Apoio:

1. Introdução

O conhecimento das concepções dos alunos é muito importante para o processo de ensino/aprendizagem, já que, toda construção de conhecimento tem

como ponto de partida as ideias prévias dos discentes, apoiando-se nelas.

Conhecer o que os alunos sabem sobre o conteúdo, além de fazer emergir o aspecto dinâmico do conhecimento científico, orienta estratégias, define metas a serem atingidas e explicita caminhos e obstáculos cognitivos para as atividades educativas.

2. Algumas características das concepções alternativas em Física

As concepções alternativas em Física, ou Física do senso comum é a espécie de Física em que a maioria das pessoas acredita e pela qual se guia intuitivamente, ou a espécie de física que parece interessar e agradar a qualquer pessoa que use sua inteligência natural, mas não tenha apreendido os princípios da dinâmica.

Acima de tudo, é uma espécie de Física particularmente bem adaptada aos conceitos de uma Terra em repouso. É algumas vezes conhecida com Física aristotélica, por que sua principal exposição vem do filósofo e cientista Aristóteles que viveu na Grécia no quarto século antes de Cristo. (1)

3. Os movimentos naturais e Aristóteles

A concepção de movimento de Aristóteles está relacionado pela qual imaginava estar constituída a matéria e com a idéia de que os elementos terra, água, ar e fogo possuíam lugares definidos no universo físico. (2)

4. Metodologia

Os dados coletados são oriundos de uma das perguntas do questionário após o estudo da cinemática, com o fim de identificar as concepções que os alunos traziam dos estudos durante o ano letivo; o questionário foi aplicado no mês de agosto.

O questionário foi desenvolvido com o apoio do (PIBID/IFNMG) para investigar a concepções alternativas em mecânica de alunos do 1°ano do Ensino médio (EM), a fim, nortear atividades que serão implantadas durante o programa.

•Questão1

Em um dos episódios dos Simpsons, Homer está em cima do apartamento de seu amigo Lenny, com a intenção em ajudá-lo a consertar uma infiltração no terraço. Ele tira um intervalo para o lanche, mas infelizmente, ele por motivo inexplicável deixa cair à rosquinha, lá de cima. Passando alguns segundos, Homer se atira do mesmo lugar de onde ele deixou cair à rosquinha e consegue agarrá-lo no ar. Em ambos os casos, a queda é livre, as velocidades iniciais são nulas, a altura de queda é a mesma e a resistência do ar é nula.

Para Galileu Galilei, a situação física dessa cena seria interpretada como:

a)Impossível, porque a altura de queda não era grande o suficiente.

b)Possível, porque o corpo mais pesado cai com maior velocidade.

c)Possível, porque o tempo de queda de cada corpo depende de sua forma. d)Impossível, porque a aceleração da gravidade não depende da massa dos corpos.

Figura 2: representação da queda dos corpos

5. Resultados e Discussão

O questionário foi aplicado para dois grupos de alunos; grupo 1 - 14 (quatorze) alunos e o grupo 2 - 16 (dezesseis) alunos, em um total de 30 (trinta) alunos.

Gráfico 1: Distribuição percentual de respostas dadas pelos alunos do dois grupos.

Nota-se que 23% dos alunos acreditam que o tempo de queda dos corpos depende de sua forma - de seu volume - , levando em conta que muitos alunos associa volume com massa; uma maneira simples de apresentar o princípio aqui envolvido pode se apelar para a brincadeira que quase toda criança faz sobre o que pesa mais: um quilo de chumbo ou um quilo de algodão? Evidenciado nas respostas dos alunos .

É possível perceber que 70% dos alunos foram atraídos pela resposta aristotélica, ou seja, o corpo pesado cai com maior velocidade, porque “tem uma tendência maior para alcançar mais depressa a sua posição natural”.

6. Conclusão

Os resultados desta pesquisa mostraram que cerca de 93% (noventa e três por cento) dos alunos ainda possuem tendências de suas concepções convergindo aos modelos de movimento corroborado por Aristóteles. Os estudantes não iniciam seus estudos de ciências com as mentes vazias. Eles possuem ideias ou concepções anteriores sobre vários fenômenos e sobre conceitos de Física. Isto mostra a importância de conhecer o que os alunos sabem. Oportunizou ainda, uma contribuição proeminente para o norteamento das atividades que serão implantadas durante o programa.

7. Referências

(1)COHEN,I.B. O nascimento de uma nova física. São Paulo, livraria Editora.1967.p.12-15

(2)PEDUZZI,L. O que é Física Aristotélica: Por que não considerá-la no ensino de mecânica?

Caderno Catarinense de Ensino de Física. Florianópolis, V.13 n.1.1996

(3)CAMARGO, E.P. de. Ensino de Física e deficiência visual: dez anos de investigações no

Brasil.São Paulo, editora Plêiade.2008. Cap.I Concepções alternativas: um breve panorama. p.27

(4)CARUSO, F. A queda dos corpos e o aristotelismo: Um estudo de caso do vestibular. Revista Física na escola, V.9,n.2, 2008

Aristóteles observou que alguns objetos na Terra são leves e outros pesados. (1) Essa diferença origina-se de diferentes combinações dos quatro elementos. Um corpo será mais leve ou pesado de acordo com o percentual de elementos contidos nele. Uma pedra cai por ser constituída basicamente do elemento terra, retornando, assim, ao centro do universo, seu lugar natural. A propósito, para Aristóteles, se duas pedras, uma pesada e outra leve, são soltas de uma mesma altura, a pedra mais pesada atinge o solo primeiro. Isto acontece porque a pedra mais pesada possui mais terra do que a pedra mais leve. Com isso, a pedra mais pesada tem uma tendência maior para alcançar mais depressa a sua posição natural. (2) Figura 1: Representação esquemática queda dos corpos

Comentários