normas tec profilaxia da raiva hum

normas tec profilaxia da raiva hum

(Parte 1 de 10)

Brasília-DF 2011

Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica

Normas Técnicas de Profilaxia da Raiva Humana

Série A: Normas e Manuais Técnicos

Brasília-DF 2011

© 2011 Ministério da Saúde. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte e que não seja para venda ou qualquer fim comercial. A responsabilidade pelos direitos autorais de textos e imagens dessa obra é da área técnica. A coleção institucional do Ministério da Saúde pode ser acessada, na íntegra, na Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde: http://www.saude.gov.br/bvs

Série A. Normas e Manuais Técnicos Tiragem: 1ª edição – 2011 – 40.0 exemplares

Elaboração, distribuição e informações: MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Coordenação-Geral de Doenças Transmissíveis SCS, Quadra 4, Bloco A, Edifício Principal, 2º andar CEP: 70304-0, Brasília – DF E-mail: svs@saude.gov.br Home page: w.saude.gov.br/svs

Equipe técnica

Coordenação: Ana Nilce Silveira Maia Elkhoury

Organização: Marcelo Yoshito Wada Grupo Técnico de Doença de Chagas e Raiva / Unidade Técnica de Zoonoses Vetoriais e Raiva /CGDT/Devep/SVS/MS

Elaboração do texto: Ana Beatriz Rosito Macedo, Francisco Anilton Alves Araújo, Gabriel Oselka, Ivone Perez de Castro, João Carlos Repka, José Tavares-Neto, Marcelo Yoshito Wada, Marcos Vinícius Silva, Marisa de Azevedo Marques, Mauro da Rosa Elkhoury, Neide Yumie Takaoka, Nélio Batista de Moraes, Rosely Cerqueira de Oliveira, Wagner Augusto da Costa

Revisão de conteúdo: Ana Beatriz Rosito Macedo, Marcelo Yoshito Wada

Colaboradores: Ana Nilce Silveira Maia Elkhoury, Eduardo Pacheco Caldas, Ernesto Isaac Montenegro Renoiner, Ivanete Kotait, Regilma Alves de Oliveira, pelo apoio para elaboração destas normas técnicas.

Produção: Núcleo de Comunicação

Produção editorial: Capa: NJOBS Comunicação (Eduardo Grisoni) Projeto gráfico: NJOBS Comunicação (Eduardo Grisoni) Diagramação: NJOBS Comunicação (Marília Assis) Revisão: NJOBS Comunicação (Ana Cristina Vilela e Fernanda Gomes) Normalização: NJOBS Comunicação (Ana Cristina Vilela e Fernanda Gomes) e Editora MS (Márcia Cristina Tomaz de Aquino)

Impresso no Brasil / Printed in Brazil

Ficha Catalográfica _

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica.

Normas técnicas de profilaxia da raiva humana / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica. – Brasília : Ministério da Saúde, 2011. 60 p. : il. – (Série A. Normas e Manuais Técnicos)

ISBN 978-85-334-1785-4 1. Raiva humana. 2. Raiva animal. 3. Profilaxia. I. Título. I. Série.

CDU 616.988.21 _

Catalogação na fonte – Coordenação-Geral de Documentação e Informação – Editora MS – OS 2011/07

Títulos para indexação: Em inglês: Technical standards of human rabies prophylaxis. Em espanhol: Normas técnicas de la profilaxis de la rabia humana.

Sumário 3 Apresentação 5 Definição 6 Raiva humana 9 Situação Epidemiológica 9 da Raiva no Brasil 9 Pessoas expostas 10 Raiva animal 1 Profilaxia Pré-Exposição 12 Esquema pré-exposição 13 Titulação de Anticorpos Antirrábicos Humanos 16 Conduta em Caso de Possível Exposição ao Vírus da Raiva 18 Características do ferimento 18 Características do animal envolvido no acidente 20 Conduta em Caso de Possível Reexposição ao Vírus da Raiva 25 Conduta em Caso de Adentramento de Morcegos 27 Imunobiológicos Utilizados no Brasil 28 Vacina humana 28

Vacina de cultivo celular 28 Soros para uso humano 31

Soro heterólogo 31

Imunoglobulina humana hiperimune antirrábica – soro homólogo 38 Conduta em Caso de Abandono do Esquema Profilático 40 Bases Gerais da Profilaxia da Raiva Humana 41 Sobre o ferimento 42 Sobre o animal 43 Diagnóstico laboratorial em humano 45 Coleta de Amostras de Tecidos de Origem Humana e Animal para Exames Virológicos, Sorológicos e Anatomopatológicos 45 Acondicionamento, conservação e transporte 48 Avaliação sorológica para raiva 49 Referências 50 59

Anexo (FICHA DE ATENDIMENTO ANTIRRÁBICO HUMANO – Sinan) 59

Sumário

APRESENTAÇÃO | 5 DEFINIÇÃO | 6 SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DA RAIVA NO BRASIL | 9

Raiva humana | 9 Pessoas expostas | 10 Raiva animal | 1

PROFILAXIA PRÉ-EXPOSIÇÃO | 12

Esquema pré-exposição | 13 TITULAÇÃO DE ANTICORPOS ANTIRRÁBICOS HUMANOS | 16

CONDUTA EM CASO DE POSSÍVEL EXPOSIÇÃO AO VÍRUS DA RAIVA EM PACIENTES QUE RECEBERAM ESQUEMA DE PRÉ-EXPOSIÇÃO | 17

CONDUTA EM CASO DE POSSÍVEL EXPOSIÇÃO AO VÍRUS DA RAIVA | 18

Características do ferimento | 18 Características do animal envolvido no acidente | 20

CONDUTA EM CASO DE POSSÍVEL REEXPOSIÇÃO AO VÍRUS DA RAIVA | 25

CONDUTA EM CASO DE ADENTRAMENTO DE MORCEGOS | 27

IMUNOBIOLÓGICOS UTILIZADOS NO BRASIL | 28

Vacina humana | 28

Vacina de cultivo celular | 28

Soros para uso humano | 31

Soro heterólogo | 31

Imunoglobulina humana hiperimune antirrábica – soro homólogo | 38

CONDUTA EM CASO DE ABANDONO DO ESQUEMA PROFILÁTICO | 40

BASES GERAIS DA PROFILAXIA DA RAIVA HUMANA | 41

Sobre o ferimento | 42 Sobre o animal | 43

COLETA DE AMOSTRAS DE TECIDOS DE ORIGEM HUMANA E ANIMAL PARA EXAMES VIROLÓGICOS, SOROLÓGICOS E ANATOMOPATOLÓGICOS | 45

Diagnóstico laboratorial em humano | 45 Diagnóstico laboratorial em animal | 46 Acondicionamento, conservação e transporte | 48 Avaliação sorológica para raiva | 49

(Parte 1 de 10)

Comentários