Farmacotécnica - farmacotecnica03

Farmacotécnica - farmacotecnica03

(Parte 6 de 6)

O drageamento envolve várias etapas: I) Isolamento

Tem a função de proteger o núcleo da umidade proveniente das etapas seguintes do processo:

Após a obtenção dos núcleos estes são levados à estufa para retirar a umidade residual.

A seguir, são colocados na bacia e deixados sob rolamento, para aparar possíveis arestas.

O isolamento é obtido aplicando-se camadas de material impermeável, como por exemplo, goma laca, PVP, acetato de polivinila, etc. O material geralmente é uma solução de solvente orgânico, aplicada aos poucos. Após um período de rolamento dos núcleos, faz-se novas aplicações, quantas forem necessárias.

I) Sub-Revestimento O objetivo, nesta fase, é dar corpo ao revestimento, tornando possível o “arredondamento” do comprimido. Utiliza-se nesta fase um xarope simples que é adicionado sempre aos poucos, alternadamente a um pó fino, misturado a um lubrificante, que normalmente é o talco.

O xarope simples pode conter cerca de 5% de goma arábica, a fim de se obter um revestimento mais resistente. O pó mais comumente empregado é o carbonato de cálcio, com cerca de 10 a 15% de talco, para facilitar a sua distribuição uniforme pelo lote. Todo o processo é realizado com a turbina em movimento e com a insuflação de ar quente.

I) Alisamento Tem a função de eliminar superfícies rugosas e irregulares.

94 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores

Utiliza-se nesta fase sucessivas aplicações de xarope simples, seguidas cada uma de um espaço de tempo em que a turbina se mantém em funcionamento e é feita a insuflação de ar quente.

O xarope simples deve conter menor quantidade de goma arábica (~2,5%), a fim de permitir melhor desgaste e eficiência no alisamento. Nesta fase, são aplicadas em torno de oito camadas de xarope.

IV) Coloração Tem finalidade apenas estética, sendo, portanto, opcional. Para tanto basta adicionar nas últimas camadas da fase de alisamento o corante desejado à solução de xarope simples.

V) Polimento Visa dar às drágeas um brilho peculiar e revesti-las com uma película fina impermeável, que protegerá as camadas de açúcar da umidade do ar.

Parafina e ceras sintéticas ou naturais (ex.: cera de carnaúba) são os materiais utilizados neste processo, que pode ser :

A cera ou parafina é dissolvida em solvente orgânico e misturada às drágeas na bacia de drageamento. Posteriormente são levadas à turbina de polimento e deixadas rolar, adquirindo assim o brilho final. A cera ou parafina é jogada em uma turbina de drageamento, recobrindo o seu interior. As drágeas são colocadas nesta turbina e deixadas rolar, sendo então recobertas por uma película. Recebem, ao mesmo tempo, o polimento.

3.3.5.3 Revestimento pelicular Baseia-se na aplicação de uma fina camada de solução especialmente formulada sobre a superfície dos comprimidos.

• Mais rápido;

95 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores

Características Pode ser preparado em solvente aquoso (equipamento e polímeros especiais) ou solvente orgânico (custo, toxicidade e risco de explosão). A volatilidade do solvente orgânico permite melhor secagem e rápida aderência.

I) Equipamentos utilizados em processos de revestimento Os processos empregados podem utilizar: - Drageadeiras: convencionais ou perfuradas (Acelacota)

- Leitos fluidizados

I) Materiais de revestimento Pré-requisitos:

• Barato;

• Biodisponível;.

• Solúvel;

• Inócuo (atóxico);

• Mecanicamente resistente (gastro-resistente quando necessário);

• Capacidade de impressão em equipamentos de alta velocidade.

- Etanol / Água.
- Acetona / Água.
- Cloreto de Metileno / Etanol.
- Cloreto de Metileno / Acetona.
- Etanol / Isopropanol.

Sistemas solventes:

Plastificantes: melhoram as características das películas, evitando trincas, quebras e reduzindo a temperatura de transição vítrea. Podem ser: - Hidrossolúveis: PEGs e glicerina.

- Insolúveis em água: tributil citrato, óleo de rícino e acetiltrietilcitrato.

Corantes: são os de uso alimentício. Exemplo: amarelo de tartrazina.

96 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores

Opacificantes: são utilizados para proporcionar revestimento branco, mascarar a cor do comprimido e reduzir a quantidade necessária de corante. São mais baratos que os corantes. Exemplo: dióxido de titânio.

Outros componentes: aromatizantes, edulcorantes, antioxidantes, conservantes, tensoativos, entre outros.

(Parte 6 de 6)

Comentários