Educação de Jovens e Adultos

Educação de Jovens e Adultos

Educação de Jovens e Adultos

Alexandra Borges de Souza

Aline de Oliveira Harca

Tiago André Marques Malta

Dennis Willian Martins Teixeira Luiz Paulo Costa Braga Bisaggio

A educação de jovens e adultos é uma modalidade de ensino, amparada por lei e voltada para pessoas que não tiveram acesso, por algum motivo, ao ensino regular na idade apropriada. O desenvolvimento da alfabetização de adultos no Brasil acompanha a história da educação como um todo e teve início com o trabalho de catequização e ensino das primeiras letras, realizado pelos jesuítas, durante o Brasil colônia. Ao longo do tempo, o avanço econômico e tecnológico passou a exigir mão-de-obra cada vez mais qualificada e alfabetizada, com isso várias medidas políticas e pedagógicas foram sendo adotadas, tais como: a Campanha de Educação de Adolescentes e Adultos (CEAA), a Campanha Nacional de Erradicação do Analfabetismo (CNEA), o Movimento MOBRAL, o Ensino Supletivo entre outros.

A qualidade do ensino depende muito da relação professor-aluno. Palavras-Chave: educação de jovens e adultos; professor;aluno

1. Introdução

A educação básica é atualmente um dos pilares no processo de aprendizagem, logo a elevação da qualidade do ensino empreendido nas etapas iniciais é fator imprescindível para se atingir os patamares mínimos necessários ao processo de inclusão social. Portanto se faz urgente e necessário refletir sobre a prática pedagógica empreendida nesta fase da aprendizagem, ou seja, o processo de alfabetização. É preciso que a sociedade compreenda que alunos da EJA vivenciam problemas como preconceito, vergonha, discriminação, críticas dentre tantos outros. E que tais questões são vivenciadas tanto no cotidiano familiar como na vida em comunidade.

Para isso precisamos compreender que a EJA é uma educação possível e capaz de mudar significativamente a vida de uma pessoa, permitindo-lhe reescrever sua história de vida. Sabe-se que educar é muito mais que reunir pessoas numa sala de aula e transmitir-lhes um conteúdo pronto. É papel do professor, especialmente do professor que atua na EJA, compreender melhor o aluno e sua realidade diária. A qualidade do ensino depende muito da relação professor-aluno. “Podemos partir de um dado histórico, que tento destacar, não temos parâmetros oficiais que possam delinear o perfil do educador de jovens e adultos e de sua formação porque, também, não temos uma definição ainda muito clara da própria EJA. Essa é uma área que permanece em construção, em uma constante interrogação. O perfil do educador de jovens e adultos e sua formação encontra-se ainda em construção. Temos assim um desafio, vamos ter que inventar esse perfil e construir sua formação” (ARROYO, 2006).

2. ASPECTOS HISTÓRICOS DA EJA NO BRASIL

A história da Educação de Jovens e Adultos (EJA) apresenta muitas variações ao longo do tempo, demonstrando estar estreitamente ligada às transformações sociais, econômicas e políticas que caracterizaram os diferentes momentos históricos do país. Inicialmente a alfabetização de adultos para os colonizadores, tinha como objetivo instrumentalizar a população, ensinando-a a ler e a escrever. Essa concepção foi adotada para que os colonos pudessem ler o catecismo e seguir as ordens e instruções da corte, os índios pudessem ser catequizados e, mais tarde, para que os trabalhadores conseguissem cumprir as tarefas exigidas pelo Estado. A Constituição de 1934 estabeleceu a criação de um Plano Nacional de Educação, que indicava pela primeira vez a educação de adultos como dever do Estado, incluindo em suas normas a oferta do ensino primário integral, gratuito e de freqüência obrigatória, extensiva para adultos.

Em 1958, foi realizado o segundo Congresso Nacional de Educação de Adultos, objetivando avaliar as ações realizadas na área e visando propor soluções adequadas para a questão. Foram feitas críticas à precariedade dos prédios escolares, à inadequação do material didático e à qualificação do professor. A delegação de Pernambuco, da qual Paulo Freire fazia parte, propôs uma educação baseada no diálogo, que considerasse as características socioculturais das classes populares, estimulando sua participação consciente na realidade social. Nesse congresso se discutiu, também, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional e, em decorrência, foi elaborada em 1962 o Plano Nacional de Educação, sendo extintas as campanhas nacionais de educação de adultos em 1963.

A década de 70, ainda sob a ditadura militar, marca o início das ações do

Movimento Brasileiro de Alfabetização – o MOBRAL, que era um projeto para se acabar com o analfabetismo em apenas dez anos. Após esse período, quando já deveria ter sido cumprida essa meta, o Censo divulgado pelo IBGE registrou 25,5% de pessoas analfabetas na população de 15 anos ou mais. O programa passou por diversas alterações em seus objetivos, ampliando sua área de atuação para campos como a educação comunitária e a educação de crianças.

O ensino supletivo, implantado em 1971, foi um marco importante na história da educação de jovens e adultos do Brasil. Foram criados os Centros de Estudos Supletivos em todo o País, com a proposta de ser um modelo de educação do futuro, atendendo às necessidades de uma sociedade em processo de modernização. O objetivo era escolarizar um grande número de pessoas, mediante um baixo custo operacional, satisfazendo às necessidades de um mercado de trabalho competitivo, com exigência de escolarização cada vez maior.

No início da década de 80, a sociedade brasileira viveu importantes transformações sócio-políticas com o fim dos governos militares e a retomada do processo de democratização, basta lembrar da campanha nacional a favor das eleições diretas. Em 1985, o MOBRAL foi extinto, sendo substituído pela Fundação EDUCAR. O contexto da redemocratização possibilitou a ampliação das atividades da EJA. Estudantes, educadores e políticos organizaram-se em defesa da escola pública e gratuita para todos. A nova Constituição de 1988 trouxe importantes avanços para a EJA: o ensino fundamental, obrigatório e gratuito, passou a ser garantia constitucional também para os que a ele não tiveram acesso na idade apropriada.

Contudo, a partir dos anos 90, a EJA começou a perder espaço nas ações governamentais. Em março de 1990, com o início do governo Collor, a Fundação EDUCAR foi extinta e todos os seus funcionários colocados em disponibilidade. Em nome do enxugamento da máquina administrativa, a União foi se afastando das atividades da EJA e transferindo a responsabilidade para os Estados e Municípios.

Em janeiro de 2003, o MEC anunciou que a alfabetização de jovens e adultos seria uma prioridade do novo governo federal. Para isso, foi criada a Secretaria. Extraordinária de Erradicação do Analfabetismo, cuja meta é erradicar o analfabetismo durante o mandato de quatro anos do governo Lula. Para cumprir essa meta foi lançado o Programa Brasil Alfabetizado, por meio do qual o MEC contribuirá com os órgãos públicos estaduais e municipais, instituições de ensino superior e organizações sem fins lucrativos que desenvolvam ações de alfabetização.

3. Vigotski

Para tentarmos entender o processo da aprendizagem, o que veio primeiro a nossa mente foram os conceitos primorosos de Vigotski que enfatiza, o desenvolvimento do indivíduo como um resultado de um processo sócio-histórico. Sua teoria também é conhecida como sócio-interacionista, enfatizando o papel do contexto histórico e cultural nos processos de desenvolvimento e aprendizagem, no qual o aluno aprende junto ao seu grupo social, ao passo que também constrói os elementos integrantes do seu meio, tais como: valores, linguagem e até o próprio conhecimento. Ele enfatiza que as origens das formas superiores do comportamento (lembrar, comparar, falar, pensar etc) deveriam ser estudadas a partir das relações sociais que os indivíduos estabelecem como o meio social em que vivem. Vygotsky afirma que todas as funções superiores originam-se das relações reais entre os indivíduos humanos, e que elas aparecem duas vezes em sua vidas: interpsicologicamente e intrapsicologicamente. E o que nos fez unir as teorias vigotskiana como os conceitos de Paulo Freire foi a importância dada por ambos para a interação social. Segundo Paulo Freire a prática pedagógica necessita estar vinculada aos aspectos históricos e sociais para facilitar a compreensão e elucidação das questões que realmente importam para os envolvidos no processo educativo, para ele se não ocorre uma reflexão sobre si mesmo, sobre seu papel no mundo, não é possível ultrapassar os obstáculos que o próprio mundo impõe, por isso a ação do professor, tendo ele consciência ou não, estimula o aluno à libertação ou à opressão.

4. A EJA e LDB

A Educação de Jovens e Adultos - EJA está prevista na LDB 9.424/1996 e classificada como parte integrante da Educação Básica, portanto deve ser encarada com o mesmo compromisso presente no ensino fundamental. Todavia um breve levantamento já pode evidenciar as divergências na aplicabilidade deste segmento escolar. Do ponto vista pedagógico podemos destacar a falta de profissionais habilitados para trabalhar com adultos, a falta de recursos didáticos, e, sobretudo, a falta de estratégias metodológicas direcionadas para este público específico. São muitos os entraves encontrados por aqueles que já tiveram alguma experiência na Educação de Jovens e Adultos. Apesar da importante função social desempenha por esta modalidade educativa, uma vez que se encarrega de reparar as desigualdades causadas àqueles alunos evadidos do ensino regular. Hoje é notável a expansão da educação básica, e há um quantitativo de vagas cada vez mais crescente a fim de fazer jus ao princípio da obrigatoriedade “toda criança na escola”.

Entretanto, as condições sociais adversas acabam condicionando o sucesso de muitos alunos. A média nacional de permanência na escola no período obrigatório é de oito anos, todavia a realidade se estende até os 1 anos em média, e muitos alunos permanecem no ensino fundamental, quando já deveriam estar cursando o ensino médio. As expressões mais claras desta realidade são as repetências, a reprovação, e principalmente, a evasão. Ambas promovem a manutenção da distorção idade e ano escolar retardando o acerto no fluxo escolar que continua a reproduzir excluídos. Neste contexto perverso a Educação de Jovens e Adultos em muitos casos se constitui na única alternativa de inclusão social para os alunos que já estão fora do sistema de ensino. Precisam ser oferecidas condições para que os alunos possam construir suas idéias a partir de suas experiências, tornado-se sujeitos sócio-culturais aptos a conhecer diferentes épocas e lugares, e poder compará-los com sua própria história de vida, ou seja, é preciso que se desenvolva propostas de ensino dinâmicas que resguarde as determinações da Lei de Diretrizes e Bases / 9.424/ 96

5. Propostas

Por entendermos que a escola é um espaço onde os alunos são atores centrais da própria aprendizagem, a construção através de processos colaborativos e interdisciplinares. Segundo Perrenoud [s.d.]: O objetivo da escola não deve ser passar conteúdos, mas preparar – todos – para a vida em uma sociedade moderna.

Para trabalhar a partir desses novos paradigmas, o professor deve ter uma formação adequada. É inegável que a função do professor é ensinar; desse modo, precisa se voltar para a realidade dos seus alunos, vistos como seres reais, em situações definidas. Infelizmente a prática pedagógica do professor é influenciada por fatores internos e por fatores externos, como as questões sociais, e a diversidade cultural num dado contexto histórico – político. Nessa perspectiva, a atuação do professor não depende exclusivamente de sua vontade, visto que é um ser contextualizado, num cenário psicossocial vivo e mutável no qual interage ao mesmo tempo, com múltiplos fatores e condições. Desse modo, para ser ou se tornar um profissional competente, o professor deve atuar com versatilidade, criando uma nova realidade na sala de aula, experimentando, corrigindo e inventando através do diálogo que estabelece com essa realidade. Assim, é tarefa do educador construir o seu próprio conhecimento na busca constante de aprender a aprender, aprender a fazer, aprender a conviver e aprender a ser. Dessa maneira, ele constrói e compara novas estratégias, novas fórmulas de pesquisa; enfim, cria situações em aula e na escola que propiciam aos alunos a consciência da realidade em que vivem. Essa mesma realidade se converte no campo de experimento do professor possibilitando que ocorram mudanças, na medida que consegue resolver os problemas existentes.

Sendo assim, entendemos que o educador precisa ter um novo olhar sobre o processo de ensino e aprendizagem, sobretudo quando se trata da EJA, tornando-se necessário que vislumbre a educação como fator de transformação da sociedade e que mantenha atitudes dialógicas em sala de aula, possibilitando ao educando um maior entendimento sobre a realidade, ampliando assim a sua leitura de mundo e suas perspectivas de qualidade de vida.

Por esse motivos, destacamos, na organização do trabalho do professor e do aluno: divisão dos alunos por faixa etária; a valorização dos conhecimentos prévios dos alunos; a construção da autonomia; o fortalecimento da auto-estima e; importância da relação professor alunos e estabelecimento de relações entre saber escolar/trabalho.

Divisão dos alunos por faixa etária

A Divisão dos alunos do EJA em classes etárias para modificar a heterogeneidade das classes, por acreditarmos que ao delimitar-mos as faixas de idade dos alunos, contribuiríamos para a melhor assimilação do conteúdo transmitido pelo educador. Para tal, nos baseamos no conceito de desenvolvimento de Erik Erikson, onde consiste a teoria de que o desenvolvimento não termina na fase latente abordada pela psicanálise convencional e sim, se estendia pelo decorrer da vida do indivíduo.

Valorização dos conhecimentos prévios dos alunos

Os conhecimentos prévios são construídos pelos indivíduos a partir de sua interação com o meio físico, social e cultural sendo, portanto, advindos das experiências diárias. De acordo com o pensamento de Kalil (1999), citado por Santos (2001, p. 42), (...) o professor deve procurar trabalhar com conteúdos culturais relevantes e motivadores, cujo significado seja de fácil assimilação, procurando estabelecer o vínculo com os conceitos espontâneos dos seus alunos, o que certamente os levará a compreender o todo e, conseqüentemente, ter uma aprendizagem significativa. Dessa forma devemos levar em consideração a experiência de vida desses alunos uma vez que está aprendizagem não se dá somente no espaço escolar. Devemos levar em consideração os frutos que foram colhidos na sociedade.

Autonomia

De acordo com Neves (1995, p. 87), A autonomia é um valor inerente ao ser humano: o homem não nasceu para ser escravo ou tutelado mas para ser livre, autônomo (...), a autonomia não é um valor absoluto, fechado em si mesmo, mas um valor que se define numa relação de interação social.Valorizar a participação do aluno como aspecto essencial para o processo de conhecimento, que não é visto como acabado, mas construído na interação aluno/professor, aluno/aluno, respeitando o ritmo de aprendizagem e as suas experiências. Convidar o educando a participar do cotidiano da sala de aula no sentido de sentir-se como sendo-parte, com co-responsabilidade, incentivando-o a buscar o conhecimento, a tomar decisões, a pensar por si mesmo, com capacidade de interagir e construir com outras formas de saber.

O fortalecimento da auto-estima

É necessário que o professor desenvolva o trabalho pedagógico pautado no respeito à autonomia dos seus educandos, valorizando a cooperação e o diálogo, evitando a coerção e a dominação, observando as diferenças intelectuais, afetivas e emocionais, buscando a formação de atitudes reflexivas, como serem tolerantes e respeitarem o outro. O educador precisa estar atento aos aspectos relacionados ao desenvolvimento da auto-estima, uma vez que muitos dos seus alunos tiveram experiências sucessivas de fracasso escolar e de exclusão social. Nesse sentido, cabe ao professor criar situações de aprendizagem que possibilitem ao aluno verbalizar o seu pensamento enfatizando, também, que todos têm habilidades e qualidades distintas uns dos outros e são capazes de aprender.

Relação professor aluno

Esta relação precisa estar permeada pelo respeito entre os atores do processo educativo, no sentido de que os educandos possam adquirir confiança na busca de soluções para os problemas surgidos no dia-a-dia da escola ou em outros espaços de aprendizagem. Quando é estabelecido um clima de bom relacionamento entre educandos e educadores, a aprendizagem é favorecida, contribuindo, portanto, para o crescimento dos sujeitos que estão sob a responsabilidade do professor que deve auxiliá-los na superação das dificuldades em sala de aula.

O estabelecimento de relações entre saber escolar/trabalho

Pensamos que seria interessante adequar o saber escolar com o trabalho, se levarmos em consideração a faixa etária dos educandos envolvidos nesse projeto veremos a importância de prepara esse aluno ou qualificá-lo para o mercado de trabalho. Uma educação cidadã (de qualidade) contribui para o fortalecimento das pessoas frente aos desafios advindos da sociedade em constante transformação, fornecendo-lhes melhores possibilidades de pensarem e de repensarem alternativas para a superação de situações problema. Não se trata, portanto, de atribuir à escola apenas a função de transmissora do conhecimento já elaborado pela humanidade, e sim, ampliar o seu papel de formadora de cidadãos, dando a ele a possibilidade de unir o que é aprendido na escola com as suas atividades profissionais;

Bibliografia:

CARVALHO, Olgamir Francisco de, SENA, Valéria Kneipp. Fundamentos da Educação de Jovens e Adultos: módulo I, unidade 2. Brasília: SESI-DN, 2000, 204p, p.107-193(Parecer CEB/CNE n.º 1/2000).

ERIKSON, E. H. O ciclo da Vida Completo; trad. Maria Adriana Verissimo Veronese. - Porto Alegre, Artes Médica,1998.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Paz e Terra, 1991. EJA: UMA EDUCAÇÃO POSSÍVEL OU MERA UTOPIA? * Selva Paraguassu Lopes

FREIRE P. Conscietização – São Paulo, Cortez e Moraers, 1980.

PROGRAMA BRASIL ALFABETIZADO. http://mec.gov.br/alfabetiza/default.htm. Acesso em: 2 set. 2008.

VIEIRA, Maria Clarisse. Fundamentos históricos, políticos e sociais da educação de jovens e adultos – Volume I: aspectos históricos da educação de jovens e adultos no Brasil. Universidade de Brasília, Brasília, 2004.

Comentários