cfs b 3 2010 bct

cfs b 3 2010 bct

(Parte 1 de 10)

EXAME DE ESCOLARIDADE DO EXAME DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO DE SARGENTOS – CFS B 1/2010 GRUPOS I E I DE ESPECIALIDADES

Gabarito Provisório com resolução comentada das questões.

A prova divulgada refere-se ao código 02 Se não for esse o código de sua prova, observe a numeração e faça a correspondência, para verificar a resposta correta.

No caso de solicitação de recurso, observar os itens 6.3 das Instruções Específicas e 9 do Calendário de Eventos (Anexo 2).

Página 3

AS QUESTÕES DE 01 A 25 REFEREM-SE À LÍNGUA PORTUGUESA

As questões de 01 a 04 referem-se ao texto acima.

Rebento Gilberto Gil

Rebento, substantivo abstrato, O ato, a criação, o seu momento, Como uma estrela nova e seu barato Que só Deus sabe lá no firmamento.

Rebento, tudo que nasce é rebento, Tudo que brota, que vinga, que medra, Rebento raro como flor na pedra, Rebento farto como trigo ao vento.

Outras vezes rebento simplesmente No presente do indicativo, Como a corrente de um cão furioso, Como as mãos de um lavrador ativo. Às vezes, mesmo perigosamente, Como acidente em forno radioativo, Às vezes, só porque fico nervoso, Rebento. Às vezes somente porque estou vivo.

Rebento, a reação imediata A cada sensação de abatimento. Rebento, o coração dizendo “bata”, A cada bofetão do sofrimento. Rebento, esse trovão dentro da mata E a imensidão do som desse momento.

01 – Com base na leitura do texto, assinale a alternativa correta.

a) A palavra rebento recebe várias definições no texto, considerando seu valor como substantivo e como verbo. b) O autor analisa a palavra rebento observando apenas o seu sentido denotativo. c) O autor analisa a palavra rebento observando apenas o seu sentido conotativo. d) A palavra rebento é analisada apenas como um substantivo.

Resposta: A

O texto inicia-se com o verso Rebento, substantivo abstrato, uma definição denotativa e morfológica para a palavra “rebento”. O ato, a criação, o seu momento são substantivos que sustentam essa idéia, que é considerada até o final da segunda estrofe.

Na terceira estrofe, o autor passa a analisar a palavra “rebento” como um verbo: Outras vezes (eu) rebento simplesmente no presente do indicativo; Às vezes, só porque fico nervoso, (eu) rebento. Portanto a palavra rebento é apresentada no texto, considerando-se o seu valor como substantivo e como verbo.

Além de analisar a palavra denotativamente, quando define rebento como um substantivo abstrato, o autor utiliza recursos conotativos por meio de comparações: Como uma estrela nova e seu barato, como a corrente de um cão furioso, como acidente em forno radioativo, além de mostrar os diversos sentidos que a palavra adquire no texto.

02 – Em qual dos versos abaixo a palavra rebento foi empregada no sentido de “reagir, tomar uma atitude”? a) Tudo o que nasce é rebento. b) Rebento raro como flor na pedra. c) Rebento farto como trigo ao vento. d) Rebento, o coração dizendo: Bata! A cada bofetão do sofrimento.

RESOLUÇÃO Resposta: D

Considerando as diversas definições que o autor dá para a palavra rebento, a única alternativa em que ela adquire o sentido de “reagir, tomar uma atitude” é a D. (Rebento, o coração dizendo: reaja, tome uma atitude! A cada bofetão do sofrimento.). Nas outras alternativas, rebento significa surgir, desabrochar.

03 – Relacione os versos abaixo enumerados aos que se colocam à disposição logo a seguir, considerando a correspondência de sentido entre eles. Depois, assinale a alternativa correta.

1- “Rebento, tudo que nasce é rebento,” 2- “Tudo (...) que medra,” 3- “(Rebento) Como acidente em forno radioativo.” 4- “...rebento simplesmente/No presente do indicativo,”

( ) “Rebento farto como trigo ao vento.” ( ) “(Rebento) Como uma estrela nova e seu barato” ( ) “(Rebento) Às vezes, mesmo perigosamente,” ( ) “(Rebento) Às vezes somente porque estou vivo.” a) 2, 1, 3, 4 b) 1, 4, 3, 2 c) 3, 1, 4, 2 d) 2, 3, 4, 1

RESOLUÇÃO Resposta: A

O verso demarcado como 1 define o substantivo rebento: aquilo que nasce. Trata-se de constatação de um fato, como acontece em“(Rebento) Como uma estrela nova e seu barato” – uma estrela nova é rebento, é criação. O adjetivo nova é o responsável por nos esclarecer de que se fala de algo que não existia antes. A ausência de tal adjetivo modificaria o sentido do verso. Por isso, fala-se do surgimento de uma estrela e não de seu crescimento – idéia expressa pelo verbo medrar (verso 2) – que não significa, nascer, brotar, e sim crescer vegetando, prosperar, aumentar, desenvolver-se, ganhar corpo, manifestarse com êxito, melhorar. Então, o verso diz que tudo o que cresce e prospera, aumenta, é rebento (substantivo). Entre os versos a serem enumerados, o único que apresenta essa idéia é “Rebento farto como trigo ao vento.” – o trigo cresce, desenvolve-se, aumenta em quantidade e qualidade.

O verso 3 apresenta rebento como verbo (Eu rebento – verbo rebentar), com as acepções seguintes: explodir, estourar. Considerar a explosão em ‘forno radioativo’ significa considerar uma forma perigosa de explosão (acidente), metafórica ou denotativamente falando. Temos, ainda, a conjunção comparativa como criando o vínculo entre os versos que se apresentam em seqüência no texto – a comparação valida a afirmação.

O verso quatro aponta para a idéia de que a vida impele-nos à ação – por isso “rebento simplesmente/No presente do indicativo,”. Essa concepção vai ao encontro de “Às vezes somente porque estou vivo.”: porque estou vivo, rebento (em todas as suas acepções) – 1ª pessoa do presente do indicativo, verbo intransitivo.

Página 4

04 – Com relação ao texto, é incorreto afirmar que a) desenvolve, em sua totalidade, idéia de ciclo entre vida e morte, como bem ilustra o verso “Tudo que brota, que vinga, que medra,”. b) torna-se rico em imagens poéticas devido à possibilidade de se explorar morfológica e sintaticamente o termo rebento. c) predominam em suas construções a idéia de superação, força, coragem, como confirma o verso “Rebento raro como flor na pedra”. d) representa circunstâncias da vida humana, das mais comuns às mais raras, os momentos de nascimento, explosão, superação, evolução, sofrimento, transformação.

RESOLUÇÃO Resposta: A

Não se pode afirmar que o texto esteja centrado na idéia de ciclo, numa seqüência de ações determinadas entre nascimento e morte. Noções de explosão violenta, estouro, sofrimento, contidas nos versos da terceira estrofe, não necessariamente nos conduzem à idéia de morte, de fim, mas à de transformação. Isso, aliás, contradiz a noção de superação, força, coragem – essa, sim, foco central do texto –, como se observa na alternativa C, e considerando-se, ainda, os demais versos, os quais não obedecem a uma ordem predeterminada, mas aleatória (alternativa D). É também correto dizer que o olhar morfológico e sintático permite a riqueza poética do texto, conforme o que se apresenta em B.

05 – Leia:

“A liberdade que não faz uma coisa porque teme o castigo não está ‘eticizando-se’.” (Paulo Freire)

Paulo Freire vale-se das aspas no termo eticizando-se porque cria um verbo a partir do substantivo ética. Quanto à sua grafia, podese dizer que o autor a) tem liberdade de, no sufixo, escolher entre as letras Z ou S, porque esse verbo não existe. b) apoiou sua criação na correta norma gramatical que determina o uso do sufixo -izar para a formação de verbos. c) desviou-se propositadamente da regra gramatical, que determina o uso do sufixo -isar na formação de verbos, porque fala de falsa ética. d) só poderia utilizar a letra Z, porque determina a gramática o uso do sufixo -izar para a formação de verbos derivados de substantivos abstratos.

RESOLUÇÃO Resposta: B

Determina a Gramática que, para a formação de verbos (que absolutamente se relacionam com o fato de derivarem de substantivos abstratos) e substantivos, os sufixos são, respectivamente, -izar e -ização. Na formação de verbos, quando os substantivos já apresentarem em seu radical a letra S, o sufixo passa a ser ar. Veja: pesquisa – pesquisar.

07 – Leia o texto abaixo, do qual foram retirados os sinais de pontuação, e, a seguir, assinale a alternativa incorreta quanto às opções para pontuá-lo, uma vez que desconsidera as regras estabelecidas pela gramática.

“Francisca tinha me falado tanto no ossuário disse Levindo como esconderijo confesso que não há melhor.” a) Francisca tinha me falado tanto no ossuário! Disse Levindo:

– Como esconderijo confesso que não há melhor. b) “Francisca tinha me falado tanto no ossuário!”, disse

Levindo. “Como esconderijo confesso que não há melhor.” c) – Francisca tinha me falado tanto no ossuário – disse

Levindo. – Como esconderijo confesso que não há melhor. d) – Francisca tinha me falado tanto no ossuário, disse Levindo. – Como esconderijo confesso que não há melhor.

RESOLUÇÃO Resposta: D

Com exceção da pontuação apresentada em D, todas as demais estão corretas, destacando-se o fato de ser a que se apresenta em C a pontuação do texto original. Em A, existe um narrador de primeira pessoa, que prepara o discurso direto, que vem a seguir. Em B e C, temos uma única personagem falando, com discurso interrompido por oração interferente (aquela em que o discurso é interrompido pelo narrador e, que, portanto, é considerada oração intercalada).

Não se pode separar as orações interferentes, misturando-se o uso do travessão com o uso da vírgula. Da forma como se apresenta a alternativa D (um travessão para cada período), o segundo travessão indica, na verdade, a fala de uma outra personagem, mudança de interlocutor, e não a continuação da fala da personagem que se expressava anteriormente. Isso acontece exatamente em C, porque, pela duplicação dos travessões – que têm função semelhante à dos parênteses, como explica Celso Cunha –, sabemos que a mesma personagem continua falando. Explica, ainda Celso Cunha, que um só travessão pode ser utilizado para destacar, enfatizar a parte final de um enunciado que não caracterize fala de personagem, pois isso contradiz a 1ª regra de emprego do travessão: marcar a mudança de interlocutor nos diálogos.

No texto que se apresenta na alternativa em questão, foi feita a escolha da vírgula para separar personagem de narrador. E observe: não há oração intercalada; a oração pertencente ao narrador arremata o período. O travessão isolado indicaria um parêntese que fecha uma idéia (a saber: disse Levindo), sem, entretanto, marcar seu início, se fosse o caso. Por isso, temos ali mudança de interlocutor, e um novo parágrafo deveria demarcar essa mudança.

06 – Considere a frase: Pedi ajuda a ela, pois precisava entregar a ficha de avaliação do aluno. A diretoria estava a espera desse documento.

Dentre as ocorrências destacadas, apenas uma deve receber o acento indicativo de crase. Marque a alternativa que apresenta essa ocorrência.

a) a ela b) a ficha c) a espera d) A diretoria

RESOLUÇÃO Resposta: C

(Parte 1 de 10)

Comentários