Lockpicking A arte de abrir Cadeados e Fechaduras

Lockpicking A arte de abrir Cadeados e Fechaduras

(Parte 1 de 2)

INTRODUÇÃO1
PARTE TEÓRICA1
FERRAMENTAS4
A ferramenta de Torque:4
Ferramenta “Pick”:4
ATIVIDADE6
Passo a Passo:7
ESTRUTURA DA FECHADURA DO TP(TELEFONE PÚBLICO)8
ESTRUTURA DO CADEADO9
PINOS DE SEGURANÇA10
TÉCNICAS1
CONCLUSÃO1

Lockpicking: A arte de abrir Cadeados e Fechaduras

Introdução

Primeiramente, muitos podem estar perguntando qual a utilidade de abrir cadeados ou fechaduras se ninguém quer ser bandido ou correr o risco de ser preso. Conhecimento nunca é demais, e não há problema algum em saber algo como o lockpicking, não é crime e um dia quem sabe estas técnicas podem lhe ser útil.

Aparentemente pode não ter sentido escrever um texto desses para um grupo relacionado a computadores, mas é importante lembrar que computadores são equipamentos e precisam ser guardados em algum local, assim como o cabeamento de rede destes e todos os outros dispositivos.

E ao contrário do que muitos pensam, o mundo underground não vive só de conexões remotas, mesmo porque estas nem sempre nos dão o acesso necessário pra um trabalho bem feito. Existem dezenas de encontros pelo mundo de hackers e eu diria que 80% ao menos tem uma seção para lockpicking, como no caso da HackFest, Defcon com inclusive desafios entre grupos.

Além disso, em muitos momentos está técnica pode ser útil, para abrir arquivos (daqueles de ferro com um monte de pastas), salas, telefones públicos, Caixas de Distribuição Geral (as caixas de prédios onde ficam todo cabeamento telefônico do mesmo). Você já deve ter pensado no que se pode fazer com todas essas coisas, principalmente com as linhas telefônicas né.. e eu não me refiro à trote.

Parte teórica

Para aprender como abrir fechaduras e cadeados, primeiramente é necessário saber como eles funcionam. Isto poder ser a princípio cansativo e repetitivo, mas é de grande importância.

O princípio de funcionamento de fechaduras e cadeados é o mesmo.

O sistema é composto de molas, e pares de pinos. No caso do da figura acima são 5 cavidades, 5 molas, 10 pinos, 1 cilindro e a “casca” onde fica tudo isso dentro. As molas exercem uma força sobre os 5 primeiros pinos pinos que tem a base reta. Estes por sua vez exercem força sobre os outros 5 pinos com 1 base reta e outra cônica (arredondada), isto pode ser visto facilmente, tanto no desenho quanto na foto abaixo.

Pino com base reta e outra arredondada

Obviamente a parte arredondada do pino fica pra baixo onde a chave vai entrar, acho que não é preciso explicar o porquê. Obviamente se for em qualquer outra posição, existe grande chance da chave ficar presa ou mesmo não entrar, além de um desgaste excessivos nos pinos e na chave.

A parte cinza mais clara do desenho é o cilindro, parte móvel da fechadura, que gira quando a chave entra, mas porque ele gira com a chave e não gira sem ela ou com a errada.

Este é o princípio básico da fechadura, os pinos nem sempre possuem o mesmo tamanho e nem as molas são iguais. Isso quer dizer que se você abrir um cadeado e perde a posição dos pinos ou molas, vai ser muito mais difícil coloca-los novamente no lugar, e impossível se você não tiver mais a chave.

Portanto, cuidado se for abrir algum cilindro.

Nesta foto é possível ver perfeitamente 12 pinos em 6 cavidades e as 6 molas

Estes pinos podem se movimentar livremente no sentido vertical dentro dos orifícios, caso sejam empurrados com uma força contrária e maior do que a força que a mola exerce , fazendo a mesma comprimir.

Assim que a chave é colocada no cilindro, como podemos ver na figura a seguir: As ranhuras da chave fazem os pinos se alinharem. Ou seja, 1 pino de cada orifício fica acima dos limites do cilindro e outro fica abaixo e isto se repete em cada orifício.

Nesta foto podemos ver o primeiro pino de cada par alinhado assim que a chave é Introduzida. Deste modo o cilindro pode girar dentro da casca.

Esta foto mostra claramente os pinos alinhados, a divisão da casca mostra eles ficam alinhados perfeitamente para que possa haver o giro do cilindro.

Assim, podemos perceber que, o cilindro não girava porque os pinos impediam este movimento, com a chave no lugar eles se alinham e não travam mais o movimento do cilindro. Já no caso de uma chave errada, realmente ela pode entrar no cilindro, e isto não quer dizer que ela vá servir. O fato de ela entrar quer dizer que o modelo de chave é o mesmo, mas não o segredo.

O modelo é basicamente o padrão de tamanho da mesma, já o que faz o pinos se alinharem é o segredo, e em teoria é único por fechadura, obviamente podendo existir fechaduras para a mesma chave como no caso de algumas salas em escritórios e telefones públicos, onde cada modelo de equipamento possui um segredo. Já que seria inviável uma chave pra cada orelhão na cidade.

As fechaduras mais simples e as que no caso nós vamos encontrar nesses locais tratados na introdução seguem o funcionamento básico descrito acima.

Ferramentas

O uso de ferramentas específicas para este trabalho é recomendado caso você queira ser um chaveiro ou então um profissional na área, mas como acredito que não seja o objetivo da maioria é preciso arranjar ferramentas sem grande custo. Nesse caso eu criei minhas próprias ferramentas de acordo com as minhas necessidades, claro que não ficaram bonitas, mas pra o meu objetivo é suficiente.

Para trabalhar com fechaduras simples e cadeados, apenas 2 ferramentas são necessárias. A ferramenta de torque e a ferramenta pick

A ferramenta de Torque:

Esta ferramenta dará o giro ao cilindro, portanto precisa ser um pouco resistente. No meu caso eu usei um arame relativamente grosso. Fiz um gancho com o alicate e lixei a ponta (parte mais clara) para que ele entre na fechadura.

Estas imagens representa a minha ferramenta de torque

Ferramenta “Pick”:

Para esta, que será propriamente a ferramenta que vai mexer com os pinos, eu usei um grampo de cabelo também lixado, à partir da linha pontilhada, para entrar perfeitamente no lugar da chave.

Estas imagens representa a minha ferramenta pick.

Ferramentas ruins nos deixam na mão, podem quebrar, empenar ou mesmo não serem adequadas pra um determinado tipo de fechadura. Isto tudo nos faz perder tempo, e é o que menos queremos quando estamos desprotegidos olhando pra uma fechadura. Portanto, cuidado nisso.

Nesta foto acima, podemos ver um “set” básico para o lockpicking.

As duas ferramentas em cima da foto são feitas para dar o torque ao cilindro, as outras são as pick usadas para várias fechaduras diferentes. Um set como esse abre uma gama impressionante de fechaduras e é mais do que suficiente pro que queremos.

As mais comuns são a 1, 2, 6 e 7 de cima pra baixo. As de torque que são sempre necessárias e o tamanho delas também é fundamental já que existem cadeados de vários tamanhos. A 6 e 7 conhecidas como Rake e Half Diamond e servem pra casos mais gerais, fechaduras comuns e simples, as outras são mais avançadas.

Existe pela internet um vídeo criado pelo PYRO1234321 se não em engano que ensina a criar suas próprias ferramentas à partir de uma simples lâmina, dessas de serra. Muito interessante e barato.

Outra ferramenta muito difundida é a ferramenta elétrica, ela funciona impulsionando os pinos pra cima várias e várias vezes automaticamente, fazendo com que “pulem” dentro do orificio, sem a necessidade do trabalho todo de levantar um por um.

O problema da ferramenta é a agressividade dela, facilmente você pode perder fechaduras se não tiver prática e paciência.

Ferramenta elétrica. A ponta sobe e desce rapidamente, à partir do acionamento do gatilho empurrando pinos pra cima, até travarem no cilindro

Existem milhares de ferramentas para lockpicking, muitas específicas, servindo apenas pra um tipo de fechadura, mas isso é assunto pra outros textos.

Atividade

Na maioria dos filmes de ação existe alguma cena do mocinho abrindo a porta com um grampo de cabelo, clips e coisas do tipo. De fato, isto não é impossível, mas requer bastante prática.

Alguns devem estar pensando em como alinhar de uma vez todos os pinos. De fato alinhar todos ao mesmo tempo seria o ideal, mas impossível sem uma chave. Então o que faremos é alinhar, a grosso modo, 1 por 1 até a abertura da fechadura.

Se tentarmos girar um pouco o cilindro, sem forçar muito, veremos que existe uma folga. Esta folga é a folga do pino dentro do orifício, pra ele não ficar apertado podendo travar ou bloquear o giro do cilindro.

Observe que uma pequena tensão apenas é indicada, e ela deve ser feita durante toda o arrombamento.

Girar muito o cilindro vai fazer com que os pinos fiquem presos na parede da casca ou do próprio cilindro, travando o mesmo, dificultado e talvez até impossibilitando nosso arrombamento.

O que vamos fazer é tirar essa folga do pino e cilindro tentando fazer com que ele trave na ponta do cilindro como visto na figura abaixo.

Pino preso na ponta (limite) do cilindro, assim que todos estiverem nessa posição, a fechadura estará aberta

Força de torque e elevação do pino 1 ao limite do cilindro

(Parte 1 de 2)

Comentários