Cartilha - Conversando com a Gestante - MS

Cartilha - Conversando com a Gestante - MS

(Parte 1 de 3)

Ministério da saúde

Brasília/dF 2008

Ministério da saúde Conversando CoM a Gestante

Brasília/dF 2008

Ministério da saúde secretaria de atenção à saúde departamento de ações Programáticas estratégicas

Conversando CoM a Gestante série F. Comunicação e educação em saúde série direitos sexuais e direitos reprodutivos – Caderno n.º 8

Brasília/dF 2008

© 2008 Ministério da Saúde. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte e que não seja para venda ou qualquer fim comercial. A responsabilidade pelos direitos autorais de textos e imagens desta obra é da área técnica. A coleção institucional do Ministério da Saúde pode ser acessada, na íntegra, na Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde: http://www.saude.gov.br/bvs

Série F. Comunicação e Educação em Saúde Série Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos – Caderno n.º 8

Tiragem: 1ª Edição – 2008

Elaboração, edição e distribuição: MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas Área Técnica de Saúde da Mulher Esplanada dos Ministérios, Bloco G, Edifício Sede, 6.º andar, Sala 629 CEP: 70058-900, Brasília/DF Tels.: (61) 3315-2933 / 3223-5591 / 3325-2082 Fax: (61) 3315-3403 E-mail: saude.mulher@saude.gov.br Home page: http://www.saude.gov.br

Organização: Área Técnica de Saúde da Mulher – Dapes/SAS/MS Núcleo de Comunicação em Saúde – Dapes/SAS/MS

Fotos: Radilson Carlos Gomes da Silva – Política Nacional de Humanização As imagens foram cedidas por funcionárias do Ministério da Saúde

Colaboração: Área Técnica de Saúde da Criança e Amamentação – Dapes/SAS/MS Área Técnica de Saúde Mental – Dapes/SAS/MS Coordenação Geral da Política de Alimentação e Nutrição – CGPAN / DAB/SAS/MS Programa Nacional de DST e Aids – SVS/MS Programa Nacional de Hepatites Virais – SVS/MS

Impresso no Brasil / Printed in Brazil

Ficha Catalográfica

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas

Conversando com a gestante / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas

05 p. : il. – (Série F. Comunicação e Educação em Saúde) (Série Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos – Cadernos n. 8)
ISBN

Estratégicas. – Brasília : Ministério da Saúde, 2008. 1. Gestante. 2. Maternidade. 3. Saúde da Mulher. I. Título. I. Série.

CDU 612.63 Catalogação na fonte – Coordenação-Geral de Documentação e Informação – Editora MS – OS 2008/0982

Títulos para indexação: Em inglês: Chatting with a pregnant woman Em espanhol: Practicando con la mujer embarazada

Foto da GestanteDados Pessoais

Nome Completo

Data de Nascimento/_ / _ Idade

Apelido

Endereço

Bairro

CidadeEstado CEP
Tel. CasaTel. Trabalho

Referência para Localizar o Endereço

Tel. Celular Nome e Telefone da Pessoa para Avisar em Caso de Emergência

Estou grávida!

Este é um momento especial na sua vida e na vida das pessoas próximas a você. A gravidez, o parto e o nascimento fazem parte da sexualidade e afetividade da mulher e do homem. É necessário entender as diferenças entre “ser homem e ser mulher” e como cada um sente a gravidez.

Na mulher, ocorrem transformações físicas e emocionais que vão influenciar no seu dia-a-dia. Pode sentir alegria, tristeza, ter dúvidas e medos. É preciso reconhecer essas mudanças para vivê-las de forma ativa e saudável, com harmonia e prazer. Neste período é importante aumentar seus conhecimentos sobre higiene, alimentação e sobre quais são os cuidados especiais, inclusive porque existem preconceitos que devem ser desmistificados.

Esta agenda foi feita para você, mulher grávida, para ajudar na sua compreensão do que acontecerá nos próximos meses de sua vida. Ela tem os vários assuntos:

Por que toda gestante deve fazer o pré-natal?1
Qual a importância do Cartão da Gestante?12
Quais exames e vacinas farei no pré-natal?12
Para quais cuidados pessoais devo ficar mais atenta?15
Manter relações sexuais durante a gravidez prejudica o bebê?18
e após o parto?18
O que acontece nos três primeiros meses da gravidez?20
O que acontece no quarto, quinto e sexto mês da gravidez?21
O que acontece no sétimo, oitavo e nono mês da gravidez?23
Quais são os sinais de parto?27
O que vai acontecer na maternidade?28
Como é o trabalho de parto?29
O que vai acontecer após o parto?30
Devo me consultar após o parto?31
Por que amamentar é fundamental para o bebê?32
Por que amamentar também é bom para a mãe?3
Quais os cuidados que devo ter com as mamas?34
Quando a minha menstruação irá voltar?36
Dúvidas comuns durante a gravidez37
Anote aqui suas dúvidas para perguntar na próxima consulta38
E escreva aqui as coisas boas que você sente e gostaria de lembrar40
Informações do bebê41
Referências42

Por que toda gestante deve fazer o pré-natal?

O pré-natal é muito importante para o acompanhamento, orientação e esclarecimento de dúvidas da mulher sobre as diversas alterações que ocorrem no seu corpo durante a gravidez e sobre o desenvolvimento do seu bebê. É realizado por profissionais de saúde e deve ser iniciado, de preferência, nos três primeiros meses da gestação.

Toda mulher tem direito a consultas e exames durante sua gravidez. Neste período, é importante que a gestante faça um número mínimo de consultas pré-natais, sendo ideal que ela realize seis consultas.

Em todas as consultas, os profissionais de saúde verificam o peso da gestante e sua altura, estado nutricional, pressão arterial, tamanho da barriga, batidas do coração do bebê. Se necessário, orientam sobre o uso de medicamentos. Observam, entre outras coisas, se há inchaços (edemas) no corpo da gestante e se ela já tomou as vacinas necessárias até o momento. Além disso, solicitam exames. Essas ações permitem identificar necessidades para promover a saúde da gestante e de seu bebê.

A maioria das mulheres tem uma gravidez e parto normal, sem problemas de saúde. Mas o acompanhamento pré-natal também é importante, porque permite prevenir, identificar e tratar problemas de saúde que possam acontecer no período da gestação. Ou seja, o pré-natal reduz as chances desses problemas complicarem. Porém cerca de 10% a 20% das mulheres têm complicações na gravidez e precisam ser cuidadas de forma mais constante, para que mãe e bebê fiquem saudáveis.

É BOM PARTICIPAR DE UM GRUPO DE GESTANTES PARA TROCA DE ExPERIêNCIAS.

Qual a importância do Cartão da Gestante?

Na primeira consulta de pré-natal, você vai receber o Cartão da Gestante. Ele é importante porque informa aos profissionais de saúde dados sobre você e sua gravidez como: quem você é; seu histórico pessoal, obstétrico e familiar; dados desta gravidez; esquema da vacinação; resultados dos exames de laboratório; informações sobre o parto e o bebê.

É importante levar o Cartão da Gestante em todas as suas consultas pré-natais e verificar se os profissionais de saúde anotaram informações sobre seu peso, pressão arterial, crescimento de sua barriga, escuta do coração do bebê, resultados dos exames.

TAMBÉM LEMBRE DE LEVAR O SEU CARTãO qUANDO FOR TER O BEBê.

Quais exames e vacinas farei no pré-natal?

Hemograma – identifica a anemia que é muito comum na gravidez. A anemia favorece o surgimento de infecções e complicações que podem comprometer o desenvolvimento do feto. A gestante com anemia se queixa, comumente, de sono e fadiga.

A anemia falciforme está associada aos descendentes da raça negra e pode complicar na gravidez. Essa gestante pode apresentar dores articulares e desenvolver icterícia (olhos amarelados).

Glicemia – pesquisa a presença de diabetes, doença em que existe excesso de açúcar no sangue e que, se identificada precocemente, é possível cuidar através de dieta, atividade física e uso de medicamentos.

VDRL – identifica a sífilis, doença sexualmente transmissível, que pode passar da mãe para o bebê durante a gravidez. Nesse período a doença pode ser tratada e assim evitar esta transmissão. A gestante positiva e seu parceiro devem ser tratados e acompanhados pelo serviço de saúde, e recomenda-se o uso de camisinha mesmo após o tratamento.

Tipagem Sanguínea – identifica o tipo de sangue e o fator Rh. Se a mãe é Rh negativo e o bebê é positivo, a gestante vai precisar de acompanhamento especial. A mãe vai ser tratada logo após o parto, para que o bebê da próxima gravidez não tenha problemas.

Teste Anti-HIV – identifica o vírus causador da Aids, que é uma doença que compromete o sistema de defesa do organismo, provocando a perda da resistência e da proteção contra doenças. O HIV pode ser transmitido através da relação sexual com uma pessoa contaminada, através de transfusão de sangue ou contato com sangue contaminado. Também pode ser transmitido da mãe para o filho durante a gravidez, parto ou amamentação. Se a gestante HIV positiva fizer o tratamento durante a gravidez, aumenta a chance de seu bebê nascer sem o HIV. A gestante que não fez o teste no pré-natal pode fazer o teste rápido quando for internada para o parto.

Teste para Hepatite B (HBsAg) – identifica o vírus da Hepatite B e é feito no sétimo mês. A Hepatite B é transmitida por relações sexuais desprotegidas (sem o uso da camisinha), transfusão ou contato com sangue contaminado e pode passar da mãe para o bebê durante a gravidez. O bebê pode ser protegido recebendo a vacina e a imunoglobulina para Hepatite B nas primeiras 12 horas após o parto.

Exame de Urina – identifica a presença de infecção urinária que deve ser tratada ainda durante o pré-natal.

Exame Preventivo de Câncer de Colo de Útero – além de identificar precocemente o câncer, este teste, que precisa ser realizado periodicamente, ajuda a identificar vários corrimentos que podem interferir com a boa evolução da gestação.

Vacina Antitetânica – protege contra o tétano no bebê. Se a gestante nunca foi vacinada, deve iniciar a vacinação no quinto mês de gravidez. A proteção da vacina dura dez anos. Se a última dose foi há mais de dez anos, é necessário tomar reforço. Se foi há menos de dez anos, não é necessário.

O Diabetes, a pressão alta e as anemias são doenças que a mulher pode ter antes de engravidar ou desenvolver durante a gravidez. Mulheres com diabetes, pressão alta ou anemia falciforme e alguns outros problemas de saúde têm gestações consideradas de risco e precisam de cuidados especiais.

Para quais cuidados pessoais devo ficar mais atenta?

• Manter uma alimentação saudável: – fazendo pequenas refeições, várias vezes ao dia, com alimentos variados como: milho, aveia, arroz, feijão, verduras, legumes, frutas, leite, iogurte, queijos e carnes; – consumindo cereais e farinhas integrais que são ricos em fibras e ajudam a prevenir a prisão de ventre; – preferindo alimentos da sua região e da época porque são mais baratos e frescos; – evitando consumir alimentos que contenham excesso de açúcar, sal, gorduras e com aditivos químicos; – consumindo carnes e vísceras, como carne de boi, peixes, carne de frango, fígado, pois ajudam a prevenir a anemia; – bebendo bastante água, cerca de 6 a 8 copos grandes por dia;

• Não usar bebidas alcoólicas e cigarros. Usar remédios apenas com prescrição médica, pois alguns são prejudiciais à sua saúde e à do bebê:

– fumo atrapalha o crescimento do bebê dentro do útero e, após o nascimento, pode prejudicar o seu desenvolvimento. Também é importante evitar o contato com a fumaça. – álcool e algumas outras drogas podem fazer seu bebê nascer com baixo peso e outros problemas de saúde.

• Ser ainda mais rigorosa com a escovação dos dentes depois das refeições e antes de dormir. No início da gestação, convém fazer uma consulta com o dentista. Caso seja necessário tratamento, este poderá ser realizado a partir do quarto mês.

• Preparar-se para amamentar. Sempre que possível, tomar banho de sol pela manhã, antes das 10 horas, expondo os seios. Use sutiã.

• Fortalecer os músculos com caminhadas e exercícios leves que ajudam a controlar o peso e melhoram a circulação do sangue, e lhe dão vitalidade e sensação de bem-estar.

• Realizar exercícios para fortalecer o períneo. O períneo é a região entre a vagina e o ânus. Relaxar esta região no momento do parto facilita a passagem do bebê pelo canal vaginal. Um exercício muito simples é o de prender e soltar a urina, alternadamente, quando for ao banheiro.

• Melhorar a respiração, pois muitas mulheres têm falta de ar durante a gravidez. É importante ficar atenta à respiração e tornar este processo consciente. Procure respirar de forma lenta, profunda, de maneira que o ar chegue cada vez mais baixo em seu abdômen.

• Prevenir as manchas de pele, que são muito comuns na gravidez, protegendo-se do sol usando bonés ou chapéus e protetor solar, mesmo se o tempo estiver nublado.

• Ter um ganho de peso adequado, o que diminui o risco de algumas doenças, inclusive diabetes e pressão alta. O controle do peso é feito nas consultas pré-natais.

• Prevenir as estrias, que são comuns na gravidez. Você pode massagear a barriga com hidratante e, se tiver dúvidas, pergunte na consulta.

DURANTE A GRAVIDEz, RECOMENDA-SE NãO USAR TINTURAS

DE CABELO, ALISANTES E ONDULADORES qUE CONTêM AMôNIA, POIS PODEM PREjUDICAR O BEBê.

Manter relações sexuais durante a gravidez prejudica o bebê ?

Fique tranqüila, o seu bebê está protegido na barriga, dentro da bolsa d’água. qualquer posição é possível, desde que você não sinta desconforto. Durante as relações sexuais o bebê tanto pode ficar quieto quanto se mexer muito e, na hora do gozo, é muito comum a barriga ficar dura. Você só não deve fazer sexo se sentir dor na barriga ou na vagina, tiver sangramento ou estiver com a bolsa d’água rompida. Nesses casos, procure imediatamente a unidade de saúde.

Quais são os meus direitos durante o período da gravidez e após o parto?

Se você trabalha fora de casa, com registro em carteira, você tem direito à garantia de emprego e à licença-maternidade.

• Você tem direito a 120 dias de licença-maternidade, com recebimento de seu salário.

• A partir do dia em que confirmar sua gravidez e até cinco meses depois do parto, você tem estabilidade no emprego e só pode ser demitida por justa causa. Ou seja, se houver uma razão justa, você pode ser despedida mesmo grávida ou enquanto estiver em licença-maternidade. Mas, se você quiser, a qualquer momento, você tem o direito de pedir demissão do emprego.

• Se você foi contratada para um trabalho com data marcada para acabar, o empregador não tem obrigação de continuar o contrato quando terminar a licença-maternidade.

• Se o parto acontecer antes da data, você ainda tem direito aos 120 dias de licença.

• Você não perde o direito ao salário-maternidade se o bebê nascer morto, ou se ele morrer durante a licença-maternidade.

• A partir do oitavo mês de gravidez você tem direito de mudar de atividade, ou começar sua licença-maternidade, se provar que o trabalho que faz pode prejudicar a sua saúde ou a do bebê que espera.

• Se você abortou e não provocou o aborto, comprovando com atestado médico, você tem direito a duas semanas de salário-maternidade, que deve ser requerido na Agência da Previdência Social.

Tenho direito a acompanhante no parto? • Você tem direito a ter uma pessoa de sua escolha para ficar acompanhando-a durante o trabalho de parto, no parto e logo após o nascimento, no serviço de saúde.

Quais direitos garantem a amamentação de meu bebê? • Para amamentar seu filho você tem direito a dois descansos especiais, de meia hora cada, durante sua jornada, até seis meses de idade. Ou você pode escolher sair uma hora mais cedo.

O pai tem direito à licença-paternidade? • O trabalhador registrado tem direito a cinco dias de licença-paternidade, contados a partir do nascimento do seu filho.

O que acontece nos três primeiros meses da gravidez?

Você pode sentirPara tentar melhorar

Você vai saber que está grávida e começar a fazer o pré-natal. Muito sono e tontura Procure repousar mais.

Vontade de fazer xixi muitas vezes

Não prenda o xixi. Se junto com a vontade de fazer xixi você tiver dor ou ardor, procure a unidade de saúde, pois você pode estar com infecção urinária.

Muita saliva

Tente engolir a saliva ao invés de cuspi-la. Beba água nos intervalos das refeições, em pequenas quantidades, várias vezes ao dia.

Enjôo

Procure comer em pequenas quantidades e várias vezes ao dia. Mastigue bem os alimentos. No momento do enjôo, dê preferência a alimentos mais secos, como torradas, biscoitos de sal. Evite sentir cheiros e sabores muito fortes, além de alimentos muito quentes, pois podem provocar mais enjôo. Evite passar mais de três horas sem se alimentar.

(Parte 1 de 3)

Comentários