Artigo - a importância da auditoria operacional e de gestão para as instituições públicas e privadas

Artigo - a importância da auditoria operacional e de gestão para as instituições...

(Parte 5 de 5)

Os objetivos são: a) a auditoria operacional é uma ação ou atividade de avaliação independente, nas instituições públicas ou privadas, com a finalidade de revisar as operações administrativas, contábeis, gerenciais, financeiras e outras, com o um serviço prestado aos administradores ou gestores; b) um controle de gestão com a finalidade de medir a eficácia dos outros controles; c) objetivo integral ou total da auditoria operacional e de gestão é de assessorar os membros da administração ou gestão a exercer, efetivamente suas responsabilidades, fornecendo-lhes analises concretas e objetivas, recomendações ou sugestões e outros comentários pertinentes às ações ou atividades revisadas; d) a auditoria operacional e de gestão deve estar igual ou semelhante de todas as fases das ações ou atividades das instituições, nas quais possa vir a servir aos administradores ou gestores da empresa, entidade ou organização.

A auditoria operacional e de gestão é de suma importância e relevância por ter objetivo de otimizar (aperfeiçoar, realizar melhor ou de forma mais produtiva) o planejamento, a execução e o controle, porque a auditoria facilita e propicia a tomada da melhor decisão, não se decide com a informação, mas com o conhecimento.

A auditoria operacional destina-se à avaliação da economicidade, eficiência e eficácia do processo/produto e dos resultados em relação aos recursos materiais e humanos disponíveis. Realiza a função de assessorar e gerenciar a administração no desempenho efetivo de suas funções e responsabilidades, avaliando se os objetivos organizacionais e gerenciais estão sendo atingidos com eficiência, eficácia e economia na obtenção e utilização dos recursos (financeiros, humanos, materiais, e tecnológicos), bem como em observância às leis, manuais, normas, recomendações e regulamentos aplicáveis e com devida segurança.

A auditoria de gestão consiste em acompanhar, avaliar e examinar a execução de programas e projetos específicos, atuando nas áreas inter-relacionadas da organização, a fim de avaliar a eficácia de seus resultados em relação aos recursos humanos, materiais e tecnológicos disponíveis.

A auditoria de gestão deve estar centrada em situações empresariais de maior risco para a continuidade dos negócios, proporcionando às organizações recomendações que auxiliem na tomada de decisões.

A auditoria de gestão tem por finalidade emitir opinião sobre a regularidade dos procedimentos administrativos e gerenciais e das contas; verificar a execução de acordos, contratos, convênios e a execução da probidade na aplicação de dinheiro público ou privado, na administração e guarda dos bens e valores do Estado ou instituição privada; conhecer e avaliar políticas, decisões, metas, planos, programas e projetos ocorridos na consecução dos objetivos filosóficos, políticos e sociais das organizações governamentais e não governamentais.

Por fim, pode-se definir que a auditoria operacional e de gestão baseia-se em avaliar ações administrativas e gerenciais e os procedimentos relacionados ao processo/produto operacional ou parte dele, dos departamentos, entidades ou órgãos públicos ou privados, atividades, metas, programas, projetos ou segmentos destes, com a finalidade de emitir recomendação ou sugestão sobre a gestão. Atua nas áreas inter-relacionadas das entidades ou órgãos, avaliando a eficácia dos seus resultados em relação aos recursos financeiros, humanos, materiais e tecnológicos disponíveis, bem como a economicidade e eficiência dos controles existentes para a gestão dos recursos públicos ou privados. A filosofia de abordagem dos fatos é de apoio pela avaliação do atendimento às diretrizes, normas e regulamentações, bem como pela apresentação de recomendações ou sugestões para seu aperfeiçoamento.

Os indispensáveis objetivos desta modalidade de auditoria operacional e de gestão são: a) comprovar a conformidade, legalidade e legitimidade das diretrizes, normas e regulamentações, políticas e estratégias; b) avaliar os controles internos ou externos; c) identificar procedimentos desnecessários ou duplos para recomendar sua correção; d) identificar as áreas críticas e riscos potenciais, proporcionando as bases para sua minimização, redução ou eliminação; e) melhorar o desempenho para aumentar o êxito das organizações/entidades; f) avaliar as medidas adotadas para a preservação dos ativos e do patrimônio para evitar-se os desperdícios de recursos; g) aferir a confiabilidade, a fidedignidade, a segurança e a consistência dos sistemas administrativos, gerenciais e de informações; h) avaliar o alcance das metas, programas, projetos e objetivos para identificar as causas dos desvios, erros, falhas, fraudes ou irregularidades, quando houver; i) identificar as áreas que concorrem para aumento ou diminuição de custos ou receitas; j) assessorar, recomendar e sugerir a implantação de mudanças.

A auditoria operacional e de gestão é importante para a adequada operacionalização e gestão dos recursos públicos ou privados, a prevenção e detecção de desvios, erros, falhas ou fraudes.

Assim, com a auditoria operacional e de gestão, tanto as instituições públicas ou privadas, através de seus órgãos de controle, dispõem de um relevante instrumento para defesa da efetividade de nossa Lei Constitucional, defesa necessária para desempenho e desenvolvimento adequado de qualquer organização governamental ou não governamental.

A auditoria operacional é idêntica em todas as dimensões ou níveis de gestão, nas etapas de planejamento, execução e supervisão, controle e autoauditoria sob o ponto de vista da economicidade, efetividade, eficácia, eficiência e produtividade. Essa auditoria também conhecida como auditoria de gestão, de eficiência, de resultados ou de práticas de gestão, centrando-se na avaliação ou verificação de todos os métodos ou sistemas utilizados pelo administrador ou gestor para tomar decisões. Analisa a execução e supervisão das decisões tomadas e observa se os resultados pretendidos foram ou não atingidos.

Fundamentado na inteligência competitiva, afirma-se que há fragilidades que podem implicar a eficácia de por em prática ou execução das recomendações ou sugestões opinadas ou pronunciadas pela auditoria operacional e de gestão, caso identificadas admitir-se-ão que as instituições públicas ou privadas, tanto uma ou outra estratégia de prevenção quanto uma ou outra estratégia de contingência para fazer oposição aos fatores de risco, se houver concretização.

CONCLUSÃO A auditoria operacional e de gestão é importante para a adequada operacionalização e gerenciamento dos recursos; a prevenção e detecção de desvios, erros, falhas, fraudes, negligências e omissões; o cumprimento do que estabelece a Constituição Federal de 1988 no que se refere aos controles operacionais internos em todos os Poderes.

A auditoria operacional e de gestão, pode ser definida, como aquela que avalia - segue a mesma direção, por ser da mesma filosofia ou política - verifica a ação para por, em prática, metas, planos, programas e projetos; executar as ações, atividades, metas, programas e projetos, a gestão dos sistemas e a administração dos órgãos ou departamentos, tendo em vista a utilização econômica de seus recursos, com eficaz e eficiente geração de processos e produtos - bens e serviços - o efetivo resultado de suas ações, atividades, metas, programas e projetos.

A auditoria operacional e de gestão nas instituições públicas ou privadas, através de seus órgãos de controle, dispõem de um relevante instrumento para defesa da efetividade de nossa Lei Constitucional, defesa necessária para desempenho e desenvolvimento adequado de qualquer organização governamental ou não-governamental.

A instituição que utiliza a auditoria operacional e de gestão como ferramenta de apoio a administração/gestão é beneficiada na economicidade, eficácia, eficiência, gerência, liderança, manutenção, produtividade e na criação de outros controles internos ou externos. Essa auditoria é uma das ferramentas mais importantes para avaliar o grau ou nível de conformidade de uma organização ou de um sistema operacional e gerencial implantada em uma instituição pública ou privada com um critério e procedimento estabelecido.

A auditoria operacional e de gestão, por definição, auditoria de desempenho, deve buscar precipuamente avaliar o nível de excelência das organizações públicas ou privadas, a partir de seus aspectos: economicidade, eficácia, eficiência, efetividade e produtividade que existem para auxiliar os órgãos de controle, no atendimento das novas ações.

Verificou-se que a auditoria operacional e de gestão tem desempenhando um papel de grande relevância para qualquer organização pública ou privada, por exemplo: a eliminação de desperdícios, a simplificação de tarefas, a minimização de erros e falhas até mesmo de desvios e fraudes, o apoio aos administradores-diretores na tomada de decisões com base em informações e recomendações contidas nos relatórios emitidos pelo (s) auditor (es): verificação e constatação de irregularidades, regulamentação das atividades da instituição, avaliação da capacidade dos administradores-gestores dentre outras recomendações sobre possíveis melhorias e ações que devem ser tomadas.

Auditoria de natureza operacional e de gestão é um processo de coleta e análise sistemáticas de informações sobre características, processos e impactos de um programa, atividade ou organização, com base em critérios fundamentados, com o objetivo de avaliar a economicidade, eficiência, eficácia, efetividade e produtividade, gerar recomendações para aperfeiçoar a gestão e contribuir para a responsabilização dos administradores/gestores pelo desempenho da ação estatal ou empresarial.

Observa-se que o objetivo da auditoria operacional e de gestão é dar subsídios para todos os membros da administração, com o intuito de fazer melhorar a gestão na busca da eficiência por meio da economicidade para atingir a eficácia.

A auditoria operacional e de gestão também tem o objetivo de emitir recomendação ou sugestão com vistas a certificar a regularidade dos recursos econômicos; a verificar a execução de contratos, acordos, convênios ou ajustes, a probidade na aplicação dos recursos; guardar e zelar os valores e o patrimônio das instituições públicas ou privadas.

Finalmente, evidencia-se que diretamente, a auditoria operacional e de gestão e indiretamente, o controle interno, são indispensáveis, pois é através desses controles que as instituições públicas ou privadas garantem a veracidade de suas informações para a tomada de decisões futuras com a segurança necessária.

Ressalta que este estudo não procurou esgotar inteiramente o tema a respeito da auditoria operacional e de gestão, mas examinar e investigar um pouco o assunto, visando aprofundar o conhecimento e a sua importância para as organizações públicas ou privadas que se beneficiam direta ou indiretamente dos resultados das diversas áreas que podem ser auditadas.

Face às considerações expostas, pode-se afirmar categoricamente que a auditoria operacional e de gestão é um instrumento de suma importância de economicidade, efetividade, eficácia, eficiência e produtividade voltada para o desempenho e desenvolvimento dos resultados administrativos gerenciais e organizacionais, principalmente como resposta às exigências impostas pelo mercado de concorrências e competitividades dos negócios.

ALBUQUERQUE, Frederico de Freitas Tenório. A Auditoria Operacional e seus Desafios: Um Estudo a partir da experiência do Tribunal de Contas da União. Rio de Janeiro: Livraria Editora Renovar: 2007.

ALMEIDA, Marcelo Cavalcanti. Auditoria: Um Curso Moderno e Completo. 7.ed. São Paulo: Atlas, 2010.

ARAÚJO, Inaldo da Paixão Santos. Introdução à Auditoria Operacional. 3.ed. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2007.

ARAÚJO, Inaldo da Paixão Santos. Introdução à Auditoria Operacional. 4.ed. Rio de Janeiro: FGV, 2008.

ATTIE, William. Auditoria: Conceitos e Aplicações. 6.ed. São Paulo: Atlas, 2011.

CARVALHO, José Carlos Oliveira de. Auditoria Geral e Pública. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.

CREPALDI, Silvio Aparecido. Auditoria Contábil: Teoria e Prática. São Paulo: Atlas, 2000.

CREPALDI, Silvio Aparecido. Auditoria Contábil: Teoria e Prática. 5.ed. São Paulo: Atlas, 2009.

COOK e WINKLE, John W., e Gary M. Auditoria: filosofia e técnica. São Paulo, Saraiva, 1976.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Dicionário Aurélio. 3.ed. Curitiba: Editora Positivo, 2004.

FRANCO, Hilário e MARRA, Ernesto. Auditoria Contábil. 4.ed. São Paulo: Atlas, 2000.

GIL, Antônio de Loureiro. Auditoria Operacional e de Gestão: Qualidade da Auditoria. 4. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

GIL, Antônio de Loureiro. Auditoria de Negócios: Auditoria Governamental – Contingência versus Qualidade. 2.ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GIL, Antônio de Loureiro. Auditoria da Qualidade. 3.ed. São Paulo: Atlas, 1999.

HALLER Edward. Avaliação de desempenho operacional – estabelecimento e administração de uma auditoria operacional. São Paulo: Price Waterhouse, 1986.

JUND, Sérgio. Auditoria: Conceitos, Normas, Técnicas e Procedimentos. 3.ed. Rio de Janeiro: Impetus, 2002.

LISBOA, Ibraim. Auditoria Interna Operacional – Teoria e Prática para Execução Eficaz. São Paulo: Maph Editora, 2010.

SÁ, Antônio Lopes de. Curso de Auditoria. 7.ed. São Paulo: Atlas, 1994.

(Parte 5 de 5)

Comentários