INFLAMAÇÃO

INFLAMAÇÃO

  • É uma resposta vascular, celular e humoral, que desencadeia um processo defensivo contra os agentes agressivos.

INFLAMAÇÃO

  • Vascular porque vem dos vasos a resposta através do aumento da permeabilidade do endotélio do leito capilar, proporcionando a exsudação dos leucócitos e das proteínas plasmáticas.

  • Celular e humoral porque a resposta vem dos leucócitos, acrescidos das células presentes nos tecidos, destinados à proteção dos mesmos. Estas células, enquanto algumas estão prontas para fagocitar, outras são encarregadas da produção de anticorpos

INFLAMAÇÃO

  • Alguns fatores influenciam na intensidade da resposta inflamatória:

  • idade,

  • espécie animal

  • condições de vida; porque interferem diretamente na resistência natural e adquirida do indivíduo

Sinais clínicos da Inflamação

  • São manifestações localizadas do processo inflamatório, identificados por: rubor, tumor, calor, dor e perda de função.

    • Rubor (vermelhidão): devido a hiperemia ativa que sempre precede aos processos inflamatórios agudos
    • Tumor (edemaciação): é o resultados da intensa exsudação que ocorre no local da resposta inflamatória

Sinais clínicos da Inflamação

  • Calor (aumento de temperatura local): ocorre pelo maior fluxo sangüineo, na tentativa de incrementar o processo inflamatório, levando para o local agredido todos os elementos leucocitários de defesa

  • Dor: é a sensação que se tem quando ocorre a compressão das terminações nervosas, pela exsudação (mais células e líquido no local)

  • Perda de função: é uma forma de proteção que se verifica na estruturação afetada, colocando-a em repouso, proporcionando maior conforto e melhores condições de recuperação. Desta forma o indivíduo, com a inflamação em um membro, geralmente exibe claudicação pela dor e desconforto; aquele membro entrou em desuso temporário.

Sinais clínicos da inflamação

Nomenclatura da Inflamação

  • É aplicada para melhor identificar a lesão inflamatória e sua localização. Usa-se o radical da palavra que deu origem ao nome do órgão ou estrutura seguido do sufixo “ite”, específico para inflamação. Exemplos:

    • Rim: nefrite Fossas nasais: rinite
    • Fígado: hepatite Veias: flebite
    • Nervo: neurite Baço: esflenite
    • Bexiga: cistite Boca: estomatite
    • Brônquio: bronquite Cérebro: encefalite
    • Tec. Conj.: celulite Córnea: ceratite

INFLAMAÇÃO

INFLAMAÇÃO

Nomenclatura da Inflamação

    • Estômago: gastrite Glande: balanite
    • Intestino: enterite Linfonodo: linfadenite
    • Língua: glossite Med. óssea: osteomielite
    • Meninges: meningite Músculos: miosite
    • Osso: osteite Pele: dermatite
    • Ouvido: otite Testículo: orquite
    • Útero: metrite Vagina: vaginite
    • Vaso sang.: vasculite Pleura: pleurite
    • Olho: oftalmite Articulação: artrite
    • Miocardio: miocardite

TRANSUDATO X EXSUDATO

  • TRANSUDATO: É o fluido de baixo conteúdo protéico, resultado de alterações na pressão hidrostática, com permeabilidade vascular normal. Exemplo de transudato: ASCITE, ou mais conhecido como Barriga'dagua, que é o acúmulo de líquidos (plasma sanguíneo) no abdome.

  • EXSUDATO: Fluidos (como o pus) que passam através das paredes vasculares em direção aos tecidos adjacentes. Estes fluidos envolvem células, proteínas e materiais sólidos. O exsudato pode escoar de incisões ou locais onde haja inflamação ou infecção.

INFLAMAÇÃO

  • A função do processo inflamatório ao reunir células e líquidos no local lesado, tem como objetivos diluir, localizar, destruir, remover o irritante e induzir a reparação do tecido agredido.

  • Ao conjunto de células e líquidos que saem dos vasos para a área lesada, chamamos exsudato. A quantidade e qualidade disto é bastante variável, constituindo uma gama enorme de exsudatos diferentes, tais como: seroso, catarral, fibrinoso, purulento e outros.

INFLAMAÇÃO

INFLAMAÇÃO

  • Os anticorpos desempenham papel fundamental no processo inflamatório.

  • As moléculas de anticorpos circulam no sangue e exsudam para os focos inflamatórios.

  • Os anticorpos atuam:

  • neutralizando os vírus;

  • inativam toxinas;

  • aumentam a fagocitose de bactérias;

  • lisam células bacterianas;

  • A molécula de anticorpo atua como uma ponte entre os microrganismos invasores e as proteínas do complemento que causam lise.

  • Os anticorpos se ligam estreitamente a proteínas superficiais no micróbio e atraem o complemento; este por sua vez tem uma

ampla faixa de atividades,

entre elas: atrair os neutrófilos.

Etiologia da Inflamação

  • Apresenta múltiplos fatores que podem ser incriminados como agentes causais, subdivididos em agentes físicos, químicos e biológicos.

    • Agentes físicos: traumatismo, irradiação, calor, frio e outros
    • Agentes químicos: ácidos, sais, bases e tóxicos

    • Agentes biológicos: bactérias, vírus, fungos, protozoários e parasitas

Etiologia da Inflamação

  • Todos estes agentes atuam de forma e intensidade variados, desencadeando respostas diferenciadas.

  • Aos agentes físicos e químicos, haverá sempre uma resposta inflamatória compatível com a agressão sofrida e será sempre denominada inflamação ou processo inflamatório.

“Toda infecção é uma inflamação mas nem toda inflamação é uma infecção”

Etiologia da Inflamação

  • Toda vez que estiver atuando os agentes biológicos, a resposta inflamatória passa a ser denominada infecção.

  • A instalação de uma infecção num determinado órgão, é porque houve uma agressão primária do agente, ou porque houve alguma contaminação secundária do processo, pelo agente biológico.

Patogenia do processo inflamatório

  • Inicia-se ao primeiro contato do organismo com o agente agressor, a resposta vem dos vasos, ocorre então a marginação leucocitária: onde os elementos figurados, principalmente os leucócitos deixam o eixo da corrente sanguinea e vão para a periferia do vaso, com o intuito de atravessar a parede, em direção a área lesada;

Patogenia do processo inflamatório

  • Normalmente as primeiras células a atravessarem a parede dos vasos, são os neutrófilos, que por esta ração recebem a denominação de células da “primeira linha de defesa”.

  • Elas são as primeiras a dar combate ao agente agressor. Atravessam a parede pelo processo de leucodiapedese, lançando falsos pés e projetando-se através dos poros.

Patogenia do processo inflamatório

  • Diapedese: processo pelo qual os neutrófilos migram através das paredes vasculares. A medida que os neutrófilos migram através do endotélio, eles aumentam a permeabilidade capilar, iniciando a hiperemia pela indução da histamina;

INFLAMAÇÃO

  • Para que ocorra a leucodiapedese é preciso haja uma força de atração, exercida sobre estes leucócitos, que é chamada quimiotaxia. Esta força é exercida por substâncias conhecidas como “quimiotratores”.

Mediadores Químicos

  • São substâncias que intermediam a ação e a reação inflamatória, atuando como dilatadores de vasos alterando sua permeabilidade, alguns atraem leucócitos para os tecidos.

  • Os principais mediadores químicos são:

-histamina encontra-se em mastócitos e é liberada na fase imediata ou inicial da inflamação provocando vasodilatação e aumento de permeabilidade

-serotonina encontra-se no interior de plaquetas e promove aumento da permeabilidade

-prostaglandina;

-bradicininas;

Mediadores Químicos

  • A histamina é contida e liberada de mastócitos, basófilos e plaquetas. Sua ação como vasodilatadora das arteríolas e aumento da permeabilidade dos capilares e vênulas é relativamente breve; a sustentação da reação é produzida por outros mediadores.

Mediadores Químicos

  • A serotonina em algumas espécies possui ação semelhante a da histamina.

  • A prostaglandina potencializa as ações da bradicinina e da histamina que são lançadas no tecido inflamado. Elas ainda atuam estimulando a agregação e a desagregação dos neutrófilos.

Mediadores Químicos

  • As cininas são potentes mediadores químicos da vasodilatação, responsabilizando-se pela dor e aumento da permeabilidade dos capilares, os principais sinais da inflamação aguda.

Mediadores Químicos

  • A migração celular é constante, e durante as seis primeiras horas o predomínio é dos neutrófilos. A partir das 12 horas, os macrófagos são numerosos e se igualam com os neutrófilos, por volta de 24 horas começam aparecer os linfócitos.

  • A migração de células ocorre primariamente das vênulas, imediatamente após o início das alterações vasculares. As células que atuam no processo inflamatório, pertencem a dois grupos distintos: a série granulocítica e a série mononucleares.

A série granulocítica

  • Refere-se aos neutrófilos, eosinófilos e basófilos, sendo os neutrófilos os mais numerosos. Os dois primeiros, são conhecidos como polimorfonucleares, por apresentar formas diferentes: segmentados e bastonetes.

A série granulocítica

Os Neutrófilos

  • Estão presentes em todos os exsudatos inflamatórios, mas seu número pode variar, dependendo do agente e da reação do hospedeiro frente ao agente.

  • Os neutrófilos agem no sangue ou nos tecidos, principalmente para fagocitar e libera suas enzimas lisossômicas para dissolver os detritos.

Os Neutrófilos

  • Os neutrófilos são altamente competentes para realizar fagocitose.

  • Em corte histológico, o citoplasma dos neutrófilos pode não ser visível, porém o seu núcleo em forma de bastonete ou segmentado, é o aspecto que o identifica.

  • A media que eles degeneram, o núcleo torna-se picnótico e se fragmenta, neste momento passam a chamar-se piócitos.

Neutrófilos

Neutrófilos

  • Nas infecções bacteriana graves, a leucocitose neutrofílica é o achado hematológico usual.

  • Uma vez que a demanda frequentemente excede a produção, estas células novas geralmente são imaturas.

  • O aparecimento de números cada vez maiores de neutrófilos imaturos na circulação é chamado: desvio para a esquerda, indicando um processo patológico grave.

Os Neutrófilos

  • Os neutrófilos tóxicos aparecem no sangue circulante durante a infecção grave.

  • Estas células possuem vacúolos citoplasmáticos e grânulos tóxicos, seus efeitos bactericidas são menos eficazes que os dos neutrófilos normais

Os Eosinófilos

  • Os eosinófilos respondem aos complexos antígeno-anticorpo de maneira semelhante aos neutrófilos.

  • Contudo, eles são menos sensíveis à maioria dos outros fatores quimiostáticos, inclusive a componentes do complemento.

  • A quimiotaxia eosinofílica ocorre especialmente nas infecções parasitárias do intestino e nasofaringe durante doenças alérgicas.

Os Eosinófilos

  • Os eosinófilos matam os parasitas através de seus grânulos que contém uma proteína eosinofílica básica, quando lançada na cutícula do parasita.

  • A proteína eosinofílica básica possui um efeito letal sobre os parasitas.

Os Basófilos

  • São células que liberam heparina e histamina ou seja, participa dos processos inflamatórios e alérgicos.

  • Eles localizam-se nos sítios perivasculares,e tem o efeito máximo sobre a permeabilidade vascular.

Basófilo

  • Os basófilos geralmente são componentes das lesões crônicas que surgem da reações imunes. Eles estão envolvidos na hipersensibilidade imediata e retardada.

A Série Mononuclear

  • Fazem parte:

    • Os linfócitos plasmáticos;
    • As células do sistema monocítico fagocitário (monócitos);

Os Linfócitos

  • São células pequenas arredondadas, com citoplasma restrito e núcleo também arredondado e bem corado;

  • Na maioria dos mamíferos, os linfócitos correspondem a cerca de 20 a 40 % dos leucócitos no sangue;

Os Linfócitos

  • Existem dois grupos funcionais de linfócitos:

  • Os linfócitos T possuem um ciclo de vida maior, podendo chegar a anos, formando-se na medula óssea e migrando posteriormente até o timo.

  • Os linfócitos B vivem menos, algumas semanas, e também são formados na medula óssea e, quando estimulados, migram para o tecido conjuntivo, convertendo-se em plasmócitos, produtores de anticorpos.

Os Linfócitos

  • Os linfócitos pequenos possuem memória (são provedores da memória imunológica)

  • Quando estimulados por este antígeno específico, estes linfócitos pequenos se transformam em grandes células.

  • São encontradas nos estágios de recuperação das infecções piogênicas e de algumas doenças virais, são na verdade plasmócitos imaturos.

Os Linfócitos

  • A Linfocitose (aumento do número de linfócitos no sangue circulante) é observado nas respostas transitórias a exercícios musculares intensos, febre e outros estresses.

Os Plasmócitos

  • São células grande (linfócitos grandes), núcleo arredondado geralmente excêntricos e bem corados.

  • Os plasmócitos se formam por um processo de maturação a partir dos linfócitos B.

  • Sua função é produzir e armazenar anticorpos.

  • Usualmente o linfócito é induzido a produzir o anticorpo, e durante o processo de produção torna-se um plasmócito.

Os Hormônios Antinflamatórios

  • Os adrenocorticoides com ação antinflamatória são os glicocorticóides (cortisona, hidrocortisona, metilenoprednisolona, prednisolona, parametasona, betametasona, dexametasona).

  • O mecanismo de ação destes hormônios além de atenuar ou suprimir o calor, o vermelhidão e o edema, ainda inibem os fenômenos iniciais do processo inflamatório (exsudação, deposição de fibrina, dilatação capilar, migração de fagócitos e atividade fagocitária).

Os Hormônis Antinflamatórios

  • Os antinflamatórios não-hormonais são substâncias de ação pronta, comumente denominadas “antinflamatórios não-esteróides”, representadas pelo grupo dos analgésicos-antipiréticos principalmente.

  • Os mais importantes são: (1) compostos salicílicos (salicilato de sódio e ácido acetil-salicílico); (2) derivados da anilina e do P-aminofenol; (3) derivados da pirazolona; (4) indometacina (indocid, indocin); (5) derivados do ácido antranílico.

A Inflamação pode ser classificada:

  • Quanto ao tipo de exsudato (excreção de líquidos e células do vasos para os tecidos), que pode variar em quantidade e qualidade, do mais simples ao mais complexo:

  • seroso,

  • catarral,

  • fibrinoso,

  • hemorrágico,

  • purulento.

Exsudato Seroso

  • Ou inflamação serosa, é composto principalmente de líquido claro ou citrino.

  • Sua presença indica lesão suave.

  • Ocorre nas irritações leves, como por exemplo nas viroses da fossas nasais (rinites).

Exsudato Catarral ou Mucoso

  • Ou inflamação catarral ou mucoso, é a que ocorre nas principais mucosas (mucosa intestinal, mucosa vaginal) principalmente onde há presença de células caliciformes, como no trato digestivo, respiratório e genital feminino. O fator predominante é o muco, mas pode encontrar neutrófilos, fragmentos de restos teciduais, fibrinas e hemácias.

Exsudato Fibrinoso

  • Ou inflamação fibrinosa, é aquele onde predomina a fibrina. Indica uma lesão vascular acentuada. O exsudato aparece como líquido amarelado, ou como trama gelatinosa ou sólida-elástica. Ocorre nas superfícies serosas (pleura, pericárdio, peritôneo) e algumas mucosas (laringe, faringe, intestino e outras).

Exsudato Fibrinoso

  • A inflamação fibrinosa quando de forma crônica instalada na laringe e faringe, pode desenvolver uma pseudomembrana, que se adere à mucosa e causa sérios transtornos.

  • De ocorrência em humanos e bovinos.

Exsudato Hemorrágico

  • Ou inflamação hemorrágica, é o tipo de exsudação que ocorre principalmente em órgãos bem irrigados como: pulmão e intestino.

  • O sangue é o principal componente, mas podem estar presentes: fibrinas, restos tissulares e células inflamatórias, do contrário deixa de ser inflamação e passa a ser hemorragia.

Exsudato Purulento ou Supurado

  • Presença de uma substância cremosa geralmente amarelada, consagrada como pus. Supuração significa formação de pus que requer a presença indispensável de neutrófilos.

  • O pus pode variar sua coloração: amarelo, verde, marrom, branco, avermelhado, etc;

  • Pode variar de estado líquido à cremoso ou semi- sólido á gelatinoso;

Flegmão

  • Nesse tipo de inflamação purulenta não há formação da membrana piogênica, ou seja, a coleção de pus não se encontra concentrada em uma cavidade, mas sim, difusa sobre o tecido;

Absesso

  • Inflamação purulenta circunscrita, bem delimitada, com formação de uma cápsula de tecido conjuntivo fibroso, em qualquer parte do organismo.

Pústula

  • Coleção visível de pus na epiderme

  • Geralmente é consequência à contaminação de uma vesícula, proveniente da degeneração hidrópica, comum na inflamação ou infecção de origem viral: exantema vesicular, febre aftosa e outras

Empeima

  • Coleção de pús numa cavidade do organismo (tóracica e peritoneal e outras)

INFLAMAÇÃO AGUDA

  • É aquela onde se envidencia os sinais clínicos (rubor, tumor, calor, dor e perda de função)

INFLAMAÇÃO CRÔNICA

  • É aquela onde a presença de tecido conjuntivo fibroso é indispensável.

  • Esta característica por si só identifica a inflamação crônica;

FEBRE

  • É síndrome onde vários sintomas estão associados e a elevação de temperatura é o mais significativo.

  • No hipotálamo está o centro de controle da regulação térmica. Substâncias químicas pirogênicas (interleucina-1) podem influenciar e alterar este centro de controle

  • As substâncias pirogênicas (pirógenos) são substâncias que alteram a temperatura do corpo.

FEBRE

  • São classificadas em endógenas e exógenas.

  • Os principais pirógenos endógenos são liberados dos tecidos e líquidos do corpo quando agredido, dos neutrófilos e tecido necrosado.

  • Os pirógenos exógenos são principalmente as bactérias gram-positivas.

Comentários