agentes de risco

agentes de risco

AGENTES DE RISCO OCUPACIONAL

O que são agentes de risco?

  • Agentes ou situações que possam trazer comprometer ou ocasionar danos:

  • i) à saúde do trabalhador nos ambientes de trabalho, em função de sua natureza, concentração, intensidade e tempo de exposição;

  • ii) à qualidade do trabalho desenvolvido;

  • iii) aos animais;

  • iv) ao ambiente.

Classificação dos agentes de risco

  • Portaria nº 3.214, do Ministério do Trabalho do Brasil, de 1978

  • Norma Regulamentadora nº 5 (NR-5)

  • Consolidam a legislação trabalhista, relativas à segurança e medicina do trabalho.

RUÍDOS

  • RUÍDOS

  • Consequências

  • fadiga nervosa;

  • irritabilidade; perda temporária ou definitiva da audição, etc.

  • Medidas de controle 

  • Proteção coletiva: isolamento da máquina; isolamento de ruído. 

  • Proteção individual: EPI - protetor auricular.

  • Medidas médicas: exames audiométricos periódicos, afastamento do local de trabalho, revezamento. 

  • Medidas educacionais: orientação para o uso correto do EPI, campanha de conscientização. 

  • Medidas administrativas: tornar obrigatório o uso do EPI: controlar seu uso. 

VIBRAÇÃO

  • VIBRAÇÃO

  • Consequências

  • alterações neurovasculares nas mãos;

  • problemas nas articulações das mãos e braços;

  • osteoporose (perda de substância óssea);

  • lesões na coluna vertebral;

  • dores lombares.

  • Medidas de controle

  • Revezamento dos trabalhadores expostos aos riscos (menor tempo de exposição).

RADIAÇÕES

  • RADIAÇÕES

  • Consequências

  • perturbações visuais (conjuntivites, cataratas);

  • queimaduras;

  • lesões na pele;

  • câncer; etc.

  • Medidas de controle 

  • Proteção coletiva: isolamento da fonte de radiação (ex: biombo protetor para operação em solda, pisos e paredes revestidas de chumbo em salas de raio-x). 

  • Proteção individual: EPI (ex: avental, luva, perneira e mangote de raspa para soldador , óculos para operadores de forno). 

  • Medida administrativa: ex: dosímetro de bolso para técnicos de raio-x. 

  • Medida médica: exames periódicos.

CALOR

  • CALOR

  • Consequências

  • desidratação;  erupção da pele;  fadiga física;  distúrbios psiconeuróticos;  problemas cardiocirculatórios.

  • FRIO

  • Consequências

  • feridas;  rachaduras e necrose na pele;  agravamento de doenças reumáticas;  predisposição para doenças das vias respiratórias.

  • Medidas de controle

  • Proteção coletiva: isolamento das fontes de calor/frio. 

  • Proteção individual: EPI (ex: avental, bota, capuz, luvas especiais).

POEIRAS

  • POEIRAS

  • Poeiras minerais  Ex: sílica, asbesto (amianto), carvão mineral. 

  • Consequências:

  • silicose (sílica), asbestose (amianto),

  • pneumoconiose dos minérios de carvão

  • Poeiras vegetais  Ex: algodão, bagaço de cana-de-açúcar. 

  • Consequências:

  • bissinose (algodão);

  • bagaçose (cana-de-açúcar)

Poeiras alcalinas  Ex: calcário 

  • Poeiras alcalinas  Ex: calcário 

  • Consequências:

  • doenças pulmonares obstrutivas crônicas;

  • enfizema pulmonar 

  • FUMOS

  • Partículas sólidas produzidas por condensação de vapores metálicos. Ex: fumos de óxido de zinco nas operações de soldagem com ferro.

  • Consequências:

  • doença pulmonar obstrutiva,

  • febre de fumos metálicos,

  • intoxicação específica de acordo com o metal.

  • NÉVOAS

  • Partículas líquidas resultantes da condensação de vapores ou da dispersão mecânica de líquidos.

  • Ex: névoa resultante do processo de pintura a revólver, sprays ou aerossóis.

  • GASES

  • Estado natural das substâncias nas condições usuais de temperatura e pressão.

  • Ex: hidrogênio, ácido nítrico, butano, etc.

VAPORES

  • VAPORES

  • Consequências

  • Irritantes: irritação das vias aéreas superiores.

  • Ex: ácido clorídrico, ácido sulfúrico, soda cáustica, cloro, etc. 

  • Asfixiantes: dor de cabeça, náuseas, sonolência, convulsões, coma e morte.

  • Ex: H2, N2, CH4, CO2 , CO, etc.

  • Anestésicos: ação depressiva sobre o sistema nervoso, danos a diversos órgãos, ao sistema formador de sangue (benzeno), etc. 

  • Ex: butano, propano, aldeídos, cetonas, cloreto de carbono, tricloroetileno, benzeno, tolueno, álcoois, percloritileno, xileno, etc.

Medidas de controle

  • Medidas de controle

  • Proteção coletiva: Ventilação e exaustão, substituição do produto químico utilizado por outro menos tóxico, redução do tempo de exposição, estudo de alteração de processo de trabalho, conscientização dos riscos no ambiente.

  • Proteção individual: EPI como medida complementar ex: máscara de proteção respiratória para poeira, para gases e fumos; luvas de borracha, neoprene para trabalhos com produtos químicos, afastamento do local de trabalho.

AGENTES BIOLÓGICOS

  • AGENTES BIOLÓGICOS

  • Consequências

  • tuberculose

  • brucelose

  • malária

  • febre amarela.

  • Medidas de controle

  • saneamento básico (água e esgoto), controle médico permanente, uso de EPI, higiene rigorosa nos locais de trabalho e pessoal, uso de roupas adequadas, vacinação, treinamento, sistema de ventilação/exaustão.

  • Existem diferentes vias de penetração no organismo humano, com relação à ação dos riscos biológicos:  · Cutânea: ex: a leptospirose é adquirida pelo contato com águas contaminadas pela urina do rato;  · Digestiva: ex: ingestão de alimentos deteriorados;  · Respiratória: ex: a pneumonia é transmitida pela aspiração de ar contaminado.

Consequências

  • Consequências

  • cansaço físico;

  • dores musculares,

  • hipertensão arterial,

  • alteração do sono,

  • doenças nervosas,

  • taquicardia,

  • doenças do aparelho digestivo (gastrite e úlcera),

  • ansiedade,

  • problemas de coluna, etc.

  • Medidas de controle 

  • Ajuste entre as condições de trabalho e o homem sob os aspectos de praticidade, conforto físico e psíquico por meio de: melhoria no processo de trabalho, melhores condições no local de trabalho, modernização de máquinas e equipamentos, melhoria no relacionamento entre as pessoas, alteração no ritmo de trabalho, ferramentas adequadas, postura adequada, etc.

Arranjo físico deficiente

  • Arranjo físico deficiente

  • É resultante de: prédios com área insuficiente; localização imprópria de máquinas e equipamentos; má arrumação e limpeza; sinalização incorreta ou inexistente; pisos fracos e/ou irregulares.

  • Máquinas e equipamentos sem proteção

  • Máquinas obsoletas; máquinas sem proteção em pontos de transmissão e de operação; comando de liga/desliga fora do alcance do operador; máquinas e equipamentos com defeitos ou inadequados; EPI inadequado ou não fornecido.

  • Ferramentas inadequadas ou defeituosas

  • Ferramentas usadas de forma incorreta; falta de fornecimento de ferramentas adequadas; falta de manutenção.

Eletricidade

  • Eletricidade

  • Instalação elétrica imprópria , com defeito ou exposta; fios desencapados; falta de aterramento elétrico; falta de manutenção.

  • Incêndio ou explosão

  • Armazenamento inadequado de inflamáveis e/ou gases; manipulação e transporte inadequado de produtos inflamáveis e perigosos; sobrecarga em rede elétrica; falta de sinalização; falta de equipamentos de combate ou equipamentos defeituosos.

Mapa de Riscos

  • O que é?

  • Representação gráfica dos fatores presentes nos locais de trabalho, capazes de acarretar prejuízos à saúde dos trabalhadores.

Para quê serve um mapa de risco?

  • Para quê serve um mapa de risco?

  • Conscientizar rapidamente os trabalhadores a respeito dos riscos a que estão expostos;

  • Prevenção de acidentes;

  • Facilidade de localização dos riscos existentes.

Como elaborar um mapa de risco?

  • Como elaborar um mapa de risco?

  • NR- 5

  • Grupo a que pertence o risco (cor)

  • Gravidade do risco (tamanho)

  • Nº de trabalhadores expostos ao risco

Comentários