Moendas - Industria Açucareira

Moendas - Industria Açucareira

(Parte 1 de 2)

COTIP – Colégio Técnico e Industrial de Piracicaba (Escola de Ensino Médio e Educação Profissional da Fundação Municipal de Ensino de Piracicaba)

Máquinas e Equipamentos Prof. Marcelo ZOCCA Açúcar e Álcool

1. Moendas

Conjunto de 04 rolos de moenda dispostos de maneira a formar aberturas entre si, sendo que 03 rolos giram no sentido horário e apenas 01 no sentido antihorário.

Sua função é forçar a cana a passar por essas aberturas de maneira separar o caldo contido no bagaço.

O esmagador é a primeira máquina à pressão entre rolos que a cana encontra, chegando às moendas. É constituído por uma moenda com 2 ou 3 rolos, que preenche duas funções principais: - Assegurar a alimentação de todo o tandem;

- Preparar a cana, para facilitar a tomada e extração nas moendas.

1.2. Esmagadores com 2 rolos

1.2.1. Esmagador Krajewski

O nome deste modelo vem de seu inventor. Este esmagador foi muito utilizado no 1º quarto se século X para o preparo de canas inteiras, porém com a utilização das navalhas este modelo deixou de ser utilizado.

1.2.2 Esmagador Fulton

O nome deste modelo vem da firma que mais contribuiu para sua preconização e utilização.É o único usado hoje em dia.

Este rolo é um rolo de moenda que é adaptado para servir no esmagador.

Como uma superfície de revolução mesmo provida de ranhuras é pouco propícia para assegurar a “pega” da cana, entalham-se transversalmente os dentes (chevrons).

COTIP – Colégio Técnico e Industrial de Piracicaba (Escola de Ensino Médio e Educação Profissional da Fundação Municipal de Ensino de Piracicaba)

Máquinas e Equipamentos Prof. Marcelo ZOCCA Açúcar e Álcool

Como as ranhuras do Fulton apresentam a tendência de encherem com bagaço, é preciso instalar uma raspadeira em cada um dos dois rolos do esmagador.

1.3. Esmagador Duplo

A utilidade do esmagador como equipamento de alimentação das moendas e preparação da cana levou certas usinas a utilizarem 2 esmagadores. Chegou-se a utilizar até 3 esmagadores (esmagador triplo).

Como em um esmagador duplo o segundo esmagador é bem mais baixo que o primeiro é necessário um condutor intermediário para enviar o bagaço para a a 1ª moenda.

1.4. Esmagador com 3 rolos

Chama-se “esmagador com 3 rolos” ou “moenda esmagadora” uma moenda parecida com as outras moendas do tandem, porém instalada na cabeça, formando a primeira unidade de pressão e de extração do caldo. Portando as diferenças entre as moendas seguintes são: - Velocidade superior à moenda seguinte;

- Superfície dos rolos com ranhuras mais profundas e numerosos chevrons de pega;

COTIP – Colégio Técnico e Industrial de Piracicaba (Escola de Ensino Médio e Educação Profissional da Fundação Municipal de Ensino de Piracicaba)

Máquinas e Equipamentos Prof. Marcelo ZOCCA Açúcar e Álcool

2. Função dos rolos

2.1. Rolo de Pressão

Encontra-se na parte superior do termo logo acima do rolo inferior de entrada. Sua função é compactar a camada de cana permitindo uma melhor alimentação do termo.

2.2. Rolo Superior

Está localizado na parte superior do castelo, entre o rolo de entrada e o rolo de saída, gira no sentido anti-horário. É muito importante no conjunto de ternos devido ao maior contato com a cana. Também recebe a força através do acoplamento e transmite aos demais rolos por intermédio dos rodetes.

2.3. Rolos inferiores

Em cada terno de moenda possui 02 rolos (entrada e saída), a função do de entrada é fazer uma pequena extração de caldo e direcionar a cana na abertura de saída.

2.4. Observação

É de fundamental importância no processo de moagem a extração no 1°

Terno, este é responsável por cerca de 70% de todo caldo contido na cana. Quando não atingimos está extração de caldo, a extração global da moenda é insatisfatória.

2.5. Castelos

São armações laterais da moenda, construídos em aço e são fixados em bases de assentamento. São responsáveis pela sustentação da moenda.

Podem ser de dois tipos: - Inclinados

- Retos

2.6. Bagaceira

Tem como função conduzir o bagaço do rolo de entrada para o rolo de saída.

É resultante do traçado de cada terno objetivando o melhor desempenho do terno. Cuidados:

COTIP – Colégio Técnico e Industrial de Piracicaba (Escola de Ensino Médio e Educação Profissional da Fundação Municipal de Ensino de Piracicaba)

Máquinas e Equipamentos Prof. Marcelo ZOCCA Açúcar e Álcool

- Se for instalada muito alta, a carga sobre o rolo superior é muito elevada, ocorrendo desgaste da bagaceira, aumentando a potência absorvida, sufocando a passagem de bagaço. Resultando em alimentação deficiente do terno.

- Se for instalada muito baixa, o bagaço ao passar sobre ela não é comprimido suficientemente para impedir que o rolo superior deslize sobre a camada de bagaço resultando em embuchamento.

3. Ranhuras dos rolos

Inicialmente os rolos eram lisos, porém a capacidade de uma moenda com rolos lisos é muito inferior a uma com rolos entalhados. Além disso, estes rolos com ranhuras dividem o bagaço de maneira mais completa e facilitam assim a extração do caldo nas moendas seguintes. 3.1. Ranhuras circulares

O tipo de ranhura universalmente usado é a ranhura circular. Consiste em gravar o rolo com entalhes, descrevendo círculos completos de plano perpendicular ao eixo, formando uma seção com forma de dentes de serra, com ângulos de dentes variando entre 30º a 60º.

A ranhura é dimensionada pela altura (h) e pelo passo (p). Exemplo: Ranhura 10 X 13 (Altura = 10; Passo = 13).

(Parte 1 de 2)

Comentários