Conhecimentos - Pedagogicos

Conhecimentos - Pedagogicos

(Parte 1 de 11)

Concurso para Professor - Secretaria da Educação – PB Projeto PBConcursos Facilitadora: Sônia Ataíde

Gestão significa dar direção ao processo de organização e funcionamento da escola, comprometida com a formação do cidadão. Não qualquer formação, mas justamente aquela que forma indivíduos críticos e participativos da sociedade em que vivem e apresenta a orientação em âmbito mais geral de um processo: direção de mudanças a serem efetuadas.

O conceito de Gestão Escolar – relativamente recente - é de extrema importância, na medida em que desejamos uma escola que atenda às atuais exigências da vida social: formar cidadãos, oferecendo, ainda, a possibilidade de apreensão de competências e habilidades necessárias e facilitadoras da inserção social.

Para fim de melhor entendimento, costuma-se classificar a Gestão Escolar em 3 áreas, funcionando interligadas, de modo integrado ou sistêmico: • Gestão Pedagógica • Gestão de Recursos Humanos • Gestão Administrativa

Gestão Pedagógica É o lado mais importante e significativo da gestão escolar. Cuida de gerir o área educativa, propriamente dita, da escola e da educação escolar. Estabelece objetivos para o ensino, gerais e específicos. Define as linhas de atuação, em função dos objetivos e do perfil da comunidade e dos alunos. Propõe metas a serem atingidas.

Elabora os conteúdos curriculares. Acompanha e avalia o rendimento das propostas pedagógicas, dos objetivos e o cumprimento de metas. Avalia o desempenho dos alunos, do corpo docente e da equipe escolar como um todo. Suas especificidades estão enunciadas no Regimento Escolar e no Projeto Pedagógico (também denominado Proposta Pedagógica) da escola.

Parte do Plano Escolar (ou Plano Político Pedagógico de Gestão Escolar) também inclui elementos da gestão pedagógica: objetivos gerais e específicos, metas, plano de curso, plano de aula, avaliação e treinamento da equipe escolar. O Diretor é o grande articulador da Gestão Pedagógica e o primeiro responsável pelo seu sucesso. É auxiliado nessa tarefa pelo Coordenador Pedagógico (quando existe).

Gestão Administrativa Cuida da parte física (o prédio e os equipamentos materiais que a escola possui) e da parte institucional (a legislação escolar, direitos e deveres, atividades de secretaria). Suas especificidades estão enunciadas no Plano Escolar (também denominado Plano Político Pedagógico de Gestão Escolar, ou Projeto Pedagógico) e no Regimento Escolar.

Gestão de Recursos Humanos Não menos importante que a Gestão Pedagógica, a gestão de pessoal ( alunos, equipe escolar, comunidade) constitui a parte mais sensível de toda a gestão.

Sem dúvida, lidar com pessoas, mantê-las trabalhando satisfeitas, rendendo o máximo em suas atividades, contornar problemas e questões de relacionamento humano fazem da gestão de recursos humanos o fiel da balança - em termos de fracasso ou sucesso - de toda formulação educacional a que se pretenda dar consecução na escola.

Direitos, deveres, atribuições – de professores, corpo técnico, pessoal administrativo, alunos, pais e comunidades - estão previstos no Regimento Escolar. Quando o Regimento Escolar é elaborado de modo equilibrado, não tolhendo demais a autonomia das pessoas envolvidas com o trabalho escolar, nem deixando lacunas e vazios sujeitos a interpretações ambíguas, a gestão de recursos humanos se torna mais simples e mais justa.

A organização acima – gestões pedagógica, administrativa e de recursos humanos - correspondem a uma formulação teórica, explicativa, pois, na realidade escolar, as três não podem ser separadas mas, isto sim, devem atuar integradamente, de forma a garantir a organicidade do processo educativo.

PARA REFLEXÃO E DEBATE:;Recuperar a ética pedagógica dentro da Escola significa, ao mesmo tempo, construir o sonho de uma sociedade melhor, que supere o marco do individualismo.” Como isso poderá acontecer realmente?

serventes

Através de um trabalho coletivo, através da superação das hierarquias que existem entre diretor, professor,

Realmente, o diretor ficou como terminal de um sistema de dominação. Ele sofre fortes pressões e tem de implantar as coisas de qualquer jeito” Será que as pessoas isoladas tem força para transformar as coisas?

Vejo o homem como um ser de relações (...) e é a partir disso que todo o social se constrói. Ou seja, é na relação, porque na medida em que começamos a nos perceber isolados vamos nos sentindo realmente incapazes."

É a intencionalidade do que se quer fazer que define a direção da ação e as formas de organizar a execução. É a intencionalidade, que se expressa nos objetivos, que irá nortear aquilo que se apresenta como desejado e necessário. Somente a participação efetiva e coletiva do conjunto dos educadores de uma unidade escolar garante que a verdadeira aprendizagem se viabilize e se concretize.

Na verdade, um processo de gestão que construa coletivamente um projeto pedagógico de trabalho possui, em sua raiz, a potencialidade de transformação. É necessário que a atuação na escola seja realizada com competência para que a aprendizagem aconteça, para que as convicções se construam no diálogo e no respeito e as práticas se efetivem coletivamente no companheirismo e na solidariedade.

A constituição de um projeto educativo coletivo forma a identidade de cada escola e é o meio de implantar uma gestão inovadora da aprendizagem. Nessa perspectiva, cabe ao diretor da escola assumir a liderança do processo. Sua função é principalmente pedagógica e social, exigindo competência técnica, política e pedagógica. É ele quem deve fazer a articulação dos diferentes atores em torno do projeto político pedagógico da escola.

Portanto, o gestor deve necessariamente exercer sempre uma liderança, mas uma liderança democrática, que seja capaz de dividir o poder de decisão sobre os assuntos escolares com todos os protagonistas do processo ensino/aprendizagem, criando e estimulando a participação de todos.

Plano de Gestão Escolar Ou Projeto Político Pedagógico O que é?

O PLANO DE GESTÃO ESCOLAR (Projeto Político-Pedagógico de Gestão Escolar) é um instrumento de trabalho dinâmico e flexível que: - operacionaliza as medidas previstas de forma genérica no Regimento; - propõe ações para a execução da Proposta Pedagógica da escola em um determinado período letivo; - norteia o gerenciamento das ações escolares. No Plano de Gestão a escola apresenta sua proposta de trabalho, ressaltando seus principais problemas e os objetivos a alcançar. Relaciona as ações específicas que pretende desenvolver, com vistas a solucionar os problemas ou a fornecer os aspectos positivos que tem a favor. Explicita, também, como, por quem e quando as ações serão realizadas, bem como os critérios para acompanhamento, controle e avaliação do trabalho desenvolvido.

a serem atingidas e ações a serem desencadeadas. 5. planos dos cursos mantidos pela escolacomposição

O Plano de Gestão deve conter, no mínimo: 1. identificação e caracterização da unidade escolar, de sua clientela, seus recursos físicos, materiais e humanos. 2. caracterização da comunidade e sua disponibilidade de recursos. 3. objetivos da escola - gerais e específicos. 4. definição de metas (a curto, médio e longo prazo) dos diferentes núcleos de trabalho que compõem a escola: Direção, Coordenação, Docentes, Administração e Serviços de Apoio. 7. planos de trabalho dos diferente núcleos a organização técnico-administrativa da escola. 8. projetos curriculares e atividades de enriquecimento cultural. 9. projetos extra-curriculares. 10. critérios de acompanhamento, controle e avaliação do trabalho realizado pelos diferentes componentes do processo educativo.

O PLANO DE GESTÃO ESCOLAR (Plano Político-pedagógico de Gestão Escolar) é um instrumento de trabalho dinâmico e flexível que:

- operacionaliza as medidas previstas de forma genérica no Regimento;

- propõe ações para a execução da Proposta Pedagógica da escola em um determinado período letivo;

- norteia o gerenciamento das ações escolares.

No Plano de Gestão a escola apresenta sua proposta de trabalho, ressaltando seus principais problemas e os objetivos a alcançar.

Relaciona as ações específicas que pretende desenvolver, com vistas a solucionar os problemas ou a fornecer os aspectos positivos que tem a favor.

Explicita, também, como, por quem e quando as ações serão realizadas, bem como os critérios para acompanhamento, controle e avaliação do trabalho desenvolvido.

O Plano de Gestão deve conter, no mínimo: 1. identificação e caracterização da unidade escolar, de sua clientela, seus recursos físicos, materiais e humanos. 2. caracterização da comunidade e sua disponibilidade de recursos. 3. objetivos da escola - gerais e específicos. 4. definição de metas (a curto, médio e longo prazo) a serem atingidas e ações a serem desencadeadas. 5. planos dos cursos mantidos pela escola. 6. composição dos diferentes núcleos de trabalho que compõem a escola: Direção, Coordenação, Docentes, Administração e Serviços de Apoio. 7. planos de trabalho dos diferente núcleos a organização técnico-administrativa da escola. 8. projetos curriculares e atividades de enriquecimento cultural. 9. projetos extra-curriculares. 10. critérios de acompanhamento, controle e avaliação do trabalho realizado pelos diferentes componentes do processo educativo.

Projeto Político Pedagógico indica o rumo que a escola deve percorre, correspondendo às tomadas de decisões educacionais pelos agentes escolares que o concebem, planejando, executando e avaliando sempre, tendo por base a organização do trabalho escolar de forma integral. É, portanto, um instrumento teórico – metodológico que a escola elabora de forma coletiva com a participação da comunidade escolar, em busca de um caminho que remeterá à realização da melhor maneira possível da função educativa.

Quando a escola é capaz de construir, implementar e avaliar a sua Proposta Pedagógica, coletivamente, ela propício uma educação de qualidade, exercendo a sua autonomia pedagógica, conforme o art. 14 da Lei 9394/96 que preceitua sobre a questão democrática do sistema de ensino público.

O Trabalho participativo descentralizado as decisões e leva à consciência critica, criando e desenvolvendo instâncias coletivas como, os Conselhos Escolares.

Pedagógica: diz respeito ao trabalho da escola co,o um todo: Atividades desenvolvidas dentro e fora da sala de aula;

Forma de Gestão;

Abordagem curricular;

Relação escola/comunidade.

Administrativo: refere-se aos aspectos gerais de organização da escola;

Gerenciamento do quadro de pessoal, do patrimônio físico, da merenda e outros pontos da vida escolar.

Financeiro: relacionamento às questões de captação e aplicação de recursos financeiros, repercutindo sempre em relação ao desempenho pedagógico do aluno.

Jurídica: trata da legalidade das ações e a relação da escola com outros esferas do sistema de ensino e com outras instituições do meio em que está inserida.

A primeira providencia a ser tomada, antes de iniciar o processo de mobilização para (re)construção da Proposta Pedagógica, é levantar os dados de identificação da escola que permitam, a sua caracterização legal(processo de criação/ transformação), histórica (data e motivos do surgimento) ou administrativa (vinculo com o sistema de ensino). Para isso, a equipe gestora poderá desenvolver alguns procedimento tais como:

Pesquisar nos arquivos da secretaria escolar dados de natureza legal, administrativa, cientifica e cultural;

Coletar nas Gerências Regionais de Educação – GREs ou na Secretaria Estadual de Educação informações relacionadas à presença da escola estado;

Verificar se o surgimento da escola está ligado às necessidade e às organizações dos segmentos comunitário que a ela quiserem ter acesso entrevistando os moradores mais antigos;

Buscar informações com os primeiros professores, alunos agressos e/ou outros profissionais que trabalharam na escola.

Identificação da Escola: nome, endereço completo, distrito, região, tipo da escola, localização/zona, esfera administrativa a que pertence, propriedade do prédio, situação institucional (mantenedor, atos de autorização de reconhecimento, CNPJ, etc) e a reconstituição da história da escola: como nasceu a idéia de sua instalação, quando foi criada e quando começaram suas atividades, as sofreu alteração ao longo dos anos, com acréscimos de séries ou grau, por que razões, etc.

Diagnóstico da situação da Escola: revela os aspectos interno e externo à realidade da escola, destacando aspectos positivos e aqueles que requerem mudanças no contexto escolar.

Estrutura Física: discriminação minuciosa da estrutura física da escola contendo o tipo e quantidade de dependências, suas dimensões, estado de conservação e adequação das instalações escolares. Além desses dados, são incluídas as informações sobre: terreno, área que a escola ocupa, salas de aulas, espaços para áreas esportivas, áreas livres, hortas comunitária, situação da construção, do acabamento do forro, do piso, do cercamento, salas da diretoria, da secretaria, bibliotecas, salas-ambiente, salas de vídeo, horta escolar, área de lazer, salas de professores, laboratórios, depósitos, cozinha, sanitário para alunos e professores, com suas respectivas demissões e estado de conservação. Podem ser incluídos, também neste item, os tipos de serviços disponíveis na escola tais como: água, rede de esgoto ou de tratamento de água, linha telefônicas, energia elétrica, etc. quando estes dados são colocados em quadros, a visibilidade e, conseqüentemente, análise mais fáceis.

(Parte 1 de 11)

Comentários