Método de Willis (Relatório)

Método de Willis (Relatório)

IFRJ – Campus Maracanã

Coordenadoria de Biotecnologia

Disciplina: Parasitologia

Turma: BM171

Professores: Rodrigo Bisaggio e Carlos Henrique

Relatório de Parasitologia

Método de Willis

Avaliação:

Critério:

Nota:

Apresentação

Introdução

Objetivos

Material Utilizado/ Métodos

Resultados

Discussão

Conclusão

Referências Bibliográficas

Total:

Alunos: Alexandre Garcez

Guilherme Cerqueda

Pedro Lobo

Rio de Janeiro, 1 de junho de 2011.

Sumário

Introdução

Pág.: 3

Objetivos

Pág.: 3

Material Utilizado e Métodos

Pág.: 4 e 5

Resultados

Discussões

Pág.: 5

Conclusão

Pág.: 6

Referências Bibliográficas

Pág.: 7

  1. Introdução

O método de Willis se baseia em duas características dos ovos analisados. A primeira é a densidade, como se sabe, corpos menos densos tendem a flutuar sobre corpos mais densos em uma solução por conta de que o fenômeno de empuxo da água é mais intenso em comparação a força peso do objeto.

Sendo assim quanto menos densos os ovos forem melhor para serem encontrados através desse método, que utiliza uma solução saturada de cloreto de sódio, ou seja, com uma densidade alta, como forma de produzir um efeito de flutuação dos ovos até a superfície da solução.

Quando flutuarem esses ovos encontrarão com a face inferior do vidro de uma lâmina de microscópico, e aí que faz-se importante a segunda característica desses ovos, o tigmotropismo. Corpos com esta propriedade tendem a aderir em superfícies sólidas após um contato físico com elas. Juntando essas duas características o método de Willis procura fixar ovos pouco densos em uma lâmina, através da flutuação em uma solução muito densa, para que assim possa observá-los microscopicamente, tendo purificado antes a amostra fecal, já que partículas mais densas da amostra tenderão a ficar no fundo do recipiente em que o método é realizado.

É um método de grande eficiência, e por conta da purificação facilita a observação ao microscópio. Pode ser utilizado para observar qualquer estrutura pouco densa, podendo-se fazer modificações no método de forma a deixar a solução mais ou menos densa, para que ele se torne mais específico ou abrangente. Deve-se ter o cuidado ao escolher essa solução para que ela não prejudique os ovos que se deseja observar, alterando-os morfologicamente.

  1. Objetivos

  • Realização e familiarização com o método parasitológico de flutuação em solução saturada de cloreto de sódio, ou método de Willis, para a obtenção de uma amostra com possíveis ovos de ancilostomídeos, aproveitando-se de seu tigmotropismo. Esta amostra poderá ser usada para observação no microscópio, embora não seja o objetivo da prática.

  1. Material Utilizado e Métodos

  • Material Utilizado:

▪ Luvas descartáveis

▪ Fezes formadas

▪ Palheta de madeira

▪ Béquer de 25mL

▪ Pipeta Pasteur

▪ Pote Âmbar

▪ Lâmina

▪ Lamínula

▪ Cloreto de Sódio Saturado

▪ Lugol

  • Métodos:

Transferiu-se do béquer de 25mL um pouco de solução de cloreto de sódio saturada, para um pote âmbar, até que alcançasse aproximadamente 0,5cm da base. Em seguida, com o auxílio de uma palheta de madeira, homogeneizou-se cerca de 2 gramas de fezes formadas nesta solução. Quando foi obtida a solução homogênea, completou-se o volume do pote com mais solução de cloreto de sódio até bem próximo a sua abertura.

Posicionou-se uma lâmina de microscópio sobre o pote, com o devido espaço para poder completá-lo, o que foi feito com uma pipeta pasteur, até que a solução encostasse inteiramente na face inferior da lâmina, sem a formação de bolhas. Deslizou-se com cuidado esta lâmina para tampar completamente o pote, e esperou-se por volta de 10 min, embora o protocolo padrão indique que o tempo ideal varia de 30 à 45 minutos.

Após o tempo indicado retirou-se a lâmina, invertendo rapidamente a face antes encostada na solução para cima, para que não haja perda do pequeno volume de líquido sobre a lâmina por conta dos efeitos da tensão superficial. Adicionou-se uma gota de lugol a lâmina, e cobriu-se com a lamínula.

Em seguida pode-se realizar uma análise microscópica da lâmina, porém este procedimento não foi realizado nesta prática.

  1. Resultados

Não é possível observar os resultados do método sem a análise microscópica, tendo em vista que o enfoque é a observação de ovos, que por serem muito pequenos não podem ser observados macroscopicamente para confirmar sua adesão a lâmina.

  1. Discussão

O método de Willis não é um método específico para os ovos de ancilostomídeos, qualquer ovo menos denso do que a solução saturada de cloreto de sódio irá sofrer o processo de flutuação, alguns terão uma fixação maior na lâmina, e outros menor. Além dos ancilostomídeos, um dos ovos mais comuns de se encontrar através desse método são os de Giardia lamblia. É importante que a solução seja realmente saturada, pois qualquer diluição irá diminuir sua densidade podendo refletir numa ineficácia do método.

Os ovos de ancilostomídeos possuem uma característica chamada de tigmotropismo, que significa que estes ovos costumam se aderir a superfícies sólidas após o contato físico com elas. Neste método esta habilidade é aproveitada, sendo que quando houver a flutuação dos ovos eles entrarão em contato com o vidro da lâmina, ficando aderidos a esta para posterior observação microscópica. Este processo pode ser prejudicado com a formação de bolhas, por conta de sua tensão superficial, sendo bastante importante evitá-las durante a metodologia aplicada.

Para a diferenciação e melhor observação dos ovos utiliza-se uma solução de lugol, que irá reagir com certos polissacarídeos presentes nos ovos formando complexos de inclusão, dando uma coloração distinta entre eles dependendo de suas ramificações, facilitando assim a diferenciação.

  1. Conclusão

Devido à falta de tempo, não foi possível fazer a análise da amostra, por conta disso não se sabe os resultados da prática. Se considerar-se o objetivo apenas o aprendizado da técnica e sua reprodução em laboratório podemos afirmar que ele foi alcançado, todavia se considerar-se a eficácia do ensaio, ela é questionável, uma vez que houve uma adaptação do tempo para fixação dos ovos na lâmina, o que pode torná-la ineficaz. Independente disto pôde-se discutir a respeito das etapas do método, ressaltando as possíveis interferências na observação de ancilostomídeos, que são o enfoque da prática.

  1. Referências Bibliográficas

Literatura:

  1. NEVES, D. P. ; et al. Parasitologia Humana – 11.ed.- São Paulo : Atheneu, 2004.

  2. VERONESI, R. Doenças Infecciosas e Parasitárias – 7.ed.- Rio de Janeiro : Guanabara Koogan, 1982.

Comentários