queimadas controladas e descontroladas

queimadas controladas e descontroladas

Queimadas Controladas

ÍNDICE

  1. INTRODUÇÃO

As queimadas são um instrumento de maneio importante e barato para fazer a gestão de pastagens naturais, caca e para fertilização dos solos. O fogo "limpa" as pastagens, removendo erva que não foi pastoreada, uma parte do lixo e controla a densidade das plantas lenhosas (árvores & arbustos). Os fogos também estimulam o crescimento das gramíneas perenes nas savanas, fornecendo ao gado rebentos nutritivos (BATISTA, A. C. 1995).

Mas grande parte das queimadas são descontroladas o que tem um impacto destruidores para a natureza e biodiversidade. O efeito destruidor sobre diversas comunidades de vegetação e de espécies animais, reduzem o retorno ao solo da matéria orgânica e provoca uma diminuição da fertilidade do solo a longo prazo. As consequências ambientais dos fogos nas pastagens e pastos naturais dependem do contexto ambiental e das condições de aplicação.

Neste trabalho pretendo falar das queimadas controladas que é um meio ecologicamente aceite e correcto de gestão de queimadas. no mesmo pretendemos definir, caracterizar e mencionar os benefícios desta pratica.

  1. OBJECTIVOS

Geral:

  • Estudar as queimadas controladas;

Específicos:

  • Identificar razões e benefícios das queimadas controladas;

  • Definir queimadas controladas;

  • Identificar os tipos e os cuidados a ter nesta pratica.

  1. METODOLOGIA

o trabalho é inteiramente bibliográfico tendo recorrido a documentos e artigos publicados na internet, manuais.

Após a pesquisa, fez-se uma síntese que culminou com o presente trabalho.

  1. QUEIMADAS CONTROLADAS (DEFINIÇÃO)

Por definição queimada controlada é a aplicação controlada do fogo em combustíveis (pasto vegetal), tanto no estado natural como alterado sob determinadas condições de clima, de humidade do material combustível, de humidade do solo, entre outros, de tal forma que o mesmo seja confirmado a uma área pré-determinada e produza a intensidade de calor e a taxa de propagação para favorecer certos objectivos do maneio.

Em suma queimadas controladas pressupõem o uso do fogo de maneira benéfica e correcta num ambiente.

  1. OBJECTIVOS DAS QUEIMADAS CONTROLADAS

  • Reduzir o acúmulo de material combustível em povoamentos

Nestes casos a queimas controladas visa manter área limpas dos povoamentos, aumentar o número e a visibilidade de factores, provocar mudanças nos tipos vegetais, atracção da fauna, etc.

  • Melhorar, Facilitar e induzir o surgimento de novas pastagens

O fogo controlado pode ser utilizado no manejo de pastagem, aumentando a palatabilidade, qualidade, quantidade e disponibilidade de gramíneas e ervas forrageiras a sua acção ocorre sob o material seco de baixo valor nutricional, que dá lugar à nova rogação, com maior teor de proteína, fósforo e cálcio que ficam disponíveis rapidamente.

  • Preparo do terreno

O fogo é considerado o instrumento mais barato para o preparo de terrenos para o plantio, tanto de espécies agrícolas como florestais, pois os resíduos de exploração ou restos de culturas anteriores são barreiras físicas para o plantio manual ou mecânico. Custa 10% do valor de qualquer outro tratamento para o preparo do solo para plantios sendo também, uma das poucas alternativas para terrenos acidentados.

  • Controle de espécies indesejáveis

O uso de queima controlada para controlar espécies indesejáveis e recomendado desde que estas sejam mais sensíveis ao fogo do que aquelas que se deve proteger.Por exemplo para controlar a regeneração do sub-bosque em povoamentos de pinos, onde não é viável o controle cultural, ou químico a queima controlada é uma alternativa viável.

  • Controle de pragas e doenças

A queima controlada também pode ser utilizada para erradicar culturas ou indivíduos contaminados com pragas ou doenças, sendo mais utilizadas em áreas agrícolas(BATISTA, A. C. 1990).

ex: Fungos, Insectos como serradores ou a mariposas (Ex - Glenna spp.)..

  1. TIPOS DE QUEIMADAS CONTROLADAS

Segundo (SOARES, R. V. 1985), as queimadas controladas classificam-se em função das técnicas usadas para a realização da queimada a destacar:

  • Queima contra o vento

Consiste em fazer o fogo progredir na direcção contrária ao vento. O fogo pode ser iniciado ao longo de uma linha de base preparada, que pode ser uma estrada, um aceiro, um córrego ou outra forma de barreira e deixa-se que prossiga contra o vento. É considerada a técnica mais fácil e segura de queima controlada desde que o vento seja constante tanto em direcção como em velocidade. Pode ser usada em grandes concentrações de combustíveis.

Desvantagens - Tempo gasto na operação; necessidade da construção de aceiros no interior da área em intervalos frequentes; presença de ventos com velocidade entre 6.5 e l6 km/hora para que a fumaça seja bem dissipada e o calor não suba directamente para a copa das árvores; não deve ser utilizada em áreas inclinadas. Esta técnica é recomendada para a primeira redução de combustível nos povoamentos.

  • Queima em faixas a favor do vento

Consiste em se colocar uma linha de fogo ou uma série de linhas de fogo de tal forma que nenhuma linha individual possa desenvolver alta intensidade antes de encontrar outra linha de fogo ou aceiro. A distância entre as linhas varia de 20 a 60 metros. Frequentemente usa-se uma combinação da queima a favor e da queima contra o vento para tratar uma área. Este método é relativamente rápido, flexível e geralmente de custo moderado. Pode ser usado para reduções periódicas de combustível no interior das plantações, desde que a primeira redução tenha sido feito através da técnica contra o vento.

Desvantagens

Necessidade de acesso no interior da área; aumento da intensidade no encontro das linhas de fogo que aumentam a possibilidade de crescimento das copas.

  • Queima de flancos

Consiste em acender linhas de fogo paralelas à direcção do vento, de modo que o fogo se propague formando um ângulo recto com o mesmo. Este método de queima não deve ser utilizado quando ocorrem alterações na direcção do vento, porém é muito útil em pequenas áreas ou para facilitar a queima de grandes áreas em períodos de tempo relativamente curtos.

  • Queima em manchas

Emprega uma série de pequenos pontos ou círculos de fogo que queimam em todas as direcções mas vão se encontrar antes de se tornarem muito grandes propagando-se violentamente. Quando utilizados em áreas de resíduos de exploração, deve-se estar atento para que os pontos de fogo não fiquem distanciados entre si mais do que 40 a 60 metros, para se evitar que se crie zonas com aumento de intensidade, nem tão longe que possa permitir que pontos individuais se tornem queimas indesejáveis a favor do vento. Uma equipe bem treinada pode queimar extensas áreas em pouco tempo.

  • Queima central (ou em Anel)

Vários pontos de fogo, em forma mais ou menos circular, são acesos no centro da área. A propagação destes ponto de fogo vai se acelerar a medida que a medida que a liberação de calor aumenta, formando uma activa coluna de convicção. Em áreas maiores de 40 há, uma segunda série de pontos de fogo é iniciada (formando um anel em volta da primeira), entre 15 e 30 metros do limite externo da área. Devido a forte coluna de convicção criada na região central, o fogo não se propaga com muita intensidade na direcção dos limites externos da área.É uma técnica bastante utilizada em actividades florestais, principalmente na eliminação de resíduos de exploração, para o preparo do terreno para o plantio ou para melhorar o habitat da fauna silvestre em pequenas aberturas ou clareiras na floresta (SOARES, R. V. 1985).

  • Queima em V (ou Chevron)

Utilizada para queima de áreas montanhosas. Consiste em acender linhas de fogo simultaneamente, partindo de um único ponto no ápice da montanha, fazendo com que progrida para a parte baixa basicamente este método envolve o conceito da queima de flancos, excepto que as linhas de fogo não são paralelas.

  1. APLICAÇÃO DA QUEIMA CONTROLADA

As queimas devem ser utilizadas quando existe a real necessidade da sua aplicação. Observando-se quais serão os benefícios e os danos causados pelas mesma. Deve ser considerado o fato de que a acção do fogo sobre qualquer área não são nunca totalmente benéficas sendo imprescindível estabelecer a estação do ano mais favorável, a melhor hora do dia e o correcto intervalo entre as queimas.

  1. PLANO DE QUEIMA

Por ser um trabalho altamente técnico que exige conhecimentos do comportamento do fogo, seus efeitos sobre o ambiente e técnicos de combate, a queima controlada necessita da elaboração de um plano escrito e detalhado para cada queima (SOARES, R. V. 1985).

Os principais pontos abordados em um plano de queima controlada são:

a) Descrição e localização da área a ser queimada. Incluindo tipo de vegetação, topografia, tipo e quantidade de combustível, hectares a serem queimados, um mapa com aceiros, limites da área, estradas, etc.

b) Objectivos da Queima - Definindo as razões para a utilização do fogo, qual a acção

esperada do fogo, quanto material combustível será consumido, seu efeito sobre as espécies arbóreas, intensidade, altura de crestamento, etc.

c) Condições Climáticas Ideais - Com base no comportamento do fogo estabelecer os limites dos factores climáticos (temperatura do ar, velocidade e direcção do vento, humidade relativa e índice de perigo do fogo condições sob as quais a queima pode ser realizada sem danos ao ambiente.

d) Técnica de Queima - O método de queima a ser usado depende da quantidade de combustível e da intensidade de fogo desejada. (ex:. queima contra o vento).

e) Vigilância, Controle e Rescaldo - A vigilância durante o transcorrer de uma queima controlada é imprescindível para que o fogo fuja de controle, bem como o rescaldo que se deve eliminar todos os vestígios de fogo remanescentes após o término da queima.

f) Avaliação da Queima Deve ser realizada após a queima registando a data, hora da queima e comportamento do fogo observados (velocidade de propagação, intensidade, altura de crestamento e quantidade de combustível consumida), bem como os registos das condições climáticas e os efeitos do fogo sobre o ambiente. Todos estes factores irão determinar a eficiência da queima. 

  1. REGRAS E CUIDADOS NA QUEIMADA

Para se queimar com racionalidade, é preciso seguir os Dez Mandamentos da Queimada Controlada.

1 - Obter autorização legal para queima controlada.

2 - Reunir e mobilizar os vizinhos, para fazer queimada controlada, de maneira que um possa ajudar o outro. Assim, o calor será menor e o solo será menos impactado com a temperatura.

3 - Evitar queimar grandes áreas de uma só vez, pois as distâncias dificultam o controle do fogo.

4 - Fazer aceiros, observando as características do terreno e altura da vegetação. Em terreno inclinado, o fogo se alastra mais rapidamente, devendo-se construir valas na parte mais baixa, para evitar que o material em brasa saia da área queimada. A largura dos aceiros deve ser 2,5 vezes a altura da vegetação em regiões de pastagens e/ou Cerrado ou, no mínimo, 3 metros, para o caso de queima controlada.

5 - Limpar completamente o aceiro, sem deixar restos de folhas ou paus, de qualquer natureza, no meio da faixa.

6 - Prestar atenção à força e direcção do vento, à humidade e às chuvas. Só queimar quando o vento estiver fraco. Nunca comece um fogo na direcção contrária dos ventos. Inicie no sentido dos ventos. Se a queima for realizada após as primeiras chuvas, é possível evitar o risco de o fogo escapar e evitar os danos causados pelo acúmulo de fumaça no ar.

7 - Queimar em hora fria. De manhã cedo, no final da tarde, ou à noitinha, é mais seguro, pois a temperatura é mais baixa e a vegetação está mais húmida.

8 - Nunca deixe árvores altas, sem serem cortadas, no meio da área a ser queimada. Elas demorarão a queimar, permitindo que o vento jogue fagulhas à distância, provocando incêndios em áreas vizinhas, sobretudo, se forem pastagens.

9 - Permaneça na área da queimada, após o fogo, pelo menos, por duas horas, a fim de verificar se não haverá pequenos focos de incêndio, na vizinhança, provocados pelos ventos.

10 - Tenha sempre disponível, para ser utilizado, em caso de ter de controlar o fogo, o seguinte material: a) enxada; b) abafador; c) foice; d) bomba costas; e) baldes com água

  1. IMAGENS DE QUEIMADAS CONTROLADAS

imagem de controlada pelo homem queimada em faixa

queimada descontrolada técnicas de queimada

técnicas de queimada

  1. CONCLUSÃO

As queimadas controladas reduzem o risco de fogos violentos ou extensos que consomem a camada inferior combustível quando uma certa quantidade de humidade é atingida. Uma queimada moderada não é tão agressiva para as plantas e animais, adaptados nestes ambientes a fogos periódicos.

Para o pasto as queimadas controladas podem convertesse numa técnica benéfica pós para alem de melhorar o pasto pode melhorar a capacidade de troca cationica o que beneficia a brotação das espécies locais.

  1. BIBLIOGRAFIA

BATISTA, A. C. Incêndios Florestais. Recife : Universidade Federal Rural de Pernambuco - Curso de Eng. Florestal. 115 p, 1990.

BATISTA, A. C. Avaliação da Queima Controlada em Povoamentos de Pinus taeda L. no Norte do Paraná. Curitiba. Tese (Doutorado em Eng. Florestal), Setor de Ciências Agrárias, UFPR. 108 p, 1995.

Fonte: www.jperegrino.com.bt

SOARES, R. V. Incêndios Florestais - Controle e Uso do Fogo. Curitiba : FUPEF, 213 p, 1985.

SOARES, R. V. Prevenção e Controle de Incêndios Florestais. Curitiba : FUPEF, 72 p, 1979.

Pastos e Forragem Página 12

Comentários