Sistemas Isostáticos e Hiperestáticos

Sistemas Isostáticos e Hiperestáticos

(Parte 2 de 2)

Uma estrutura pode possuir elementos Isostáticos e Hiperestáticos combinados, para aproveitar ao máximo o desempenho dos componentes. Usando o exemplo de um pórtico, se as vigas forem ligadas as colunas com ligações flexíveis elas não transmitira momento fletor para as colunas assim as colunas irão receber apenas forças normais de compressão, no entanto a ligação da coluna com a fundação deverá ser rígida para que a estrutura alcance o equilíbrio, já a viga será mais solicitada.

A utilização de cada tipo de estrutura dependerá do tipo de solicitação, cabendo ao projetista responsável analisar e definir qual a melhor opção para garantir uma estrutura eficiente e econômica.

9. Referências Bibliográficas

TIMOSHENKO, S. P., GERE, J. E. Mecânica dos sólidos. Rio de Janeiro:

NASH W. A. Resistência dos materiais. Rio de Janeiro: McGraw-Hill, 1971. Livros Técnicos e Científicos, 1989. v. 1.

VIEIRA, R. F. Estudo da influência dos contraventamentos na instabilidade de estruturas metálicas aporticadas. Campinas, SP: [s.n.], 1998.

BEER, F. P., JOHNSTON Jr., R. Mecânica vetorial para engenheiros - estática.

São Paulo, Makron Books, 2004. 5ed.

SOUZA, A. S. C. Dimensionamento de elementos estruturais em aço segundo a NBR 80:2008. São Carlos, 2011.

PAMPLONA, C. F. M., Barbosa, P., Resistência dos Materiais X, w.uff.br/teleresmat.

(Parte 2 de 2)

Comentários