Bovinocultura de Leite - 11 pt

Bovinocultura de Leite - 11 pt

Instituto Babcock para Pesquisa e Desenvolvimento da Pecuária Leiteira Internacional

University of Wisconsin-Madison

Essenciais em Gado de Leite

1) REPRODUÇÃO E NUTRIÇÃO

Michel A. Wattiaux Babcock Institute

Água, energia, proteína, minerais e vitaminas são necessários para uma reprodução normal. Estes nutrientes são os mesmo daqueles necessários para outros processos no corpo: mantença, crescimento e produção de leite. O impacto do estatus nutricional no desempenho reprodutivo pode afetar a habilidade de: •Conceber (iniciar uma nova prenhez);

•Promover a quantidade ideal de nutrientes para o crescimento normal do feto;

•Parir sem complicações (retenção de placenta, febre do leite, etc.).

O peso e não a idade da novilha determinam quando a puberdade acontece e os ciclos estrais se iniciam. Os primeiros sinais de cio normalmente ocorrem quando a novilha atinge 40% do seu peso adulto. Em novilhas bem alimentadas, a maturidade sexual acontece, em média, aos 1 meses de idade. Porém, o estresse térmico e a baixa nutrição das bezerras e novilhas jovens atrasam a maturidade sexual e previnem o início dos ciclos estrais. Em regiões tropicais, a maturidade sexual de novilhas pode não occorrer antes de 14 a 15 meses.

As novilhas devem estar pesando cerca de 60% do seu peso adulto no momento da inseminação (com 14 a 15 meses de idade). Portanto se uma vaca, em média, pesa 600 Kg, as novilhas devem estar pesando cerca de 360Kg (600 x 60/100) no momento da inseminação (Tabela 1).

Nutrição e prenhez

Uma baixa nutrição durante a prenhez pode gerar:

•Partos prematuros, malformações e bezerros fracos resultantes de deficiências maternas de energia, proteína, vitamina e minerais.

Tabela 1: Peso corporalde novilhas de leite em várias idades com diferentes pesos ao nascimento e taxas de crescimento diários.

Tamanho da raça 1

Meses Grande Media Pequena Regional deGanho diário (kg/dia) idade 0.725 0.650 0.500 0.300

Peso adulto4 (Kg)

1 Alguns exemplos de raças incluem: Grande =

Holandesa e Pardo-Suiço; Média = Ayrshire e Guernsey; Pequena = Jersey; Regional = raças pequenas não selecionadas.

2 Idade à primeira inseminação.

3 Idade de parição.

4 As vacas devem continuar crescendo durante a primeira e segunda lactação. O peso maduro é atingido somente no começo da tercerira lactação.

Essenciais em Gado de Leite—Reprodução e Melhoramento Genético

•Aborto, que é raramente devido à baixa nutrição, exceto em casos de extrema carência alimentar, ingestão de toxinas fúngicas na comida, ou quando a comida possui alta contaminação de estrógeno (um hormônio esteróide).

Nutrição e complicações no pós-parto

Muitas complicações na ocasião do parto estão relacionadas, pelo menos em parte, a desbalanços nutricionais:

•Síndrome da vaca gorda é uma condição resultante do excesso de energia no fim da lactaçãoou durante o período seco, levando à obesidade, perda de apetite e mobilização excessiva de gordura no início da próxima lactação.

•Febre do leite é causada devido a mobilização de cálcio da circulação para o leite nos primeiros dias depois do parto. Esta condição é causada, em parte, pelo excesso de cálcio ou desbalanço entre cálcio e fósforo na dieta. Paralisia e morte podem ocorrer se o tratamento não é imediato.

•Torção de abomaso é a condição na qual o abomaso é deslocado (torcido) para a esquerda ou direita. A causa primária deste problema pode ser um excesso de concentrado (falta de fibra) na dieta em associação com o aumento de espaço na cavidade abnominal depois do parto.

•Cetose é uma desordem metabólica que ocorre com insuficiência ou excesso de reservas corporais na ocasião do parto—as vacs perdem o apetite, a produção de leite e a performance reprodutiva diminuem.

Vacas que sofrem de febre do leite e síndrome da vaca gorda também tem maiores chances de ter retenção de placenta, metrite, distocia e baixa fertilidade.

Lactação e concepção

No início da lactação, a maioria dos nutrientes são direcionados para a produção de leite. Além dos nutrientes encontrados na dieta, as vacas tendem a mobilizar as reservas corporais (principalmente energéticas) para a manutenção da produção de leite. A ingestão de materia seca não é suficiente durante o início da lactação; portanto, elas entram em balanço energético negativo (deficiência de energia), elas perdem peso e a capacidade de conceber diminui dramaticamente. Somente em estagios mais tardios da lactação, quando a energia ingerida esta em equilíbrio com a energia necessária para a produção de leite, que a probabilidade de concepção aumenta.

Balanço energético e fertilidade

Uma cusa comum da baixa fertilidade em vacas de leite é a deficiência de energia ingerida comparada com o a energia que o animal necessita, ou balançco energético negativo. Dependendo da produção de leite no início da lactação, o balanço energético negativo pode durar de 2 a 10 semanas depois do parto (dois meses e meio). O efeito da mudança de peso corporal durante o período de inseminações (dois a três meses depois do parto) esta demonstrado na Tabela 2.

Taxas de concepção são menores para vacas inseminadas durante o balanço energético negativo (perdendo peso) comparadas com vacas durante o balanço

Table 2: Efeito do estatus energético no início da lactaçãonas taxas de concepção.

Número de:

Mudança de peso da vacaServiçosPrenhezes

Serviços porconcepçãoTaxa de concepção

1—Reprodução e Nutrição energético positivo (ganhando peso). Não existe nenhuma prova de que vacas de alta produção transmitem menores habilidades reprodutivas. Todavia, é evidente que vacas com balanço energético negativo tem menor fertilidade independente da habilidade em produzir leite.

Proteína e fertilidade

O efeito da proteína da dieta na reprodução é bastante complexa. Em geral, quantidades inadequadas de proteína na dieta diminuem a produção de leite e a performance reprodutiva. O excesso de proteína também pode ter um efeito negativo na reprodução. Todavia, em alguns casos, maiores quantidades de proteína estão associados a uma maior fertilidade. Alguns dos seguintes fatores podem explicar as baixas performances reprodutivas observadas com excessivos níveis de proteína na dieta:

•Altos níveis de uréia no sangue podem ocorrer, tendo um efeito tóxico nos espermatozóides, oócitos, e no embrião em desenvolvimento;

•O balanço hormonal pode ser alterado —os níveis de progesterona são baixos na presença de altos níveis de uréia.

•Nas vacas em início de lactação, altos níveis de proteína podem exacerbar o balanço energético negativo e atrasar o retorno da função ovariana normal.

Suplementação com proteína e uréia, fazendo com que vacas em início de lactação tenham dietas com 16% de proteína e vacas em fim de lactação tenham dietas com 12% de proteína deve otimizar a reprodução.

Minerais, vitaminas e fertilidade

Minerais e vitaminas são fatores que podem determinar o desempenho reprodutivo. Os efeitos mais severos das deficiências são bem conhecidos. Todavia, é difícil de se estabelecer possíveis efeitos de deficiências marginais ou mesmo de excessos. Além disso, existem muitas interações entre minerais, especialmente microminerais. Em geral, quase todo o requerimento de minerais e vitaminas (exceto ferro) tem um efeito direto ou indireto na fertilidade da vaca (Tabela 3) e na capacidade da vaca parir um bezerro sadio (Tabela 4).

A deficiência em fósforo pode atrasar a maturidade de novilhas e diminuir a fertilidade de vacas em lactação. A deficiêcia ou excesso de cálcio ou fósforo na dieta pode causar febre do leite no pós-parto. Proporções entre cálcio–fósforo de 1.5:1 a 2.5:1 são ideais. Porém, esta razão deve sempre ser balanceada para a quantidade de cálcio e fósforo necessárias, e não baseada na simples proporção de cálciofósforo.

Seleção genética e reprodução

Entre as raças de aptidão leiteira, a intensa seleção genética durante os últimos 20 a 30 anos acentuou o problema do balanço energético no começo da lactação. Consequentemente, a medida que a produção de leite aumentou, a performance reprodutiva das vacas de leite diminuiu. Taxas de concepção de 50% podem ser

Tabela 3: Efeito da deficiência de micromirerais nas desordens reprodutivas.

Micromineral 1

Desordem reprodutiva Cu/Mo2 Co I Mn Se Zn Fe

Intervalo variável entre cios 4 4

1 Cu = Cobre; Mo = Molibdênio; Co = cobalto; I = iodo; Mn = manganês; Se = selênio; Zn = zinco; Fe = Ferro.

2 Níveis excessívos de molibdênio, com níveis adequados de enxofre, desencadeiam uma deficiência de cobre.

Essenciais em Gado de Leite—Reprodução e Melhoramento Genético consideradas taxas baixas; porém, estas taxas ainda estão acima da média da indústria americana. Alguns acreditam que a queda da performance reprodutiva é devido a seleção genética para a melhoria da produção leiteira. Todavia, as pesquisas indicam que as taxas de concepção para novilhas permanecem constantes nos últimos 25 anos, sugerindo que a seleção genética para a maior produção leiteira não é a causa desta baixa fertilidade.

A herdabilidade de características reprodutivas, como dias em aberto, é muito baixa. Portanto tentar melhorar parâmetros reprodutivos por meio da seleção genética seria muito ineficiênte. Provavelmente, vacas selecionadas para alta produção leiteira tambem foram selecionadas (seleção indireta) para uma maior habilidade em mobilizar reservas corporais e para ingerir maiores quantidades de alimento. Vacas com maior ingestão de alimentos no início da lactação tem menos problemas reprodutivos se comparadas a vacas que mobilizam grandes quantidades de reservas corporais. Portanto é possível que a seleção de animais com maior capacidade de ingerir alimentos no início da lactação pode permitir uma maior produção de leite com com mínimos efeitos negativos na reprodução.

Tabela 4: Efeito da deficiência nutricional durante a prenhez na saúde de bezerros recém paridos. 1

NutrienteSintomas de deficiêcia nos bezerros EnergiaBaixo peso ao nascimento; anti-econômico, bezerros de crescimento lento.

ProteínaBaixo peso ao nascimento; Bezerros de crescimento lento, e se muito desnutridos, imunidade diminuída (baixa resistência à infecções) devido aos baixos níveis de imunoglobulina no colostro.

Cálcio efósforo

Raramente são um problema, pois grandes quantidades de cálcio e fosforo podem ser mobilizadas dos ossos para o crescimento fetal.

IodoBócio em bezerros recém paridos. CobreBezerros fracos, mostrando sintomas de bócio.

SelênioBezerros anti-econômicos, degenaração muscular (doença dos músculos brancos), paralisia e falha cardíaca.

Vitamina ADiminuição do período de gestação e aborto em casos mais severos; nascimento de bezerros fracos, cegos ou descoordenados; forte diarréia (branca) em bezerros fracos.

Vitamina DNascimento de bezerros com bócio (raramente).

Vitamina ERelacionado às deficiências em selênio; membros enfraquescidos, dificuldades para ficar em pé e incapacidade para se amamentar.

1 Linn, J.G.; D.E. Otterby; J.K. Reneau. 1990. Dairy management manual; Factsheet 617.0.

Comentários