Tratado de Técnica Radiológica – Bontrager Vol. 5 – Kenneth L

Tratado de Técnica Radiológica – Bontrager Vol. 5 – Kenneth L

(Parte 4 de 7)

Articulações do quadril e dos ombros

NOTA: A artrologia, o estudo das articulações, continua ao longo deste texto como anatomia específica, incluindo todas as articulações do corpo humano, e será estudada mais detalhadamente nos próximos capítulos.

14- PRINCIPIOS, TERMINOLOGIA E PROTEÇÃO CONTRA RADIAÇÃO B. TERMINOLOGIA RADIOGRÁFICA O posicionamento radiográfico refere-se ao estudo do posicionamento do paciente para demonstrar radiograficamente ou visualizar partes específicas do corpo nos filmes. É essencial que cada pessoa que planeja trabalhar como técnico/ radiologista compreenda claramente o emprego correto da terminologia de posicionamento. Esta parte do Cap. 1 relaciona, descreve e ilustra os termos mais comumente usados de acordo com a terminologia de posicionamento e incidência conforme aprovada e publicada pelo American Registry of Radiologic Technologists (ARRT).* Além disso, esses termos são compatíveis com aqueles usados no Canadá, de acordo com a Canadian Association of Medical Radiation Technologists (CAMRT), com exceção do termo "visão".(Consultar sumário de termos que podem ser usados erroneamente no fim desta seção.) Ao longo do texto, o uso de posições denominadas (nomes próprios de pessoas que descreveram primeiro uma posição específica ou procedimento) é referido como um método, como métodos de Towne, Waters e Caldwell. Tanto o ARRT quanto a CAMRT concordam com o uso do nome de um método entre parênteses após o termo de incidência ou de posição. Fig. 1.32 Radiografia de tórax. Termos Gerais Radiografia Uma radiografia é um filme ou outro material de base que possui uma imagem processada de uma determinada região anatômica do paciente (produzida pela ação dos raios X no filme). Radiografar: É a produção de radiografias e/ou outras formas de imagens radiográficas.Radiografia VS. filme de raios X: Na prática, os termos radiografia e filme de raios X (ou apenas filme) são freqüentemente usados sem distinção entre si. O filme de raios X refere-se especificamente à parte física do material onde a imagem radiográfica será exposta. O termo radiografia inclui o filme e a imagem.Imagens radiográficas: As imagens radiográficas podem ser obtidas, vistas e armazenadas como cópias físicas (radiografias) ou como imagens digitais, que podem ser manipuladas, vistas e armazenadas digitalmente. Fig. 1.3 Exame radiográfico.Exame ou procedimento radiográfico Um técnico/radiologista é mostrado posicionando o paciente para um exame de rotina de tórax 1-Posicionamento da parte do corpo e alinhamento do raio central (RC) 2. Seleção de medidas de proteção contra a radiação 3-Seleção dos fatores de exposição (técnica radiográfica) no painel de controle 4-Instrução do paciente para respirar e, em seguida, início da exposição 5-Revelação do filme Posição anatômica Em posição vertical, braços aduzidos (para baixo), palmas para a frente, cabeça e pés virados exatamente para a frente. Essa posição corporal específica é usada como referência para outros termos de posicionamento (Fig. 1.34). Observação: Quando se referir a uma parte específica do corpo em relação a outras partes, o técnico/radiologista sempre precisa pensar na pessoa em posição ortostática e anatômica, mesmo quando for descrever as partes de um paciente que está deitado; caso contrário, pode ocorrer confusão ao realizar a descrição.Exame das radiografias: Uma regra geral para se estudar uma radiografia é exibi-Ia de forma que o paciente fique de frente para o observador, com o paciente em posição anatômica. Isso será mais bem descrito adiante neste capítulo. Fig. 1.34 Posição anatômica

15- PRINCIPIOS, TERMINOLOGIA E PROTEÇÃO CONTRA RADIAÇÃO Planos Corpóreos, Cortes e Linhas Os termos de posicionamento que descrevem os ângulos do raio central (RC) ou as relações entre as partes do corpo são freqüentemente relacionados aos planos imaginários que passam através do corpo em posição anatômica. O estudo de uma TC (tomografia computadorizada) e de uma RM (ressonância magnética) enfatiza a anatomia seccional, que também envolve os planos primários e os cortes descritos a seguIar. PLANO: SUPERFíCIE EM LINHA RETA QUE -- UNE DOIS PONTOS Quatro planos comuns são usados em radiologia: Plano sagitalUm plano sagital é qualquer plano longitudinal que divide o corpo em uma parte direita e uma parte esquerda. O plano mediossagital, por vezes chamado também de plano mediano, é um plano sagital que passa pela linha média dividindo o corpo em duas partes iguais, uma direita e uma esquerda.Ela passa aproximadamente através da sutura sagital do crânio. Qualquer piano paralelo ao plano mediano ou mediossagital é chamado de piano sagital. Plano caronal Um plano coronal é qualquer plano longitudinal que divida o corpo em partes anterior e posterior.O plano mediocoronal divide o corpo em partes anteriores e posteriores iguais. É denominado plano coronal porque passa aproximadamente através da sutura coronal do crânio. Qualquer plano paralelo ao plano mediocoronal ou frontal é denominado plano coronal. Plano horizontal (axial) Um plano horizontal (axial) é qualquer plano transverso que passa através do corpo em ângulo reto ao plano longitudinal, dividindo o corpo em porções superior e inferior. Plano oblíquo Um plano oblíquo é um plano longitudinal ou transverso que está angulado ou inclinado e não paralelo aos planos sagital, coronal ou horizontal. CORTE: UMA SUPERFíCIE DE "CORTE" OU "FATIA" Cortes longitudinais - sagital, coronal e oblíquo Esses cortes são feitos longitudinalmente na direção do eixo longitudinal do corpo ou de qualquer uma de suas partes, independentemente da posição do corpo (em pé ou deitado).Os cortes longitudinais podem ser feitos nos planos sagital, coronal ou oblíquo. Cortes transversais ou axiais Os cortes são feitos em ângulo reto ao longo de qualquer ponto do eixo longitudinal do corpo ou de qualquer uma de suas partes. Imagens sagital, coronal e axial: As imagens por TC e de RM são obtidas nessas três incidências ou orientações comuns. (Cortes de RM são mostrados da Fig. 1.37 até a Fig. 1.39.)

16- PRINCIPIOS, TERMINOLOGIA E PROTEÇÃO CONTRA RADIAÇÃO

PLANOS DO CRÂNIO Plano da base do crânio Esse plano transverso preciso é formado pela conexão de linhas das margens infra-orbitárias (limite inferior das órbitas ósseas) às margens superiores do meato acústico externo (MAE, a abertura externa do ouvido). Algumas vezes, também é chamado de plano antropológico ou plano horizontal de Frankfort, como usado em ortodontia e em topografia craniana para medir e localizar pontos cranianos específicos ou estruturas.

Plano de ocusão Esse plano horizontal é formado pelas superfícies de mordedura dos dentes superiores e inferiores com a mandíbula fechada (usado como um piano de referência da cabeça nas radiografias dentais e de crânio). Superfícies e Partes do Corpo TERMOS PARA AS PORÇÕES POSTERIOR E ANTERIOR DO CORPO

Posterior ou dorsal Refere-se à metade dorsal do paciente, ou aquela parte do corpo observada quando vemos uma pessoa de costas; inclui as plantas dos pés e o dorso das mãos na posição anatômica

Anterior ou ventral Refere-se à metade frontal do paciente, ou aquela parte do corpo observada quando vemos uma pessoa de frente; inclui o dorso dos pés e as palmas das mãos na posição anatômica

TERMOS PARA SUPERFíCIES DAS MÃOS E DOS PÉS Três termos são usados em radiologia para descrever superfícies específicas dos membros superiores e inferiores como descritos a seguir:

Plantar Refere-se à região plantar ou à superfície posterior do pé

Dorso Pé: Refere-se à parte de cima ou à superfície anterior do pé Mão: Refere-se à parte de trás ou à parte posterior da mão.Observação: Os termos dorso ou dorsal em geral referem-se à parte posterior ou vertebral do corpo. Entretanto, quando usado em relação aos pés, o dorso refere-se especificamente à superfície superior, ou aspecto anterior, do pé em oposição à sola, mas, para a mão, à parte de trás ou posterior é a superfície oposta à palma.

Palmar (volar) Refere-se à palma da mão; na posição anatômica, é o mesmo que superfície anterior ou ventral da mão. Fig. 1.42 Superfícies dorsal e palmar da mão.

17- PRINCIPIOS, TERMINOLOGIA E PROTEÇÃO CONTRA RADIAÇÃO

Incidências Radiográficas Incidência é um termo de posicionamento que descreve a direção ou trajetória do RC da fonte de raios X quando estes atravessam o paciente, projetando uma imagem no filme.

TERMOS COMUNS DE INCIDÊNCIA Incidência póstero-anterior (PA) É a incidência do RC de trás para a frente. A combinação desses dois termos, posterior e anterior, em uma única palavra é abreviada como PA. O RC penetra na superfície posterior e sai na superfície anterior (incidência em PA). Obtém-se uma PA verdadeira quando não há rotação intencional precisando o RC estar perpendicular ao plano coronal do corpo e paralelo ao plano sagital, a menos que algum termo que qualifique como oblíqua ou em rotação seja usado para indicar em contrário Incidência ântero-posterior (AP) É uma incidência do RC de frente para trás, o oposto de PA. A combinação desses dois termos, anterior e posterior, em uma única palavra descreve a direção do RC, que penetra na superfície anterior e sai pela superfície posterior (incidência em AP) Obtém-se uma AP verdadeira quando não há rotação intencional, a menos que algum termo que qualifique seja também usado indicando que seja uma incidência oblíqua

Incidências oblíquas AP ou PA É uma incidência em AP ou em PA dos membros superiores ou inferiores que seja oblíqua ou rodada, não sendo uma AP ou PA verdadeira. Por esse motivo, é preciso haver um adjetivo indicando para que lado está rodada, como rotação medial ou lateral (de AP ou PA, conforme a posição anatômica) (Figs. 1.45 e 1.46).

Incidências médio-lateral e látero-medial Uma incidência lateral descrita segundo a trajetória do RC Dois exemplos são as incidências médio-lateral do tornozelo (Fig. 1.47) e látero-medial do punho (Figo 1.48). A determinação do lado medial ou lateral é novamente baseada na posição anatômica do paciente.

18- PRINCIPIOS, TERMINOLOGIA E PROTEÇÃO CONTRA RADIAÇÃO

Posições do Corpo Em radiologia, o termo posição é usado de duas formas, a primeira como uma posição geral do corpo, como descrito a seguir, e a segunda como uma posição específica do corpo (p. 19). POSiÇÕES GERAIS DO CORPO As oito posições gerais do corpo mais comumente usadas em radiologia são: Decúbito dorsal Deitado de costas, com a face anterior do corpo para cima Decúbito ventral Deitado de frente, com a face anterior do corpo para baixo (a cabeça pode estar virada para um lado) Ereta Na posição vertical, em pé ou sentado com o tronco ereto

Decúbito (reclinado) Deitado em qualquer posição (decúbito) . Decúbito Dorsal: Deitado sobre o dorso . Decúbito Ventral: Deitado sobre o abdome . Decúbito Lateral: Deitado de lado (lateral esquerda ou direita)

Trendelenburg* Uma posição de decúbito na qual a cabeça fica em um nível mais baixo do que os pés Posição de Sim (posição de semidecúbito ventral) É uma posição de decúbito oblíquo em que o paciente se deita sobre o lado anterior esquerdo com a perna esquerda esticada e o joelho direito parcialmente fletido A posição de Sim modificada é usada para a inserção de um tubo retaI para enema baritado (ver Cap. 15). Posição de Fowlert É uma posição de decúbito em que o corpo é inclinado de forma que a cabeça esteja em um nível superior ao dos pés

Posição de litotomia É uma posição de decúbito dorsalna qual os joelhos e o quadril ficam fletidos e a coxa abduzida e rodada externamente, apoiada pelo suporte para os tornozelos

19- PRINCIPIOS, TERMINOLOGIA E PROTEÇÃO CONTRA RADIAÇÃO

POSiÇÕES ESPECíFICAS DO CORPO Além das posições gerais do corpo, a segunda parte do assunto posição é usada em radiologia em referência a algumas posições específicas do corpo descritas pela parte do corpo restrita ao filme (oblíquas e laterais) ou pela superfície onde o paciente está deitado (decúbito).

Posição lateral Refere-se ao lado, ou à visão lateral São as posições laterais específicas como a parte restrita ao filme, ou à parte do corpo onde o RC incide (Figs. 1.5 e 1.56). Uma posição lateral verdadeira estará sempre a 90° ou perpendicular ou em ângulo reto à verdadeira incidência AP ou PA. Se não for uma lateral verdadeira, será uma posição oblíqua.

Posição oblíqua É uma posição angulada em que nem o plano sagital nem o plano coronaldo corpo são perpendiculares ou em ângulo reto com o filme As posições oblíquas do tórax, abdome ou pelve são descritas pela parte restrita ao filme, ou à parte do corpo onde o RC incide.

Posições oblíquas posteriores esquerda e direita (OPE e OPD) Descreve uma posição oblíqua específica em que o aspecto Posterior esquerdo ou direito do corpo é restrito ao filme (Figs. 1.57 e 1.58) O feixe de raios X sai na face direita ou esquerda do corpo Observação: Essas também poderiam ser denominadas incidências oblíquas AP porque o RC penetra na superfície anterior e sai posteriormente. Isso, entretanto, não é uma descrição completa e também exige uma discriminação específica da posição, como posição OPO ou OrE. Por esse motivo, ao longo do livro, as oblíquas serão referidas como posições e não como incidências.Todavia, as oblíquas de membros inferiores e superiores são corretamente descritas como oblíquas AP ou PA, mas precisam de uma descrição adicional como rotação medial ou lateral (Figs. 1.45 e 1.46).

Posições oblíquas anteriores direita e esquerda (OAD e OAE) Referem-se àquelas posições oblíquas em que o aspecto anterior direito ou esquerdo do corpo é restrito ao filme e pode ser na posição ereta ou nas posições gerais de decúbito (Figs. 1.59 e 1.60). Observação: Essas também podem ser descritas como incidências oblíquas em PA se uma especificação da posição for adicionada, como posição em OAD ou OAE. Não é correto o uso desses termos oblíquos ou abreviações OrE, oro, OAD ou OAE sozinhos como incidências porque eles não descrevem a direção ou caminho do RC-.

20- PRINCIPIOS, TERMINOLOGIA E PROTEÇÃO CONTRA RADIAÇÃO

Posição de decúbito A palavra decúbito significa literalmente "deitado", ou a posição presumida como estando deitado. Essa posição do corpo, que significa aparado em uma superfície horizontal, é designada segundo a superfície onde o corpo se encontra deitado. Isso portanto refere-se ao paciente deitado em uma das seguintes superfícies do corpo: costas (dorsal), frente (ventral) ou lado (lateral esquerda ou direita). No posicionamento radiográfico, o decúbito é sempre usado com uma fonte horizontal de raios X. As posições em decúbito são fundamentais para a detecção de níveis hidroaéreos ou ar livre nas cavidades do corpo, como tórax ou abdome, onde o ar se mobiliza para a porção superior da cavidade.

Posição de decúbito lateral direito ou esquerdo (incidência AP ou PA) Nessa posição, o paciente deita-se de lado e a fonte de raios X é posicionada horizontalmente de anterior para posterior (AP) (Fig. 1.61) ou de posterior para anterior (PA) (Fig. 1.62) A posição AP ou PA entre parênteses é importante como especificação do termo para denotar a direção do RC. Essa posição serve tanto para o decúbito lateral esquerdo (Fig. 1.61) como para o decúbito lateral direito (Fig. 1.62). Isso é designado de acordo com o lado dependente (o lado na posição inferior). Observação: Isso é semelhante à posição de decúbito lateral, exceto pela fonte emissora de raios X, que é direcionada horizontalmente, tornando-a uma posição de decúbito lateral (incidência AP ou PA).

Posição de decúbito dorsal (lateral esquerda ou direita) Nessa posição, o paciente está deitado de costas sobre uma superfície com o feixe de raios X direcionado horizontalmente, saindo do corpo do lado mais próximo do filme (Fig. 1.63). A posição é denominada de acordo com a superfície sobre a qual o paciente está deitado (dorsal ou ventral) e pelo lado mais próximo do filme (direito ou esquerdo). Observação: É semelhante à posição de decúbito dorsal, exceto pelo fato de que o feixe de raios X está direcionado horizontalmente e sai pelo lado do corpo, indicando que essa é uma posição lateral de decúbito dorsal.

Posição de decúbito ventral (lateral direito ou esquerdo) Nessa posição, o paciente está deitado na superfície ventral (anterior), com os raios X direcionados horizontalmente, saindo do lado mais próximo ao filme (Fig. 1.64). A posição é designada de acordo com a superfície na qual o paciente está deitado (ventral ou dorsal) e com o lado mais próximo ao filme (direito ou esquerdo).

21- PRINCIPIOS, TERMINOLOGIA E PROTEÇÃO CONTRA RADIAÇÃO

Termos de Incidência Adicionais de Uso Especial A seguir veremos alguns termos adicionais comumente usados para descrever incidências. Esses termos, como mostram suas definições, também se referem à trajetória ou incidência do RC e são portanto incidências, em vez de posições.

Incidência axial O termo axial refere-se ao eixo longo de uma estrutura ou parte (em torno da qual o corpo gira ou é disposto). O termo súpero-inferior ou cefalocaudal descreve uma posição axial verdadeira em que o RC é direcionado ao longo do eixo axial ou à linha central do corpo humano da cabeça (superior ou cefálica) aos pés (inferior ou caudal) (Fig. 1.65). Aplicação especial - Axial AP ou PA: No posicionamento radiográfico, o termo axial é usado para descrever qualquer ângulo do RC maior que 10 graus ao longo do eixo longitudinal do corpo.* Devese notar, entretanto, que em um sentido real uma incidência axial deve ser direcionada ao longo ou paralela ao eixo longitudinal do corpo ou da parte. O termo semi-axial descreve mais precisamente qualquer ângulo ao longo do eixo que não seja verdadeiramente ao longo ou paralelo do eixo longitudinal. Entretanto, em nome de outras referências, o termo incidência axial será usado ao longo do texto para descrever tanto a incidência axial como a semi-axial como definido acima e ilustrado nas Figs. 1.65 a 1.67.

Incidências axiais ínfero-superior e súpero-inferior As incidências infere-superiores são freqüentemente feitas para os ombros e o quadril, onde o RC penetra abaixo ou inferiormente e sai acima ou superiormente (Fig. 1.67). O contrário a isso é a incidência súpero-inferior, como na incidência especial para os ossos nasais (Fig. 1.65).

Incidência tangencial Significa tocando a curva ou a superfície em apenas um ponto Esse termo especial de incidência é usado para descrever a incidência que simplesmente toca uma parte do corpo para projetá-Ia em seu perfil e distante de outras estruturas do corpo: Exemplos: A seguir, temos três exemplos ou aplicações do termo incidência tangencial como definido acima: Incidência do arco zigomático (Fig. 1.68). Incidência para trauma de crânio a fim de demonstrar uma fratura depressiva (Fig. 1.69). Incidência especial da patela (Fig. 1.70).

Incidência axial AP - posição lordótica Esse é um tipo específico de incidência AP de tórax para Demonstrar os ápices pulmonares. É também comumente chamado de incidência ápico-Iordótica. Nesse caso, é o eixo longitudinal do corpo que está angulado, em vez do RC O termo lordótico vem de lordose, um termo que denota a curvatura das colunas cervical e lombar. (Ver Figs. 1.84 e 1.85.) Quando o paciente assume essa posição (Fig. 1.71), a curvatura lombar lordótica está exagerada, tornando esse termo descritivo para essa incidência especial de tórax.

2- PRINCIPIOS, TERMINOLOGIA E PROTEÇÃO CONTRA RADIAÇÃO

Incidência transtorácica lateral (posição lateral direita) É uma incidência lateral através do tórax Requer um termo específico de posicionamento (posição lateral direita ou esquerda) para se indicar qual o ombro. Observação: Essa é uma adaptação especial do termo incidência, significando que o RC passa através do tórax mesmo que não seja incluída a sua entrada nem seu local de saída. Na prática, é uma incidência lateral de ombro comum e é referida como lateral transtorácica de ombro direito ou esquerdo.

Incidências dorsoplantar e plantodorsal Esses são termos secundários para as incidências AP e PA do pé. Dorsoplantar (DP) descreve a via do RC da superfície dorsal (anterior) para a superfície plantar (posterior) do pé (Fig. 1.73). A incidência plantodorsal especial para o osso do calcanhar (calcâneo) é chamada de incidência plantodorsal axial (PD) porque o RC angulado penetra a superfície plantar do pé e sai pela superfície dorsal (Fig. 1.74). Observação: Lembre-se, o termo dorso para o pé refere-se à superfície anterior (Fig. 1.4 1).

Incidências parietoacantial e acantioparietal Para a incidência parietoacantial, o RC penetra pelo osso parietal do crânio e sai no acântio (junção entre o nariz e o lábio superior), (Fig. 1.75). O RC em direção oposta descreve a incidência acantioparietal (Fig. 1.76). Tais incidências para os ossos da face são também conhecidas como PA de Waters e PA de Waters reversa.

Incidências submentovértice (SMV) e vértice submentoniana (VSM) Essas incidências são para o crânio e para a mandíbula.Para a incidência submentovértice (SMV), o RC penetra abaixo do queixo ou mento e sai pelo vértice ou topo do crânio (Fig. 1.7).A incidência vértice submentoniana (VSM) é oposta à última e menos comum, entrando pelo topo do crânio e saindo abaixo da mandíbula (sem ilustração).

23- PRINCIPIOS, TERMINOLOGIA E PROTEÇÃO CONTRA RADIAÇÃO

Termos de Relação A seguir, foram emparelhados termos de posicionamento e/ou anatômicos descrevendo as relações das partes do corpo com seus significados opostos:

Medial versus lateral: Em direção versus distante do centro, ou do plano mediano. Na posição anatômica, o aspecto medial de qualquer parte do corpo é à parte "de dentro" mais próxima ao plano mediano e a parte lateral é a mais distante do plano mediano ou linha média do corpo. Exemplos: Na posição anatômica, o polegar está no aspecto lateral da mão. A parte lateral do abdome e do tórax é distante do plano mediano.

Proximal versus distal O proximal está próximo da origem ou do início, e distal está distante do mesmo. Em relação aos membros superiores e inferiores, proximal e distal devem significar as partes mais próximas ou distantes do tronco, da origem ou início do membro. Exemplos: O cotovelo é proximal ao punho. A articulação do dedo mais próxima à palma é chamada de articulação interfalangiana proximal (IFP), e a articulação próxima da parte final do dedo é chamada de articulação interfalangiana distal (lFD). (Ver Cap. 4.)

Cefálico versus caudal Cefálico significa em direção, enquanto caudal significa distante da cabeça. O ângulo cefálico é qualquer ângulo em direção à cabeça (Figs. 1.79 e 1.81). (Cerólico significa literalmente cabeça ou em direção à cabeça.) O ângulo caudado é qualquer ângulo em direção aos pés ou distante da cabeça (Fig. 1.80). (Caudal ou caudado deriva de cauda, que li teralmente significa "rabo".) Na anatomia humana, os termos cefálico e caudado também podem ser descritos como superior (em direção à cabeça) e inferior (em direção aos pés). Observação: Conforme mostrado nas ilustrações, esses termos são corretamente empregados para descrever a direção do RC para todas as incidências axiais ao longo de toda a extensão do corpo, não apenas incidências da cabeça.

(Parte 4 de 7)

Comentários