ABNT - NBR 05410 (1997) - Instalações Elétricas de Baixa Tensão

ABNT - NBR 05410 (1997) - Instalações Elétricas de Baixa Tensão

(Parte 3 de 24)

IEC 898:1995 - Electrical accessories - Circuitbreakers for overcurrent protection for household and similar installations

IEC 947-2:1995 - Low-voltage switchgear and controlgear - Circuit-breakers

IEC 1008-1:1996 - Residual current operated circuitbreakers without integral overcurrent protection for household and similar uses (RCCB’s) - Part 1: General rules

IEC 1009-1:1996 - Residual current operated circuitbreakers with integral overcurrent protection for household and similar uses (RCCB’s) - Part 1: General rules

NF-C-63-010 - Appareilage à basse tension 3 Definições

Para os efeitos desta Norma, aplicam-se as definições contidas na NBR IEC 50 (826).

4 Determinação das características gerais 4.1 Regra geral

4.1.1 Devem ser determinadas as seguintes características da instalação, em conformidade com o indicado a seguir:

a) utilização prevista, estrutura geral e a alimentação (ver 4.2); b) influências externas às quais está submetida (ver 4.3); c) compatibilidade de seus componentes (ver 4.4); d) manutenção (ver 4.5).

4.1.2 Essas características devem ser consideradas na escolha das medidas de proteção para garantir a segurança (ver seção 5) e na seleção e instalação dos componentes (ver seção 6).

NBR 5410:19975

4.2 Alimentação e estrutura 4.2.1 Potência de alimentação 4.2.1.1 Generalidades

4.2.1.1.1 A determinação da potência de alimentação é essencial para a concepção econômica e segura de uma instalação nos limites adequados de temperatura e de queda de tensão.

4.2.1.1.2 Na determinação da potência de alimentação de uma instalação ou de parte de uma instalação, devem-se prever os equipamentos de utilização a serem instalados, com suas respectivas potências nominais e, após isso, considerar as possibilidades de não simultaneidade de funcionamento destes equipamentos, bem como capacidade de reserva para futuras ampliações.

4.2.1.2 Previsão de carga

A previsão de carga de uma instalação deve ser feita obedecendo-se às prescrições citadas a seguir.

1 Os equipamentos de utilização de uma instalação podem ser alimentados diretamente (caso de equipamentos fixos de uso industrial ou análogo), através de tomadas de corrente de uso específico ou através de tomadas de corrente de uso não específico (tomadas de uso geral).

2 As caixas de derivação utilizadas para a ligação de equipamentos de utilização são consideradas, para os efeitos desta Norma, como tomadas de uso específico.

3 Os flats e as unidades de apart-hotéis e similares devem ser considerados como unidades residenciais.

4.2.1.2.1 Geral a) a carga a considerar para um equipamento de utilização é a sua potência nominal absorvida, dada pelo fabricante ou calculada a partir da tensão nominal, da corrente nominal e do fator de potência; b) nos casos em que for dada a potência nominal fornecida pelo equipamento (potência de saída), e não a absorvida, devem ser considerados o rendimento e o fator de potência.

4.2.1.2.2 Iluminação a) as cargas de iluminação devem ser determinadas como resultado da aplicação da NBR 5413; b) para os aparelhos fixos de iluminação a descarga, a potência nominal a ser considerada deverá incluir a potência das lâmpadas, as perdas e o fator de potência dos equipamentos auxiliares; c) em cada cômodo ou dependência de unidades residenciais e nas acomodações de hotéis, motéis e similares deve ser previsto pelo menos um ponto de luz fixo no teto, com potência mínima de 100 VA, comandado por interruptor de parede;

NOTA - Nas acomodações de hotéis, motéis e similares pode-se substituir o ponto de luz fixo no teto por tomada de corrente, com potência mínima de 100 VA, comandada por interruptor de parede.

d) em unidades residenciais, como alternativa, para a determinação das cargas de iluminação, pode ser adotado o seguinte critério:

- em cômodos ou dependências com área igual ou inferior a 6 m² deve ser prevista uma carga mínima de 100 VA;

- em cômodo ou dependências com área superior a 6 m² deve ser prevista uma carga mínima de 100 VA para os primeiros 6 m², acrescida de 60 VA para cada aumento de 4 m² inteiros.

NOTA - Os valores apurados correspondem à potência destinada a iluminação para efeito de dimensionamento dos circuitos, e não necessariamente à potência nominal das lâmpadas.

4.2.1.2.3 Tomadas de uso geral a) nas unidades residenciais e nas acomodações de hotéis, motéis e similares, o número de tomadas de uso geral deve ser fixado de acordo com o seguinte:

- em banheiros, pelo menos uma tomada junto ao lavatório, desde que observadas as restrições de 9.1;

- em cozinhas, copas, copas-cozinhas, áreas de serviço, lavanderias e locais análogos, no mínimo uma tomada para cada 3,5 m, ou fração de perímetro, sendo que, acima de cada bancada com largura igual ou superior a 0,30 m, deve ser prevista pelo menos uma tomada;

- em halls, corredores, subsolos, garagens, sótãos e varandas, pelo menos uma tomada;

NOTA - No caso de varandas, quando não for possível a instalação da tomada no próprio local, esta deverá ser instalada próxima ao seu acesso.

- nos demais cômodos e dependências, se a área for igual ou inferior a 6 m², pelo menos uma tomada; se a área for superior a 6 m², pelo menos uma tomada para cada 5 m, ou fração de perímetro, espaçadas tão uniformemente quanto possível; b) nas unidades residenciais e nas acomodações de hotéis, motéis e similares, às tomadas de uso geral devem ser atribuídas as seguintes potências:

- em banheiros, cozinhas, copas, copas-cozinhas, áreas de serviço, lavanderias e locais análogos, no mínimo 600 VA por tomada, até três tomadas, e 100 VA, por tomada, para as excedentes, considerando cada um desses ambientes separadamente;

- nos demais cômodos ou dependências, no mínimo 100 VA por tomada.

c) em halls de escadaria, salas de manuteção e salas de localização de equipamentos, tais como, casas

6NBR 5410:1997 de máquinas, salas de bombas, barriletes e locais análogos deve ser prevista no mínimo uma tomada; d) aos circuitos terminais que sirvam às tomadas de uso geral nos locais indicados na alínea c) deve ser atribuída uma potência de no mínimo 1 0 VA.

4.2.1.2.4 Tomadas de uso específico a) às tomadas de uso específico deve ser atribuída uma potência igual à potência nominal do equipamento a ser alimentado; b) quando não for conhecida a potência nominal do equipamento a ser alimentado, deve-se atribuir à tomada de corrente uma potência igual à potência nominal do equipamento mais potente com possibilidade de ser ligado, ou a potência determinada a partir da corrente nominal da tomada e da tensão do respectivo circuito; c) as tomadas de uso específico devem ser instaladas, no máximo, a 1,5 m do local previsto para o equipamento a ser alimentado.

4.2.2 Tipos de sistemas de distribuição

Os sistemas de distribuição são determinados em função do:

a) esquema de condutores vivos; b) esquema de aterramento. 4.2.2.1 Esquemas de condutores vivos

Nesta Norma são considerados os seguintes esquemas de condutores vivos:

a) corrente alternada: - monofásico a 2 condutores;

- monofásico a 3 condutores;

- bifásico a 3 condutores;

- trifásico a 3 condutores;

- trifásico a 4 condutores; b) corrente contínua: - 2 condutores;

- 3 condutores; 4.2.2.2 Esquemas de aterramento

Nesta Norma são considerados os esquemas de aterramento descritos a seguir, com as seguintes observações:

a) as figuras 1 a 5 mostram exemplos de sistemas trifásicos comumente utilizados; b) para classificação dos esquemas de aterramento é utilizada a seguinte simbologia:

- primeira letra - Situação da alimentação em relação à terra:

(Parte 3 de 24)

Comentários