Manual de Posicionamento em Exames Contrastados na Radiolog~1

Manual de Posicionamento em Exames Contrastados na Radiolog~1

(Parte 1 de 3)

SÉRIE RADIOLOGIA E SABER1

André F. Siqueira Marcondes Bernardo

SÉRIE RADIOLOGIA E SABER2 SÉRIE RADIOLOGIA E SABER2

SÉRIE RADIOLOGIA E SABER3

Sialografia de Submandibular e Parótida05
Esofagograma06
Trânsito Intestinal07
Enema Opaco09
Colecistograma Oral13
Colangiografia Venosa15
Colangiografia Via Dreno16
Colangiografia Retrograda Endoscópica17
Urografia Excretora18
Fotos Ilustrativas com Planigrafia na fase Nefrograma19
Uretrocistografia Miccional20
Uretrocistografia Retrógrada21
Uretrocistografia com Correntinha2

Sumário Pielografia Ascendente Retrógrada.............................................23

SÉRIE RADIOLOGIA E SABER4 SÉRIE RADIOLOGIA E SABER4

SÉRIE RADIOLOGIA E SABER5 Sialografia de Submandibular e Parótida

Os métodos de Rabinov e Weber nos orientam das seguintes formas:

A ponta de um cateter fino (21 a 25), ou ainda um tubo de teflon fino e maleável (gelco) com paredes delgadas e extremidade afilada, pode ser usado ainda agulhas longas de infusão com extremidade achatada e lisa e borboletas, podendo ser mantida entre os dentes e mucosa oral, todos os meios deve progredir cerca de 01 a 03cm através do ducto da glândula a ser examinada, neste caso deve ser introduzida no canal (ducto) submandibular .

Posteriormente injeta-se cerca de 03ml de um meio de contraste iodado diluído em água. Realizando-se incidências radiográficas localizadas da região examinada em projeções de:

Mandíbula oblíqua Mandíbula perfil

Mandíbula frente AP

Nota: Habitualmente, após a injeção de contraste e a realização das incidências, o paciente deve ingerir limão (prova de estímulo) para então se executarem novas incidências.

SÉRIE RADIOLOGIA E SABER6 Esofagograma

O paciente irá ingerir uma substância radiopaca positiva, não hidrossolúvel (sulfato de bário), em pequenos goles, durante a deglutição, serão obtidas aquisições de imagens através de exposições radiográficas, ou ainda um sistema de vídeo cassete interligado no aparelho de raios-X, junto à monitoração (TV), gravará os momentos de deglutíções pela TV do aparelho.

Deverão ser realizadas aquisições de imagens nas projeções: Frente, Perfil e Oblíquas.

SÉRIE RADIOLOGIA E SABER7

Trânsito Intestinal

Realizar a radiografia piloto (simples de abdômen), e posteriormente o paciente irá ingerir aproximadamente 350 ml de uma substância radiopaca positiva não hidrossolúvel (sulfato de bário), realizando em seguida radiografias do estômago (localizadas), e radiografias de abdômen de preferência com o paciente em decúbito ventral, obedecendo aos seguintes intervalos de tempos:

15 minutos (AP) 30 minutos (PA) 45 minutos (PA) 60 minutos (PA) 90 minutos (PA) 02 horas 03 horas 04 horas, etc.

O trânsito completo poderá durar até 24 horas. Os tempos de intervalos das radiografias poderão ser alternados por conveniência médica e normalmente a fase considerada final, é o estudo da válvula íleo-cecal, a qual deverá ser estudada com e sem compressão local, nos tempos enchendo, cheio, esvaziando e vazia.

15 MINUTOS EM AP (ESTÔMADO, DUODENO E JEJUNO - INÍCIO)

SÉRIE RADIOLOGIA E SABER8

POSICIONAMENTO EM PA30 MINUTOS EM PA (DUODENO E JEJUNO COMPLETO)

45 MINUTOS EM PA(JEJUNO E ÍLEO - INICIAL) 60, 90, 120 E 150 MINUTOS EM PA

SÉRIE RADIOLOGIA E SABER9 Enema Opaco

É o estudo radiológico contrastado do intestino grosso e requer um preparo intestinal prévio sob critério médico, variando de paciente para paciente (de acordo com a função intestinal de cada indivíduo). Realiza-se uma radiografia piloto (Simples de Abdômen), caso o preparo não seja satisfatório, é aconselhável suspender a realização do exame, exceto a critério médico.

Sendo o preparo intestinal adequado: Deve-se realizar a passagem de sonda retal, através da qual será ínjetada uma substância radiopaca positiva, não hidrossolúvel (sulfato de bário), diluída em água ou soro fisiológico na proporção aproximada de 80% de bário e 20% de água:

O meio de contraste, injetado via retrógrada no intestino grosso, deve atingir até a região do ceco (acompanhar através de escopia, ou monitoração TV)

Retira-se o excesso de contraste positivo e injetam-se aproximadamente 200cc de ar , (contraste negativo - duplo contraste) até causar um enchimento das alças intestinais (distensão).

Este duplo contraste é conhecido como prova de Fischer. Ao retirar a sonda reta, radiograva-se o paciente em: - Decúbito ventral (abdômen panorâmico);

- Decúbito dorsal (abdômen panorâmico);

- Oblíqua anterior esquerda (flexura esplênica);

- Oblíqua anterior direita (flexura hepãtica);

- Perfil de reto; Projeções axiais de sínfise púbica, chassard-Iapné e decúbitos com raios horizontais, são realizados a critério médico.

Pacientes em casos pós-operatórío e com bolsas de colostomia, podem se submeter ao exame, sendo realizado via fístula da colostomia, este tipo de exame denomina-se Fistulografia Intestinal.

Enema em crianças não se insufla ar, o contraste progride até onde for possível, a medida em que progride vai-se radiografando.

SÉRIE RADIOLOGIA E SABER10

ENEMA AXÍAL CAUDAL 30º - PA PARA RETO -SIGMÓIDEAXÍAL CAUDAL 30º - PA PARA RETO -SIGMÓIDE

ENEMA AXÍAL CRANIAL 30º - PA PARA RETO -SIGMÓIDEAXÍAL CRANIAL 30º - PA PARA RETO -SIGMÓIDE

SÉRIE RADIOLOGIA E SABER12

SÉRIE RADIOLOGIA E SABER13 Colecistograma Oral

E o estudo radiológico contrastado da vesícula biliar por via oral, a qual veio a ser realizada a primeira vez em 1924, e requer um preparo intestinal e jejum absoluto ,antecedendo-o, a critério médico. O meio de contraste utilizado deverá ser positivo, hidrossolúvel, hepatotrópico oral (ácido iopanóico ou ácido iocetâmico), que equivalem a 06 comprimidos tomados no almoço e 06 no jantar, de aproximadamente 15 a 20 horas antes do exame.

Paciente Ictérico (taxa de bilirrubina inferior a 20mg e taxa de retenção da BSP inferior a 45% em 45 minutos). Não devem tomar o meio de contraste positivo hepatotrópico (telepaque I colebrina), nem por via venosa (ioglicamato de meglumina). Aproximadamente 15 horas após o paciente ter ingerido o meio de contraste/será submetido a uma radiografia simples localizada da loja biliar, ou deve-se realizar simples de abdômen quando a vesícula não for visualizada nos raios X localizada.

A radiografia inicial poderá ser realizada em decúbito dorsal, ou em oblíqua posterior direita (posição Manoel de Abreu, que serve para dissociar loja biliar de loja renal).

Caso a vesícula não tenha sido contrastada a algum fator qualquer, tais como: obstrução do canal cístico, diarréia, úlceras estomacais, etc.

Poderá recorrer ao método de TWISS, que consiste em manter jejum sólido no paciente, dobrar a dose de meio contraste ingerida, fazendo radiografias com 24hs após a primeira dosagem.

Sendo observado nítida imagem da vesícula biliar e ducto cístico, solicita-se ao paciente deglutir uma substância gordurosa (ovo, iogurte, etc) conhecida como prova de Boyden, provocando um esvaziamento da vesícula, sendo que é sempre bom atentarmos para o risco de se executar tal prova em pacientes portadores de cálculos biliares multiformes, o que não é aconselhável.

A prova de Boyden nunca deve ser realizada com apenas uma só radiografia, mas também com 10, 20, 30, 40, 50 e 60 minutos após a ingestão da substância gordurosa, pesquisando assim uma possível adenomiose e colesteterose, além da chamada vesícula preguiçosa e até mesmo um possível esvaziamento exagerado da vesícula biliar correlacionada com uma colecistose (alteração da parede).

Para o estudo de cálculo que não sejam do tipo porcelana, aconselha-se realizar a manobra de AKERLUND KIRKLIN, que consiste em examinar o paciente em decúbito lateral direito com raios horizontais, e a manobra de AKERLUND, onde o paciente será examinado em posição ortostática e se possível recebendo uma leve compressão localizada na loja biliar, caso o paciente não fique ortostático, podendo recorrer à manobra de Kirklin.

(Parte 1 de 3)

Comentários