Relatorio composicao do betao

Relatorio composicao do betao

(Parte 2 de 4)

Execuçao

Com o auxilio da balança:

1º. Pesou-se o molde seco e limpo

Massa = 1,355Kg

2º. Pesou-se o molde + placa de vidro

Massa =1,948Kg

3º. Pesou-se o molde + placa de vidro + água

Massa = 2,961Kg

Nota: Neste passo usou-se o burificador para retirar as bolhas da agua.

Com o auxilio do termómetro

T º= 27ºC, e a massa volúmica da água a esta temperatura é =0,9963 kg/dm3

4º. Introduziu-se o inerte no molde ja seco, eseguida compactou-se batendo 30 vezes o molde contra o chão(pancadas) a uma altura aproximada de 2cm do chão.

Molde+massa do inerte 1 = 2,699 Kg

Molde+massa do inerte 2 = 2,758Kg

Nota: Para certificar se que o volume ocupado pelo inerte fosse o mesmo que o da agua no molde, usou-se uma regua para retirar os excessos.

Analise dos resultados

M=massa

M (molde) = 1,335Kg

M (molde + placa de vidro) = 1,948Kg

M (molde+agua+placa de vidro) = 2,961Kg

Mv (agua) = 0,9963Kg/dm3

M (H2O) = 2,961Kg-1,948Kg = 1,013kg

M (inerte) = M(molde + inerte) – M(molde seco e limpo)

M (inerte1)= 2,699 Kg -1,335 Kg=1,334 Kg

M (inerte2) = 2,758Kg-1,335Kg = 1,423Kg

B =

B1 =

B2=

1.3 ENSAIO DE ABSORÇÃO DE ÁGUA

TITULO: Determinação da capacidade de absorção de água dos inertes.

OBJECTIVO: Este ensaio quando procedido pode levar a uma melhor correção das amassaduras devida à humidade dentro do inerte

Norma: NP-954 (1973).

MATERIAL UTILIZADO:

  • Bandeja

  • Balança

  • Picnómetro

  • moldes

  • peneiros (4,75mm e 9mm)

PROCEDIMENOS DE EXECUÇÃO DO ENSAIO:

  • Peneiramento de uma parte de inerte

  • Pesar o inerte

  • Imergir em moldes cheios de água

  • Manter na água por 24 horas;

  • Após a reritada da água, pesar os picnómetros com o inerte saturado

  • Limpar a superfície do inerte e pesar novamente

  • Determinar a absorção da água.

Onde:

M2- massa do inerte saturado seco

M3- massa do inerte saturado

Mp-massa do picnométro

Para uma melhor interpretação dos resultados obtidos recorremos a construção de uma tabela:

Inerte fino

Inerte grosso

Picnómetro

1

1

Mp

158

158

M1

431

491

M2

825

846

M3

1609

1632

Absorção

1.13

1.29%

Conclusão

A granulometria influencia sobre as propriedades do betão, particularmente no que se refere à compacidade e à trabalhabilidade (maior ou menor facilidade com que o betão é amassado, transportado, colocado, compactado e acabado e a menor ou maior facilidade de segregação durante essas operações).

A baridade afecta a maneira do seu arranjo (compacidade).

CAPÍTULO 3

CÁLCULO DA COMPOSIÇÃO DO BETÃO

    1. Metódo de Faury

    2. Cimento aconselhado

    3. Água da amassadura

    4. Percentagens ideiais

    5. Determinação do traço

    6. Pesos dos componentes que entram na mistura

1.1 Método de Faury

Para o cálculo da composição do betão usamos o método de Faury, pois achamamos conviniente e é de facil conhecimento.

O seguinte fluxograma apresenta o resumo acerca deste método.

Foram nos passados os seguintes dados, acrescentando com alguns obtidos nas tabelas:

Betão- B25

Massas volumicas:

  • Britas (partículas saturadas com superfície seca)................2.700 Kg/dm3

  • Areia (partículas saturadas com superfície seca).................2.650 Kg/dm3

  • Cimento................................................................................3.100 Kg/dm3

Dosagem do cimento...................................................................10Kg/m3

Trabalhabilidade mole (abaixamento do Cone de Abrams de 5 a 10 cm)

Aplicação em estruturas de betão armado

Efeito de parede desprezado (R/D = 1)

1.2 Dosagem de Cimento Aconselhado

≈388 Kg/m3

Dmáx=19.1

1.3 Água da amassadura

Dosagem da água:

Vágua= Ivazios-Vvazios

(Parte 2 de 4)

Comentários