Análise das concepções dos Estudantes do ensino médio sobre aulas experimentais

Análise das concepções dos Estudantes do ensino médio sobre aulas experimentais

Análise das concepções dos estudantes o ensino médio sobre aulas experimentais

Autor: Tácito Fernando Cardoso1, Coautores: Rafael Batista Madureira1, Paulo Roberto Ferreira1, Orientador: José Antônio Duarte Santos2.

Instituto Federal do Norte de Minas Gerais – Câmpus Salinas

1 – Introdução

A disciplina de física é a matéria que os alunos, em sua maioria, mais sentem dificuldade, como afirma SILVA (2012) gerando assim uma grande aversão a essa disciplina, sendo considerada como uma das mais difíceis do Ensino Médio, como aponta SILVA et. al.

(2007). Outro fator que pode também influenciar para o baixo aprendizado é a falta de aulas de laboratório. Neste sentido os integrantes do subprojeto de Física do Programa Institucional de

Bolsa de Iniciação à Docência, PIBID, do Instituto Federal do Norte de Minas Gerais, IFNMG – Câmpus Salinas aplicaram um questionário aos estudantes de uma escola estadual do município de Salinas – MG, tendo como principal objetivo investigar as concepções dos alunos sobre as aulas experimentais da disciplina de física.

. 2 – Metodologia

1-Acadêmicos do curso superior de Licenciatura em Física do IFNMG – Câmpus Salinas. 2- Professor Ms. do IFNMG – Câmpus Salinas e coordenador do PIBID/IFNMG subprojeto Física.

Gráfico 1: Distribuição percentual de respostas sobre a importância das aulas experimentais dadas pelos alunos.

4 – Conclusão 5 – Referências

Os dados coletados são oriundos de um questionário aplicado aos estudantes do 1° ano do ensino médio, em um total de 9

(noventa e nove) alunos. O questionário foi composto por duas perguntas, uma de múltipla escolha com cinco alternativas e outra onde assinalavam sim ou não.

Gráfico 2: Distribuição percentual de respostas sobre a existência das aulas experimentais dadas pelos alunos.

3 – Discussão dos dados

Apresentamos aqui a análise das respostas obtidas com a aplicação do questionário investigativo, a fim de mostrar as concepções dos alunos do Ensino Médio sobre as aulas experimentais. Através dos resultados obtidos pode-se formar um cenário que possibilite uma melhor compreensão sobre as dificuldades enfrentadas pelos alunos e ainda, obter informações que possam auxiliar no planejamento dos professores de física em nível médio. Os resultados desta pesquisa mostraram que cerca de

89% (oitenta e nove por cento) dos estudantes nunca tiveram aulas no laboratório de Física, fica evidente que os alunos desta escola são submetidos apenas ao método tradicional de “quadro e giz”, situação essa que contradiz com as propostas oferecidas pelos

PCN+. Ao analisar a segunda pergunta, percebe-se o quanto os alunos tem interesse pelas aulas de laboratório, 74% (setenta e quatro por cento) dos estudantes entrevistados acreditam que as aulas de laboratório são muito importantes e apenas 4% (quatro por cento) acreditam que não é importante.

Existe uma expectativa muito forte no trabalho experimental como uma maneira de melhorar a aprendizagem em sala de aula, ao sair da sala de aula o estudante interage com colegas e professores, desenvolve atividades em outros ambientes, vivencia situações concretas e ainda é estimulado a vivenciar situações imaginárias. A aula experimental está relacionada com alguns aspectos externos importantes, como habilidades de manuseio, interação e visualizações com vários materiais de diversas formas, para isso considera de grande relevância aprofundar o conhecimento em relação à aula experimental no processo de formação de docentes, nesse sentido é necessária uma prática pedagógica reflexiva que contemple o contexto do futuro professor.

SILVA, M. A. de. O Ensino de Física para alunos do ensino médio.

Disponível em: <http://educador.brasilescola.com/estrategias- ensino/o-ensino-fisica-para-alunos-ensino-medio.htm> acesso em 26

SILVA. D. A. [et al]. Oficina de Construção de Foguetes com Material de Baixo Custo, In: XVII

Simposio Nacional de Ensino de Física, São Luiz, MA, 2007

BARBERÁ, O.; VALDÉS, P. Investigación y Experiencias Didácticas:

El trabajo práctico en la enseñanza de las ciencias: una revisión.

Enseñanza de las Ciencias. v. 14, n. 3, p. 365-379,1996.

CAMARGO, E.P. de. Ensino de Física e deficiência visual: dez anos de investigações no Brasil.São Paulo, editora Plêiade.2008. Cap.I

Concepções alternativas: um breve panorama. p.27

ARAÚJO, M. S. T. de e ABIB, M. L. V. dos S. Atividades

Experimentais no Ensino de Física: Diferentes Enfoques, Diferentes

Finalidades. Revista Brasileira de Ensino de Física, vol. 25, no. 2, Junho, 2003

Comentários