resenha a historia das coisas

resenha a historia das coisas

Faculdade Independente do Nordeste

Credenciada pela Portaria MEC 1.393, de 04/07/2001 publicada no D.O.U. de 09/07/2001.

História das Coisas, versão brasileira do documentário The Story of Stuff, de Annie Leonard

História das Coisas identifica a relação entre os problemas sociais e meio-ambiente, e atenta para a urgência em encontrarmos novas formas de criar um planeta mais sustentável.

Atualmente, nós Vivemos em uma sociedade onde a política capitalista desenfreado é o principal fator que move a economia.

Propositalmente, as indústrias desenvolvem novos produtos, baseado em um sistema de produção linear, onde os recursos naturais são utilizados e devolvidos ao meio-ambiente em forma de agentes tóxicos, e a mão-de-obra é pouco valorizada, tornando os indivíduos presentes neste sistema cada vez mais submissos à forma em que ele é desencadeado.

Produtos estes, criados de forma a serem descartados rapidamente, tornando assim possível que a sociedade busque cada vez mais obter mais e mais do mesmo.

Para esse sistema de consumo funcionar, não é levado em conta às consequências que serão deixadas para as próximas gerações, gerando o consumismo exagerado, onde a valorização e realização pessoal conquistada através de um ciclo interminável de consumo e desperdício.

Pode-se constatar também, a deficiência na administração da economia de materiais, que é a relação entre o caminho e a execução do processamento de todas as etapas de produção, bem como o uso de matérias primas para desenvolvê-los.

Este problema envolve, além do consumo desordenado, o mau uso das nossas fontes de energia e bens naturais, destruição do meio-ambiente, através da sua exploração desenfreada, sem uma metodologia para recompô-los de forma sustentável.

Grandes empresas tem se fixado em diversas partes do mundo, poluindo e degradando o ambiente em sua volta. Os impactos causados por esta sede de produção e consumo, de forma não sustentável, em um planeta onde sabemos que os seus recursos são finitos podem ser incalculáveis e já são sentidos, uma vez que podemos verificar o grande numero de doenças por intoxicação, causadas pela liberação de componentes tóxicos, no processo de produção destes bens, feitos apenas para mover uma economia pré-meditada, que beneficia uma pequena parte da sociedade. O governo nada faz. Ao contrário, eles acobertam essas grandes potencias, a fim de recolher mais recursos financeiros e dar continuidade à corrupção e falta de compromisso com a população. A nossa qualidade de vida também diminui, ficamos cada vez mais dependentes, e sucessivamente menos satisfeitos com o que temos.

Inúmeros são os problemas gerados a partir do mau uso dos recursos naturais, a má gestão e falta de preocupação com os recursos humanos, e a falta de interesse do governo em ter um olhar mais amplo em relação a esta situação.

Faz-se necessário desde já, uma nova metodologia de consumo sustentável, onde a natureza tenha de volta, de maneira limpa, os seus recursos, para servir às próximas gerações, e ao mesmo tempo satisfazer as necessidades da sociedade atual.

Juliana Almeida de Jesus. Aluna do curso de Engenharia de Produção – FAINOR. 1º Semestre. 2012.

Comentários