é, os juros do mercado.

Veja conforme a figura 2 abaixo, o que aconteceria se você tivesse uma dívida de R$ 80,0 no cheque especial e não pagasse nada em seis meses. A taxa média de juros cobrada para operações desse tipo está por volta de 7,5% ao mês (a.m.):

Figura 2 – Planilha de Juros

Percebe-se que pagar 7,5% a.m. é o mesmo que pagar 54,3% de juros em seis meses.

Antes de comprar a crédito, compare as várias taxas de juros cobradas para cada uma das possibilidades que temos.

(Parte 1 de 4)

Comentários