Trabalho Gestão Estratégica da Manutenção (5) a

Trabalho Gestão Estratégica da Manutenção (5) a

(Parte 1 de 2)

Salvador 2013

2 ANTONINO COSTA DA SILVA

Trabalho sobre Gestão Estratégica da Manutenção para compor a nota do curso de pós graduação em Gestão da Manutenção do SENAI-CIMATEC.

Orientador: Prof. Sérgio Barreiro

Salvador 2013

5 SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO5
2. ELEMENTOS DA GESTÃO ESTRATÉGICA7
2.1. DEFINIÇÃO DO NEGÓCIO - DESCRIÇÃO DA EMPRESA7
2.2. DECLARAÇÃO DA MISSÃO, VISÃO E VALORES8
2.2.1 Missão8
2.2.2 Visão8
2.2.3 Valores9
2.4. CENÁRIO9
2.5. MATRIZ DE SWOT12
2.5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS13
3. GERENCIAMENTO DE RECURSOS HUMANOS14
RECURSOS HUMANOS15
3.2 GESTÃO ORIENTADA POR COMPETENCIAS16
3.2.1 Conceito de Competência16
3.2.2 Importância do Tema16
3.2.3 Competências como Estratégias Organizacionais16
3.2.4 Remuneração por Competência17
3.3. PRÁTICAS DE REFERÊNCIA (MELHORES PRÁTICAS)17
3.4. BALANCED SCORE-CARD (BSC)18

3.1 GESTÃO DE PESSOAS E PROCESSOS BÁSICOS NA GESTÃO DE 6

3.4.1 Mapa Estratégico19
3.4.2 Indicadores de Desempenho20
4. CONCLUSÃO21
REFERÊNCIAS21

7 1. INTRODUÇÃO

8 Este trabalho visa agregar os conhecimentos de planejamento estratégico da manutenção, abordando a gestão de pessoas, tomando como referência uma empresa hipotética “Voar” que atua na área de aviação.

O objetivo é construir o planejamento estratégico da organização com base na metodologia da gestão estratégica competitiva, enfocando os aspectos humanos da empresa.

Segundo Lobato e outros (2009, p.59), a metodologia da gestão estratégica competitiva engloba os seguintes passos:

1) Definição do negócio; 2) Declaração de visão, missão e valores;

3) Análise do ambiente externo: tendências, cenários, oportunidades e ameaças - Análise das cinco forças competitivas; 4) Análise do ambiente interno - Elaboração da matriz Swot; 5) Formulação da estratégia competitiva e definição da cadeia de valor; 6) Implantação e controle: Balanced Scorecard e planos de ação.

A Gestão Estratégica dos Recursos Humanos da Organização tem o propósito de melhorar desempenhos e atingir metas nas quais estejam inseridas tanto as necessidades individuais dos colaboradores quanto as necessidades da organização e sociedade.

Para a empresa, a atividade de manutenção deve ser fundamental para o processo produtivo, contribuindo efetivamente para sua excelência, com a completa satisfação dos clientes e sendo resultante da qualidade total.

Segundo Kardec e Zen (2002, p.4):

A mudança estratégica da manutenção tem reflexo direto nos resultados empresariais, tais como: •Aumento da Disponibilidade.

•Aumento do Faturamento e do Lucro;

•Aumento da Segurança Pessoal e das Instalações;

•Redução das Demandas de Serviços;

•Otimização de Custos;

•Redução de Lucros Cessantes;

• Preservação Ambiental.

Kardec e Zen (2002, p.5) também enfatizam que “a manutenção, para ser estratégica, precisa estar voltada para os resultados empresariais da organização”.

1 O planejamento estratégico trata da empresa como um todo e perante o ambiente ao qual está inserida possibilitando uma visão mais ampla das variáveis que interferem na organização, dos pontos favoráveis e não favoráveis e qual a caminho que se deve tomar alinhado com a missão e a visão. É estabelecida uma análise completa deste cenário para se estabelecer as melhores estratégias para se chegar aos objetivos desejados.

O planejamento estratégico envolve toda uma análise do cenário, e compreende um processo gerencial da empresa que permite estabelecer um direcionamento a ser seguido com o objetivo de otimizar o ordenamento dos fatores levantados,

12 expandindo a visão do todo e auxiliando na tomada de decisão mais assertiva frente a este contexto.

Conforme salienta Almeida (2003, p.13):

Planejamento estratégico é uma técnica administrativa que procura ordenar as ideias das pessoas, de forma que se possa criar uma visão do caminho que se deve seguir (estratégia). Depois de ordenar as ideias, são ordenadas as ações, que é a implementação do Plano Estratégico, para que, sem desperdícios de esforços, caminhe na direção pretendida.

13 O processo de desenvolvimento do Plano Estratégico envolve análise dos aspectos internos da organização, análise do ambiente externo, comparação da orientação com o campo de atuação para se ter maior coerência e estabelecimento da estratégia vigente.

2. ELEMENTOS DA GESTÃO ESTRATÉGICA

14 2.1. DEFINIÇÃO DO NEGÓCIO - DESCRIÇÃO DA EMPRESA

A Voar é uma moderna empresa de manutenção de aeronaves desde pequenos jatos domésticos, helicópteros, até aviões comerciais de grande porte, tanto de passageiros, como de carga. Além da aviação civil atua também na manutenção de aeronaves de uso militar. A empresa empenha-se na melhoria continua do seu “Sistema de Gestão da Qualidade” em ampla escala tecnológica atuando em:

•Manutenção de aviônicos; •Manutenção de turboélices e turbinas a jato;

•Revitalização de aeronaves, remotorização, performance, entretenimento e interiores; •Manutenção da estrutura física.

A Voar possui em seu quadro, profissionais altamente capacitados que atuam nas diversas áreas da aviação com certificações emitidas pelo: DAC (Departamento de Aviação Civil) e/ou FAA (Federeal Aviation Administration).

Logomarca da empresa:

Vários itens são exigidos para que se possa autorizar os serviços de manutenção aeronáutica como, por exemplo, qualificação do pessoal, instalações, ferramental, instrumental, elaboração do Manual de Procedimentos de Inspeção (MPI), qualificação e especialização baseados em normas e diretrizes, dentro dos critérios estabelecidos no RBHA 43 e RBHA 145 (Regulamento Brasileiro de Homologação Aeronáutica -145) que estabelece os requisitos a serem cumpridos pelas empresas para a obtenção do CHE (Certificado de Homologação de Empresa) emitido pela ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil). Desta forma a empresa “Voar” se adequa a todos estes padrões e procedimentos estabelecidos pela normatização.

17 A manutenção das aeronaves é o cuidado mais importante para a segurança.

Manter o RIAM (Relatório de Inspeção Anual de Manutenção) em dia é não apenas uma imposição legal da autoridade aeronáutica (ANAC), através dos Regulamentos Brasileiros de Homologação Aeronáutica (RBHA), mas principalmente a garantia de um voo e pouso seguro.

O complexo de oficinas da “Voar” está estruturado para atender os padrões de qualidade com garantia completa.

2.2. DECLARAÇÃO DA MISSÃO, VISÃO E VALORES

Para Almeida (2003, p.15), a missão é a razão de ser da entidade e serve para delimitar seu campo de atuação, como também para indicar as possibilidades de expansão de suas ações.

“Missão é a determinação do motivo central de existência da empresa” (OLIVEIRA, p.50).

Missão da “Voar”:

Prover soluções inovadoras com tecnologia de ponta, sustentabilidade e custos diferenciados em serviços de

Segundo Almeida (2003, p.16), a visão não é apenas um grande objetivo, mas um desafio e deve, também, identificar como atingi-lo.

“Visão é considerada como os limites que os principais responsáveis pela empresa conseguem enxergar dentro de um período de tempo mais longo e uma abordagem mais ampla. Representa o que a empresa quer ser em um futuro próximo ou distante” (OLIVEIRA, p.43).

A visão da empresa pode ser conceituada como articulação das aspirações de uma empresa a respeito de seu futuro. Idealização do futuro desejado para a empresa. Os limites que os proprietários e principais executivos da empresa conseguem enxergar dentro de um período de tempo mais longo e uma abordagem mais ampla. Neste contexto, a visão proporciona o

21 grande delineamento do planejamento estratégico a ser desenvolvido e implementado pela empresa. A visão representa o que a empresa quer ser.

Visão da “Voar” (2018):

Ser referência nacional em manutenção de aeronaves, através de excelência em serviços, aumentando a

•Segurança: Na aviação, todos são responsáveis pela segurança de voo. •Qualidade: Serviços de qualidade são essenciais para a perpetuação do negócio. •Paixão pelo Cliente: Se a empresa não for apaixonada pelo cliente, o cliente não se apaixona pela empresa. •Criatividade e Inovação: Para sermos os melhores, teremos que estar

•Fatores Políticos/Legais: Para Las Casas (2006, p.112) essas variáveis interferem nos negócios a toda hora e a todo momento. O ambiente é formado por vários aspectos, entre eles leis e grupos de pressão que interferem nos negócios do governo e diversas agências que compõem o ambiente político e legal e deixam as ações das empresas mais restritas.

24 As decisões estratégicas são fortemente afetadas por mudanças no ambiente político-legal. Esse ambiente é formado por leis, órgãos governamentais e grupos de pressão que influenciam e limitam várias organizações e indivíduos. Às vezes, essas leis criam oportunidades e negócios.

O diagnóstico, feito por especialistas e representantes de empresas, associações e sindicatos, é que há um grave problema de gestão pública na aviação civil, com falhas que terminam por penalizar os usuários e prejudicar o crescimento econômico do país. Entre os problemas existentes, está o alto preço dos combustíveis, que representam 40% dos custos das empresas e a carga tributária elevada. Além disso, nos próximos cinco anos, infelizmente esperasse ainda ter dificuldades operacionais,

25 a continuidade de uma regulação confusa e inadequada em vários aspectos, a falta de investimentos (especialmente na aviação regional), a falta de mão de obra, e os problemas de gestão pública, em que órgãos governamentais se sobrepõem, dificultando a implementação de políticas para a aviação civil.

•Fatores Tecnológicos: “Uma das forças que mais afetam a vida das pessoas é a tecnologia” (KLOTER, 2000, p.171).

“Talvez constitua a força mais significativa que molda nosso destino. [..] O ambiente tecnológico muda rapidamente. [..] Novas tecnologias geram novos mercados e

26 oportunidades. Entretanto, toda nova tecnologia substitui a anterior” (KOTLER

A variável de maior impacto nas estratégias empresariais modernas é a tecnologia. As mudanças tecnológicas têm sido tão rápidas e frequentes que grande parte das mudanças da administração moderna foi ocasionada por seus efeitos.

Para a “Voar”, empresa apresentada neste trabalho, a tecnologia exerce fortíssima influência, pois, para o seu desenvolvimento se faz necessário aplicar o que há de

27 mais moderno, através de constantes pesquisas para agregar novos recursos e funcionalidades cruciais para a sua sobrevivência.

A capacidade de gerar soluções tecnologicamente inovadoras é uma competência indispensável para a manutenção da competitividade na indústria aeronáutica. Tendo em vista a importância das novas tecnologias para fazer frente aos principais desafios que a indústria aeronáutica deve enfrentar nos próximos anos, a “Voar”, através de seu programa de desenvolvimento tecnológico, investiga e desenvolve soluções em técnicas de manutenção que criam competências internas no domínio de tecnologias críticas para os mercados em que a empresa atua ou poderá vir a atuar.

Os esforços de capacitação para aplicação de tecnologias avançadas que possibilitarão o desenvolvimento mais rápido e tornarão as aeronaves mais seguras, leves, silenciosas, confortáveis e eficientes em consumo de energia, e em emissões e consequentemente mais fáceis de serem mantidas. e Por isso a empresa deverá acompanhar este processo e desenvolver novos métodos e rotinas de manutenção.

•Fatores Econômicos: Las Casas (2006, p. 110) afirma que:

A economia exerce influência muito forte no desempenho de todas as empresas de determinado mercado. As oscilações econômicas afetam principalmente os hábitos de consumo e o rendimento dos consumidores, com reflexos imediatos para os diferentes setores.

Os índices econômicos, como a taxa de juros, o dólar, o PIB, o comportamento do mercado e da bolsa, importação e exportação exercem influência no produto que depende de fornecedores estrangeiros para a sua composição. Além disso, dos altos preços dos combustíveis e a alta carga tributária.

•Fatores Naturais: “Abrangem os recursos naturais utilizados como insumos ou que são afetados pelas atividades da empresa.” (KOTLER E AMSTRONG, 2003, p.72).

30 “A deterioração do ambiente natural é uma importante preocupação global”

A preocupação com a ecologia passou a ser um dos principais tópicos da vida moderna neste novo século. O crescimento da população, o acelerado aumento da concorrência, além de uma série de outros agravantes, fizeram com que os recursos naturais se tornassem escassos.

Como uma tendência global, a proteção ao meio-ambiente será o fator que maior terá influência no planejamento estratégico das empresas de transporte aéreo influenciando diretamente nas empresas que atuam na manutenção de aeronaves.

31 A aviação detém alguns elevados índices de poluição ambiental como níveis de ruído, contaminação das altas camadas da atmosfera e no caso de acidentes, contaminação dos locais pelo combustível derramado ou pelos produtos radioativos de alguns equipamentos de bordo. Assim estima-se o aumento das pressões governamentais sobre o controle dos níveis de ruído, o controle das emissões de gases poluentes na atmosfera terá maior rigor e as diferentes posições adotadas internacionalmente, no que dizem respeito à proteção ambiental, tenderão a uma legislação padronizada e mais abrangente.

Esse quadro, portanto, induz à cautela nos próximos anos: as empresas de manutenção de aeronaves terão que considerar seus investimentos nos atributos de

32 capacidade de carga e desempenho das aeronaves, na conquista de um nicho em um espaço regionalizado das atividades de transporte de cargas e, principalmente, na captação de recursos e formas de pagamento.

•Fatores Demográficos: A principal força macroambiental que é analisada é a população porque os mercados são compostos de pessoas.

•Fatores Socioculturais: Para Kotler (2000, p.174) “a sociedade molda nossas crenças, nossos valores e normas”.

Resumo do Cenário para os próximos 3 a 5 anos: Fatores • Legislação Brasileira;

Políticos/Legais•Concessões e Regulação da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC). •Atitudes do governo face às indústrias (nacionais e estrangeiras);

•Problemas de gestão pública com aumento do preço dos combustíveis e da carga tributária, em que órgãos governamentais se sobrepõem, dificultando a implementação de políticas para a aviação civil. •Dificuldades operacionais, a continuidade de uma regulação confusa e inadequada em vários aspectos, a falta de investimentos (especialmente na aviação regional). Fatores

Tecnológicos

•O avanço tecnológico e o advento de novas tecnologias;

Fatores Econômicos

•A previsão para o crescimento da aviação não somente no Brasil (algo em torno de 13% a), mas no mundo todo é alta. Estima-se um apagão por profissionais da área de aviação, incluindo os profissionais de manutenção. A atual formação destes profissionais está bem aquém da necessidade para os próximos anos. Estudos preveem descompasso

34 entre treinamento e demanda do mercado devido à capacidade de investimento em qualificação da indústria da aviação civil. Ressaltam-se ainda os altos preços dos combustíveis e a alta carga tributária exigirão o aperfeiçoamento e intensificação da manutenção para tornar as aeronaves eficientes em consumo de combustíveis. Fatores

Naturais

•Assim estima-se o aumento das pressões governamentais sobre o controle dos níveis de ruído, o controle das emissões de gases poluentes na atmosfera terá maior rigor e as diferentes posições adotadas internacionalmente, no que dizem respeito à proteção ambiental, tenderão a uma legislação padronizada e mais abrangente. Fatores

Demográficos e Socioculturais

•Ausência de profissionais capacitados e necessidade de se investir em capacitação de profissionais já existentes no quadro atual da empresa.

A análise do ambiente visa identificar as oportunidades e ameaças, que são os principais condicionantes da eficácia organizacional. Para se ter o sucesso deve aproveitar as oportunidades e evitar as ameaças (ALMEIDA, 2003, p.18).

(Parte 1 de 2)

Comentários